Queiroz terá recurso julgado pelos desembargadores que beneficiaram Flávio Bolsonaro

Daniel Carvalho e Fabrício Queiroz celebrando a passagem do ano

Fabirício Queiroz achava que jamais seria encontrado pela PF

Paulo Roberto Netto
Estadão

A defesa do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz apresentou novo habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça do Rio para que ele seja posto em liberdade. O recurso foi movido pelo advogado Paulo Emílio Catta Preta na semana passada e ainda aguarda apreciação da 3ª Câmara Criminal – a mesma responsável por dar foro privilegiado a Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no final de junho.

Queiroz está preso desde 18 de junho no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio. Ele foi detido em Atibaia, no interior de São Paulo, na casa do ex-advogado de Flávio, Frederick Wassef, e levado à capital fluminense para cumprir preventiva por obstrução no caso das ‘rachadinhas’.

PRISÃO DOMICILIAR – A ordem de prisão partiu do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio, que posteriormente perdeu a condução do caso, que passou ao Orgão Especial do Tribunal de Justiça.

Após a prisão, a defesa de Queiroz solicitou a substituição da prisão preventiva pelo regime domiciliar alegando motivos de saúde: Queiroz se recupera de um câncer. O advogado Paulo Emílio Catta Preta também questionava as justificativas do Ministério Público fluminense, afirmando que se tratava de ilações que ignoravam a contemporaneidade dos fatos.

O recurso foi distribuído à desembargadora Suimei Meira Cavalieri, que negou o pedido liminarmente. A magistrada foi vencida no julgamento que concedeu, por dois votos a um, a prerrogativa do foro privilegiado a Flávio Bolsonaro – tirando o caso Queiroz da primeira instância.

NA TERCEIRA VIA – Se o novo recurso de Queiroz tiver o mesmo destino do primeiro, o ex-assessor ainda pode ser solto em breve por uma terceira via. Isso porque, com a passagem do inquérito das rachadinhas para segunda instância, a validade das diligências determinadas até aqui, incluindo a prisão do policial da reserva, vai ser julgada pelo Tribunal de Justiça do Rio.

Caso os desembargadores entendam que o juiz de primeira instância não tinha legitimidade para determinar a preventiva, a medida poderá ser anulada.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É uma chatice. Recurso para cá, recurso para lá, o julgamento não acaba nunca e a impunidade está sempre garantida. Até quando? A moralização da Justiça depende do Congresso. Justamente por isso, nada se pode esperar…  (C.N.)

3 thoughts on “Queiroz terá recurso julgado pelos desembargadores que beneficiaram Flávio Bolsonaro

  1. Até quando?!!!
    Até termos ‘massa crítica’ consciente do Mal que a corrupção causa a sociedade.
    Veja a aglomeração nos meios de transporte em plena pandemia; algum corrupto comprado pelos donos de frotas e etc terá a coragem de obrigar a botar mais ônibus para evitar aglomeração?!!!
    Eles “compraram” e botaram na assembleia; representantes que garantiriam seus lucros e isso acontecerá, morra quem tiver que morrer e fica por isso mesmo.

  2. Até quando ?

    Para sempre, pois a capital (cabeça) do país , Brasília, foi construída para isso, para garantir a impunidade dos ladrões do dinheiro do povo.

    O terreno onde foi construída Brasília era habitado por ratos, um ninho de ratos. Nada mudou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *