Quem diria, partidos ditos de esquerda votam contra o trabalhador

Foi um dia de retrocesso nos direitos trabalhistas do Brasil

José Carlos Werneck

Há tempos que eu não assistia a uma sessão tão deprimente, na Câmara dos Deputados como a da última quinta-feira, em que foi apreciado o texto-base da MP 665, um pacote de maldades contra a classe trabalhadora brasileira e que retira direitos adquiridos, endurecendo as regras estabelecidas do seguro-desemprego e do abono salarial. Um verdadeiro retrocesso em nossa legislação trabalhista e nos avanços conquistados pelos assalariados, através dos tempos.

Os 252 deputados que votaram a favor da MP deixaram claro seu menosprezo a todos os que trabalham duro para construir o País e recebem muito pouco em troca.

O que mais me impressionou foi o comportamento dos deputados do PT,que com uma única e honrosa exceção,a do deputado Welinton Prado, de Minas Gerais,votaram todos contra os trabalhadores.

O PDT honrou os ideais de seus inspiradores Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, que sempre pugnaram pelos diretos trabalhistas e votaram, todos, contra a proposta.

O mesmo ocorreu com o PSDB, PHS , PPS, PSOL e o PRTB, com o seu único representante,o deputado Cícero Almeida de Alagoas.

Surpreendente mesmo foi o comportamento de alguns representantes do PC do B, como Alice Portugal, Orlando Silva e Jandira Feghali, que sempre aparecem nos meios de comunicação como defensores ferrenhos dos menos favorecidos, terem votado contra aqueles que dizem defender.

É FÁCIL TIRAR DIREITOS

O trabalhador brasileiro, que tem tantos deveres, viu-se ontem, com a atitude dos deputados que votaram favoravelmente à MP 655, privado de alguns direitos duramente conquistados.

Realmente é muito fácil tirar direitos de quem não conta com defensores poderosos e endinheirados.

A votação de ontem demonstrou claramente que é muito mais rápido e cômodo tirar direitos dos assalariados do que rever privilégios dos banqueiros e outras categorias que se enriquecem escandalosamente a custa dos mais humildes.

Agora vamos aguardar como vão votar os ilustríssimos Srs.Senadores.

Quem quiser se dar ao trabalho de verificar como votou cada deputado,pode acessar o site abaixo e tirar suas possíveis dúvidas.

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/05/saiba-como-se-posicionou-cada-deputado-na-votacao-de-mp-do-ajuste.html

15 thoughts on “Quem diria, partidos ditos de esquerda votam contra o trabalhador

  1. Nos anos 1990, o grande teatrólogo de esquerda Augusto Boal, que se tornou vereador do PT-RJ, já afirmava, naquela época, que não havia mais esquerda… imaginem hoje … claro que por motivos eleitorais um ou outro continuará dizendo que é de esquerda ou coisa parecida… apenas marketing …

  2. Este é um governo do Partido dos Trabalhadores que destroi o Trabalhador, seja pela sua “Ignorancia” e “Incompetencia” Administrativa ou seja para solucionar seus erros.

    Ainda este ano veremos dona Dilma e seu Lula lançarem o “Bolsa Crematório” para os trabalhadores e aposentados.

    Palavras do Lula:

    “Acho que empresário corrupto tem que ter medo do PT, pessoas que degradam o meio ambiente têm que ter medo do PT, pessoas que praticam corrupção têm que ter medo do PT, aqueles que querem manter relações com o Estado entrando pela porta dos fundos têm que ter medo do PT…”
    (Candidato Lula, Caros Amigos, 2001)

    “No meu palanque, corrupto não sobe, no meu governo, corrupto não entra”
    Candidato Lula em 2002

    “Pega todos os jornalistas da Veja e da Época e enfia um dentro do outro e não dá 10% da minha honestidade.”
    Lula, reagindo à matéria de Época sobre suas relações com a Odebrecht, em comício do 1º de Maio.

    Palavras da Dilma:
    “Joaquim Levy só faz aquilo com que eu concordo.”
    Dilma Rousseff, avisando que o ministro da Fazenda não tem nenhuma autonomia e que ela continua no comando da economia.

    “Errar é humano, pode até se confundir, mas não pode mentir. Um presidente não pode mentir. Isso é desvio de caráter”
    Dilma Rousseff, presidenta
    Fonte: Folha de São Paulo
    30/10/2014

  3. Está equivocado José Carlos Werneck em classificar PT e PC do B como esquerda. Venho falando à exaustão que estes partidos estão fazendo um governo de direita. São oportunistas, ladrões e nada tem a ver com o povo e com a esquerda.

  4. A muito, tenho dito que o PT é a pior direita, aquela que
    faz o discurso da esquerda, mas pratica a política da direita
    corrupta. O PC do B, de comunista é só a sigla, hoje é um dos representantes da direita.

  5. Realmente meu caro o psdb sempre defendeu os trabalhadores é só lembrar do fator previdênciario,arrojo salarial dos servidores no seu governo isso é que realmente é defender os trabalhadores.

  6. Para Deusdedith Leite

    Com a aproximação da campanha eleitoral, é importante ficar atento às comparações entre o PT e o PSDB. Convido o leitor a conferir 12 importantes variáveis sobre o desempenho dos dois partidos.

    Quanto ao crescimento do PIB, o país, nos quatro anos de governo Dilma, crescerá apenas 1,8% ao ano, patamar inferior ao do governo FHC. Só o governo Collor foi pior que Dilma. Já em relação à inflação, em 1998 (durante o mandato FHC) foi de apenas 1,6%, a menor da história do Brasil. A inflação de Dilma está acima de 6%, extrapolando a meta de 4,5%. Se compararmos a taxa Selic, nos dois últimos anos de FHC ela foi de 17,5% em média, enquanto nos dois primeiros anos de Lula foi de 19,3% em média, ou seja, foi maior.

    E temos a dívida pública. Em valor absoluto, a dívida bruta total, que FHC entregou em R$ 750 bilhões, hoje ultrapassa R$ 2,2 trilhões – nos 11 anos e meio do governo petista a dívida interna bruta aumentou em R$ 1,45 trilhão, ou seja, 193% maior que FHC. Enquanto isso, com FHC, o superávit primário médio foi de 3,3% do PIB. Hoje em dia, é de apenas 1,3%. Em maio houve déficit de R$ 10,5 bilhões, um recorde negativo.

    E os investimentos em infraestrutura? No primeiro mandato de FHC, foram de 2,6% do PIB. Nos três anos e meio de Dilma, ficaram abaixo de 1% do PIB. Há ainda o pagamento de juros do governo federal. No governo FHC foram pagos R$ 600 bilhões em juros. No de Lula, mais que dobro disso (R$ 1,289 trilhão); e, nos três anos e meio de Dilma, já foram pagos quase R$ 800 bilhões em juros. Isto significa que o governo petista, nos seus 11 anos e meio, já torrou mais de R$ 2 trilhões em juros, ou cerca de 250% a mais que FHC.

    O governo petista aumentou a carga tributária em 4 pontos porcentuais do PIB, o que corresponde a cerca de R$ 200 bilhões a mais por ano. Assim, os brasileiros tiveram de pagar a mais cerca de R$ 2,25 trilhões em tributos. E o pior é que, mesmo assim, o descontrole das contas públicas é total.

    Na era do PT, nenhuma obra termina no prazo e com o orçamento previsto. Há o caso da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que de um valor inicial de US$ 2,5 bilhões já consumiu US$ 18 bilhões e deve ultrapassar seguramente os US$ 20 bilhões. Na transposição do Rio São Francisco, Lula e Dilma já torraram o dobro e nem metade da obra está pronta. Há centenas de outras obras na mesma situação.

    De 1999 a 2002 (governo FHC), os gastos do governo federal com a educação foram de 0,8% do PIB. Com Lula (2003-2006), o porcentual foi menor, de 0,75% do PIB. Em 1995, a União era responsável por 23,8% dos investimentos na área. Atualmente está abaixo de 20%, porque aumentou a participação dos municípios. E, em relação ao investimento na saúde, de 1999 a 2002 os gastos foram de 1,7% do PIB. Com Lula, no primeiro mandato o porcentual foi levemente menor (1,697% do PIB), e atualmente não passa de 1,6% do PIB.

    E, para finalizar, no caso da atual baixa taxa de desemprego (algo próximo a 5%) há uma enorme distorção, porque ela não capta os cerca de 15 milhões de pessoas que estão permanentemente se revezando na política de salário-desemprego, que vai custar, em 2014, algo como R$ 30 bilhões. Esta política virou uma indústria para não se trabalhar.

    Judas Tadeu Grassi Mendes, Ph.D. em Economia, é fundador e diretor-presidente da Estação Business School.

  7. Como o PSDB de FHC, arrochou os trabalhadores, há quem pense que
    o PT do Lula também tem o mesmo direito. FHC, foi um governo ruim,
    mas é passado, não há como corrigir, o importante é saber se o governo
    presente é bom ou ruim. Não é argumento, acusar o governo anterior de ruim, que de fato foi, em defesa do atual pior ainda. Vive-se o Presente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *