Quem manda no país são os banqueiros. Até quando vamos tolerar isso?

Francisco Bendl

A verdade é que, em quaisquer circunstâncias, quem perde é o povo, o trabalhador. Se em período de inflação o salário é corroído; se em período de estagflação fica desempregado; se em período de estabilidade financeira seus salários não fazem frente às despesas; se em explosão econômica os juros e a alta carga tributária lhe limitam os ganhos. Ou seja, morto por ter cão, morto por não tê-lo.

Na condição de extrema fragilidade perante o poder monetário, o povo será usado despudoradamente para manter o sistema sólido, cada vez mais lucrativo, espoliativo, explorador.

A pergunta que não encontra resposta é uma só: Por que os governos permitem que os banqueiros continuem a nos escravizar?

Ora, se países são invadidos e guerras são fomentadas para dinamizar a indústria bélica; revoluções são feitas em nome de religiões e etnias; conflitos são enaltecidos para que interesses políticos sejam preservados, por que cargas d’água não se encontram modos de frear a ganância dos bancos que tantos males provocam aos cidadãos desse mundo?! Que tamanha proteção de exércitos possuem, pois são inatingíveis até mesmo em crise onde todos perdem, menos eles, claro?!

CONFISCO

Aqui, no Brasil, um presidente psicopata, delirante, imaginou que tirar o dinheiro do trabalhador seria a solução para resolver a inflação, lembram?
Da noite para o dia, o povo ficou sem sua poupança e seu o dinheiro da conta corrente, confiscados por um idiota, tresloucado, pretensioso, arrogante e imbecil, o tal Collor (caras e bocas) de Mello.

Resultado: de nada adiantou a sua violência contra o cidadão, mas os bancos lucraram cada vez mais! Até que, nos governos do PT (dos Trabalhadores, conforme se intitula o partido) nestes mais de 13 anos de poder nunca antes os bancos lucraram tanto na história!

ATENTADOS À ECONOMIA

Os desmedidos lucros bancários e os juros abusivos são atentados à economia e aos bolsos do brasileiro, pois nem os petistas se atrevem a alterar este quadro contrário ao desenvolvimento do Brasil e ao progresso da coletividade e individual. Ao contrário, o PT mais ainda incentivou e aumentou os ganhos do sistema, cujo ápice é atingido agora, quando o Bradesco lucra em nos primeiros três meses desse ano a bagatela de R$ 3,5 bilhões de reais.

Em outras palavras: em 2014, presume-se que os bancos brasileiros obtenham mais de 60 bilhões de reais em lucros extraídos da pobreza, da miséria, do trabalho do cidadão brasileiro, eterna vítima dessa incúria econômica, irresponsabilidade e covardia dos governantes que permanecem à mercê do sistema financeiro, que não limitam os juros, que não elaboram regulamentações sobre os altos ganhos dos bancos e que estão comprometendo o desempenho tanto do Brasil quanto do seu povo!

48 thoughts on “Quem manda no país são os banqueiros. Até quando vamos tolerar isso?

  1. O prezado colunista equivocou-se na abrangência do seu diagnóstico. Na verdade os banqueiros mandam no mundo. Quem tiver dúvidas que assista o documentário “Inside Job” e o artigo da Dra Karen Hudes, ex-assessora jurídica sênior do Banco Mundial demitida por denunciar corrupção no sistema Banco Mundial/FMI. Em seu artigo, a Dra. Karen explica pedagogicamente que meia dúzia de banqueiros mandam no mundo através do controle do Banco Mundial, do FMI e dos Bancos Centrais dos paises do mundo. O controle sobe os bancos centrais se operacionaliza através do BIS (Banco de Compensações Internacionais) que, a partir de sua sede na Basiléia, impõe normatizações que têm como objetivo o endividamento das nações. É através do endividamento das nações que esse grupo domina os paises do mundo. Controla também a grande mídia, tanto a internacional quanto a incrustada em diversos paises. Através da grande mídia sob seu controle, diz o que aconteceu e o que deixou de acontecer, não importando se o que disse que aconteceu não aconteceu de fato e o que disse que deixou de acontecer tenha realmente acontecido. Cuida também com muito zelo do financiamento privado das campanhas eleitorais porque através desse financiamento mantem os políticos sob as suas ordens. Muito embora não tenha mandato eletivo, esse grupo, em suas reuniões realizadas a cada dois meses na Basiléia, em conjunto com os banqueiros centrais, tomam decisões que atingem todos os homens, mulheres e crianças do planeta, e nenhum de nós tem voz naquilo que se decide. O Banco de Pagamentos Internacionais é uma organização que foi fundada pela elite mundial, que opera em benefício próprio, e cujo fim é ser uma das pedras angulares do vindouro sistema financeiro global unificado.
    Paulo Sergio

  2. Caro Sr. Bendl, o Lula declarou, nunca ganharam tanto como em meu governo.
    O trabalhador após contribuir para ter uma aposentadoria digna, como fruto de seu “suor e lágrimas” para construir esse País, (o Patrão o ajudou a contribuir), o governo FHC, “garfa” e a aposentadoria Digna vai para o “espaço”, tornando-se “indigna”, e o PT, que se diz do trabalhador, continua o “sistema vil”.
    O lucro trimestral do Bancos, é um escárnio, a quem produz “bens e serviços”, proporcionando empregos. Deu na Midia, o ITAU, com todo o lucro da agiotagem oficial, neste ano já pôs no “olha da rua, milhares de chefes de família, e onde está o governo, com seu incompetente Ministro do Trabalho.
    Caro Sr. Bendl, a cada dia me envergonho mais, e a indignação só faz crescer,em ver um povo pacifico, ser explorado, sobrevivendo na pobreza e miséria, em uma região do planeta, sem igual, que a Honestidade de governo, o faria FELIZ.
    O que comemorar em 1º de Maio, de ontem, a não ser pobreza e Miséria.
    Ao acordar a cada dia, peço à DEUS, chega de hipocrisia do governo, socorra com sua Misericórdia nosso Brasil.
    Por um Brasil honesto e justo.
    Dia 30/4, o Leão, comeu (somos roubados pela defasagem de 62%) mais nossa minguada grana, para ser roubada, e ameaça, com o fogo do inferno, os não declarante assalariados, como se salário miserável fosse renda.

  3. Caro Bendl, não há limites para a atuação dos bancos porque eles são a chave-mestre do sistema de acumulação de riquezas criada pelo mundo moderno.

    Um erro de trajetória do capitalismo que se direcionou para um “modus-operandi” sem fundamentação lógica palpável.

    Há uma lógica abstrata que, partindo da racionalidade matemática aceita que o fenômeno da multiplicação exponencial seja aplicada à acumulação de dinheiro dada pelo próprio dinheiro, mediante a aceitação da fórmula: M = C (1 + i)ⁿ. Isto é, o montante de capital obtido pela aplicação de um valor principal é igual ao valor deste principal multiplicado pela taxa aplicada EXPONENCIALMENTE a determinado tempo.

    É esta fórmula matemática abstraída de outros ramos do conhecimento e aplicada no sistema financeiro como metodologia de cálculo de remuneração de capital emprestado é que está trazendo tanto desequilíbrio ao sistema capitalista. Pois, a sua aceitação implica na aceitação da ideia de que o dinheiro se multiplica – se reproduz – no tempo. E pior (!), exponencialmente.

    Isto é a maior mentira criada pelos detentores de capital e implantada no mundo dos negócios.

    Qualquer aluno iniciante de economia sabe que dinheiro sozinho não gera riqueza alguma. É apenas mais uma mercadoria com valor intrínseco que serve para remunerar os outros fatores de produção como a mão-de-obra e a matéria-prima.

    Então, são três os fatores de produção que devem se juntar para criar riqueza: o dinheiro (capital), o trabalho (mão-de-obra) e a matéria-prima.

    Dinheiro por si só não gera riqueza!

    É a supressão dessa verdade que ocorre pela aceitação da fórmula M = C (1 + i)ⁿ que está deturpando os valores da humanidade, os valores sociais e, até, os valores capitalistas dentro de uma visão moderna do bem estar social.

    Uma forma de corrigir atenuar isso seria construir um consenso mundial em torno da forma de calculo do fator de acumulação das instituições financeiras. Por exemplo, substituindo a fórmula acima por esta: M = C (1 + i x n), onde a capitalização ocorre de forma linear e constante. Não exponencial.

    Não é que isso vá corrigir de todo o problema, mas, vai frear muito o distúrbio financeiro do sistema capitalista que estamos presenciando.

    Hoje o mundo produz US$70,0 trilhões em bens e serviços. Este é o Produto Interno Bruto (PIB)mundial da atualidade.

    Por conta daquela pequena formulazinha acima, ou seja, da metodologia de capitalização do dinheiro emprestado pelo sistema financeiro às economias mundiais, o mundo deve ao sistema
    bancário US$223,0 trilhões, ou 313% do PIB!

    Logicamente, este é um sistema insustentável, onde as populações e governos estão ficando cada vez mais reféns de instituições que foram criadas, ou deveriam ter sido, para prestarem serviços de pagamento e transações financeiras à população.

    O que está havendo, entretanto, é a inversão do servir: nós é que estamos servindo para fomentar e sustentar uma acumulação de riqueza pelos bancos sem precedentes na história das civilizações.

    O mundo jamais conseguirá produzir uma quantidade de riqueza suficiente para liquidar sua dívida junto às instituições bancárias, simplesmente, porque nenhum sistema de produção alcançará o efeito multiplicativo exponencial dada pela fórmula M = C (1 + i)ⁿ pela qual os bancos se locupletam.

    Em suma é esta a fórmula da miséria mundial e terá que ser mudada mais cedo ou mais tarde, quando seus efeitos estiverem ainda mais bem vistos pelo mundo.

    • Excelente colocação, em relação a rapidez da acumulação. Mas a celeridade do sistema de acumulação, também está refletido nas empresas ditas produtivas, onde se especulam com suas ações em bolsas, que na verdade é um jogo à parte, que ao fim e ao cabo perde relação com a realidade operacional da atividade empresarial. Também há o fator “ditadura do acionista”, que quer lucros rápidos, daí a legislação da obrigatoriedade dos balanços trimestrais. Também os especuladores e investidores, querem trazer o futuro para o presente, que são os contratos futuros. Por fim, tudo isso é “alavancado” com o sistema de seguro, através de formulas mágicas, que permite que eu possa, em tese, ganhar duas, tres, vezes mais, sobre um mesmo papel (titulo). A velocidade da acumulação não tem limites!

    • O Sistema Financeiro Nacional é de controle da União.

      O órgão normativo é o Conselho Monetário Nacional e o executivo central do sistema financeiro é o Banco Central do Brasil.

      Os bancos públicos e privados operam debaixo do regime destes dois órgãos.

      O mercado bancário brasileiro é um oligopólio – poucos bancos controlam toda o mercado de crédito do sistema financeiro – formado pelos bancos: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Santander e Bradesco.

      Jutos estes bancos detém 90% do mercado de crédito dificultando a entrada de outros bancos e reduzindo a concorrência entre eles o que os permitem manter altas taxas de juros e spreads (ganhos nas diferenças entre o que pagam para terem o dinheiro e o que recebem para emprestar).

      Em verdade um banco acaba emprestando a outro mediante depósitos interbancários para se auxiliarem mutuamente na busca do lucro em empréstimos junto à população.

      Vimos pouco tempo atrás a Dilma fazer baixar os juros dos bancos oficiais – que fazem parte do cartel, digamos assim – a fim de que as taxas de juros praticadas pelos bancos privados fossem induzidos no mesmo sentido. Deu certo por algum tempo e eu me animei com a presidente por conta disso.

      Foi uma coisa boa que o governo da Dilma fez. Não podemos negar sob pena de sermos hipócritas.

      Mas, a partir de meados de 2012 a Dilma, para manter os 39 ministérios, quase a metade deles desnecessários, e o alto aparelhamento da máquina estatal, passou a promover uma forma de governo perdulário gastando muito mais do que devia. Isto se mantém até agora, fazendo com que aumentasse o grau de liquidez do mercado, ou seja, muito dinheiro em circulação aumentando a pressão inflacionária e, transferindo para o Banco Central a responsabilidade de enxugar essa liquidez na outra ponta, ou seja, junto ao consumidor. Já que da parte do governo não vai parar a gastança.

      Como isso, com o necessário aumento da taxa Selic para enxugar o índice de liquidez da economia as taxas de juros dos bancos voltaram a subir e hoje já se encontram em uma média de 20% ao mês nos empréstimos a pessoas físicas.

      Ou seja, aquilo que ela tinha feito de bom e me animado, foi revertido em prejuízo da população brasileira.

      Não vou me alongar muito.

      • Jutos os seis bancos que citei formam um ativo de R$4,6 trilhões. Só para se ter uma ideia, o PIB brasileiro em 2013 foi de R$4,8 trilhões.

        Não é brincadeira!

        Lembrando que o Banco do Brasil e o Banco do Nordeste são sociedades de economia mista, isto é, é são pessoas jurídicas de direito privado.

        São sociedades anônimas com ações negociadas em Bolsa de Valores e seus funcionários são regidos pela CLT.

        Mais da metade das ações com direito a voto dessas empresas pertencem ao Estado.

        Não é o caso, mas, a Petrobras também é uma sociedade de economia mista.

      • Sobre a coisa boa que a Dilma “tentou” fazer, mas não segurou por muito tempo, ou seja reduzir a Selic, e baixar a taxa de mercado final, através da concorrência pela Caixa e Banco do Brasil, acho até que foi o ponto central para que ficasse na mira do poder do stablishment financeiro doméstico e internacional. Na sequencia, pouco antes da campanha para a reeleição, sofreu criticas vindas de um Banco de capital estrangeiro. O Banco Central, de forma quase inédita, passou a ser tema de campanha como nunca o foi, sobre a necessidade de sua “independência”!

  4. Esse é o sistema capitalista, sem retoques, comandado pelos judeus que, por sua vez, são os donos da ‘banca’ (de agiotagem internacional)! Está tudo ‘profetizado’ na bíblia, escrita, obviamente, pelos judeus… Não precisa nem ler os “protocolos dos sábios de sião”,já que a bíblia, a meu ver, é mais explícita. Até a Idade Média, embora já fossem os donos da ‘banca’, desde a Antigüidade, a Igreja Católica ainda conseguia mantê-los sob severo controle – “santa” inquisição, ‘progroms’, etc – a igreja como um dos aparelhos ideológicos do estado, como é até hoje. A reforma protestante foi um golpe nessa estrutura, mas isso é outra história. A decadência do Império Austro-Húngaro (declínio dos Habsburgos)e a Alemanha e seu nacional-socialismo acelerou o movimento sionista e fortaleceu ‘profecia.’ Após a II GG, ninguém mais segurou-os. Afinal, está escrito no livro sagrado dos cristãos. E deus é fiel, etc, etc, etc….
    Aí está a ‘profecia’, em Deuteronômio 28:
    Deuteronômio 28

    Versículos do Deuteronômio 28 do livro Deuteronômio da Bíblia.
    Bênção para a obediência
    1 “Se vocês obedecerem fielmente ao Senhor, o seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos que hoje dou a vocês, o Senhor, o seu Deus, os colocará muito acima de todas as nações da terra.
    2 Todas estas bênçãos virão sobre vocês e os acompanharão se vocês obedecerem ao Senhor, o seu Deus:
    3 “Vocês serão abençoados na cidade
    e serão abençoados no campo.
    4 Os filhos do seu ventre
    serão abençoados,
    como também as colheitas da sua terra
    e os bezerros e os cordeiros
    dos seus rebanhos.
    5 A sua cesta e a sua amassadeira
    serão abençoadas.
    6 Vocês serão abençoados
    em tudo o que fizerem.
    7 “O Senhor concederá que sejam derrotados diante de vocês os inimigos que os atacarem. Virão a vocês por um caminho e por sete fugirão.
    8 “O Senhor enviará bênçãos aos seus celeiros e a tudo o que as suas mãos fizerem. O Senhor, o seu Deus, os abençoará na terra que dá a vocês.
    9 “O Senhor fará de vocês o seu povo santo, conforme prometeu sob juramento se obedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, e andarem nos caminhos dele.
    10 Então todos os povos da terra verão que vocês pertencem ao Senhor e terão medo de vocês.
    11 O Senhor concederá grande prosperidade a vocês, no fruto do seu ventre, nas crias dos seus animais e nas colheitas da sua terra, nesta terra que ele jurou aos seus antepassados que daria a vocês.
    12 “O Senhor abrirá o céu, o depósito do seu tesouro, para enviar chuva à sua terra no devido tempo e para abençoar todo o trabalho das suas mãos. Vocês emprestarão a muitas nações e de nenhuma tomarão emprestado.
    13 O Senhor fará de vocês a cabeça das nações e não a cauda. Se obedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, que hoje dou a vocês e os seguirem cuidadosamente, vocês estarão sempre por cima, nunca por baixo.
    14 Não se desviem, nem para a direita nem para a esquerda, de qualquer dos mandamentos que hoje dou a vocês, para seguir outros deuses e prestar-lhes culto.

    Como dizem os funkeiros aqui no Rio: “‘Tá tudo dominado!”
    Só nos resta o “Ius Sperneandi.”

  5. Senhor Francisco Bendl,
    Muito bom o seu artigo, instigante quanto a fome dos bancos,,,
    O comentário do senhor Paulo Sergio, comprova o que tenho dito nesse Blog sobre o Poder Econômico e às Corporações.
    Só que o senhor Paulo Sergio se estendeu mais no assunto, explicando, e detalhando e nomeando esse processo de dominação que chegou junto com a globalização. Cada vez mais, sua influência ilimitada no mundo dos negócios e da política é assustador, porquanto a influência dos banqueiros e do dinheiro, é o fator maior da sua expansão.
    Em outras palavras funciona tal qual uma máfia , só que muito mais poderosa …

  6. Até onde sei o governo brasileiro é proprietário do BNDES, do Banco do Brasil, da Caixa, do Banrisul, do Banco de Brasília, de quase metade do Banco Votorantim, do Banco do Nordeste, do Banco da Amazônia, do Banco do Estado do Piauí, do de Sta. Catarina, e por aí vai. Portanto, apresento-lhes o maior banqueiro do país: O governo federal. O que mais fatura em cima do povo com juros e impostos.

  7. Palavras do Lulanóquio:

    “Obviamente que, tendo em vista os lucros que tiveram o Itaú, o Bradesco e os outros bancos, o Fernando Henrique Cardoso não é nem pai: ele é pai, mãe, avô, avó, tio, tia do sistema financeiro, que nunca ganhou tanto dinheiro como está ganhando agora”.
    (Candidato Lula, 2001, Entrevista a Ziraldo)

    Depois que Lulanóquio foi eleito temos as palavras do benqueiro:

    “Quando ele foi eleito, eu tive uma preocupação de que levasse o governo para uma linha de esquerda, mas ele foi mais conservador do que eu esperava”.
    Olavo Egydio Setúbal, presidente do conselho de administração da holding que controla o banco Itaú.
    (12/08/2006)

    Aqui no Brasillll tudo não passa de uma “Reunião de Bacana”

    Se gritar pega ladrão
    Não fica um meu irmão
    Se gritar pega ladrão
    Não, não fica um
    Se gritar pega ladrão
    Não fica um meu irmão
    Se gritar pega ladrão
    Não, não fica um…

  8. Muita asneira!
    Pobres!, o problema são os pobres.
    Governos altruístas, sem dinheiro, distribuem dinheiro para os pobres, para isso recorrem aos bancos que por sua vez aumentam os juros, o BC apenas torna oficial e assina embaixo.
    Como o governo altruísta, sem dinheiro, não investiu em empregos e ainda aumenta os “custos” para as empresas e para os pobres pagarem, a inflação aumenta e novamente, a cada 45 dias, aumentam-se os juros.
    Com um jurão danado de bom, lá vem os dólares desvalorizando o real, aumentando a importação criando empregos lá fora e mais desemprego aqui dentro, criando mais pobres.
    Com o aumento da importação às custas dos juros altos, diminui a inflação mantendo o desemprego e os pobres.
    Com mais pobres, os governos altruístas tem de aumentar o valor e a quantidade de “donativos” e, para tentar amenizar o problema, o governo altruísta aumenta ainda mais os tributos dos produtos que o pobre vai consumir, diminuindo o consumo e a produçãozinha, aumentando um pouco mais o desemprego.

    E, para colaborar ainda mais, como pobre odeia pobre, nada como pobre sacanear o pobre,…. “leve 3, pague 2”,..
    “leve 18, pague 12”,.. mal conseguem levar um!
    São os pobres levando por dentro e os bancos levando por fora.

  9. Apenas pra não fugir do debate,o mundo é capitalista e sempre será. A verdade é que neste país ter pai pobre é perdoável,sogro é burrice,além do mais quem esta dentro do sistema não quer sair,quem esta fora quer entrar.Apesar de tudo o regime capitalista ainda é um dos melhores,pois quem esta usufruindo do sistema ri,quem não está chora.

  10. “Até quando vamos tolerar isso?”, pergunta nosso Francisco Bendl.
    E eu pergunto: O que podemos e devemos fazer para acabar – efetivamente acabar – com isso?
    O diagnóstico do Chicão é perfeito, em cada frase, em cada palavra, porém não vejo nada sendo feito para tomarmos (o Brasil e o mundo) rumo diferente. O sistema capitalista é voraz e extremamente saqueador, um verdadeiro vampiro que suga o sangue das sociedades.
    Há semanas, o editor CN publicou aqui mesmo dois artigos que escrevi, com base na matéria de capa da The Economist: “What went wrong with democracy?” … O que deu errado com a democracia?
    No texto, lá estava; “A dívida global saltou para US$100 trilhões, aumento de 43% desde a crise de 2007/2008. Como seja: a crise das hipotecas (mercado subprime), causada pela desenfreada jogatina que como sempre teve seu início nos Estados Unidos, simplesmente devastou e arrasou o planeta inteiro. Ninguém ficou imune às suas terríveis consequências.
    Caro Chicão. A Ditadura do Capital é a maior desgraça – olhemos seus números – que jamais foi sequer imaginada. Atualmente, jogaram mais de US$20 trilhões no mercado – um pequeno esparadrapo – para sanear as contas feitas por irresponsáveis criminosos, e todos têm que pagar.Todos. O desarranjo mundial aí está. Ou muda-se esta concepção, este conceito de governar as sociedades, ou tudo irá pelos ares. Já está indo. (Mas quem dará o primeiro passo???)

  11. Adicionalmente, registre-se.
    Conservadoramente, jornais e revistas internacionais divulgaram que, em consequência da crise das hipotecas, algo em torno de cem milhões de pessoas foram jogadas na exclusão.
    Enquanto isso, o FED passou a despejar no mercado US$86 bilhões/mês, para ‘recuperar’ os Estados Unidos. A moeda é a deles, mas as consequências nos atingem a todos. Desarranjam tudo. E como os bancos jantaram e continuam jantando boa parte deste dinheirão, Obama chamou-os de desavergonhados (unashamed) na TV. O sistema Capeta-Lista está lá e está aqui entre nós, Chicão, e você descreveu tudo com uma lucidez e capacidade de clarificação extraordinárias. Não se trata de aplicar leis, de ser severo, de administrar melhor, nada disso. Estamos diante do … SISTEMA.

  12. Muito bom artigo do Sr. FRANCISCO BENDL e Comentários, especialmente o do Sr. PAULO SÉRGIO e WAGNER PIRES. O recente Balancete Trimestral do Bradesco SA apresentou um Retorno Líquido sobre o Capital de 20,3%aa, superior as Multi-Nacionais Montadoras de carros que operam na faixa de 14%aa. Só para termos uma ideia, a Petrobras SA opera atualmente com 7%aa. São as Empresas mais rentáveis em qualquer Economia.
    Pergunta o brilhante Articulista: Não tem como o Governo REGULAR melhor o setor Financeiro, e baixar sua Lucratividade para o LUCRO NORMAL, +- 12%aa?
    É difícil conforme Comentários acima, porque eles controlando o Crédito da Nação amealharam muito PODER, e assim nenhum POLÍTICO tem coragem de ir lá colocar o sino no pescoço do GATO.

    Essa é a maior questão atual, e tende a escapar do controle, e quando isso acontecer, será resolvida de forma REVOLUCIONÁRIA. E tende a acontecer nos EUA. O problema é que eles, os Banqueiros sabem administrar muito bem as Crises. Mas uma hora dessas, eles falharão.

    • Ótimo, Sr. Bortolotto!

      Se olharmos o mercado de ações, veremos empresas como a Petrobras tendo cotação abaixo da metade da cotação das ações dos bancos.

      Isso, por conta da expectativa da geração de lucro. Os bancos estão sempre na frente dos demais setores quanto a expectativa é a de gerar lucro. Sempre!

      Não deveria ser assim, infelizmente.

  13. Bancos têm dinheiro? Produzem alguma coisa? Não e não.
    Bancos vivem dos depósitos, das (muitas, ou todas) contas que pagamos, dos títulos que os governos lhes disponibilizam. Aí, ficam abarrotados de … dinheiro. A holding Bradespar recebe do governo uma montanha de dinheiro, a juros ‘anuais’ baixíssimos e carência larga. Bota este dinheiro no filhote Bradesco que empresta a juros ‘mensais’ estratosféricos, e quando nos remunera é com um juro vergonhoso. E ainda compra em leilões os títulos do próprio governo, usando um dinheiro que lhe caiu do ‘Céu’. Resultado: a dívida com os bancos consome algo em torno de 44% da receita do país. Trabalhamos para os bancos – que sustentam todas as candidaturas, em todas as eleições.

  14. Bendl,
    Como você discute a violência dos juros compostos, veja a súmula nº 121 do STF.

    STF Súmula nº 121 – 13/12/1963 – Súmula da Jurisprudência Predominante do Supremo Tribunal Federal – Anexo ao Regimento Interno. Edição: Imprensa Nacional, 1964, p. 73.

    Capitalização de Juros – Convenção Expressa

    É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada.

    E cadê a atuação (fiscalização) do Banco Central ?
    Papuda neles!

    • A súmula 121 do STF não atinge o Sistema Financeiro.

      Esse é o drama jurídico que está levando milhares de processos contra bancos terminarem dando ganho de causa aos bancos demandados judicialmente.

      É um absurdo Sr. Cast!

      • A briga é provar que o sistema de amortização pela tabela PRICE incorre ou não em juros sobre juros, ou seja da capitalização em cima dos juros. O que no meio jurídico é chamado de ANATOCISMO.

        Esta é a briga que os bancos estão ganhando nos tribunais.

        Os tribunais estão cooptados, apadrinhados. Já era!

  15. Estive fora a tarde toda. Voltei agora, às 20 h.
    Obrigado a todos, indistintamente pelos comentários postados. Percebe-se o interesse quando o assunto é Economia, e o quanto reflete no bolso quando somos explorados de forma cruel e abominável.
    Vou poupá-los de comentar individualmente os textos registrados, até porque algumas autoridades nesta área deixaram seus pareceres dotados de conhecimentos e experiências que a maioria não as possui, eu, principalmente, mas que sentimos na carne o custo que tem sido viver.
    Meu comentário foi baseado nos meus sentimentos com relação à carestia de vida, os juros e impostos que pagamos para poder existir.
    Não há quem conteste que somos efetivamente explorados, tanto do lado privado quanto público.
    O governo nos atribui uma carga tributária acima de nossa capacidade de pagamento, incluindo o famigerado e injusto IR. Obriga-nos a trabalhar para sustentar o custo Brasil mais de cinco meses por ano.
    O trabalhador, em consequência, pede aumento de salário e, se não é alvo de atenção pelos empregadores entra em greve quando pode, pois são raras as categorias que possuem este poder de barganha.
    O reajuste dos ganhos gera aumento de preços, o tal repasse ao consumidor, que volta a sofrer da falta de dinheiro porque tivemos igualmente preços reajustados, que neutralizaram o suposto aumento concedido.
    Neste círculo vicioso, recorre-se aos bancos para fazer frente às despesas emergenciais e importantes, e saca-se a descoberto ou através do cheque especial, cujas tarifas e juros alcançam índices proibitivos.
    As distâncias cada vez maiores que se reside do local de trabalho pelos preços dos imóveis e dos aluguéis, determinam que o trabalhador resida longe, na periferia, em vilas em condomínios afastados do centro das cidades. Ele gasta mais em combustível, manutenção do carro, e aumenta seus custos pessoais e familiares. Se não tem carro, acorda mais cedo que deveria, pois necessita de três, quatro viagens de ônibus, trens ou metrô para chegar no local de trabalho, voltando para casa extenuado e tarde da noite, isso se não precisar ir para a escola ou faculdade.
    Que tempo lhe resta de vida própria?
    Minutos, durante o dia?
    Na ânsia de querer propiciar um pouco mais de conforto à sua família, apela para financiamentos, comprometendo mais ainda seus proventos mensais, e pagando mais juros conforme o prazo solicitado.
    Se o governo não pode diminuir os juros do sistema financeiro porque não quer ou não pode, tem o poder de DIMINUIR OS IMPOSTOS, que aumentaria o ganho do trabalhador se o gás custasse menos, a passagem de ônibus fosse mais acessível, os impostos sobre o combustível menores, pneu, óleo, remédios, comida com uma menor carga tributária, enfim HAVERIA COMO MELHORAR A VIDA DO POVO BRASUILEIRO SE TIVÉSSEMOS GOVERNOS QUE DE FATO SE PREOCUPASSEM COM O PAÍS E POVO, e não somente com seus partidos políticos e ideologias, afora conveniências e interesses pessoais.
    A busca desenfreada de enriquecimento enquanto no poder, ocasiona a desonestidade, a corrupção, os desmandos e descalabros que rotineiramente estampam nas primeiras páginas dos jornais e revistas.
    Decididamente pagamos impostos e tributos desnecessários, que deveriam ser bem menores para folgar o aperto do trabalhador a cada metade do mês quando o seu dinheiro já foi gasto integralmente. E, a conta, é fácil de se fazer:
    Se levamos quase seis meses do ano para pagar impostos que são desviados de seus destinos e que também servem para ilicitudes, simplesmente o salário só pode durar quinze dias, diferentemente dos apaniguados que recebem nababescos vencimentos e ainda percebem gratificações de estatais na função de “conselheiro”, cuja quantia está isenta do IR!
    Nestas palavras acima não estão dados econômicos e nem o jargão utilizado pelos especialistas, mas a extrema dificuldade que é viver com uma aposentadoria que foi propositadamente lesada de acordo com o arrecadado e posteriormente pago ao aposentado, que da mesma forma o governo não dá a mínima importância de como vivem os velhos neste País!
    Precisamos mudar.
    Como, será a pergunta natural?
    Proporcionando um grande susto ao poder reinante em não reelegê-lo, inclusive qualquer parlamentar que tenha sido eleito alguma vez.
    Não vejo como demonstrar maior protesto que esse, de renovar as Assembléias, Governos Estaduais, Congresso Nacional e a presidência da República POR COMPLETO, E EXIGIR DOS NOVOS COMPROMISSOS para com o povo, sua Educação, Saúde, Segurança e custo de vida menor, mais em conta, sem esta carga tributária que nos tem esmagado a cada exercício fiscal.
    Esse é o meu pensamento: de um leigo, de alguém que desconhece os segredos da Economia mas, assim como uma boa parcela da população brasileira poderia viver melhor, ter mais dinheiro no bolso, poder comprar o que gostaria, trocar o carro de vinte anos, a geladeira de quinze, a TV de doze.
    Usar um calçado melhor, viajar nem que fosse para o Estado vizinho, trocar os pneus lisos, adquirir um DVD melhor.
    Certamente esse tema deve dar desdobramentos, e precisamos esmiuçá-lo, analisá-lo, discuti-lo, de modo que elaboremos na Tribuna da Internet sugestões que podem ser oferecidas aos candidatos nesta eleição quanto às providências que poderiam ser tomadas para enaltecer a vida do trabalhador.
    Obrigado a todos, repito.

  16. Emocionante, antes de tudo, o que comentastes, sr. Bendl. É doloroso o que se constata. Este ciclo escravatório, regime feudal batizado com nome outro, essa sinuca sem bico em que é metido o ser humano do nascer ao por do sol. É um assalto, é viver para o trabalho, quando deveria ser o contrário, o trabalho que deveria servir a gente. E todo o trabalho acaba se esvoaçando, como se o suor do rosto não fosse nada, como se fosse normal, natural, como se viver fosse isso mesmo. A gente nasce já mal nascido, em maternidades sujas, sem álcool sequer para assepsiar o coto umbilical. A gente cresce sendo mal tratado, mal educado, vai pra escola lá não tem nada, não tem livro, não tem infraestrutura, os professores são desanimados parecem até que estão ali à força. Você cresce, não tem acesso nunca a um acompanhamento psicológico, que seja capaz de fazermos compreender nossas personalidades desde cedo. A gente cresce sem conhecer a gente mesmo, não nos ensina nem isso. A gente entra na faculdade, se tiver muita força de vontade. Estuda, convive com a violência diária, a morte em forma de um viciado de drogas a todo tempo a nos esperar em qualquer esquina. Depois de muito esforço, muita greve de professor, muita necessidade, você se forma. Tenta um emprego, se ganhar mais um pouquinho o governo já aparece em cima de você, taxando você de da elite, como se você fosse o culpado por tudo. O governo bota imposto por cima de imposto em cima da pessoa. Imposto que não acaba nunca. E enquanto isso, você ver seus filhos nascerem na mesma maternidade suja de 25 anos atrás, você tenta moradia, tenta melhorar de emprego, às vezes consegue financiamento pra comprar uma casa a juros dez vezes o valor da casa. Você precisa morrer de trabalhar pra pagar o colégio bom pros seus filhos, colégio que você nunca teve, e o governo continua a dizer que você é da elite, seu filho é filhinho de papai, o governo cria cotas, tira vagas do seu filho só por que você conseguiu com sacrifício pagar o colégio melhor pra ele. Findado tudo, um dia depois de muito trabalhar você adoece, ou seja lá o que for, e vai pro hospital, se não tiver plano de saúde, você estar sujeito a morrer nos corredores dos hospitais. Se escapar, e se precisar comprar um remédio é mais um assalto ao seu sofrido bolso. Se consegue uma aposentadoria depois de um vida sofrida, ai é que você se arrombou: o governo vai diminuir seu salário gradativamente, calculado de modo que quando você der o último suspiro seu salário estará zerando também conforme a fórmula do inss. E assim tem sido, assim estar sendo, e assim vai continuar.

  17. “E assim tem sido, assim está sendo, assim vai continuar”.
    Assim … o comentarista FEITOZA concluiu seu magnífico texto.
    “Um governo do povo, pelo povo e para o povo” … eis o sonho impossível de bilhões de indivíduos ignorados, massacrados, explorados, roubados, humilhados e vilipendiados por este sistema voraz e saqueador.
    Pensemos no BRASIL !!!
    O que podemos fazer pela nossa PÁTRIA !!!
    “Ou ficar a pátria livre / ou morrer pelo Brasil” !!!

  18. FEITOZA !!!
    E por que tudo assim vai continuar?
    “Intenção, sem ação, é ilusão”, sentenciou Napoleon Hill.
    “Palavras são palavras, nada mais do que palavras”, dizia o ‘filósofo’ do Chico Anysio.
    “Ou você cuida da política, ou a política cuidará de você. Aquele que não participa da política acaba sendo governado pelos seus inferiores” … Platão.
    “Vem, vamos embora, que esperar não é saber / quem sabe faz a hora, não espera acontecer” … Geraldo Vandré.
    O povo brasileiro, com sua inércia, assume-se como cúmplice declarado de todo este quadro. Apenas faz contas num faz-de-contas infindável, reclama, não reage. E a ‘História dos Povos’ que conseguiram sua redenção … é contada com a AÇÃO. O sistema é violento!!! E o (estraçalhado) povo responde a ele como um bom e manso cordeirinho.

  19. Caro Sr. Bendl, na minha comunidade faço campanhas no meu Direito de Cidadania, tentando mostrar ao Eleitor seguir a recomendação de Eça de Queiroz: Político é que nem fralda de criança, trocar sempre pelo que contem. Faço apelo para não reeleger, não eleger quem participou nos altos cargos das administrações, pois, são farinha do mesmo saco. Como Cidadão da planície, lido com o “Zé e Maria Povinho”, buscando esclarecer o significado do VOTO, apesar de ser obrigatório, e que vendido de alguma forma, por churrascada, cachaçada ou 30 dinheiros, ele só tem de volta o CAOS nos serviços básicos: Educação, Saúde, Segurança, Transporte, no seu Direito de Cidadania, apesar dos escorchantes impostos de entregar ao governo 5 meses e 20dias anuais de salário, para ter governo.
    A cada dia, nossa indignação só cresce, em ver a HIPOCRISIA dos governantes, transformarem “crime” em “Virtude”, sem o mínimo de pudor!
    CREIO QUE ANULAR O VOTO, SERÁ A SOLUÇÃO, oS CANDIDATOS A PRESIDÊNCIA, NÃO MERECEM CONFIANÇA, E ELEGER QUALQUER UM DELES, PODE NOS TORNAR SOLIDÁRIO COM SUAS FUTURAS AÇÕES NEGATIVAS.
    RENOVAR EM 100%, Executivos e Legislativos É PRECISO!!! Para termos uma DEMOCRACIA, na Filosófia de Sócrates, e não à DEMOCRADURA EM QUE SOBREVIVEMOS.
    05/10, Redenção ou corrupção!!? depende de cada um de NÓS.
    Façamos nossa parte, e oremos à DEUS.

  20. Armínio Fraga, em vídeo que está circulando na internet e assisti agora, diz:
    “O salário mínimo está muito alto, está engessando a economia e causando perdas para as empresas”. TEXTUAL !!!
    Este cara é o consultor do Aécio Neves e seu potencial ministro da Fazenda.
    CANALHA!!! TERRORISTA!!!

  21. Mais um excelente artigo do Francisco Bendl e o comentário do Almério Nunes. O que os bancos produzem? qual sua matéria prima? Darcy Ribeiro costuma dizer:
    banqueiro é ladrão. Todos o bancos deveriam ser nacionalizados e considerados
    de utilidade pública, sem fins lucrativo, com um robusto fundo de reserva e funcionar dentro do horário comercial. Houve época em que pagava-se o crediário na própria loja, pagamento da conta de luz, era feito na Light à Rua Larga, mas a população, o comércio, e a indústria cresceram, os bancos tornaram-se importante na agilização de todo movimento financeiro, então bancos devem ser considerados de utilidade pública.
    Qual governo que terá coragem de tomar essas medidas, assim como uma auditoria nas dívidas
    externa e interna, ou colocar em pauta uma lei de remessa de lucros? Tem que ser nacionalista
    e ter coragem. Não vejo a curto, a médio e talvez a longo prazo soluções que venham acabar
    com a exploração do país e do povo .

  22. NÉLIO JACOB, saudações
    O Sebastião Nery, quando deputado federal, ocupou a tribuna da Casa e esclareceu como foi formada a dívida externa do Brasil. Nery honrou seu mandato!!! Provou que tudo era uma gigantesca farsa!!! Lutou pelo nosso povo!!!
    E … caro Nélio … por favor leia isto:
    Sujeito foi pego roubando um banco, na madrugada. A polícia fez contato com o dono do banco, que imediatamente foi pra lá:
    “Mas o senhor! Roubando meu banco! Não tem vergonha não?”
    “E o senhor! Dono de um banco! Não tem vergonha não?”

  23. Prezados,
    Até há pouco tempo, os diversos bancos ditos estatais vinham sendo controlados por dentro pelos banqueiros nacionais que se submetem, por sua vez, ao sistema internacional. Os bancos financiam os políticos que se elegem e nomeiam a diretoria dos bancos estatais, Banco Central no meio, a partir de indicações oriundas da banca, chamada de mercado. Desde o final do primeiro governo Lula, a coisa vem mudando a partir de nomeações na direção dos bancos estatais de empregados de carreira à revelia do Deus Mercado. Com Dilma, o BACEN experimentou a primeira diretoria, em muitos anos, composta de funcionários de carreira, em sua grande maioria. Obviamente, à custa de muitos safanões vindos da grande mídia, principalmente da Míriam Leitão e do William Waack, dentre muitos outros, desmoralizados pelo Wikileaks que denunciou constarem da folha de pagamentos dos banqueiros e da lista de informantes do embaixador americano. Não podemos tapar o sol com a peneira. Getúlio, para impor à aristocracia urbana a CLT, apoiou-se na aristocracia rural. Em seu segundo governo, imaginava apoiar-se na aristocracia urbana já acostumada, muito a contra gosto, diga-se de passagem, com as reformas que lhe foram impostas, para promover a reforma agrária no campo. Caiu antes por ação direta do sistema internacional inconformado com a Eletrobras, com a Petrobras, com a Vale do Rio Doce, CSN, BNDE, etc, estruturas que haveriam de diminuir a nossa dependência do sistema internacional. O Lula, que é muito esperto, houve por bem apoiar-se nos banqueiros e ainda assim, por ser um “outsider”, quase caiu pelo Mensalão. Como não caiu, conseguiu aplicar as ditas medidas anticíclicas e enfrentou bem a crise de 2008. Portanto, os pobres, longe de serem o problema, podem ser a solução se transformados em consumidores. A turma do FHC, a exemplo do que patrocinou em seu governo, teria seguido a cartilha da ortodoxia do sistema e teria aumentado de forma virulenta a taxa de juros e o Brasil teria quebrado de novo! Diga-se de passagem, que tais medidas anticíclicas somente tiveram efeito pq as nossas indústrias estavam operando no vazio, haja vista o desaquecimento da economia mundial via crise. Ocorre que esse modelo exauriu-se, pelo atingimento do nível máximo de produção das fábricas, o que obrigou o governo a tomar medidas voltadas ao investimento com vistas a incrementar a capacidade de produção da indústria, afastando o perigo da inflação, dada a continuidade da política salarial de aumento real do salário mínimo e o Programa Bolsa Família em curso desde o primeiro governo Lula. Ocorre, também, que as multinacionais, por ordem de suas matrizes lá de cima, não investiram propositadamente, por decisão política dos Sete Grandes, em represália às mudanças de rumo implementadas pelo governo do PT, notadamente pela participação do Brasil nos BRIC’s (alianças estratégicas econômicas – fundação de Banco de Desenvolvimento fora do sistema BIRD/BID/FMI-, políticas, culturais e de defesa), pela mudança do regime de exploração do petróleo, do sistema de concessão para o sistema de partilha, pela reconstrução da indústria naval nacional, pela reestruturação da indústria bélica nacional, pela instituição da Amazônia Azul, pela retomada da construção das grandes hidrelétricas na Amazônia que fomentará a integração daquela riquíssima região ao território nacional, pela retomada ao controle nacional da Vale do Rio Doce, vilmente privatizada pelo FHC e por ele preparada para ser entregue aos gringos, pela reorientação da Vale à produção de aço para exportação ao invés da mera exportação de minérios, pela “intromissão” nos assuntos internacionais, notadamente quando sediamos a cúpula dos países árabes, defendendo posições distintas das do império, pela aproximação com a França para desenvolvimento de submarinos nucleares, pela escolha dos caças suecos de 6a geração em detrimento dos americanos, pelo não alinhamento às invasões do Iraque, da Líbia e do Afeganistão, bem como à intervenção no Irã e na Síria, na pulverização das nossas exportações em busca de menor dependência dos EUA, etc, etc, etc. Em suma, o sistema, acostumado que era com o nosso alinhamento automático aos seus interesses, vê-se hoje às voltas com um Brasil que busca ser um “player” e não mais aceita uma posição de mero quintal. Por isso, as próximas eleições presidenciais se revestem de questão de prioridade para o império/sistema internacional, pois quer reconduzir ao poder a casta de entreguistas venais e muito mais corruptos que os petistas, pois o governo destes, em condomínio com a base aliada que coloriu e colore qualquer governo que se instale, a despeito de todas as suas idiossincrazias e contradições, está sendo bombardeado não pelo que vem fazendo de errado (corrupção, desmandos, incompetências, etc), mas sim pelo que vem fazendo de certo (reformas estruturais na educação, na política econômica, na política externa, na defesa, etc.). Isso fica mais claro quando analisamos o comportamento da grande imprensa que blindou os governos FHC, que o jornalista Hélio Fernandes denomina de retrocesso de 80 anos em 8, nos quais o Brasil sofreu o maior ataque ao seu patrimônio, pela entrega das jóias da coroa, acumuladas em séculos pelo suor e sangue do nosso povo. A grande mídia, entretanto, usufrutuária do banquete Fernandista, não exigiu nenhum processo de mensalão tucano, muito menos reivindicou a Papuda para os corruptos alinhados aos interesses do sistema. Fiquemos atentos ao fuzilamento do governo pq quem o faz não tem moral para fazê-lo. Ou os Sistemas Globo e Abril, gestados no ventre da Time Life Corporation, defendem os interesses nacionais? Como a Globo pode falar em corrupção se ela mesma deve quase um bilhão à Receita Federal por crime tributário? Muito pelo contrário, assistimos a grande mídia televisiva tentando destruir o tecido social brasileiro ao veicular massivamente só tragédias, desgraças e mazelas mil, enquanto ensina, em cadeia nacional, os marginais de todos os recantos a praticarem toda a sorte de crimes. Desde o dito Bom Dia Brasil, que melhor seria chamado de Mau Dia Brasil, até o último jornal da noite, será que NADA, absolutamente NADA de bom acontece neste país? É certo que a grade televisiva brasileira vem deixando todos nós em estado de apatia e letargia, consumidos pelo amargo sentimento de impotência. Insufla o povo para ir às ruas depredar tudo, fazendo de comum acordo o jogo do sistema internacional que precisa desestabilizar o governo brasileiro, como já o fez com o do Paraguai, vem tentando fazer com o da Argentina, desde que o Kirchner enfrentou e pôs fim à enganação da dívida externa daquele país, vem tentando derrubar o governo da Venezuela, do Equador e da Bolívia. A grande mídia nativa não passa de braço ostensivo dos interesses do sistema internacional, acumpliciada com centenas de agentes da CIA que operam no Brasil travestidos de oficiais da diplomacia, plantando “cabos Anselmos” na rede virtual e nas “manifestações” a partir dela fomentadas. Concluindo, não é séria a discussão acerca da corrupção que não traga na sua base a reforma política e, nela, o financiamento público de campanha. Fora disso, é empulhação de quem não tem candidato nem discurso e prática políticos.
    Paulo Sergio

  24. Olá Bedl.
    Parabéns pela magnífica abordagem, que suscitou outros brilhantes comentários sobre esse tema rothschildiano. Gostaria, com a vênia do Sr. Almério, de atualizar a antiga definição de democracia, posta por ele, alterando-a para: “governo dos bancos, pelos bancos e para os bancos”. Abraços fraternos.

  25. O primeiro comentarista pormenorizou bastante. É preciso lembrar também que a nossa independência política em 1822 só foi reconhecida INTERNACIONALMENTE após o reconhecimento do direitos dos banqueiros (Casa dos Rothschild e outras), assim como o golpe de 1889. A inglaterra os representava política e militarmente para fazer valer seus direitos no período. Seu representante foi ao Palácio do Itamaraty, na atual rua Marechal Floriano, RJ, antiga sede do governo, e obteve na MARRA dos golpistas da República que seus privilégios aqui no Brasil continuariam como no Império. Após a privatização do FED em 1913, eles passaram até a controlar as emissões do dólar norte americano SEM AUDITORIA DO CONGRESSO DOS ESTADOS UNIDOS. Há historiadores que afirmam que o Kennedy foi “apagado” por ensaiar uma auditoria contra eles. O Obama é refém deles. Tem sido obrigado a cobrir com dinheiro dos contribuintes recentes lambanças internacionais deles desde 2008. Hoje o sistema financeiro mundial está controlado pela banqueirada, que tem os EUA como seus agentes políticos e militares. Partidos políticos brasileiros e gerentes de turno não fedem e não cheiram nessa história. Todos os países do mundo sofrem sua influência, mesmo aqueles mais fechados, através de vasos comunicantes financeiros internacionais. É sempre saudável expor e debater esse tema, mas não temos no Brasil nem conscientização política sobre o tema (AINDA, AINDA) , quanto mais condições para segurar a barra das duras consequências de um enfrentamento. Há décadas que esse tema é CENSURADO para se debater na mídia brasileira. O Helio Fernandes é prova viva. Essa é a triste realidade.

  26. Aos comentaristas que postaram seus registros após o meu agradecimento, complemento minha gratidão por suas participações tão pertinentes, pontuais, e esclarecedoras.
    Precisamos debater este tema da forma responsável e cívica como foi feito acima.
    Parabenizo as manifestações técnicas e emocionais a respeito, que se completaram porque percebemos como somos envolvidos e explorados pelo sistema financeiro, que tem subjugado governos e empobrecidos povos e nações.
    Inegavelmente este é o câncer do capitalismo: o dinheiro pelo dinheiro.
    Difícil é aceitar que existem países onde esta fúria arrecadatória de tributos e esta ganância bancária são controlados, portanto, há solução, basta que tenhamos governos que possuam identidade com o povo e com o Brasil, no lugar de se identificarem com ideologias que comprovadamente ao longo do tempo faliram, e que tantos prejuízos de ordem material e humana ocasionaram.
    Se o comunismo e o socialismo redundaram em fracasso e, o capitalismo, igualmente prejudica gravemente a vida do trabalhador, do cidadão comum, então precisamos mudar esses modos econômico e político.
    Afirmo convictamente que, no entanto, qualquer alteração que se pretenda colocar em prática, obrigatoriamente passa pela Educação, pois eu mencionaria a Escandinávia como uma Região do Globo que adotou a melhor relação governo/povo, onde todos alcançaram uma excelente condição de vida.
    Agora, o nível de Educação e Ensino de lá é muito superior ao nosso, então se tornou muito mais fácil adotar-se um método responsável entre a cidadania e seus mandatários em prol do desenvolvimento daqueles países e, em decorrência, da população.
    Enquanto criminosamente o governo brasileiro e do Partido dos Trabalhadores permitir que tenhamos AUMENTO DO ANALFABETISMO definitivamente amargaremos por muito tempo a exploração e a subserviência a qualquer sistema implantado no Brasil, diante da nossa falta de senso crítico, poder de interpretação e ausência de representantes no Legislativo que efetivamente defendam os interesses do povo, no lugar de suas conveniências e atitudes ilícitas para enriqueceram o mais rápido possível.
    Nossos problemas são manifestações típicas da falta de Educação e Ensino, que impedem que entre povo e governo haja sincronia, entendimento, colaboração, trabalho árduo e constante em busca do desenvolvimento e progresso nacional e populacional.
    Muito obrigado pelos excelentes comentários postados, sinal de que algo pode nos unir, tanto os que criticam o governo quanto os que o apóiam, pois estamos tratando de nos defender, de providenciar pelos menos debates para que fiquemos atentos às medidas que são tomadas na Economia e que dizem ser em nosso nome quando, na verdade, atendem aos mesmos, à elite mais perniciosa e devastadora que ainda reina neste Brasil, desgraçadamente:
    Os banqueiros!

  27. Os bancos têm lucro absurdo – no Brasil – porque vivem numa simbiose antiga, porém cada vez mais intensa, com o governo.

    E nessa simbiose funciona com perfeição a prática de: – “uma mão lava a outra”.

    O governo usa (cada vez mais!) os bancos, e os recompensa dando-lhes um mercado fabuloso, aonde eles podem explorar ao máximo os correntistas.

  28. Costumou a dizer que os banqueiros são ladrões legalizados……
    MInha amiga ia pagar uma conta do cartão de crédito e disse para ela deixa “eu”ver como está os juros desse banquinho e da loja, por sinal uma grande rede de lojas e um grande banco, a loja Casas Bahia, e o Banco Bar-desco, cartão “casado” entre a loja e o banco.
    Quando vi os juros quase tive um ataque cardíaco fulminante…….eh1eh!eh
    Os juros para se ter uma ideia estava na casa dos 3 dígitos….
    Na fatura quase 600% ao ano de juros do cartão…
    È ou não é ladrões legalizados, e tudo com a “benção” dos governos..

  29. Recomendo a todos aqui que assistam um video de 10 minutos sobre o tema. É só digitar no GOOGLE a frase O QUE OS BANCOS NÃO QUEREM QUE VOCÊ SAIBA. Está com legendas em português.

  30. Caro LACO SILVA, saudações
    Digitei no google …
    O QUE OS BANCOS NÃO QUEREM QUE VOCÊ SAIBA.
    Trata-se da mais perfeita e macabra engenharia que jamais foi sequer imaginada, mas que foi plenamente realizada pelo Homem e encontra-se em vigor. Grandes pensadores já se debruçaram sobre o tema, escreveram artigos e livros sobre tudo isto, porém foram e são desconsiderados, pois o sistema os coloca como terroristas. Tudo é bem pensado e avaliado, e não temos como desfazer tamanho Crime Contra A Humanidade. Bilhões de indivíduos, famílias, nações inteiras e sociedades são subjugadas e massacradas … e não vemos saída para tal aberração, que já perdura há décadas.
    O Sistema … prevalece. O Sistema tortura e mata, impiedosamente.
    Um forte abraço para você, com a admiração do,
    Almério

  31. A passividade do executivo, legislativo e judiciário é lamentável, os juros praticados no Brasil por bancos é inadmissível, são enormes e ninguém tem coragem de enfrentá-los são todos omissos, os banqueiros mandam e desmandam em tais governos, sejam eles, federal, estadual e municipal, todos seguem a linha e ninguém questiona, os assalariados pagam uma conta altíssima para manter os barões do capital especulativo ditando a economia do pais, é tanta omissão que dá nojo, principalmente o poder judiciário que fica calado.

  32. Kennedy foi assassinado pq fez Executive order 11110, q trazia de volta para a secertaria do tesouro o poder de imprimir dinheiro baseado na reserva de prata dos EUA, Kadaffi foi assassinado pq estava fortalecendo o Gold Dinar Africano e enfraquecendo o Dolar! Getulio foi assassinado por causa do Bndes, petrobras, etc… Hugo Chavez foi assassinado pq estatizou varias empresas multinacionais, Saddan hussein foi assassinado por causa do petroleo! Grande Putin ja escapou de alguns atentados pq nao se curva a NATO e USA! ASSAD IDEM!!! Quem sao os assassinos? CIA, FBI, MOSSAD, MI6, QATAR, ARABIA SAUDITA ETC…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *