Quem mantém posições é o inimigo. Pior é quem recua

Carlos Chagas

Adversários no Norte da África e depois no continente europeu, os generais George Patton, dos Estados Unidos e Erwin Rommel, da Alemanha, tinham características iguais. Para eles, o bom soldado não era o que morria pela pátria, mas o que fazia o inimigo morrer pela dele. Só admitiam uma estratégia: avançar sempre. Jamais manter posições ou aferrar-se ao terreno, mas seguir adiante, com o objetivo da vitória final.

Do discurso da presidente Dilma, na posse, ao pronunciamento do ministro Joaquim Levy, ao receber o cargo, o que se viu foi o governo abrindo trincheiras para enfrentar o adversário. Mais ainda, recuando.

Vão perder a guerra. Nenhuma administração pode aspirar sucesso quando prega apenas aumento de impostos, ajustes fiscais, corte nos investimentos, redução dos benefícios sociais, demissões e perda do poder aquisitivo dos salários.

Falta ao governo um plano para a vitória sobre a crise econômica, impossível de ser conquistada apenas com medidas de contenção. Nem é preciso citar os presidentes da República que deram certo e os que quebraram a cara. Os que ficaram nas trincheiras e os que avançaram.

Qual o objetivo do segundo mandato de Dilma? Se for apenas garantir o bolsa-família e demais programas assistencialistas, fica fácil prever o resultado: as demandas nacionais aumentarão não apenas no campo social, mas na economia. Para atendê-las não basta arrumar as contas e pagar as dívidas. É preciso avançar.

QUEM SERÁ O PRIMEIRO?

Uma aposta toma conta da Esplanada dos Ministérios: dos 39 ministros, qual será o primeiro a pedir para sair ou ser saído? As atenções se dividem entre os ministros de primeira e de segunda classe, quer dizer, aqueles que detêm os controles do processo político, econômico e social, e aqueles que apenas enfeitam o governo. Desimportantes, uns, vigiados, outros. A presidente Dilma dá sinais de que depende dela o julgamento de todos.

 

4 thoughts on “Quem mantém posições é o inimigo. Pior é quem recua

  1. Governar um Brasil carregado de problemas e ainda ter que conviver com uma oposição do nível do PSDB e do DEM, não é fácil. Quem perdeu a guerra foram os generais do PSDB e do DEM. Se o Aécio tivesse ganho a eleição, seria diferente, os ministros seriam mais honestos, éticos, a economia seria rapidamente reconduzida a um patamar de desenvolvimento ? Se fosse verdadeiro, Minas Gerais não teria eleito o Pimentel, do PT, no primeiro turno. A campanha covarde de Aécio deixou ainda mais problema para a Presidente porque o Aécio e sua gangue do mal para ganhar a eleição não pouparam esforços para destruir a Petrobras, e as empreiteiras deduradas construíram tudo que há no Brasil. Aécio, FHC são do PSDB, o Agripino do DEM. O DEM é forte no nordeste por causa do poder do coronelismo secular. PSDB e DEM estão juntos não é de hoje. Basta olhar as administrações de São Paulo e do Rio Grande Norte para desqualificar qualquer argumento que justifique que PSDB e DEM juntos trariam desenvolvimento e menos corrupção no Brasil. Não adiantou nada a campanha com taco de beisebol, só prejudicou mais o Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *