Quieto no seu canto, Collor ainda recebe alguns ataques gratuitos e injustificáveis 

Ex-presidente Fernando Collor é suspeito de receber propina de R$ 800 mil -  Época Negócios | Brasil

Collor não incomoda ninguém, mas vive sendo incomodado

Vicente Limongi Netto

De quando em vez aparecem na imprensa textos ressentidos e desinformados, contra a gestão do presidente Collor de Mello. Agora surgiu, de tacape em punho. o cidadão Orlando Thomé Cordeiro (Correio Braziliense- 5/11) que se intitula Consultor em Estratégia. Palmas para ele.

O glorioso senhor chamou a gestão de Collor de “desastrada”, com “escândalos de corrupção”. É mais um que não se enxerga. Que não tem grandeza de recordar, pelo menos de passagem, os benefícios que o curto governo Collor deixou para o Brasil e para os brasileiros. Foi Collor que abriu a economia brasileira ao mercado internacional. Hoje todo cidadão tem celular. Inclusive o notável Orlando. A maioria dispõe de computadores. Médicos, dentistas e fisioterapeutas utilizam instrumentos modernos para atender pacientes.

MODERNIZAÇÕES – Foi Collor que possibilitou todas estas vantagens aos brasileiros. Não foram os bravateiros e gênios de araque, fantoches de interesses contrariados das muretas dos cartéis, que Collor enfrentou com coragem e firmeza. Refresco a memória do açodado Orlando Thomé Cordeiro com outras leis do governo Collor que permanecem servindo aos brasileiros, como o Estatuto da Criança e do Adolescente, o Código de Defesa do Consumidor e os colégios CIACs.

Collor valorizou trabalhadores rurais, dinamizou o SUS. Na gestão Collor nasceu a Lei Rouanet.  Sob o comando deler, o Brasil sediou a vitoriosa e pioneira Rio+20, com a presença de 150 chefes de Estado.

Apearam Collor do cargo através de um torpe impeachment, orquestrado por brasileiros derrotados por Collor nas urnas. No final da colossal empulhação política da qual foi vítima, Collor foi inocentado das acusações de corrupção em dois julgamentos pelo Supremo Tribunal Federal. Não serão balas de festins de decaídos patrulheiros e luminares por correspondência que esmorecerão o espírito e a vontade de Collor de prosseguir trabalhando pelo Brasil.

AULA DE REDAÇÃO – Errar é humano. Insistir no erro é burrice ou má-fé. Ou ambas as coisas. Nessa linha, volto ao tema por rigoroso interesse gramatical. Em benefício da correta redação. Matemática ou aritmética?

Virou rotina falar ou escrever errado. Os equívocos são frequentes. Batem tanto na mesma tecla que a falha tornou-se vício de linguagem. Escrever errado virou charme.

Lamentável e patético. Justiça aos raros que grafam certo ou falam corretamente. Sobretudo agora, no final do Brasileirão, série A e B, quando é preciso avaliar as chances numéricas dos adversários.

UM ERRO COMUM – Programas esportivos nas televisões e rádios e matérias nos impressos anunciam “Hora da matemática”, “Projeção da matemática”, “Cuca avalia a matemática”. Um horror. Pavoroso erro. Sumiram com os manuais de redação. Céus.

Matemática, refrescando a cachola dos sabidões. é a ciência dos números. Mas quem trata deles, diminuindo, somando e multiplicando, é a aritmética. Fica a esperança de que até a rodada final das séries A e B, a rapaziada aprenda a lição. A diferença entre a matemática e a aritmética. Sem medo e traumas da aritmética. Leitores e telespectadores exigentes agradecerão.

15 thoughts on “Quieto no seu canto, Collor ainda recebe alguns ataques gratuitos e injustificáveis 

  1. Chamou a atenção citar a Rio+20, Collor não era presidente.
    Mas é bom lembrar que foi essa República de Alagoas junto com Renan, PC e o pai desse Lira que hj está no congresso, que articularam a eleição do Collor.
    Mais tarde Renan, promoveu o impeachment do já presidente e desafeto Collor.
    Única coisa boa que essa turminha produziu, foi ter colocado o Itamar de vice, porque de resto, continuam afundando o Brasil.

  2. Collor foi um bom presidente? Na minha opinião, não.
    O confisco do dinheiro dos cidadãos com o intuito de baixar a inflação foi um dos erros.

    A abertura da economia era desejável, porém, deveria haver algum protecionismo às indústrias do Brasil, preferencialmente, o incentivo às incorporações de tecnologias mais avançadas, a fim de que avançássemos nessa área . Os países que fizeram isso, conseguiram progressos notáveis (China, Coréia do Sul e mais alguns países asiáticos).

    Esse tipo de neoliberalismo nocivo, pois simplesmente desistíamos de nossa soberania em matéria de tecnologia, foi o começo da derrocada de nosso parque industrial. E no governo FHC, o seguimento nessa direção (consenso de Washington) foi aquilo que nos condenou a ser o eterno país da esperança.

    Não vou falar sobre a corrupção acontecida então e até depois, onde Collor esteve envolvido. O STF nem julgou o mérito, pois alguns supostos crimes estavam prescritos. Cabe a todos julgarem a inocência ou não do personagem.

  3. Da mesma forma que existem as carpideiras da ditadura milico-servil

    … existem os cidadãos e cidadãs “do bem”, cristãos e cristãs “ungid@s” por macedos e malafalhas da Vida que defendem os criminosos que integram o atual governico Narcomilicomiliciano de verniz neo-evangélica

    … talqualmente jornalistas e não jornalistas que continuam processando fé canina em collor e a malfadada operação Uruguai…

  4. Primeiro Presidente eleito democraticamente depois de um período obscuro de Ditadura… qualquer um presidente abriria de certa forma a economia. Mesmo se, na época, seja quem quer que saísse vitorioso nas eleições daquele 89, Collor, Lula ou Brizola – infelizmente não foi este.

  5. O pior cego é o que não quer enxergar.
    Collor foi um desastre.
    Foi colocado e tirado pela Globo.
    Tal como Bolsonaro não tem noção de nada. O tal plano Collor foi bolado por quem? Pela Zélia? Conta outra.
    O desastre foi completo e na tentativa de salvar alguma coisa deram o golpe do impeachment.
    Mais uma vez o povo foi feito de bobo e não aprendeu a votar.
    Está aí Bolsonaro repetindo Collor, inclusive na apropriação dos símbolos nacionais.

  6. Inclusive, a plim plim, ajudou muito a estigmatizar o Brizola; o que realmente faria diferença para o País.
    PS: Mister Limongi o problema é que a senhora Álgebra, sempre tem que colocar o ‘x’ na questão.

  7. Bom,se é pra falar mal do Fernando Collor,vamos atirar pedras..

    Mas,sejamos justo oferecendo lhe escudo das coisas boas.

    1° realmente Collor foi ungido pela Globo,(interee’sse),pela CIA,guerra fria e ameaça “comunista”representada pelo PT (kkkkkkkkkkkk).
    Pelo ultra Nacionalista BRIZOLA,esse sim,um perigo para hegemonia EUA.

    2° Collor eleito com viés liberal,deixou legado na informática abrindo o mercado aos forasteiros que nos trouxe norral (know-how).

    Mas,Collor que não era tão entreguista,criou uma espécie reserva de lucro, os gringos tinha que investir aqui na filial em ciência e tecnologia.
    Hoje somos referência nessa área.

    3° Não privatizou a Petrobrás e nem a Embraer.
    Pelo contrário,injetou.

    Obs: Claro,já começou a contrariar os gringos e Soros,nas vozes do Armênio Praga,FHC,do caminha 51,com apoio dos Marinhos.

    4° Combateu a inflação sim.
    Pegou a herança do Sarney, números redondo 1900 de inflação,deixou 1100.

    5° Num gesto de grandeza e altivez,socorreu com verbas federais as merendas escolar e construção do CEPS/CIACS,verbas essas,o estado do RJ, tinha em haver,dando um fôlego ao governo BRIZOLA e POVO Fluminense tão massacrado pela organização…

    5° Contrariados com independência do COLLOR .

    O departamento de estado Americano junto com burguesia Nacional e com apoio das organizações Globo,Fiesp,os jornalões muito bem pagos com propaganda etc…

  8. Fernando, teu xará era o presidente, sim, quando o Brasil reuniu 150 chefes de Estado, no vitorioso e pioneiro, Rio+20. Valeu, a dose de justiça e bom humor do atilado Luiz Fernando Souza. Saúde para todos. A propósito, colocando mais lenha da fogueira, creio, sem receio algum de cometer erro ou exagero, que entre todos os candidatos e pre-candidatos à Presidência da República, colocados no cardápio da imprensa, Collor é mais qualificado do que todos eles para exercer a chefia da nação. Nessa linha, porque não colocam o nome dele nas pesquisas eleitorais? os donos das empresas têm medo do ex-presidente? Por que?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *