Quinta-coluna. Ou, quem protege os bandidos?

Resultado de imagem para direitos humanos charges

Charge do Tacho, reprodução do Jornal NH

Percival Puggina

Importado da Guerra Civil Espanhola e largamente usado durante a Segunda Guerra Mundial, o termo quinta-coluna designa quem, no desenrolar de um conflito, serve à causa do inimigo nacional comum. Não é outra coisa a zelosa proteção de malfeitores conduzida por proselitismo ideológico, estratégia política e administração da justiça. Assumida com motivações de esfumaçada nobreza, implica ações e omissões que colidem com a segurança e a defesa da sociedade, com elevados atributos do bem comum e com finalidades essenciais ao Estado.

Num tempo em que nossas sirenes mentais disparam ao colocarmos o pé na soleira da porta, ou pararmos num semáforo, ou escrutinarmos cada passageiro que embarca no coletivo em que nos aventuramos, a palavra paranoia tende a cair do vocabulário, substituída por duro e puro realismo. Há uma guerra declarada pelo crime contra a sociedade. E nós não somos militares ou policiais. Somos os desarmados objetivos de forças inimigas, que evitam se confrontar com o Estado pois este tem armas e tropas, reduzidas, mas treinadas. É conosco, é contra os civis, que tal guerra foi estabelecida.

COLABORACIONISTAS –  Por isso, decidi alinhar nesta coluna, para adequada identificação, diversas posições e atitudes de colaboração com as forças inimigas. Podem, por isso, ser qualificadas como quinta-colunas. Você verá, leitor, sem surpresa alguma, que todas essas atitudes procedem do mesmo arraial ideológico onde se articulam ações revolucionárias.

 

São protetores de bandidos os adversários à posse e ao porte de armas. Eu mesmo me alinhei entre estes, até aprender de minhas sirenes mentais o quanto a prudente prevenção serve à nossa segurança e à de nossos familiares. Uma população civil desarmada vira pombinha branca para as armadilhas do banditismo, tão alva e tão ingênua quanto as dessas revoadas lançadas por manifestantes em favor de uma paz unilateralmente declarada. É bem assim que as forças inimigas querem ser recebidas. Elas desejam ser, sempre, o único lado com o dedo no gatilho.

São protetores de bandidos todos os que emitem a cantilena do “só isso não resolve” ante qualquer demanda racional por rigor contra o crime, a saber, entre outras: mais presídios, penas de reclusão mais longas, severas exigências para a progressão de regime e uso mais intenso do Regime Disciplinar Diferenciado nas execuções penais.

“PRESOS EM EXCESSO” –  São protetores de bandidos os que proclamam, como se argumento fosse, o fato de já termos “presos em excesso”. E tudo se passa como se miragens e alucinações, não bandidos reais, andassem por aí todo ano, armas na mão, matando 60 mil brasileiros, roubando meio milhão de carros, praticando número muito maior de furtos diversos não notificados e algo como 520 mil estupros (estimativa feita pelo IPEA, levando em conta a subnotificação, a partir de 41 mil ocorrências registradas).

São protetores de bandidos os políticos, formadores de opinião, juristas e ideólogos cujas vozes, em pleno estado de guerra, mas longe do tiroteio cotidiano, só se fazem ouvir para recriminar ações policiais, promovendo a associação ideológica dessas corporações à repressão, autoritarismo, brutalidade, ditaduras e assemelhados. São protetores de bandidos os militantes de ideologias instalados nas carreiras jurídicas e ganhando acesso aos parlamentos. Para estes, os criminosos são agentes ativos da revolução social com que sonham sem terem a coragem de acionar com mão e gatilho próprios.

PLANTIO DIRETO – São defensores de bandidos todos que espalham as sementes do mal por plantio direto, lançando-as ao léu, com a afirmação de que os criminosos são seres humanos esplêndidos aos quais foi negada a realização de sua bondade natural por essa sociedade perversa (eu, você que me lê e os executados de ontem em atos de extrema frialdade).

Veem-nos – a nós, nunca a si próprios – como potenciais cenas do crime, corpos de delito com culpabilidade constatada e contas a ajustar.

11 thoughts on “Quinta-coluna. Ou, quem protege os bandidos?

  1. Será que o autor sabe usar uma arma adequadamente? Faz uns 2 meses que um sargento da PM treinado para usar arma , tanto que fazia a segurança do Eduardo Paes, reagiu a um assalto e foi morto.
    Um velho professor de Krave sempre dizia que se te apontarem um arma para te roubar é bobagem reagir.
    Reação só em risco de vida e de preferência quando a arma estiver a menos de 1,5 metros…

      • Caro Virgílio,
        Não confundir a regra com a exceção. Tá cheio de gente que dirige mal e tem habilitação para dirigir.
        Cada um tem que assumir as consequências dos seus atos. O fato de alguém não saber dirigir e cometer atrocidades no transito não pode tirar o meu direito de dirigir, se eu estiver habilitado legalmente para isso.
        Abraços.

        • Bom dia. A reação do Krav que citei não é armada. Continuo achando que antes de comprar uma arma a pessoa deveria passar por um severo treino , pois o livre arbítrio não é tão livre assim , pois em diversas situações as pessoas envolvidas não” arbitraram ” nada como nos casos de tiroteios em ônibus, restaurantes , praças de alimentação, etc.
          Quanto as condições de trabalho dos policiais ela é lamentável.

  2. Quanto ao policial, é sabido que as policias não tem recursos para treinamento. Dão 50 balas para os recrutas treinarem e depois… NUNCA MAIS ! Tem policial que não sabe nem segurar em uma arma.
    É como você contratar um motorista para a sua família sabendo que ele só dirigiu no dia em que tirou a habilitação…

  3. Ora pois, usa-os e os protege em “partes”, ou “restos”, diria Nhô Vitor, meu saudoso avô materno e “segundo”, terceiro, quarto e os quintos dos infernos:
    “G. – Você quer dizer que os maçons têm de morrer nas mãos da revolução que tem sido provocada com o seu co-operatio n?

    R. – Exatamente. Você ter formulado uma verdade que é velada por um grande segredo. Eu sou um pedreiro, você já sabia sobre isso. Não é assim? Bem, vou dizer-lhe esta grande segredo, o que eles prometem divulgar para um pedreiro em um dos graus mais elevados, mas que não é revelado a ele, quer no dia 25, nem o 33, nem o 93, nem qualquer outro nível elevado de qualquer ritual. É claro que eu sei que isso não como um maçom, mas como alguém que pertence a “Them” …

    G. – E o que é?

    R. – Toda organização maçônica tenta atingir e criar todos os pré-requisitos necessários para o triunfo da revolução comunista; este é o objectivo claro da maçonaria; é claro que tudo isso é feito sob vários pretextos; mas eles sempre escondem-se por trás de seu slogan agudos bem conhecido. (Liberdade, Igualdade, Fraternidade -. Transl) Você entende? Mas desde a revolução comunista tem em mente a liquidação, como uma classe, de toda a burguesia, a destruição física de todos os governantes políticos burgueses, segue-se que o verdadeiro segredo da alvenaria é o suicídio de maçonaria como uma organização, eo suicídio física de cada mason mais importante. Você pode, é claro, entender que tal um fim, que está sendo preparado para cada pedreiro, merece plenamente o sigilo, decorativeness ea inclusão de mais uma série whoie de segredos, com vista a esconder o real. Se um dia você vier a estar presente em algum revolução futuro, então não perca a oportunidade de observar os gestos de surpresa e a expressão de estupidez no rosto de algum maçom no momento em que ele percebe que ele deve morrer nas mãos do revolucionários. Como ele grita e quer que se deve valorizar seus serviços para a revolução! É uma visão em que se pode morrer … mas de riso.

    G. – E você ainda nega a estupidez inata da burguesia?

    R. – Eu nego-o na burguesia como classe, mas não em determinados sectores. A existência de manicômios não prova loucura universal. A Maçonaria é também um hospício, mas em liberdade.”
    “Conti-nua-e-crua”, em:
    http://mailstar.net/red-symphony.html

  4. É isso ai, Percival. Esta semana em dois assaltos em Joinville Sc, três bandidos foram mortos pelos donos dos estabelecimentos, que já estavam prevenidos e executaram a própria segurança.
    Pois bem, o que se viu em seguida foi um Ten.Cel da PM, logo sair com a cantilena de que foi um risco as vítimas terem reagido.
    Deveria o policial também ter feito referencia aos bandidos que a prática de crime pode ter consequências fatais para eles.
    Acho que qualquer autoridade ou jornalista, deveriam se abster de dar estes tipos de conselhos aos cidadãos, pois estão na verdade
    incentivando a bandidagem. Reagir é um ato de livre arbítrio de cada um.
    Os bandidos já incorporaram a suas defesas, o fato da reação ser um atentado as suas integridades, portanto julgam a partir dai, estão liberados para matar.
    A inversão de valores é total no nosso pais.
    A esquerda apoia a bandidagem só ate a implantação da sua ditadura, a partir dai o “paredon” recoloca as coisas no devido lugar.
    Cada cidadão é livre para repelir qualquer agressão, ainda não foi criada uma lei que exija que a vítima colabore com o bandido e este desarmamento feito pelo PT foi criminoso, deixou os brasileiros a merce do crime.
    Antigamente havia um ditado que dizia,”quem não reage, rasteja”, é o que estamos fazendo.

  5. Sr. Puggina.
    O Brasil tem mais mortes violentas do que a Guerra da Síria. .
    Mas nãi fique preocupado, os gênios da Administração Pública Mundial, comandada pelo Gênio Efeagacê Alckimi-ni e seu Secretário da Violência Pública, conseguiram em um grande passe de mágica “ZERAR A VIOLENCIA” no Estado Tucânico de São Paulo……..
    A propósito, esta semana, foi um festival de Explosões de Caixas-Eletrônicos…….
    Ainda bem que estamos com niveis de estatísticas abaixo da Suiça,, Holanda, Suécia, Finlândia, Noruega, Japão……

  6. Sr. Puggina, um dia após escrever o post acima, veja que interessante na Terra da EfeagaceLãndia & Propinas & Panamá Papers..

    http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2016/10/quadrilha-com-20-homens-explode-4-bancos-e-1-farmacia-em-capivari-sp.html

    PS. Não se preocupe, o Gênio e seu Ministro da Violência Pública dizem que o problema está nas fronteiras , porque entram bastante armas pesadas, e a culpa é da Dona dilma dá atenção a esse pequeno problema.

    PS2. A Estatíticas continuam abaixo dos índices do Japão, Suécia, Suiçã, Finlândia…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *