Reajuste do STF “não é derrota, é preocupação”, diz general Heleno

Reajuste é bomba orçamentária em momento de cortes

Eduardo Bresciani
O Globo

O general da reserva Augusto Heleno , que vai assumir o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), não reconheceu como derrota do presidente eleito Jair Bolsonaro a aprovação pelo Senado do reajuste salarial para o Supremo Tribunal Federal ( STF ) na última quarta-feira, dia 7, mas admitiu que a medida gera preocupação para a equipe.

“Não é derrota, é preocupação. Tenho certeza que ele (Bolsonaro) não considera derrota. É uma preocupação, até pelos gastos anunciados, mas isso tem que ser muito bem estudado. Tem que avaliar”, afirmou Heleno em referência ao impacto de R$ 4 bilhões que o aumento deve ter para a União e os estados, já que os rendimentos dos ministros servem como teto para o funcionalismo público .

EQUILÍBRIO  – O general concordou com a ideia de que há a necessidade de um equilíbrio entre as Forças Armadas para a definição do nome que comandará o ministério da Defesa, do qual ele seria titular antes de ser anunciado para o GSI. O vice-presidente eleito Hamilton Mourão afirmou que o nome deve vir da Marinha , mas Heleno disse que não está decidido de qual Força virá o nome e não descartou a possibilidade de ser mais um general do Exército a ocupar a pasta.

“A gente procura ter esse equilíbrio, não porque haja ciumeira entre as Forças, mas porque é necessário que haja uma diversidade de visões e de opiniões para as decisões que tem de ser tomadas pelo ministério. É desejável que haja um equilíbrio. Mas não tem obrigação (de ser de outra Força)”, disse o general Heleno.

O novo responsável pelo GSI disse que o desejo de Bolsonaro para que ele assumisse a função o “enobrece” e o “envaidece”, mas não quis avançar sobre suas atribuições por ainda estar no “vestiário” enquanto se prepara para o cargo. Ele também afirmou que não recebeu nenhuma informação nova sobre possíveis ameaças a Bolsonaro. Segundo ele, durante a campanha houve alertas para evitar agendas com local e horário marcado, mas que não existiu uma reiteração do pedido após a eleição. Para o general, os reforços na segurança são naturais pelo fato de Bolsonaro ser agora um presidente eleito.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGApesar de não admitir como derrota, a aprovação pelo Senado do reajuste salarial para o STF representou o primeiro “chega mais” no governo de Bolsonaro pelo Congresso, com um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas,. Apesar da crítica à medida pelo presidente eleito, afirmando que o momento não era de aprovar novos gastos, Toffoli articulou rapidamente com senadores e reforçou o compromisso de derrubar o auxílio-moradia em troca do aumento. Com a agilidade do presidente do Senado, Eunício Oliveira, a Casa fez uma votação a jato. A desculpa foi a “harmonia entre os Poderes” para justificar o “presente”. (M.C.)

17 thoughts on “Reajuste do STF “não é derrota, é preocupação”, diz general Heleno

  1. Brasil virou motivo de piada no exterior.
    Nesse caso, um programa de humor holandês fez um vídeo simulando um ministério do turismo super sincero.

    Piada ou não, todo mundo está entendendo: o Brasil é um país LGBTfóbico e fascista. Não é um local seguro para viver férias tranquilas.

    Elina Lins

    https://goo.gl/vMywhV

    • -Alex, não se esqueça que o Bolsonaro ainda não assumiu.
      -Estamos vivendo sob o governo da aliança PMDB/PT.
      -Portanto, a atual situação de caos e de violência é FRUTO do governo do PT e não do governo do Bolsonaro, correto?

    • Deixa de ser ridículo mortadela!
      Temos coisas muito mais importantes com que nos preocupar. Hoje com esse aumento estou estúpido fóbico, petralha fóbico, mortadela fóbico e vsf!

    • E cá no Brasil, estamos nós preocupados com o que pensam os pederastas da Holanda? Eles que continuem explorando as suas prostitutas e vendendo drogas livremente e fiquem por lá mesmo nas suas férias. Aliás, se gostas tanto assim, Alex Droga Cardoso, te muda para lá.

  2. Bora lá que a esperança é a última que morre.

    O abaixo-assinado virtual do Partido Novo contra o aumento dos salários do Judiciário, com efeito cascata no funcionalismo, já tem mais de 1,5 milhão de assinaturas —

    http://chng.it/cptrJFvP

    “O último obstáculo a mais esse desrespeito ao dinheiro público é o presidente Michel Temer, que pode vetar a proposta”, diz trecho do texto de apresentação do abaixo-assinado.

    O Novo tenta, ainda, emplacar as hashtags #AumentoNão e #VetaTemer.

    • Todos esperamos que o Temer vete, mas ele sairá do governo para entrar na Justiça de Curitiba. Aí é que está o problema: é o dele ou o nosso. O resultado é óbvio: vai fazer um agrado aos digníssimos e ilustríssimos juizecos do STF.

  3. Cada vez fica mais claro que Bolsonaro terá o Congresso, o STF, a esquerda “quanto-pior-melhor” além da imprensa, é claro, jogando contra. Vai ser muito difícil governar.

  4. 6 bilhões de impacto anuais….

    Tudo por conta do contribuinte…..

    E o povinho de merda vai às ruas???

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

  5. Imaginem o Toffoli ligando p/os senadores,e dando o recado do stf: “aprovem nosso aumento senão nós também não soltamos vocês depois que a lava jato os pegarem”.

  6. José Serra, por exemplo, votou pelo aumento ao ministros do STF.

    Esse é um daqueles que sempre tem pronto o discurso pelo combate aos gastos e desperdicios públicos. Então na dificil situação atual das contas públicas, por que ele votou pelo aumento dos ministros?

    Elementar neu caro Watson. É só ler a matéria sobre o Paulo Preto logo acima e se conferir que o próprio Serra também está sendo investigado e julgado no próprio STF. Precisa desenhar ou já está mais do que claro, clarissimo? E o Serra é apenas um deles, com certeza os outros 40(lembra Ali Babá) também tem problemas muito semelhantes aos do Careca!

  7. Não tinham 2 bilhões para a implementação do voto impresso. Mas tinham 2 bilhões para o fundo partidário, para atender seus interesses políticos imoraís. Agora tem 6 bilhões para os juízes do STF, judiciário e servidores públicos. Para a população nada! Para os juízes parasitas, que trabalham de terça a quinta e tiram 3 meses de férias por ano, tem auxílio moradia e muitos outros penduricalhos tudo!

    É por essas e outras que apoio a proposta de uma nova constituíção, já elaborada por Luiz Philippe de Orleans e Bragança e um grupo de notáveis. Precisamos de uma constituíção que beneficie o povo, não os poderes.

    O Judiciario não pode continuar exercendo o poder de moderador. Que este poder volte para os monarcas como chefes de estado. O custo para o Brasil era infinitamente menor, nem 4% do PIB era, e visavam o bem do país, não o seu próprio, pensavam nas proximas gerações, não nas próximas eleições. Os 3 poderes da República custam atualmente quase 40% do PIB do país. Precisamos de um poder moderador com um chefe e conselho de estado para remover quem não produz, quem não é competente, quem traí e rouba a nação.

    A Lava a Jato ainda vai chegar no Judiciário. O Juiz Sergio Moro dará a sua contribuíção para que isso aconteça.

  8. Incrivelmente, o Brasil sobreviveu a 8 anos do picareta fhc, 8 anos do maior dos ladroes lula, e 6 anos da mentecapta dilma, a louca.
    E agora essa corja petralha quer jogar pedras em um governo que nem iniciou, ainda.
    Bando de idiotas VERME-lhos!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *