Receita para fazer um soneto, na genialidade de Carlos Pena Filho

Resultado de imagem para carlos pena filhoPaulo Peres
Site Poemas & Canções


O advogado e poeta pernambucano Carlos Pena Filho Carlos Pena Filho (1929-1960 ) mostra os ingredientes  “Para Fazer um Soneto”.

PARA FAZER UM SONETO
Carlos Pena Filho

Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
e espere um instante ocasional
neste curto intervalo Deus prepara
e lhe oferta a palavra inicial

Ai, adote uma atitude avara
se você preferir a cor local
não use mais que o sol da sua cara
e um pedaço de fundo de quintal

Se não procure o cinza e esta vagueza
das lembranças da infância, e não se apresse
antes, deixe levá-lo a correnteza

Mas ao chegar ao ponto em que se tece
dentro da escuridão a vã certeza
ponha tudo de lado e então comece.

6 thoughts on “Receita para fazer um soneto, na genialidade de Carlos Pena Filho

  1. Soneto do Desmantelo Azul – Carlos Pena Filho

    Então, pintei de azul os meus sapatos
    por não poder de azul pintar as ruas,
    depois, vesti meus gestos insensatos
    e colori, as minhas mãos e as tuas.

    Para extinguir em nós o azul ausente
    e aprisionar no azul as coisas gratas,
    enfim, nós derramamos simplesmente
    azul sobre os vestidos e as gravatas.

    E afogados em nós, nem nos lembramos
    que no excesso que havia em nosso espaço
    pudesse haver de azul também cansaço.

    E perdidos de azul nos contemplamos
    e vimos que entre nós nascia um sul
    vertiginosamente azul. Azul.

  2. Quando está tudo bem, respondemos a quem nos pergunta, como está? Está tudo azul, querendo dizer que está tudo calmo sereno, porque azul é a cor dos sonhos, do céu e do mar.

    “Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
    e espere um instante ocasional
    neste curto intervalo Deus prepara
    e lhe oferta a palavra inicial”

    Maravilha um ambiente azul, minha cor preferida.

  3. Carlos Pena filho também foi compositor. Em parceria com Capiba nos deixou “a mesma rosa amarela”

    Você tem,
    Quase tudo dela,
    O mesmo perfume,
    A mesma cor,
    A mesma rosa amarela,
    Só não tem o meu amor.

    Mas nesses dias de carnaval,
    Para mim você vai ser ela,
    O mesmo perfume a mesma cor,
    A mesma rosa amarela,
    Mas não sei o que será,
    Quando chegar a lembrança dela,
    E de você apenas restar,
    A mesma rosa amarela

  4. 1) Licença: iniciando mais um ano letivo:

    2) Estrofe Ensinar (tentativa poética)
    pro – Fes – sor
    Antonio Carlos Rocha
    “Nos corações dos professores (as)
    Residem nossos Caminhos
    Nossas Fés são plurais
    Acreditamos nas pessoas
    Ensinar é aprender
    Seres humanos são demais !”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *