Reeleição é fonte de crise desde a de Jango em 1960

http://goias24horas.com.br/wp-content/uploads/2013/02/charge-prefeito-300x237.jpgPedro do Coutto

Pesquisa do Datafolha publicada em reportagem de Ricardo Mendonça, Folha de São Paulo de terça-feira, revela que 67% do eleitorado brasileiro são contra a reeleição de presidentes da República, governadores e prefeitos. É o resultado das decepções sucessivas com os desempenhos principalmente dos presidentes Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff. Quanto a Lula, este também se enquadra no panorama relativamente ao desfecho de seu segundo mandato, embora tenha sido de influência decisiva para a vitória de Dilma Rousseff em 2010. Entretanto, o drama das reeleições começou com a de Jango Goulart para vice-presidente da República nas urnas de 1960.

Uma explicação: naquele tempo o vice era votado independentemente do presidente e, ao contrário deste, poderia ser reeleito. O impedimento não se referia aos vices, de acordo com a tese levantada por Santiago Dantas, vitoriosa no Supremo Tribunal Federal. Santiago Dantas sustentou que vice era uma nulidade administrativa e só lhe cabia assumir o poder na ausência do presidente da República.

Assim, eleito vice de JK em 1955, Jango foi reeleito cinco anos depois nas eleições de 60. Concorreu na chapa do general Teixeira Lott, mas foi votado também por eleitores de Jânio Quadros através de um movimento independente denominado JAN-JAN. Disputando isoladamente a vice, ele derrotou Milton Campos, da UDN, a quem inclusive havia vencido em 55. Em 55 ele era vice de Juscelino e Milton Campos integrava a chapa de Juarez Távora.

OSWALDO ARANHA

O destino conduziu Jango a sua nova candidatura em 1960. Numa entrevista a ABI naquela campanha, o general Lott revelou que havia escolhido o embaixador Oswaldo Aranha para seu companheiro de chapa, mas Aranha morreu em abril daquele ano,na noite que foi homenageado como Homem de Visão de 1959 por suas posições relativas à criação das Nações Afro-Asiáticas que conquistaram a independência, transformando-se de colônias em Estados independentes. A revista Visão era responsável pela outorga do título num evento que se sucedia anualmente. Tinha como redator-chefe o jornalista Jorge Leão Teixeira, que trabalhava também no Correio da Manhã.

Se Oswaldo Aranha não tivesse morrido naquela noite de festa, Jango não teria assumido a presidência da República quando da renúncia de Jânio Quadros. Coisas do destino. Destino, aliás, dramático para Goulart. Embora fosse um conciliador, quase sempre os acontecimentos em que se envolvia geravam crises. Assim foi com o Manifesto dos Coronéis, em 1953, que o derrubaram do Ministério do Trabalho. Naquela ocasião Getúlio Vargas cedeu à pressão e começou a perder poder a partir daquele momento. Em 54, candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul, mesmo após a morte de Vargas a 24 de agosto, em outubro foi batido nas urnas por Armando Câmara e Daniel Krieger.

CANDIDATO A VICE

No ano seguinte, 1955, o lançamento de sua candidatura a vice de JK causou forte reação contrária no meio militar. E reação maior ainda a de 1961 quando lhe coube assumir a presidência substituindo Jânio Quadros. Mas estes fatos todos pertencem ao passado. No presente, a pesquisa do Datafolha revela, no fundo, uma rejeição intensa aos governos que se sucederam depois de reeleições eivadas de decepções que as estatísticas do Datafolha, e também as do Ibope acusam no panorama político nacional.

O eleitorado, ao rejeitar as reeleições, está implicitamente temendo e rejeitando a sucessão de fracasso na condução do país. Agora, a pesquisa do Datafolha vem consolidar a emenda constitucional aprovada pela Câmara dos Deputados, por esmagadora maioria de votos, e certamente será confirmada pelo Senado, impedindo o segundo mandato para todos os ocupantes de cargos executivos conquistados pelas urnas do país.

De decepção em decepção, não podendo retirar o voto da urna, os eleitores e eleitoras optaram pelo fim da recondução e portanto o prosseguimento de reconduções negativas para a população. Fonte do poder e base de sustentação dos governantes os quais, depois de escolhidos pela primeira vez não repetem suas atuações no segundo mandato.

A história, assim, é escrita nas teclas das urnas pelos que nela depositaram sua confiança.

7 thoughts on “Reeleição é fonte de crise desde a de Jango em 1960

  1. Pedro Couto, “sempre, sempre, como se estivesses contando um conto acrescentas um ponto na história”. Primeiro dizer que reeleição é fonte de crise. Errado quando te referes ao vice. Certo estava Santiago Dantas um de nossos grandes juristas. “Por acaso achas correto termos um vice-presidente que não foi eleito”? O que devias dizer é que todos os acontecimentos políticos no Brasil de 1945 a 1964 tiveram o apôio tácito-ostensivo dos americanos. Quanto ao que dizes de Oswaldo Aranha produto de tua “mente fértil”, nunca existiu. Em 1955 Juscelino convida Jango para seu vice, que não queria sob hipótese nenhuma ser candidato a nada, estava mesmo disposto a abandonar a política. Jango sugeriu o nome de Oswaldo Aranha (que tinha voltado ao PTB), consultado disse: segundo eu só fui de Getúlio e declinou do convite. Foi um sufoco convencer Jango a aceitar ser vice. Foi vice eleito com mais votos que Juscelino. Lott candidato Jango tranquilamente foi vice eleito (a Constituição não impedia conforme o parecer jurídico de Santiago Dantas). Janio eleito sete meses depois renunciou, qual a anormalidade por ter Jango assumido a presidência? Nenhuma! Estou sempre atento para dar cartão vermelho “aos pontos que acrescentas na história que viveste e que eu também vivi bem de perto”.

  2. Prezado Sr. LIONÇO RAMOS FERREIRA, o valente Mineiro Dr. PEDRO ALEIXO, Vice do Presidente COSTA E SILVA, foi o primeiro o único VOTO CONTRA ao AI-5 de todo o Ministério, na famosa REUNIÃO de 13 dez 68. ( A votação foi na base do: “as favas com os escrúpulos, daí para pior….”.). Foi um milagre o Vice-Presidente Dr. PEDRO ALEIXO não ter sido também Cassado ali no Ato. Cassarano dali +- 6 meses, quando por doença grave do Presidente COSTA E SILVA iria assumir a Presidência da República. Abrs.

  3. – 1955. Juscelino até então, era um nome forte mas estadual, MG, e Jango um nome nacional, muito ligado à Getúlio. Houve uma entre-ajuda nesta campanha.
    – 1960. Jango apenas como vice de Lott (inexpressivo eleitoralmente), não seria eleito. Elegeu-se juntando seu nome ao de Jânio, JAN-JAN, fenômeno não apenas estadual, SP, mas já um nome nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *