Reflexões de Cony sobre a Páscoa, os homens e os baixos instintos

O comentarista Luiz Felipe (que infelizmente não declina o sobrenome) nos envia um texto publicado na Folha de S. Paulo por nosso amigo Carlos Heitor Cony, um dos maiores escritores brasileiros.

###
A PÁSCOA E OS HOMENS

Nos domingos de Páscoa, como o de hoje, lá no seminário onde estudei, acordávamos com o coro da “Cavalleria Rusticana”, “Inneggiamo il Signore è risorto”, um dos mais famosos da lírica de todos os tempos. No rude cenário de uma aldeia siciliana, o povo se reúne e louva o Senhor, que subiu à glória do céu. Mal termina o coro pascal, num duelo por causa de mulher, um homem mata outro.

Não é por falta de exemplos e melodias que a humanidade, desde Caim, segundo a Bíblia dos judeus e cristãos, convive com a violência e os baixos instintos, como o ciúme, a cobiça e a inveja. Os momentos de glória passam depressa e depressa são esquecidos.

Santo Agostinho, falando sobre as prostitutas, e em parte as absolvendo, dizia que elas sofriam a “nostalgia da virtude”. Creio que também exista uma nostalgia do vício. Não podemos passar sem um vilão, um demônio no qual podemos descarregar nossas culpas por causa da perdida inocência.

Deixando de lado outras considerações, vamos aos fatos de nosso cotidiano, que também pode ser considerado rústico como a ópera de Mascagni, baseada em peça de Giovanni Verga.

Inútil arrolar os vilões, o assassino nos Estados Unidos que sem mais nem menos invade escolas e mata jovens alunos. Em termos prosaicos, aqui no Brasil não podemos passar sem um vilão público, seja Ricardo Teixeira, seja Carlos Cachoeira.

Isso sem falar no satã da vez, um senador que atuava como um Catão, denunciando e cobrando moralidade na vida pública.

O que tem a Páscoa com nossas misérias? Somos diariamente açoitados e crucificados. “Ecce homo”, num vastíssimo plural: eis os homens! Mesmo assim, e apesar das evidências em contrário, pensamos que um dia poderemos subir à glória do céu.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *