Reflexões de um esquerdista sobre o novo Ministério

René de Carvalho

Lembro que em muitas manifestações, durante o governo Allende, militantes traziam cartazes em que se podia ler “Es um gobierno de mierda, pero es de nosotros”.  Penso que podemos dizer, em nossa situação atual, que temos um ministério de merda, mas não me arriscaria a dizer que es de nosostros… É na verdade o ministério que nos coube na atual correlação de forças.

Claro, essa correlação não exige kátias e conformes, mas penso cá comigo que poderíamos apenas obter mudanças de forma, mas não de conteúdo. Sei que a correlação de forças na sociedade é melhor do que a do Parlamento… Mas foi apenas suficiente para nos dar uma vitória apertada. O que realmente me preocupa, mais do que uma vitória eleitoral apertada, é que perdemos nos últimos anos, apoio na sociedade. Penso que essa é atualmente nossa grande fragilidade.

Tenho o sentimento de que a compreensão da complexidade da relação entre correlação de forças na sociedade, no parlamento e ministério é muito importante para qualquer definição de tática. O ministério que está sendo composto busca atender à correlação de forças no parlamento, tentando obter relativa maioria parlamentar e reforçar a legalidade do mandato presidencial sob ofensiva do revanchismo oposicionista. Mas não podemos, é claro, considerá-lo um instrumento de melhoria da correlação de forças na sociedade.

CRÍTICAS NECESSÁRIAS

As críticas de esquerda ao ministério que vai sendo montado são necessárias. Seu foco talvez é que poderia ser outro. O nome dos escolhidos / indicados tem seu simbolismo, é claro. E isso importa. Mas importa bem mais os compromissos que cada ministro assume, de público, para a efetivação do programa do governo.

Cada ministro ao ser empossado deveria ser obrigado a apresentar seus planos e compromissos à sociedade: o que o governo se compromete a fazer em cada área, nos próximos quatro anos. E as metas para os dois primeiros anos.

Do jeito que as coisas ocorrem, trata-se apenas de indicações de grupos políticos, sem maiores compromissos com a população e o programa de governo que a mesma elegeu. Essa seria a meu ver a melhor contribuição de um ministério à mudança na correlação de forças na sociedade.

Mas essa mudança será apenas limitadamente fruto de composições ministeriais.  Ela dependerá essencialmente de uma ação política no amplo campo extra parlamentar. E esta carece hoje de construção de estruturas e reorientação de instrumentos de diálogo e mobilização social.

E AS BANDEIRAS?

Quais são as bandeiras do movimento sindical para os próximos quatro anos? Manter conquistas é claro, mas e além?  Para não nos atermos ao corporativismo: qual a relação das bandeiras estritamente sindicais com os avanços necessários na política nacional? Em termos agrários, outro exemplo, como definir mais precisamente a qualidade dos passos a serem dados na consolidação de assentamentos já criados, alguns deles de forte conteúdo simbólico e econômico?  Em que medida esses passos dependem de evoluções da política econômica?

E no que serão, provavelmente, os dois grandes eixos de reflexão, proposição e mobilização dos próximos anos? Quais são as bandeiras mais imediatas no plano da habitação e mobilidade urbana.  Como transformar experiências exitosas [mudanças no IPTU em SP, etc.] em bandeiras de maior alcance e propagação? Quais as bandeiras prioritárias na saúde, para os próximos anos?  Quais as medidas mais imediatas e relativamente exequíveis que podem ser exigidas das diferentes instâncias governamentais?

Como articular construtivamente todas essas bandeiras? Agir corretamente sobre essa articulação é uma questão política central.   Articulação não é somatório, juntar tudo.  Me martela a cabeça a ideia de que a soma das demandas é sempre superior  ao possível. Articular bandeiras que ultrapassem o corporativismo, em termos políticos, é definir o que é possível em cada momento e o que é essencial para ampliar os limites do possível.

TRÊS TEMAS

Me veem à cabeça três temas que me parecem estruturantes: o da reforma política, na medida em que o financiamento empresarial superestima as bancadas parlamentares que são pontas de lança da manutenção do status quo, do conservadorismo, e potencializam os processos de corrupção. A reforma fiscal, instrumento chave de diminuição das desigualdades e que pode aportar mais recursos à ação governamental. E propostas de política econômica [o que efetivamente propomos de forma fundamentada?] que precisam ainda ser amadurecidas e especificadas.

Questões essenciais devem ter ficado de fora dos rabiscos acima: a questão ambiental, a da segurança pública em particular a tenebrosa questão prisional entre outras. Mas a ideia não era ser abrangente. Apenas contribuir para a troca de ideias sobre as importantes questões da tática para o momento presente.

(Artigo enviado por Sérgio Caldieri)

11 thoughts on “Reflexões de um esquerdista sobre o novo Ministério

  1. Caro CN … demais colegas … Bom dia … Feliz 2015!!!

    Reflexões de um (pe)emedebista sobre o novo Ministério!!!
    – Na atual correlação de forças, o esquerdista topa conviver com a MERDA!!!
    Logo … a esquerda é pura … e a MERDA começa no PMDB kkk KKK kkk
    Se fosse só a Sociedade … ah!!! seria outra coisa kkk
    E quem elegeu o Parlamento … foi a privada???
    É claro que a fragilidade é decorrente do convívio com a MERDA!!!
    Fica-se com cheiro ruim snif fff
    – Meu caro … não há revanchismo oposicionista!!!
    Se continuarem a achar que o PMDB seja MERDA …
    O povo rapidamente verá quem é merda de VERDADE!!! !!! !!!

  2. Mas, que “suruba” mental, pelo amor de Deus!

    A preocupação é sempre a mesma: a de usar o Estado como elemento de distribuição de riquezas. Tudo bem, mas, para se falar em ações de demanda, não seria necessário construir um Estado que não sufoque a inciativa privada e que a ajude, primeiramente, na geração da riqueza?

    Né não?

    Ou restará ao Estado dividir a miséria que ocasionou.

    Simples assim.

  3. Programa de governo kkk
    Nem com o PMDB se tem um Programa Mínimo … quanto mais com a base aliada!!!
    Se o esquerdista escrevesse COALIZÃO … aí, seria outra coisa!!!
    Se acertava Programa para o eleitor escolher!!!
    Houve tão somente uso do horário eleitoral para se manter Poder!!!
    Há composição ministerial tão somente para se manter Poder!!!
    E por que tem sido assim??? ??? ???
    PORQUE O ELEITOR NÃO É PETISTA NEM ESQUERDISTA!!! !!! !!!
    o eleitorado está dividido em 40 partidos!!!

  4. Caro Esquerdista … se são 40 partidos, é porque estamos divididos, certo???

    Então … podemos nos unir no que temos em comum … devemos!!!

    Conversar – comprar – vender … esta é a dialética!!!

    Sentamos ou andamos para conversar!!!

    Você me apresenta tua ideia … e eu a minha … ora, pois pois!!!

    Eu compro as tuas boas ideias … você me vende as tuas boas!!!

    E vice versa kkk deixemos a MERDA em seu lugar necessário!!!

  5. O que atrapalha mesmo este país é a falta de educação científica. Com essa educação o país cria suas tecnologias que é o que verdadeiramente dá mais dinheiro hoje em dia e mais, com essa educação o cidadão pode entender melhor a real situação sócio-econômica de uma nação, o que não é o caso do autor deste artigo.

  6. Vinte e dois anos na oposição – e que oposição !!! (se há governo sou contra) – mais 12 com a chave do cofre na mão, e eles ainda não sabem o que fazer !!! Incrível.
    Agora então, que ella misturou alhos com bugalhos na composição dos “40”, para ver se não lhe fazem tanta cobrança, é que não farão mais nada além de brigar entre si.
    A única coisa prevista para os próximos dois anos será tentar consertar as merdas feitas nos 4 anos anteriores.
    Nem vou falar das empresas privadas que fecharão as portas em função do arrocho que vem por aí.
    E esses corruptos, de todos os partidos, continuarão apenas ROUBANDO ???

  7. Primeiro dia do ano, pela manhã encontrei com amigo esquerdista de antigas batalhas que não via há bastante tempo. Está morando em uma cidade do interior e me disse: “Pela primeira vez, meus cabelos e barba branca são testemunhas. Não votei. Não voto mais na Ex-querda”.

  8. Só é da esquerda, quem fatura a ideologia, como: Chico Buarque, Lula Safo da Vida e etc. Verdadeiros bandidos. Ou então os burros de sempre, Leonardo Boff e etc. Qual desses dois grupos, o jornalista deste artigo, pertence ? Ah !!! Pode ser também dos dois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *