Reflexões sobre impunidade, desarmamento e corrupção

Roberto Nascimento

Um ministro do STF confessou, em entrevista ao jornalão do Rio de Janeiro, que o povo já sacramentou a consciência de que a “Justiça” penal só existe contra os pobres e miseráveis e eles não fazem nada para mudar, pois continuam soltando bandidos do colarinho branco e possibilitando a fuga deles para a Itália, principalmente porque os italianos não perdoam o Brasil, que não entregou o terrorista Cesare Battisti e agora qualquer bandido que fugir para lá não será devolvido ao Brasil. Podem perder a esperança.

O juiz federal Sérgio Moro, do Paraná prende, e o outro ministro da última instância solta, isso é patético, vergonhoso, incrível. O brasileiro está à mercê dos bandidos de todas as cores e classes sociais. Para piorar, obrigaram os cidadãos de bem a entregarem suas armas, impossibilitando qualquer reação para salvarem suas vidas. Só os policiais e os bandidos têm o direito de portar armas. Não há a menor lógica nisso tudo.

Daqui a pouco viveremos um inferno, com a cidade partida e enfeitada de “muros de Berlim” para todo lado. A quem interessa tal descalabro?

ESCOLAS DE QUALIDADE

O aumento do número de presídios também é medida paliativa, seria melhor a construção de escolas de qualidade e a possibilidade dos formandos encontrarem emprego, o que consequentemente reduziria a criminalidade. Na outra ponta, leis penais severas contra corruptos e corruptores, principalmente na relação promíscua entre o Estado e os entes privados.

Entretanto, reconheço que essas medidas drásticas só acontecerão se irromper um processo similar à Revolução Francesa, com a queda desse Parlamento e a gestação de outro mais sintonizado com as causas do povo. Pela via democrática, jamais serão suprimidos os privilégios da casta encastelada no Poder. O corporativismo entre eles é avassalador e difícil de ser quebrado.

Os três plenos poderes confundem-se numa simbiose, e podemos dizer que existe apenas um, aquele que sufoca todos nós, obrigando-nos a pagar impostos progressivos para sustentar a máquina azeitada e o Brasil parado em berço esplêndido.

13 thoughts on “Reflexões sobre impunidade, desarmamento e corrupção

    • Ilustríssimo Jorge Béja. Pergunta inteligentíssima, na qual venho pensando nela ultimamente, em devaneios utópicos e delirantes.

      Então vamos lá: Já tivemos personagens ao longo da história, que tentaram mudar os rumos da nação, entretanto, foram todos massacrados pelas forças da repressão. Ainda não completamos o ciclo histórico, na qual as condicionantes para o nascimento das ideias revolucionárias e os atores do processo de mudança possam emergir no horizonte pátrio.

      No entanto, aquelas primeiros pingos de chuva já começaram e logo os temporais virão a caminho. Em 2013, a Primavera Junina assustou governo e empresariado, entretanto, logo interrompido por vândalos mascarados que se infiltraram nas passeatas juvenis. Quem poderá prever que o movimento volte com mais força?

      O processo do Mensalão desvendou uma teia que sangrava os recursos da nação e um juiz corajoso comandou o processo de punição dos réus com garra e energia comparada ao líder Danton do triunvirato da Revolução Francesa.

      E agora, outro juiz, do Paraná comanda outro processo penal para espanto da nação, ainda mais esclarecedor das entranhas do poder e a simbiose entre empreiteiras e gestores públicos.

      Isso demonstra cabalmente, que não se pode colocar todas as fichas do desenvolvimento nacional, na conta do espírito animal dos empresários. Esse tão falado espírito se esconde nas benesses dos bancos oficiais e no oferecimento de propina para vencerem licitações públicas. Assim qualquer um pode se tornar empreendedor de sucesso.

      Voltando a sua pergunta magistral, nessa geração, advogado Jorge Béja, não existem os pensadores e os executores do processo revolucionário, porém, nas próximas o turbilhão ideias e o desejo de um mundo melhor, mais justo, ético e no qual, os corruptos e corruptores possam amargar a caverna dos presídios, sem o beneplácito da mudança de regime fechado para o aberto e depois para o domiciliar. A progressão da pena agride a sociedade, vítima de corruptos e assassinos de toda a espécie. O apenado, quando sai da caverna volta a delinquir e a rir de todos nós, cidadãos de bem.

      Grande abraço.

  1. A situação é gravíssima. Nós, a população brasileira, somos reféns dos três podres poderes que confundem-se numa simbiose, tornando-se um único podre poder que sufoca a todos nós, obrigando-nos a pagar impostos progressivos para sustentar a máquina azeitada da roubalheira sem fim.

    FICA A PERGUNTA:
    ATÉ QUANDO ?

    • O poder executivo que
      nomeia ministros do judiciário que
      solta e absolve os ladrões do legislativo que
      exige nomeações no executivo que
      acata nomeações no judiciário que
      É TUDO FARINHA DO MESMO SACO QUE
      A POPULAÇÃO NÃO AGUENTA MAIS QUE
      PAREDÃO É A SOLUÇÃO

    • Dorothy: Acredito, que a corrupção será contida na raiz, quando os executivos das empresas privadas amargarem os cárceres pagando pelos delitos que têm vindo a tona.

      Daqui para frente, serão mais cautelosos na roubalheira dos cofres públicos, pelos exemplos de seus pares que estão presos temporariamente e perigam ficar definitivamente pela ação firme do juiz Sérgio Moro. O exemplo, cara Dorothy é a maior lição de vida, para o bem e para o mal.

  2. Como os petistas gostam tanto de retroagir no tempo, para falarem do FHC, estou relendo uma publicação do partido intitulada 45 Escândalos que Marcaram o Governo FHC, feita em 2002, com o prefácio do atual prisioneiro João Paulo Cunha. No escândalo 32 eles dizem que o BNDES injetou R$ 686,8 milhões na Telemar assumindo 25% do controle acionário da empresa ! Que horror ! Deve ter feito bem a Telemar essa injeção de recursos, pois no Governo Lula ela pode dar R$ 5 milhões à Gamecorp do Lulinha! Deve ter progredido muito a Telemar depois que se fundiu com a Oi, pois o Lula mandou o Vicente Cândido quebra junto ao Bechara da Anatel, uma ‘multinha’ de R$ 10 Bilhões. Calculando bem esses 686 escandalosos milhões poderiam comprar algumas picanhas da Friboi e encher uns tanques com o petróleo produzido pelo Eike Batisa….. Volto com os outros 44 .

  3. Meu caro Roberto Nascimento,
    De certa forma falamos a mesma língua quanto aos poderes terem se convertidos em um só ou comandados pelo Executivo.
    A corrupção e desonestidade ultrapassaram todos os limites possíveis e imagináveis, e precisamos tomar uma atitude forte, incisiva, que pelo menos amenize tanta desfaçatez.
    No entanto, escreveste o seguinte:

    “Entretanto, reconheço que essas medidas drásticas só acontecerão se irromper um processo similar à Revolução Francesa, com a queda desse Parlamento e a gestação de outro mais sintonizado com as causas do povo. Pela via democrática, jamais serão suprimidos os privilégios da casta encastelada no Poder. O corporativismo entre eles é avassalador e difícil de ser quebrado.”

    Se não é pela via democrática, Roberto, qual seria este meio para mudar o Congresso?!
    Não acredito que o povo tenha capacidade para alterar este estado atual, de querer derrubar este Congresso perdulário, corrupto e inútil, que somente legisla em causa própria ou por determinações do Executivo.
    Então, como seria?
    Se considerarmos que o povo tenha consciência desta mudança, dificilmente ela vai acontecer pelos próximos vinte anos, pois o analfabetismo funcional e assistencialismo estão compensando possíveis reações populares neste particular, que dificultam sobremaneira arregimentar a população para que proteste diante desse Parlamento falso, absolutamente divorciado do povo e do País.
    Assim, por favor, preciso que a minha curiosidade seja atendida quanto ao procedimento a ser adotado e que vai de encontro à democracia, haja vista ela contemplar a eleição de elementos contrários ao desenvolvimento do Brasil e de uma sociedade esclarecida,
    Obrigado pela tua atenção, Roberto, um dos expoentes deste blog como articulista, em face da inteligência e elegância nos textos que escreves.
    Um abraço.

    • Pela via democrática, caro Bendl, ou seja, o instituto do voto, não vejo nenhuma possibilidade de mudanças a curto e médio prazo. Veja só, o atual Parlamento eleito será o mais conservador dos últimos 30 anos. Logo, a mediocridade irá aumentar para nosso desespero.

      A grande revolução virá pela consciência. Como será, infelizmente não posso prever, talvez nem possa ter tempo para ver esse novo tempo de luzes em nosso país. Esse Renascimento será experimentado pelas futuras gerações. Um novo tempo começa a ser formado no horizonte.

      Os notáveis do século passado estão indo embora lentamente, um a um, empobrecendo a nação. A geração da década de 50 e 60 foi perdida, em meio as duas ditaduras conservadoras, (1930 e 1964). Mas, desse caldo cultural virá uma nova era de prosperidade. Sonhar não é proibido caro e admirado comentarista Francisco Bendl.

      • Meu caro Roberto,
        Grato pela resposta, sempre atenciosa e esclarecedora.
        O problema é que atualmente não sonhamos, não temos condições de imaginar um futuro melhor nem na imaginação, pois vivemos em meio a um pesadelo, em meio a tribulações, e diante de um futuro que talvez nunca chegará!
        E, mesmo para aqueles que conseguem dormir e sonhar, certamente não se lembram do sonho quando despertam, pois a realidade supera a ficção.
        O Brasil está sendo destruído, a verdade é esta!
        Queda na metalurgia;
        Queda nas vendas de veículos;
        Queda nas exportações;
        Queda na produção industrial;
        Desemprego;
        Queda nas vendas do comércio;
        Juros exorbitantes;
        Créditos arrochados (já começaram);
        Dados manipulados pelo governo para que esconda a difícil situação do Brasil à população.
        Resultado:
        Estamos caindo da cama, Roberto, e batendo com a cara no chão, enquanto que petistas e aliados transformam nossos pesadelos aterrorizantes em sonhos de verão, e em plena luz do dia, basta ver a cara de cada um que pertence ao PT, o sorriso cínico e hipócrita, debochado e escancarado, que andam pelas ruas com seus bolsos cheios de dinheiro nosso, do povo, obtidos através de roubo, corrupção e desonestidade!
        Lamentavelmente não estaremos vivos para ver esta possibilidade remota de um Brasil melhor, pois, se tal probabilidade acontecer levará muito tempo, muitas gerações passarão até haver um País devidamente administrado por gente honesta e competente.
        Até lá, meu caro, só nos resta comentar, criticar, acusar e lamentar ou, então, chorar na cama, que é lugar quente.

  4. A justiça solta colarinho branco, solta assassino pé de chinelo, solta médico estuprador. Agora mesmo, no natal, com certeza muitos assassinos receberão indulto para visitar a família porque tiveram bom comportamento na cadeia.

  5. Nenhuma revolução política foi positiva. iludiu a curto prazo e depois deu no que deu. Merde, como se diz na França.
    Aqui no Brasil então isso é fato desde 32 com Getúlio. As comunistas nem se falam. Onde se instalaram, acabaram com aquilo que o homem tem de melhor: a competitividade.
    E por aí vai.
    Revolução que funciona mesmo é a da educação científica que, onde ela existe o progresso acontece e as pessoas têm uma visão mais realista do que significam.

  6. O sistema “democrático” brasileiro, é indecente, corrompido, descarado e tão bem controlado pelos três poderes, onde o corporativismo e a defesa de
    seus interesses pessoais, valendo tudo para se manterem no poder e fazer parte dessa elite perversa, estão acima dos interesses do Brasil e do povo.
    Mudar isso democraticamente a curto prazo, acho difícil, talvez daqui a 50 anos,
    ainda que surja um Presidente honesto que queira mudar esse emaranhado sistema,
    não conseguirá, encontrará a barreira dos outros dois poderes.
    Se a Presidente Dilma e os políticos que votaram na alteração da lei de Responsabilidade Fiscal, fossem punidos com a perda do mandato, seria um bom começo, mas como
    está tudo dominado, não acontecerá nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *