Reflexões sobre políticas erradas que prejudicaram a agricultura e a agroindústria no Brasil.

Martim Berto Fuchs

A produtividade das terras no sul da Argentina é impressionante. Digo isso, porque em fevereiro/março de 1969 passei 30 dias na região compreendida entre Bahia Blanca e Azul, fazendo demonstração dos implementos agrícolas que fabricávamos no Rio Grande do Sul.

Em 1970, já fabricávamos implementos agrícolas até na filial de Ponta Grossa. Não eram para a lavoura de café e sim para trigo, milho e soja. Londrina, Maringá, Campo Mourão, Cascavel, Toledo, já tinham lavouras muito bem mecanizadas em 1975, com boa produtividade.

Estive em Brasília e participei de reuniões com o então ministro Allyson Paulinelli. Quando há comentaristas que falam de “agronegocistas”, deve se tratar de cafeicultores, pois o pessoal das outras culturas era trabalhador e não pedia favores para governantes.

Mario Henrique Simonsen, quando assumiu o Ministério da Fazenda, numa de suas primeiras medidas, cortou substancialmente o crédito agrícola, fazendo com que despencassem os negócios, tanto na indústria como no campo. Muitas empresas que acreditaram no “Plante que o Brasil  garante” (governo Médici) ou “Plante que o João garante” (governo Figueiredo), quebraram.

Ainda na agricultura, veja-se a imbecilidade do governo FHC. Quando o produtor brasileiro estava se preparando para a colheita de milho, creio que em 1995, e o saco estava cotado para ser vendido à 7,50, importou excedente de milho de outros países e colocou no mercado brasileiro à menos do custo.

Resultado, os agricultores brasileiros tiveram que entregar a mercadoria abaixo do custo para poder pagar suas contas. Essa política praticada por um sociólogo metido à político e por trapalhões metidos a ministros, custou aos cofres brasileiros uns 10 anos de renegociação de dívidas.

Já disse aqui muitas vezes, mas não custa repetir: – Não foi a concorrência entre si que quebrou a indústria nacional, mas sim as políticas de governo. Aliás, quase não mais existe indústria nacional. Pagaremos caro por isso.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *