Reflexões sobre religiosidade e cretinice

Francisco Bendl

O Blog da Tribuna tem colocado ultimamente assuntos que versam sobre fé e/ou religião para serem discutidos pelos participantes. Considero essa intenção salutar, oportuna, interessante e inevitável. Podemos ler, assim, opiniões as mais variadas a respeito de um tema ainda polêmico, que gera debates acalorados, discussões intermináveis e aumento das cisões entre a maioria, portanto, um tópico que deveria servir às análises mais comedidas se transforma em acusações e maledicências!

A grande confusão se estabelece na mistura que se faz de uma fé professada com as religiões, em princípio. Desta forma, os ateus escancaram seus preconceitos contra os que acreditam em Deus e seguem uma doutrina e, os que se dizem agnósticos (a turma de cima do muro), ora concordam ora discordam dos crentes e dos ímpios.

Não quero encerrar o assunto, ao contrário, mas a verdade é que NINGUÉM SABE NADA DE NADA!!! Considero muita pretensão algumas pessoas quererem se dizer conhecedoras da vida, se sequer sabem as razões pelas quais estão vivas. Mais a mais, o ser humano para o próprio ser humano é uma incógnita, capaz de nos trazer as maiores esperanças de um mundo melhor como culpado das maiores desgraças.

Acusar as religiões, principalmente a Católica, como causadoras de mortes, a Inquisição, e símbolos que tornam as pessoas dependentes, trata-se de um conceito simplório, destituído de qualquer condição para análises mais aprofundadas e apropriadas à questão.

O problema, então, não sao as doutrinas, a fé em Deus ou até mesmo os ateus, mas o HOMEM! As Religiões foram e são um produto do homem. Não fosse desta forma, como explicar as barbaridades e as crueldades cometidas em uma guerra, por exemplo? Vamos acusar Deus? Diremos que os culpados são os que não acreditam Nele? Ou vamos ser lógicos e admitir que, em certas circunstâncias, o ser humano liberta a besta dentro de si? Que ainda não nos dominamos, que não nos controlamos, que desconhecemos as nossas reações? Pois o que isso tem a ver com a fé ou doutrina?

E os políticos que não deixam de participar de nenhuma festa religiosa para esterem no meio do povo demagogicamente e roubam os cofres públicos, legislam em causa própria, locupletam-se desonestamente? A culpa é de quem, do Deus, das religiões ou deste homem inescrupuloso? Ou ele seria ateu, fingindo-se de crente?

Nós somos ainda dominados pela cobiça, inveja, pelo que temos e reunimos de pior, rasteiro, sentimentos negativos. Tanto faz crente como ateu, a verdade é que queremos aproveitar o momento, o prazer, a satisfação de se ter dinheiro, viajar, ser melhor do que os outros.

Neste mundo de consumismo tresloucado, de sexo irresponsável, da falta de respeito, de políticas criminosas e mentirosas, de homens desonestos, causa-me espécie ver a infrutífera tentativa de se transferir a culpa desse comportamento ignóbil à fé em Deus e às religiões, vamos e venhamos, que cretinice!

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *