Reforma eleitoral favorecerá grandes organizações, inclusive criminosas

Resultado de imagem para pais do futuro charges

Charge do Rico (ricostudios.blogspot.com)

Janio de Freitas
Folha

Marcola e Fernandinho Beira-Mar estão convidados a se tornarem próceres políticos. Com comando em todos os Estados onde suas organizações são bem-sucedidas. E com expressivas bancadas sob sua orientação na Câmara. Não como convite, já como entrega, os evangélicos recebem as condições para compor, também na Câmara, a bancada mais poderosa como número de votos unificados. A mais propensa força a definir votações, portanto.

Essas duas inovações da “reforma política”, que melhor se chamaria reforma eleitoral, já contam com a aprovação preliminar na Câmara e têm explicação simples. Na regra há tempos adotada para compor a Câmara, o voto no candidato é contado também para o partido ou coligação de partidos.

MAIS VOTADOS – Esses votos transferidos definem o tamanho da bancada partidária. Pela fórmula aprovada na Comissão Especial de Reforma Política, já em 2018 os eleitos serão simplesmente os mais votados. Os “puxadores de votos”, tipo Tiririca, que dão aos partidos totais capazes de eleger vários candidatos, deixariam de produzir esse efeito.

Apesar disso, o novo sistema inovará para pior. Interpretado, em geral, como facilitador de reeleição das cúpulas partidárias, mais do que isso, facilitará a intervenção eleitoral de determinadas organizações. Imagine-se Marcola e Fernandinho Beira-Mar mandando seu pessoal nos Estados concentrar-se em um ou alguns candidatos.

Tanto para dar os votos da própria organização, como para votos induzidos nas comunidades sob seu controle. Nem precisam fazer os mais votados: bastará que seus candidatos sejam bem votados, para estar assegurada forte bancada na Câmara. E nas Assembleias e Câmaras Municipais.

EVANGÉLICOS UNIDOS? – As correntes evangélicas, que já praticam o voto orientado, precisarão só de melhor entendimento, quanto a candidatos em comum, para formarem na Câmara bancada ainda mais numerosa que a existente.

Não é preciso arriscar estimativas do que bancadas assim eleitas podem representar em questões problemáticas, como vários preconceitos, liberdade de pensamento e de expressão, revisões de legislação criminal, porte de arma, Judiciário, tantas mais.

7 thoughts on “Reforma eleitoral favorecerá grandes organizações, inclusive criminosas

  1. Qual a diferenç entre PCC e CV do PMDB , DEM , PSDB , PT , PP e todas demais facções ?
    Resposta : As duas primeiras são menos letais e nefastas que as demais .

  2. ALCKNÓQUIO E SEU PUPILO DORINÓQUIO TB MENTEM, DESCARADAMENTE. Na verdade, 2018 vai ser de novo a eleição do caixa dois, três …, da malandragem, da picaretagem, dos esquemas, da pilantragem, da mentira, da enganação, da cara de pau, do marketing bandido, enganador, corrupto, da manipulação do estado e do mercado, do era tudo bravata de campanha, do esqueçam o que escrevi, das bravatas e dos sofismas, do palanquismo vazio, da corrupção…, enfim do partidarismo-eleitoral, do golpismo-ditatorial e dos seus tentáculos, velhaco$, e da guerra tribal primitiva, permanente e insana dos me$mo$, por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, à velha moda tudo para elle$ e o resto que se dane, do $istema político podre, dos que se dizem, se acham e se impõem como representantes do povo, fantasiados de democracia, mas que na verdade representam apenas os seus próprios interesses e dos seus financiadores, todos às custas do sangue, suor e lágrimas da população contribuinte que a esta altura do campeonato afeiçoa-se a boba da corte e escrava dos me$mo$ que, não obstante pegos com as bocas nas botijas do erário, não se dão por achados, não se fazem de rogados e continuam aí, na cara dura, vendendo gato por lebre, ou seja, vendendo plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia por Democracia. Portanto, na verdade, em 2018 tb elle$, direita, esquerda e centro, oposição e situação, irão vetar de novo o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, e continuarão fazendo os diabos com o fiofó dos contribuintes para manter tudo como dantes no velho quartel de Abrante$, com o estado e o mercado manipulados por bandidos infernizando a vida das pessoas, ou seja, mais dos me$mo$, mais e mais continuísmo da mesmice raso e seco que em sã consciência ninguém, exceto elle$, aguenta mais, até porque, conforme já disse o Dr. Ayres Britto, ex-STF, é golpe. Basta. Chega dos me$mo$, que se vayan todo$. Democracia Direta Já, com meritocracia eleitoral, porque evoluir é preciso. RPL-PNBC-DD-ME, saudações. https://www.brasil247.com/pt/247/sp247/311433/Contra-Doria-Alckmin-diz-que-2018-ser%C3%A1-elei%C3%A7%C3%A3o-da-experi%C3%AAncia.htm

  3. dizem: não se deve chutar cachorro morto; então, Lula, Dilma, Temer + Congresso faturado ($$$) pró-temer…out-2018, a hora do troco; votar consciente, aguardando o surgimento de candidatos com merecimento de nosso sufrágio…quem viver, verá…

  4. adendo: na era da informática, difícil não descobrir logo quem está por trás de cada candidato ($$$), até porque a lava-jato continua apurando…[Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo…1/2 americanalhado, mas, válido]

  5. MAIS UM FATO QUE NOS OBRIGA A PENSAR E A NOS INDAGAR SE NÃO ESTAMOS FAZENDO PAPEL DE IDIOTAS ÚTEIS PARA OS PETRALHAS? E POR QUE O LULLARÁPIO PODE RECEBER DOAÇÕES DO ESTRANGEIRO E O BOLSONARO POR EXEMPLO NÃO PODE! E SE O TRUMP, POR MAIS ABSURDO QUE POSSA PARCER, RESOLVESSE AJUDAR NO FINANCIAMENTO DO BOLSONARO OU DE OUTRO CANDIDATO DE DIREITA? ESSES ESQUERDOPATAS IRIAM GRITAR A TODOS OS PULMÕES CONTRA A INTERFERENCIA IMPERIALISTA, NÃO IRIAM?
    MAS UMA BANQUEIRA SUIÇA PODE MANDAR DINHEIRO PRO LULLARÁPIO, AI ESTÁ TUDO CERTO!

    A doação da herdeira do Credit Suisse a Lula conseguiu ridicularizar toda a reforma política… ainda há tempo de perceber isso

    Conforme falamos aqui agora há pouco, Roberta Luchsinger, herdeira do Credit Suisse, decidiu doar R$ 500 mil a Lula. Mas ela fez muito mais do que isso: tornou estúpida toda a discussão sobre a atual reforma política, principalmente em relação ao item “financiamento público de campanhas” (feito para substituir o financiamento empresarial de campanhas, que foi proibido por exigência do PT e dos partidos de extrema esquerda).

    Antes de qualquer outra coisa, vamos rever um texto que escrevi em setembro de 2015, com uma historieta fictícia para dar uma dimensão da rasteira que os petistas estavam dando em todo o resto ao tirar o financiamento empresarial de campanhas:

    Em uma escola pública no interior, todo ano ocorre uma competição de grupos em um desfile. Estes grupos devem angariar verbas a partir de doações de pessoas físicas e, principalmente, empresas com data limite até o mês de junho, pois o desfile ocorre em outubro.

    Jumira é filha da diretora da escola e pertence ao grupo que tem vencido a competição nos últimos quatro anos. Também pudera. Pela influência de sua mãe na pequena cidade, os empresários doam mais para Jumira do que para as outras adolescentes.

    Porém, um escândalo ocorre, e a mãe de Jumira é mal vista pela cidade. Também se sabe que verbas da escola são utilizadas indevidamente para o desfile. Mas mesmo assim Jumira teme que outros grupos consigam obter as verbas de doações empresariais que ela não conseguirá. É o que a motiva a pedir uma ajuda para sua mãe, que, sordidamente, decide criar uma “regra de justiça”, pela qual nenhum grupo poderá obter financiamentos de qualquer empresa.

    Obviamente, Jumira espera agora que sua quinta vitória seja a mais fácil de todas. Motivo: os grupos competidores foram proibidos de receber um tipo de verba em um quesito em que somente agora poderiam vencê-la, ao mesmo tempo em que sua mãe garantirá verba suficiente para superar os demais grupos a ponto de fazê-los comer poeira.

    Se contarmos essa história fictícia para crianças e pré-adolescentes, todos eles entenderão que é hora de fazer um fuzuê danado.

    Boa parte da direita, por sua vez, ainda não entendeu o motivo pelo qual precisa se rebelar contra o golpe do dia 17/9, proibindo financiamento empresarial de campanha, no mesmo passo em que mantém o financiamento estatal somente para o PT, a partir de coisas como Lei Rouanet, verba para BLOSTA, doações do MinC, aparelhamento de ONGs, imposto sindical e provocações do tipo.

    E por que digo que não percebeu? Por que o torpor mostra que eles ainda não entenderam a dimensão do golpe.

    Enfim, isto foi o que eu escrevi em setembro de 2015. Até hoje a direita, o centro e a esquerda moderada ainda não entenderam o que aconteceu.

    Aliás, o Sr. Rodrigo Maia justificou sua capitulação para a narrativa petista sobre financiamento empresarial de campanha ao dizer que “não há clima para a doação de empresas”.

    Bom… se essa doação de R$ 500 mil da herdeira do Credit Suisse a Lula não habilitar o “clima” para o retorno do financiamento empresarial de campanha (e fim do financiamento público) então é masoquismo mesmo.

    Na época em que os petistas exigiram (a partir de uma ADIN enviada pela OAB ao STF) o fim do financiamento empresarial, os criadores de frame do PT disseram: “empresa não vota”. Os adversários do PT não conseguiram nem dizer a seguinte expressão: “estado não vota”. Foi ridículo.

    O argumento para o retorno do financiamento empresarial de campanha é simples: é preciso legalizar o financiamento empresarial, que retornou à ativa com a atitude da Sra. Roberta Luchsinger, que fez a doação de R$ 500 mil a Lula. Outras figuras tipo Joesley Batista devem estar fazendo “doações pessoais a Lula” no futuro (apostem nisso).

    Logo, o financiamento empresarial de campanha já voltou. Agora é preciso regularizá-lo, para que todos os partidos possam ter aquilo que o PT quer só pra ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *