Reforma mantm privilgios da elite dos trs Poderes e destri conquistas dos servidores

Charge reproduzida do Arquivo Google

Vicente Limongi Netto

Excelente o teor da entrevista do presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo e do Tribunal de Contas da Unio (Sindilegis), Petrus Elesbo (Eixo Capital- Correio Braziliense- 26/11). Sem meias palavras, firme, isento e esclarecedor, como todo bom lder sindical, Elesbo manifesta preocupao e repdio com relao a proposta da Reforma Administrativa enviada pelo governo ao Congresso.

A seu ver, “sem a estabilidade do servidor, o Brasil voltar a ser um imprio travestido de democracia”. Em defesa de seus argumentos, Petrus salienta estudo do consultor Petrnio Portella Filho, publicado no Correio Braziliense, mostrando que, em 2018, o governo federal gastou 12% da despesa total com funcionalismo, enquanto a mdia mundial era 22% e a mdia na America Latina alcanou 23%.

VAMOS CORTAR ISSO? – “A maioria dos servidores atua em servios essenciais, como sade, educao e segurana. “Vamos cortar isso?”, indaga, perplexo, o presidente do Sindilegis.

Petrus enumera mais preocupaes da entidade: “No podemos aceitar a privatizao do Estado; a flexibilizao da estabilidade; o ingresso no servio pblico sem concurso; a excluso dos militares, juzes, parlamentares e Ministrio Pblico, assinala, acrescentando que no podem ser aceitos tambm os superpoderes dados ao presidente, que no cabem numa democracia”.

Elesbo afirma que sua gesto frente do Sindilegis, entre outras medidas saudveis, “rompeu com as prticas do velho sindicalismo. Nosso trabalho se resumiu em quatro palavras: combate, gesto, transparncia e modernidade”, concluiu.

NATAL DE SEMPRE – “Tem uma moeda a, tio?”. o clamor de crianas e adolescentes. Mos estendidas. Vozes trmulas. Olhos tristes. As caixinhas de sapatos ou latas de leite compem o cenrio humilhante e melanclico desta poca do ano, em todo o Brasil.

Significam esperana de algo para comer. De um natal menos sofrido. Marcam a linha da fome e da misria. Chegam juntas. Semforos, estacionamentos e portas de restaurantes e lanchonetes fazem das caixinhas e latas o porto da gratido espera de bondosos coraes.

6 thoughts on “Reforma mantm privilgios da elite dos trs Poderes e destri conquistas dos servidores

  1. Se no me engano foi Lima Barreto, o autor da frase absolutamente correta:
    O Brasil no tem povo, tem pblico.

    No existe outro pas neste planeta onde o povo to irritantemente passivo, tolerante, medroso e covarde!!!

    Faz dcadas que os poderes constitudos fazem conosco o que bem entendem.
    Roubam exploram, manipulam, legislam em causa prpria, criam mordomias, privilgios, penduricalhos salariais, formas as mais variadas e exticas para aumentar os proventos, rachadinhas, gasolina, dirias, despesas de sade do gafanhoto do jardim, reforma dentria da tartaruga no laguinho, impunidade, boicote escancarado para a corrupo continuar no patamar de instituio, segregao, discriminao, milhes condenados pobreza e misria.

    O povo, de modo a se mostrar resignado, exclama:
    Deus quis assim!
    Ou, a suprema alienao e desimportncia consigo mesmo:
    Fazer o qu?!

    Sabendo dessas desculpas, as castas, elites e o sistema financeiro se esbaldam, deitam em rolam no dinheiro do cidado, e transformaram o Brasil em feudo, onde de cima das torres dos castelos que se protegem, nos jogam migalhas e restos do que consumiram.

    No encontro explicaes convincentes para esta nossa passividade.
    A fome aumentou;
    o desemprego no sequer diminudo;
    a economia atende somente aos poderosos;
    seus super salrios so intocveis, at pelo “direito adquirido”, menos para o povo, evidentemente.

    A falta de governantes com um mnimo de inteligncia, de empatia com a grave situao porque vive o brasileiro, a violncia exacerbada, um congresso que o antro de venais, um Judicirio que apndice do legislativo e auxiliar jurdico do executivo, um executivo incompetente e corrupto, sem criatividade, ousadia, sem pensar nas necessidades mais prementes do povo … o Brasil virou uma coisa disforme, pois no um Pas, Estado, Ptria e Nao.

    Fosse como as ditas autoridades discursam falsamente, e seramos outro pas, menos este, que jamais consegue se desenvolver e conduzir o seu povo para o progresso.

    Quanto ao cidado brasileiro, penso que ele j tenha absorvido o seu destino de ser submisso, de se sentir bem como subserviente aos poderes, gostar de sustentar ladres, enquanto empobrece e morre na merda!

    Deus quis assim, fazer o qu???!!!

  2. Oa nmeros do Petrus no batem com a realidade, todos sabermos que o funcionalismo pblico do Brasil um dos mais caros do mundo, alm de serem incompetentes e corruptos.
    Temos qie acabar sim, e logo, com easa maldita estabilidade, pois o bom trabalhador bom em qualquer lugar, e no precisa desse corporativismo desenfreado existente nas empresas pblicas.
    Tanto verdade que quase nenhum deles pede demisso, e falo com autoridade, pois pedi demisso do Banco do Brasil em trinta de abril de 1980, e trabalho em empresas privadaa desde dois de junho do mesmo anos, e graas a Deus, vou bem, obrigado.
    vergonhoso assistir o povo brasileiro pagat a conta da vagabundagem que se estabeleceu no servio pblico dia anos oitenta para c.
    Evidentemente que a minoria dos funcionrios que trabalham, levam s costas a cambada de preguiosos, e muitas vezes ladres, como aasistimos o desbaratamento de vrias empresas pela lava jato.
    E no venham dizer que isso aconteceu apenas nas estatais, pois at as pedras sabem que essa baderna geral.
    Dou aqui o meu exemplo, pois sa do Banco do Brasil, a mais rica empresa brasileira, e todos que acham que no esto recebendo o que merecem, peam demisso, e por favor, me avisem.
    A roubalheira se estabeleceu desde o mais alto cargo at os menores porque os exemplos so pssimos, e basta um tomate estragado para apodrecer todos da.mesma caixa
    Ento, meu caro Petrus, estabilidade coisa para malandro porque quem paga essa conta no a tem.

  3. Bom dia , leitores (as):

    Senhores Vicente Limongi Netto , Carlos Newton e Marcelo Copelli , pelo que se sabe recentemente um pas europeu ficou meses sem governo e chefe de Estado , no fosse o quadro de funcionrios pblicos ” ESTVEIS E PERMANENTES” , para administrar e tocar o pas , possivelmente o povo desse pas estarias sofrendo as consequncias das disputas ” POLTICAS PARTIDRIAS ” , baratas e inconsequentes .
    Portanto todo ” ESTADO NACIONAL” tem o direito e obrigao de manter um quadro de funcionrios/servidores ” ESTVEIS/PERMANENTES” e concursados ,imunes s mazelas do governante do momento e temporo , no Brasil os funcionrios pblicos sempre foram apresentados como ” VILES E CULPADOS ” , pelos problemas do pas e agora querem extinguir essa garantia do Estado Nacional .

  4. Bom dia , leitores (as):

    Senhores Vicente Limongi Netto , Carlos Newton e Marcelo Copelli , pelo que se sabe recentemente um pas europeu ficou meses sem governo e chefe de Estado , no fosse o quadro de funcionrios pblicos ” ESTVEIS E PERMANENTES” , para administrar e tocar o pas , possivelmente o povo desse pas estarias sofrendo as consequncias das disputas ” POLTICAS PARTIDRIAS ” , baratas e inconsequentes .
    Portanto todo ” ESTADO NACIONAL” tem o direito e obrigao de manter um quadro de funcionrios/servidores pblicos ” ESTVEIS/PERMANENTES” e concursados ,imunes s mazelas do governante do momento e temporo , no Brasil os funcionrios pblicos sempre foram apresentados como ” VILES E CULPADOS ” , pelos problemas do pas e agora querem extinguir essa garantia do Estado Nacional .
    As pessoas que pregam a extino da estabilidade do funcionrio pblico , o fazem por pura e simplesmente por m-f e canalhice , visando alimentar e manter a famigerada ” ESCRAVIDO SOB O MANTO/DISFARCE DA TERCEIRIZAO ” .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.