Rejeição aos políticos tradicionais pode definir esta sucessão presidencial

Resultado de imagem para sucessão 2018 charges

Charge do Clayton (O Povo/CE)

Carlos Newton

Faltando um ano para a eleição, as pesquisas praticamente não servem para nada, especialmente porque 67% dos eleitores ainda não se interessam com o assunto, estão mais preocupados com os próprios problemas, digamos assim. Por isso, não há surpresa quando Lula aparece sempre liderando, porque continua a ser o político brasileiro mais famoso e com maior visibilidade. Mas há outras pesquisas políticas que têm realmente importância e provocam instigantes reflexões. É o caso do estudo inédito da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-DAPP), feito pelo Ibope e que acaba de ser divulgado.

O levantamento da FGV aponta caminhos para 2018, ao confirmar o que todos já sabiam— existe um crescente descrédito do eleitor brasileiro em relação aos partidos políticos, ao presidente da República e até mesmo aos candidatos em quem votou em eleições passadas.

SEM INTERVENÇÃO – A pesquisa do Ibope confirma levantamentos de outros institutos e também indica que a maioria dos eleitores não apoia uma intervenção militar, por considerar que a melhor solução para aos problemas brasileiros ainda é a via eleitoral, e 65% dos entrevistados concordaram com a frase “mais importante do que protestar nas ruas é votar nas eleições”. Ao mesmo tempo, a maioria da população também defende o voto como melhor mecanismo para o país sair da crise econômica.

Outra análise importantíssima se refere à possibilidade de uma maior renovação da classe política na eleição de 2018, quando serão escolhidos, além do presidente, os governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

CANDIDATO NOVO –  Quase 30% dos entrevistados manifestaram a intenção de apoiar um “candidato novo, fora da política tradicional”. Já 16,1% não atrelaram sua escolha a uma legenda específica e até pretendem votar em um “candidato independentemente do partido”.

Outro detalhe relevante: 55% rejeitam a possibilidade de escolher o mesmo candidato à Presidência em quem já votaram nos pleitos anteriores, inclusive para governador (53%), senador (52,4%) e deputado federal (51%). Entre os possíveis nomes a presidente, Lula da Silva (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) já foram candidatos anteriormente.

Ciro é menos visado, porque disputou há mais tempo, em 2002, e essa tendência eleitoral vai  favorecer João Doria (PSDB ou DEM), Jair Bolsonaro (PEN), Álvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (PSD), presidenciáveis que nunca concorreram ao cargo.

ELEIÇÃO IMPREVISÍVEL – Será uma eleição difícil e até imprevisível. Lula seria um dos que disputariam o segundo turno, não há dúvida. Como o petista não deve concorrer, devido à Lei da Ficha Limpa, tudo pode acontecer. Com tanta pulverização, até mesmo Michel Temer já se animou a disputar a reeleição, vejam a que ponto de esculhambação chegamos.

Vai ser uma disputa eleitoral em que o índice de rejeição pode se tornar mais importante do que o apoio ostensivo. E no final deve se confirmar também aquela velha teoria do voto útil, porque eleitor tem uma tendência irresistível para votar em quem reúne condições de vencer.

8 thoughts on “Rejeição aos políticos tradicionais pode definir esta sucessão presidencial

  1. Sem voto livre e Consciente, não existe Democracia, Voto obrigatório, é curral de politiqueiros a fazer politicagem, o que temos “hoje! no Brasil: Corrupção financeira de bilhões, que somados, já esta na “casa dos trilhões”, com presidentes do Congresso e Executivo, acusados de “mão no cofre público”, o STF, que está stf, com sinistros a estuprar e vilipendiar a Srª Justiça, Gilmar Mendes não nos deixa mentir (nesse stf, só estão Ministros: Barroso, Fachini, Fux), a Presidente, ainda não mostrou ao que veio!?
    Como pregava Confúcio a 3 mil anos: uma Nação se faz com escola, que ensine, nosso povo está analfabeto culturalmente, nossas Escolas, não ensinam, a maior prova tem sido os concursos do ENEM , a “Redação”. O Cidadão-trabalhador-eleitor, tem que tomar consciência de sua Cidadania, não se escondendo atrás do “Pão e circo” do futebol, do carnaval, do samba, e outra mazelas, afinal “ele” entrega 06 meses anuais de seus salário miserável em impostos escorchantes, para ter governo , e ter seus Direitos básicos da Vida: Saúde, Escola, Segurança, Emprego e Transporte, que estão no “Caos”.
    Chega de hipocrisia governamental, como dizia Gandhi: “Todo governo é hipócrita”.
    Que Deus nos ajude, mas façamos nossa parte de esclarecer os desavisados, o Significado de Democracia, Politica, Politico, Soberania, Nacional e Justiça, que faz Justiça.

    • Theo Fernandes, voto livre e consciente são apenas abstrações. Como parcela significativa dos eleitores é tão perniciosa quanto os representantes que elege, é muito improvável que nossa anarco-democracia produza resultados benfazejos.
      Abraço.
      Vilas

  2. Possa ser que apareça, mas até o momento não vejo ninguém que possa ocupar este posto, João Dória, fabricado pela mídia, Jair Bolsonaro, ainda falta muito para ser um líder, Ciro Gomes, um falastrão que não sabe o que é líder, não vejo nenhum dos três como um líder, preocupado com as causas do país, um verdadeiro líder, tem respeito e respaldo do povo, não é fabricado, tem projeto de governo pronto, não é confeccionado por partidos, isto é um verdadeiro líder, sabe o que precisa e não se vende para a mídia, mas tem patriotismo.

  3. Vou arriscar dois palpites:
    Primeiro: a Eleição Presidencial de 2018, será decidida entre dois Projetos, Bolsonaro e Ciro Gomes.

    Segundo: Seja qual for o resultado, a Nação não será pacificada politicamente. E as tensões sociais só irão se agudizar.

    PS: Não parece estranho a permanência do Sr. Eduardo Cunha em Brasília por tanto tempo?

  4. Santa ingenuidade de quem imagina que somente através do voto é que conseguiremos resolver as questões gravíssimas que este país apresenta.

    Não entendo como não percebem que o processo eleitoral está canalizado para manter os mesmos no poder e a manutenção do sistema, que possibilita o roubo e a exploração do povo.

    Continuaremos com um parlamento desacreditado, inútil, perdulário, vagabundo porque “trabalha” apenas dois dias por semana, ou seja, funcionários estelionatários, pois recebem para frequentar o congresso de segunda à sexta-feira, e só dão o ar da graça das terças às quintas-feiras, afora as faltas não justificadas e folgas quando bem entendem.

    Além desses problemas com este parlamento abjeto e deletério, uma democracia falsa, a começar com as urnas fraudáveis, voto obrigatório, a ditadura do legislativo, e a carência de candidatos que animem o povo.

    Enquanto não limparmos o legislativo e executivo da forma como hoje estão constituídos, o Brasil vai de mal a pior.

    A intervenção se faz necessária, e a cada dia que passa a situação se agrava, até se tornar tão extraordinariamente complicada que as FFAA não saberão mais como agir, muito menos o povo, que ficará à mercê de uma revolução e a chance de a esquerda representada pela quadrilha de Lula tomar o poder.

    • A disputa real no Brasil entre os partidos políticos é simplesmente pela ocupação dos cargos. Todos sabem que das limitações da economia brasileira. Entre 1999 e 2013 a economia produziu superávits primários. A partir de 2014 entrou-se numa nova era em que todos os anos serão de déficit primário. Tudo o que for gerado de arrecadação em todas as esferas de governo será simplesmente para o pagamento de despesas correntes e encargos de dívida, nada sobrando para investimentos estatais que alavanquem a economia. E todos os políticos sabem disso. A Tribuna da Internet precisa se concentrar mais em economia, precisa publicar artigos que versem sobre esses que são os verdadeiros problemas que afetam diariamente a vida dos brasileiros. A política é secundária, só se fala em tempos eleitorais. Depois que passam as eleições todos terão que administrar os mesmos problemas.

      • 1) Prezado Hipólito, vc escreveu bem, mas…

        2) Fica difícil para o CN administrar o blog:

        3) Um pede mais economia, outro pede mais política, outro mais esquerda, outro mais direita, eu peço mais religião e Fé (não apenas Cristianismo, mas outras formas de Religiões e Fés), outro pede mais arte…

        4) Na verdade, a TI é uma revista e como tal deve atender todos os setores da sociedade.

        5) E como estamos na Semana da Criança, os pimpolhos merecem artigos e ilustrações condizentes com suas idades.

      • Meu caro Borges,

        A Tribuna da Internet possui excelentes comentaristas econômicos, que estão um tanto fora do ar, digamos assim:
        Wagner Pires e Bortolotto, sempre nos brindaram com seus conhecimentos nesta área com preciosas informações sobre as contas do país, e o quanto temos sido enganados pelas manipulações dessas contas ultimamente.

        A bem da verdade, eu que somente entendo de gastar e poupar, débito e crédito, constato a necessidade imperiosa que temos de investigar profundamente as razões pelas quais a nossa dívida interna atingiu patamares insanos, e a cobrança de juros dessa dívida em níveis policiais!

        Penso que qualquer medida ou decisão sem que saibamos efetivamente os porquês dessa dívida monstruosa, que nos leva bilhões anualmente como pagamento apenas do “serviço” deste passivo, continuaremos sem base, sem alicerce parta empreendimentos e reescalonamento de verbas imprescindíveis às áreas da educação, saúde e segurança.

        Evidentemente que esta investigação só pode ser feita por empresas internacionais especializadas, pois as nossas não somente seriam corrompidas quanto nossos tribunais de contas não servem para nada, apenas cabides de empregos que existem para receber apaniguados!

        Ah, e junto com essa investigação, o mesmo procedimento com relação ao INSS e à Previdência Social, de modo que saibamos, verdadeiramente, se o que diz o governo retrata a realidade ou é mais um engodo, outra mentira.

        Um abraço.
        Saúde e paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *