Relação abalada entre PT e PMDB

Tereza Cruvinel
Correio Braziliense
Se as coisas já não andavam bem entre o PT e o PMDB, ambos ganharam um novo ingrediente ácido com o episódio que levou à renúncia do ex-deputado José Genoino. A mágoa dos petistas com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, pode ter desdobramentos eleitorais e parlamentares, no âmbito da Câmara, envolvendo, pelo menos, os grupos ligados a Henrique.
Mas, antes mesmo da renúncia, no encontro que teve com os novos presidentes estaduais do PT, na segunda-feira passada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva queixou-me muito do PMDB, relatando como “muito ruim” a reunião que ele e a presidente Dilma tiveram com dirigentes do partido no sábado.
Ele mesmo relatou que, em dado momento do encontro, marcado para avaliar a replicação da aliança nos estados, diante de informações sobre as recalcitrâncias de algumas secções regionais, como a de Pernambuco (controlada pelo senador oposicionista Jarbas Vasconcelos, que está ao lado de Eduardo Campos, do PSB), em apoiar a reeleição de Dilma, teria perguntado ao vice-presidente Michel Temer: “Ô, Michel, eles não estão querendo votar em você! Como é que você vai resolver isso?”
LAUDO INCOMPLETO
Entre os deputados, a desconfiança de que Henrique estivesse querendo “jogar para a plateia com a cabeça de Genoino” começou quando a direção da Câmara organizou uma entrevista coletiva dos médicos que integraram a junta encarregada de avaliá-lo, com vistas à concessão da aposentadoria por invalidez, requerida ainda antes da prisão. Na entrevista, foi divulgado apenas um resumo do laudo, informado que o ex-deputado não era portador de cardiopatia grave, tendo, por isso, os médicos optado não pela concessão da aposentadoria, mas pela prorrogação da licença médica por 90 dias.
O laudo completo, entretanto, foi obtido pelo irmão de Genoino, o líder José Guimarães. Nele,os médicos afirmam que o ex-deputado é “indivíduo sujeito a riscos de novos eventos cardiovasculares”, em função da prótese implantada próxima do arco da aorta e de problemas de coagulação e hipertensão.
HENRIQUE ALVES
Henrique, já diziam os petistas na sexta-feira passada, certamente não ignorou essa ocultação de uma parte importante do laudo. O documento resumido é que acabou pautando o noticiário. Anteontem veio o desfecho: o vice-presidente da Câmara, André Vargas, do PT, surpreendeu Henrique e os integrantes da Mesa com a carta de renúncia, quando já havia votos suficientes para abertura do processo de cassação. Se a formalidade fosse concluída, Genoino não poderia mais renunciar, tendo que enfrentar o julgamento do plenário, agora com o voto aberto.
CONSTRANGIMENTOS
Depois, houve constrangimentos. Os petistas evitaram encontros com os integrantes da Mesa que votaram a favor da abertura do processo, para não ouvir justificativas. Quiseram deixar claro que a ferida está aberta, explicou um deles, embora assegurando que não haverá retaliações.
Henrique tentou esfriar o clima, propondo que virem logo a página: “Não é agradável uma decisão destas. É sempre constrangedora, mas cumpri meu dever de forma serena e obedecendo ao regimento e à Constituição. Agora, é aguardar os outros acontecimentos”. A alguns deputados, disse estar respeitando a dor dos aliados, na certeza de que eles acabarão entendendo que ele não poderia ter agido de outro modo. Os petistas discordam: acham que poderia perfeitamente, sem atropelar o regimento, adiar a abertura do processo em função da licença médica de Genoino.
A curto prazo, as consequências podem até afetar apenas as relações pessoais, não produzindo desdobramentos eleitorais. Mas o acordo que garantiu o apoio do PT à eleição de Henrique Alves para a presidência da Câmara não incluiu a reeleição dele ao cargo, em 2015. A retaliação poderia surgir neste momento, mas isso vai depender das urnas de 2014. O cargo caberá ao partido que fizer a maior bancada. Petistas e peemedebistas, no fundo, já travam este duelo.

4 thoughts on “Relação abalada entre PT e PMDB

  1. Eu sou da base do PMDB há muito tempo. Temos feito um trabalho interno de conscientização para honrarmos a história republicana do nosso Partido, que foi assaltado e dominado por caciques corruptos e que só pensam em si. Quem disse que Saney é PMDB? Quem disse que Renan Calheiros e Eunício de Oliveira representam o verdadeiro PMDB? Ora, não podemos ficar tanto tempo reféns dessas figuras asquerosas dirigindo um Partido que tem uma trajetória importante para os brasileiros. Não podemos acabar nas mãos da quadrilha do crime organizado que dá sustentação ao maior golpe nos trabalhadores brasileiros que é essa turma petralha. A quadrilha petralha conseguiu comprometer o nosso futuro como país desenvolvido, ao implantar a corrupção como regra normal governista, ao destruir a Petrobrás, ao maquiar as contas nacionais, tudo para entregar o nosso Brasil aos jurássicos irmãos Castro, que já passaram da hora de irem para o inferno.

  2. TOMARA QUE DAQUI PARA FRENTE PT E PMDB NÃO SE ENTENDAM MAIS MESMO. OUTRA COISA É CERTA: SE O BARCO PETISTA COMEÇAR A FAZER AGUA, OS RATOS PEEMEDEBISTAS VÃO SER OS PRIMEIROS A CAIR FORA.
    O BRASIL AGRADECERÁ PENHORADO ESSA DESAVENÇA, PRINCIPALMENTE SE LEVAR O PT À DERROTA ELEITORAL. ESTÁ MAIS DO QUE NA HORA DE PELO MENOS MUDARMOS AS MOSCAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *