Requiem para Paris

 Foto: GONZALO FUENTES / REUTERS

Parisienses se concentram na Catedral de Notre Dame

Sebastião Nery

RIO – Em Paris, desde a primeira vez, em 1955, eu pensava em Gilberto Amado, sergipano de Estância e universal como todo gênio: – “Uma rua de Paris é um rio que vem da Grécia”. Para mim, o rio correu até minha Jaguaquara, na Bahia.

O sábio Paulo Rónai também lembrou Hemingway sobre Paris: – “Se tens a sorte de ter vivido em Paris quando moço, por onde quer que andes o resto de tua vida ela estará contigo porque é uma festa móvel”.

E o poeta Murilo Mendes teve medo na guerra, em um verso eterno: -“Bombardear Paris é destelhar a casa de meu pai.”

O TERROR

Cada um vê Paris com os olhos de sua alma. Meu gordo e saudoso amigo Antonio Carlos Vilaça falava dela como da primeira escola: – “Paris foi importante para minha geração, uma geração que lia autores franceses. Em Paris pensávamos, éramos”.

São 60 anos. Minha Paris é uma história de 60 anos. De 1955 quando lá estive pela primeira vez até a semana passada, quando mais uma vez deixei Paris depois de mais um mês lá, como faço todo ano. Eu enrolava minha saudade e a canalha terrorista enrolava suas bombas assassinas.

Não consigo imaginar destruída a cidade onde mais sonhei, mais aprendi, mais amei, mais cresci, mais vivi.

CONCENTRAÇÃO

Voltemos ao Brasil. Os professores Marcelo Medeiros e Pedro Souza, da Universidade de Brasília (“Estabilidade da Desigualdade”) demonstram que a concentração da renda continua imutável e ascendente. Estudiosos da desigualdade social brasileira, eles denunciam:

– O segmento do 1% mais rico da população, estimado em 1,4 milhão que ganham a partir de R$ 229 mil anuais, em 2006 tinha participação em 22,8% da renda nacional. Em 2012 cresceu para 24,4% da renda brasileira.

– Entre os 10% mais ricos, não foi diferente. A renda, no mesmo período, avançou de 51,1% para 53,8%. Já a renda dos 90% mais pobres não obteve a mesma performance, mesmo apresentando alguma melhoria.

E o PT dizia-se o partido dos trabalhadores. Virou o dos banqueiros.

DESIGUALDADE

O professor Naércio Menezes Filho, da FEA-USP e coordenador do Centro de Políticas do Insper, no jornal “Valor” (16/10/2015), no artigo “A Desigualdade Começou a Subir”, sintetiza: – “O Brasil é um país bastante desigual. Essa desigualdade tem sua origem no fato de que a maioria da população ficou excluída do nosso sistema educacional até meados do século XX. Nos últimos 20 anos, porém, o processo de inclusão social que houve fez com que a desigualdade declinasse continuamente. Será que esse processo está chegando ao fim?”

CRISE

“Com tristeza e o coração partido”, o professor e escritor Helio Duque, três vezes deputado pelo MDB e PMDB do Paraná, responde: – “Lamentavelmente, sim. O governo Dilma Rousseff, por incompetência e centralismo autossuficiente e autoritário, conseguiu interromper um caminho que, mesmo com limitação, se apresentava virtuoso, Os próximos anos serão de frustração do sonho de o Brasil estar marchando para a construção de uma sociedade que avança no combate à miséria e a injustiça social”.

– “Sem crescimento da economia, não existe milagre que possa sustentar a melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores. Somente com políticas econômicas de austeridade fiscal é que se pode enfrentar essa realidade adversa: a sustentabilidade das políticas de inclusão social”.

DEFICIT

– “Historicamente, o “superávit primário”, mesmo nos momentos de crise, sempre foi obtido por diferentes administrações. Quando Dilma assumiu o governo, era de R$ 128 bilhões. Agora, de maneira inédita, a situação é inversa: o “déficit primário” consolidado seria de R$ 60 bilhões”

– “Com o agravante de o Tesouro ser obrigado a pagar as “pedaladas fiscais” (dívidas atrasadas no BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica), estimadas pelo Tribunal de Contas em R$ 40,2 bilhões”.

– “Com outros penduricalhos, o déficit ultrapassará R$ 117 bilhões. Ele foi construído naqueles anos onde a fantasia marqueteira era vendida aos brasileiros que aprovavam e aplaudiam o governo com marcas recordes de popularidade”.

ISABELITA

E de um amigo paulista, que bem conhece a Argentina, vem a definição perfeita de Dilma: – “Dilma é a Isabelita sem Perón”.

11 thoughts on “Requiem para Paris

  1. O NERY É SEMPRE BOM. SEM OFENSA – COMO OS BONS VINHOS FRANCESES…. a propósito MARIANA não era
    o nome da musa homenageada no bicentenário da Revolução Francesa, os estudantes gritavam o seu nome
    na Bastilha…. (ou estarei equivocada pelos bons vinhos que na ocasião tomei…Desculpe Nery…).

  2. “Cada um vê Paris com os olhos de sua alma. Meu gordo e saudoso amigo Antonio Carlos Vilaça falava dela como da primeira escola: – “Paris foi importante para minha geração, uma geração que lia autores franceses. Em Paris pensávamos, éramos”. São 60 anos. Minha Paris é uma história de 60 anos. De 1955 quando lá estive pela primeira vez até a semana passada, quando mais uma vez deixei Paris depois de mais um mês lá, como faço todo ano.”

    -Enquanto as cigarras cantavam em Paris, as formigas escravas trabalhavam; e trabalhavam tanto aqui mesmo, na Jabuticaba do Sul, como nas outras colônias africanas, sob o fuzil da Legião Estrangeira!
    Claro que não acredito tratar-se da mesma pessoa, do mesmo poeta, que – às margens do Sena, entre um gole e outro do melhor champanhe, está a reclamar da concentração de renda e da desigualdade social lá do outro lado do Atlântico, em um certo país de analfabetos e desdentados, lá perto de onde Judas perdeu as botas. Certamente, “ouvi falar!”.
    “-Diminuiu a renda dos pobres?
    -Então porque não comem bolos?”

    E continuemos a apreciar a paisagem francesa e a discutir sociologia, modorramente, entre um flato e outro…

  3. TERRORISMO

    Em 07/01/2015 o espírito Vianna de Carvalho escreveu (psicografada pelo médium Divaldo Franco) uma mensagem com o título “Terrorismo”, logo após aquele ataque terrorista ao jornal “Charlie Hebdo”, em Paris.

    Essa mensagem foi publicada no exemplar de fevereiro/2015 da revista REFORMADOR, da FEB (Federação Espírita Brasileira) editora.

    Quem desejar pode conferir o que foi dito na época, acessando o link abaixo:

    http://www.febnet.org.br/blog/geral/noticias/terrorismo-2/

    Permite amplas reflexões, inclusive agora, nestes dias após os recentes ataques terroristas em Paris.

  4. VEJA-SE QUE A OBSTINAÇÃO DE OBAMA PARA DERRUBAR ASSAD TEM A VER COM OS INTERESSES DE ISRAEL – MATOU-SE A CHARADA !!! ISRAEL TAMBÉM ESTÁ BOMBARDEANDO A SÍRIA PARA DERRUBAR O GOVERNO CONSTITUCIONAL DE BASHAR AL ASSAD !!!

    16.11.2015 | Fonte de informações: Pravda.ru

    Os recentes acontecimentos na Síria.

    A força aérea israelense lançou um ataque aéreo, que partiu da região sudeste, atingindo a zona industrial e os hangares do Aeroporto Internacional de Damasco, que estão localizados nas proximidades da sala de embarque. 12 cidadãos sírios ficaram feridos e foram transferidos para os hospitais de Damasco.

    Homens armados violaram a trégua no bairro de Barza, em Damasco, e atiraram contra os membros do Exército Árabe Sírio, atingindo um cidadão que passava no local e bloqueando a passagem para o Hospital Militar Teshreen, por cerca de 10 minutos.

    Na cidade de Aleppo, um dos grupos terroristas atacou o bairro de Ashrafieh com um cilindro de gás explosivo, que resultou na morte de seis cidadãos sírios e no ferimento de 21 pessoas. Além disso, houve perdas materiais já que vários carros, prédios e lojas sofreram danos. No bairro de Amiriya, uma cidadã foi alvejada por um atirador terrorista e transferida para o Hospital Universitário.

    Ainda em Aleppo, na região de Safira, um míssil atingiu o bairro de Sakhana, vitimando uma cidadã e resultando em danos materiais. Outro cilindro de gás explosivo foi lançado contra a escola Adham Mustafa, no bairro de Saif Al Dawla, resultando no ferimento de quatro cidadãos e em danos materiais.

    Dois morteiros foram lançados contra o acampamento de Wafideen, na Zona Rural de Damasco, ferindo nove pessoas.

    Fonte: Embaixada da República Árabe da Síria
    Data: 13/11/2015

    Tradução: Jihan Arar

    Brandao 17 horas atrás

    Que motivo alegarão para esse ataque…ou muito me engano mas parece que além de perder o respeito do mundo serão ainda mais odiados. Dado seu pequenino território, não haverá tecnologia que os salve em algum dia futuro se continuarem nesse caminho. Não acho bom negócio bancarem nazistas na atualidade.

  5. A cidade luz, por mais que gostem dela, muitos. Semeia trevas no Oriente Médio ce na Afraica desde o século 19. Colhem o que seemearam. Sem ofensdas, mais, em mim o que lá aconteceu, acontece toda semana nas regióes supracitadas. Não vejo nenhum alarde pelos milhares que morrem todo mês, mais já os coitadinhos alvos e de olhos azuis, hum quanta dor. Em mim não causa espécie, hipocrítas seletivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *