Revelações de Cunha demonstram que Joesley está tentando preservar Lula

Resultado de imagem para cunha charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Deu no Correio Braziliense
(Agência Estado)

O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se defendeu nessa segunda-feira (19/6), das acusações que Joesley Batista, dono da JBS, fez em entrevista à revista Época, do fim de semana passado. Em carta redigida de próprio punho na cadeia em Curitiba, Cunha citou um encontro entre ele, Joesley e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no ano passado, para desmentir o empresário. Joesley disse ter encontrado Lula em duas ocasiões: uma em 2006 e outra em 2013.

“Ele (Joesley Batista) fala que só se encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes em 2006 e em 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia (anterior à Páscoa) na sua residência, entre mim, ele e Lula, a pedido de Lula, para discutir o processo de impeachment (de Dilma Rousseff)”, disse, em carta.

HÁ TESTEMUNHAS – Cunha afirmou que, no encontro, pôde “constatar a relação entre eles e os constantes encontros que mantinham”. Segundo o ex-presidente da Câmara, sua versão pode ser comprovada com o testemunho dos agentes de segurança da Casa, que o acompanharam, além da locação de veículos em São Paulo, que o teriam levado até lá.

Cunha disse ainda que “repudia com veemência as acusações” e desafia Joesley a comprová-las. O empresário disse à revista Época que Cunha respondia ao presidente Michel Temer, que era o chefe do que chamou de “Orcrim”, “organização criminosa da Câmara”. Temer também negou as acusações.

Além disso, o dono da JBS também afirmou que se tornou “refém” de Cunha e do corretor Lúcio Funaro – a quem ele deveria supostamente pagar uma “mesada” para não correr o risco de delatarem.

DELAÇÃO BILIONÁRIA – Além de negar as acusações, Cunha aproveitou para criticar o acordo de colaboração firmado entre Joesley e a Procuradoria-Geral da República (PRG), a que ele chamou de “delação bilionariamente premiada”.

O deputado cassado afirmou que entrou com recurso no STF para a anulação do acordo. “Hoje fica claro que ele mente para obter benefícios pelos seus crimes, ficando livre da cadeia, obtendo uma leniência fiada, mas desfrutando dos seus bilionários bens à vista”, disse.

O peemedebista encerrou a carta enumerando os supostos benefícios da JBS com o governo, citando especificamente a Medida Provisória (MP) do Refis e da Leniência com o Banco Central.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O melhor da festa é que os bandidos se digladiam, com acusações mútuas, e se autoexterminam, para o bem do Brasil. Cunha, Joesley, Lula e Temer são todos iguais, um pelo outro não quero troca, como se dizia antigamente. (C.N.)

17 thoughts on “Revelações de Cunha demonstram que Joesley está tentando preservar Lula

  1. Que a justiça alcance a todos esses pilantras, independente dos partidos (quadrilhas) que os abrigam.

    Ah… e tem também os pilantras do judiciário!

  2. Le Monde denuncia práticas irregulares da Monsanto

    Stéphane Foucart e Stéphane Horel – Em artigo investigativo, jornal afirma que para salvar o glifosato, a empresa usa de práticas ilícitas

    Intimidação e espionagem estariam no acervo de armas usadas pela multinacional Monsanto

    Em artigo de nove páginas, jornalistas do Le Monde apresentam uma trama digna de filmes hollywoodianos. A descoberta que o glisofato, princinpal componente do Roundup, pesticida da Monsanto é “provavelmente cancerígeno” irritou bastante a multinacional. Utilizado há mais de quarenta anos, o glifosato entra na composição de nada menos de 750 produtos comercializados por uma centena de empresas, em mais de 130 países.

    Disponível no mercado desde 1974, seu uso passou de 3 mil toneladas por ano para 825 mil toneladas em 2014. Para defender seu principal produto, a empresa estaria se valendo de intimidação, espionagem e tráfico de influência.

    https://www.brasildefato.com.br/2017/06/04/le-monde-denuncia-praticas-irregulares-da-monsanto/

    Do site Controvérsia

    • Foi o governo Lula, que autorizou a produção de transgênicos no Brasil, em que a Monsanto foi favorecida, haja vista, que só ela produzia as sementes e a pesticida própria para os transgênicos.

  3. Terrorismo islâmico: jamais aceitá-lo como o “novo normal”

    Nonie Darwish

    Quando ocorrem ataques terroristas, é comum ouvirmos da mídia ocidental e da classe política que devemos aceitar os ataques terroristas como o “novo normal.” Para os cidadãos do Ocidente esta é uma frase perigosa.

    A doutrina islâmica da jihad, expansão e Dawah (divulgação do Islã, proselitismo) dependem pesadamente do uso do terrorismo e da sedução. Targhib wal tarhib é uma doutrina islâmica que significa “seduzir (atrair) e aterrorizar” como ferramenta para a Dawah para conquistar nações e forçar os cidadãos a se sujeitarem à Lei Islâmica (Sharia). Isso equivale à manipulação das partes instintivas do cérebro com pressões opostas extremas de prazer e dor – recompensadoras e punições exemplares – para a lavagem cerebral para a aceitação do Islã.

    A maioria dos muçulmanos comuns sequer conhece essa doutrina, mas os livros islâmicos escrevem a respeito. Os principais xeques muçulmanos como Salman Al Awda debateram sobre o tema na TV Al Jazeera. Em um programa de nome “Sharia e Vida”, Al Awda recomendou o uso de extremos “para exagerar… recompensar e punir, moralmente e materialmente… nos dois sentidos”. “O uso do terrorismo segundo essa doutrina”, salientou ele “é uma obrigação legítima da sharia”.

    As pessoas que vivem no Ocidente acham que o terrorismo é um ato perpetrado por jihadistas islâmicos contra não muçulmanos, e o é. Mas o terrorismo é também o mecanismo para garantir a obediência dentro do Islã. De acordo com a lei islâmica, os jihadistas que se evadem do cumprimento da jihad devem ser mortos. O terror é portanto a ameaça que mantém os jihadistas em suas missões e que faz com que os muçulmanos comuns obedeçam a Lei Islâmica (Sharia).

    Do site Mídia sem Máscara

  4. O apartamento 164 A, do edifício Solaris, está em nome da OAS Empreendimentos S/A, mas, desde 2010, quem detém 100% dos direitos econômico-financeiros sobre o imóvel é um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal.

    A ficção (acusação a Lula) é produto de desconhecimento do organograma federal e do complexo sistema de controle interno e externo da Petrobras, incluindo a fiscalização da CGU de Jorge Hage. Como se fosse possível a Lula e a aliados corromper uma estrutura composta por milhares de pessoas, ignorando, ainda, que a Petrobras atende exigências de leis internacionais, como a da Sarbanes-Oxley (SOX), dos EUA, além das fiscalizações internas a que está submetida, como depôs o executivo Fábio Barbosa.

    Se o inquérito inicial tivesse sido conduzido de forma correta e sem verdades pré-estabelecidas, o dono do tríplex teria sido identificado na origem

    https://goo.gl/CQjscM

    • ” ignorando, ainda, que a Petrobras atende exigências de leis internacionais, como a da Sarbanes-Oxley (SOX), dos EUA, além das fiscalizações internas a que está submetida, como depôs o executivo Fábio Barbosa.”

      Ignorando… palavra que pode ser bem representada pelos mais altos tribunais do Brasil.

      Acreditas ainda que exigências internacionais, leis e fiscalizações são seguidas pelos poderosos?

  5. Seria este Batista um preposto de alguém? Estaria ele desempenhando alguma função na guerra política?
    Pelo que anda falando, pelo acordo que fizeram com ele e por ter voltado ao Brasil, para por mais lenha na fogueira, não há dúvidas, ele esta com missão em execução e a mando de alguém, a quem deve muito.
    O sujeito esta com as costas quentes, senão não faria estas “entregações” tão sérias e explosivas, com um detalhe, ele só ataca um lado. O outro ele esquece.

  6. Cunha, Joesley e Lula reunidos para tratar do impiche de Dilma…Enquanto isso a turma teleguiada gritando “Fora Cunha” nas ruas. Como diria o Brizola: tem jeito de traição; cara de traição; cheiro de traição. Logo, deve ser traição.

  7. O povo brasileiro deixou escapar de ter um país mais justo, preferiu eleger Collor, FHC, Lula, Dilma e agora estão aguentando Michel Temer, veja matéria abaixo, Brizola já sabia da conduta do Eduardo Cunha e seus seguidores:

    Bem que Brizola avisou.
    Em dezembro de 1998, ele e Anthony Garotinho, então governador do Rio, tiveram uma briga em torno da escolha do secretariado.
    Dizia uma matéria da Folha: “Brizola não aceita a indicação do ex-presidente da seção fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil Sérgio Zveiter para secretário de Justiça, nem a de Eduardo Cunha, presidente da Telerj no governo Collor (90-92), para a Habitação.”
    A questão envolvendo Cunha era, para começar, o desconforto pelo fato de ele ter sido presidente da Telerj por obra de Fernando Collor.
    Cunha era uma indicação de um deputado federal evangélico chamado Francisco Silva, que apoiou Garotinho na campanha. Dono da rádio Melodia, do Rio, Silva fez fortuna produzindo o inesquecível Atalaia Jurubeba, beberagem para o fígado.
    Foi ele quem levou Cunha para os cultos da igreja Sara Nossa Terra há 20 anos, introduzindo-o no pentecostalismo (hoje o presidente da Câmara é membro da Assembleia de Deus em Madureira, maior e mais influente). EC ainda faz inserções diárias na Melodia, encerradas com o bordão “afinal de contas, o povo merece respeito” (rs).
    De volta: em 2000, o aparelhamento evangélico no Rio de Janeiro chamou a atenção de Brizola. “O governo tem de ser mais discreto, está vivendo um protestantismo exagerado”, declarou.
    Brizola estava incomodado com a Cehab, comandada por Cunha, dona de um dos maiores orçamentos do governo fluminense. Organizou um abaixo assinado pedindo o afastamento de Eduardo Cunha “devido à má-gestão e também aos seus antecedentes”, de acordo com outra reportagem da Folha de S.Paulo.
    Seu descontentamento incluía o subsecretário do Gabinete Civil, uma figura chamada Everaldo Dias Ferreira — que viria a se transformar no Pastor Everaldo, aquele que formou com Aécio Neves uma das duplas mais desprezíveis das corridas eleitorais em todos os tempos. Everaldo era ligado à vice-governadora Benedita da Silva, do PT, também evangélica.
    “Qual a legitimidade de tantos pastores no governo? Quem são esses pastores da Benedita?”, dizia Brizola. “Vivem posição ambígua, se queixam de tudo, começam a fazer denúncias, mas não deixam os cargos que ocupam. Ora, se o caminhão tá ruim, é só pedir para desembarcar.”
    Cunha deixou o cargo naquele ano, após denúncias de irregularidades em licitações. Os processos abertos no Tribunal de Contas do Estado foram arquivados em 2004 e reabertos em 2012.
    Brizola enxergou a ocupação evangélica e os monstros que se criavam. O capeta quis que Cunha se tornasse, 15 anos depois, o messias do fundamentalismo religioso no Brasil. Morto em 2004, Leonel Brizola escapou de testemunhar o país ser subjugado por um exército de fanáticos de ocasião.

  8. Se por excesso de provas, o Lula não vier à ser condenado, a Justiça deve pelo menos, determinar que o Apto. do Guarujá, Sítio de Atibaia e o terreno comprado para sede do Instituto Lula, “todos sem dono”, seja imediatamente leiloados e os recursos destinados ao tesouro nacional.

  9. FACHIN E JANOT ESTÃO PRESERVANDO LULA , SÃO PETISTAS, E BENEFICIARAM OS BATISTAS COM UMA DELAÇÃO PREMIADISSIMA , ONDE NÃO CONTARAM TUDO O QUE SABEM, DELATARAM SÓ QUEM ELES QUISERAM. E AINDA DIZEM QUE MAL CONHECEM LULA, COMO O SUPREMO TRIBUNAL ACEITA ISSO? POR ISSO SÓ INTERVENÇÃO MILITAR PRA DAR FIM EM TUDO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *