Rodrigo Maia teme recessão e cobra propostas do governo para organizar contas públicas

Maia disse que não é hora de discutir sucessão no Congresso

Denise Luna
Estadão

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou neste domingo, dia 29, que, assim que se fechem as urnas, o governo apresente suas propostas para organizar as contas públicas, ou o País correr o risco de viver em 2021 uma recessão aos moldes da de 2015 e 2016. Ele criticou também a antecipação da discussão sobre a reeleição para a Câmara dos Deputados e Senado Federal.

“Não sou candidato à reeleição (Câmara), o que o Brasil deveria estar vendo neste momento não é eleição nem na Câmara nem no Senado, era a agenda do Congresso Nacional que esperamos que, a partir de hoje à noite, com as urnas fechadas, o governo apresente quais são as suas propostas para organizar as contas públicas brasileiras”, disse Maia, após votar em uma escola da Barra da Tijuca.

REFORMAS – Maia afirmou ainda que o País precisa acelerar reformas e projetos. “A gente está esperando isso desde antes do primeiro turno. Infelizmente, o governo foi deixar isso para depois do segundo turno e o nosso temos tempo é curto, e há problemas graves a serem enfrentados e resolvidos.”

Segundo o presidente da Câmara, não apenas o crescimento do endividamento preocupa, mas o déficit público e a necessidade de aprovação do Orçamento dentro do teto de gastos. “Então eu acho que antes da eleição para Câmara e Senado tem um número importante de projetos e emendas constitucionais, projetos que precisam ser aprovados e isso devia ser prioridade para todos”.

A antecipação dessa discussão, disse, tem gerado mais conflitos do que soluções. “Não entendi por que o governo decidiu antecipar esse processo político, e cada vez que o governo antecipa o processo político atrapalha a própria pauta do governo dentro do Congresso Nacional”, avaliou.

SEM REELEIÇÃO – Maia não quis comentar se concorrerá à reeleição para a presidência da Câmara se o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar favorável essa possibilidade. “A Constituição não permite que eu seja candidato… O julgamento do Supremo não sou eu que decido, eu não trabalho por hipóteses”, afirmou.

Perguntado se poderia concorrer em 2022 à Presidência da República, Maia desconversou. “Estou mais preocupado para organizar as contas públicas para o Brasil sobreviver em 2021”, disse.

“Se nós não organizarmos as contas públicas e aprovamos projetos dando maior segurança jurídica para o investimento, 2021 vai ser um ano muito ruim para a sociedade, com pressão nos juros, no câmbio e volta da recessão”, afirmou Maia, informando que as votações deste ano terão de se estender até janeiro do ano que vem.

“AGRESSIVIDADE” –  Após votar no Rio, Maia, que é do DEM, partido do candidato Eduardo Paes, disse ter ficado surpreso com a “agressividade” do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), que tenta a reeleição.

“Não posso deixar de falar da minha surpresa com a atitude do prefeito Crivella, que parecia um pastor, e pareceu mais no final um diabo, com tanta agressividade, com tantas mentiras, fake news. É uma pena ver um pastor de uma igreja tomar seu corpo de tanto ódio”, disse Maia.  “Espero que as pesquisas estejam certas e ele (Crivella) volte para dentro da igreja, volte a orar e fale com Deus, e volte a ser o pastor que sempre foi.”

Ele disse ainda que espera que o DEM tenha um ótimo resultado no segundo turno, “bastante contundente”, e que essa performance vai reafirmar a importância do partido e dos candidatos do DEM, que no Rio concorre à capital com Eduardo Paes e em São João de Meriti, com o Dr.João.

VOTO IMPRESSO – Maia rebateu, ainda, a campanha que a família Bolsonaro iniciou neste domingo a favor do voto impresso, dizendo que apesar de ser a favor de uma amostragem impressa dos votos, não acha agora o momento adequado para se discutir o assunto. Neste domingo, Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a criticar as urnas eletrônicas sem voto impresso, assunto repetido pelo seu pai após votação no Rio de Janeiro.

 “Não pode misturar o voto impresso com o ocorrido no primeiro turno (atraso na contagem), essa mistura acaba gerando uma insegurança num sistema que é muito seguro”, disse Maia. “Eu sempre fui defensor de uma amostragem do voto impresso, mas tratar desse assunto agora é colocar em xeque um sistema que vem dando certo, que é muito seguro, não deveria estar na pauta agora.”

4 thoughts on “Rodrigo Maia teme recessão e cobra propostas do governo para organizar contas públicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *