Rolo compressor para blindar Bolsonaro na Covaxin ainda não deu o menor resultado

A Pista

Charge do Miguel Paiva (Arquivo Google)

Merval Pereira
O Globo

O superpedido de impeachment, entregue ontem por um grupo suprapartidário de parlamentares, não terá o condão de convencer o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), mas coloca mais pressão sobre o presidente Jair Bolsonaro. As manifestações de rua devem recrudescer à medida que a CPI da Covid for evoluindo.

O silêncio comprometedor do empresário Carlos Wizard na CPI demonstra que ele tem muito o que esconder. A permissão do Supremo para que ficasse calado se referia às perguntas que pudessem fazê-lo incriminar-se. Como se recusou a responder a todas as perguntas, vê-se que qualquer passo em falso poderia tê-lo prejudicado.

ALENCAR SE ACHANDO – (Um parêntese para chamar a atenção, mais uma vez, para a atitude arrogante e prepotente do senador Otto Alencar, que exorbita de seus poderes de xerife na CPI. A possibilidade, embora remota, de vir a ser aventado como candidato à Presidência da República por seu sucesso midiático parece que lhe subiu à cabeça).

Voltando ao caso em si, a narrativa desconexa do governo sobre a compra da vacina Covaxin, cujo contrato foi suspenso três meses depois da primeira denúncia de irregularidade (que, segundo a primeira versão, não existia), é a prova evidente de que não há caminho fácil para demonstrar a lisura dos contratos do Ministério da Saúde.

A mais recente denúncia sobre a tentativa de propina na compra de vacina é impressionante. Mais de 250 mil mortes, e um funcionário público negociava US$ 1 por dose de um contrato de compra de 400 milhões de vacinas AstraZeneca. Desta vez, o governo foi rápido, demitiu imediatamente o servidor, diferentemente da primeira denúncia, que até agora tenta negar.

BARROS NÃO SAI – Sinal de que estão querendo se livrar das pessoas que podem trazer mais problemas, mas não conseguem se livrar de outras, como o deputado Ricardo Barros, que já avisou que sabe se defender. O caso é muito mais grave, pois mostra que há uma indústria de propinas para a compra de insumos médicos dentro do Ministério da Saúde, que precisa sofrer uma ampla devassa.

Pelo visto, a passagem do deputado Ricardo Barros por lá deixou rastros difíceis de apagar. Todos os servidores envolvidos nessas falcatruas foram nomeados no tempo dele e, pela denúncia de diversas pessoas, montaram um esquema que viu a chance de ganhar muito dinheiro com a pandemia.

As explicações que o governo vai dando são ridículas, e o papel do senador Fernando Bezerra para defender o presidente é lamentável. Como é possível sustentar uma versão tão frágil quanto a que ele apresentou, e em seguida o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello confirmou?

NÃO HOUVE INVESTIGAÇÃO – Se houve uma investigação, teriam tido tempo para investigar corretamente uma denúncia de fraude num contrato de R$ 1,6 bilhão em tão pouco tempo? Claro que não. Pazuello ficou um dia no cargo depois do suposto pedido do presidente para averiguar, e seu sub, o coronel Elcio Franco, mais três ou quatro. A maior prova é a primeira reação pública do governo, quando o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, chorou, clamou pela justiça divina e disse que o documento apresentado pelo deputado Luis Miranda havia sido falsificado.

Tivesse havido uma investigação, ele saberia que o documento de compra não só não era fraudado, como estava no site do ministério. Além disso, o responsável pela suposta investigação, o coronel Elcio, estava a seu lado e não deu uma palavra sobre essa investigação que ele teria feito, mas que, na verdade, é uma estratégia para tentar evitar que o presidente Bolsonaro seja acusado de prevaricação.

Há um esforço para tirar o presidente da história, mas não há um só documento que prove que a investigação realmente foi pedida e realizada. Diante do que vem sendo revelado, é difícil tirar Bolsonaro disso. Se ele recebeu a denúncia e não fez nada — e, ao contrário, manteve Ricardo Barros na liderança do governo e nomeou a mulher dele para o conselho de Itaipu—, é evidente que, no mínimo, prevaricou.

4 thoughts on “Rolo compressor para blindar Bolsonaro na Covaxin ainda não deu o menor resultado

  1. Acho estranho que os maiores interessados no golpe contra Bolsonaro sejam justamente seus antigos aliados.
    Lembro que o impeachment e de Collor nasceu de uma denuncia vazia do seu irmão Pedro.
    Em vez de trabalhar nossos parlamentares se acham personagens de um BB que vai ao ar todas as noites em todos os canais.

  2. Quando começarão as queimas de arquivo por causa da corrupção nesse “governo”?

    No jogo sujo para chegar e se manter no (ilusório) Poder – vale tudo. Tudo. Até encomendar assassinatos.

    No atual estágio de metástase da política nacional (e internacional), onde no caso brasileiro, até a cúpula das forças armadas estão envolvidas em atos de corrupção até o pescoço, pergunto:

    Quando as mortes por encomenda pipocarão?

    (“CPFs cancelados”, alardeiam os narcomilicianos-evangélicos.)

    PS. Não esquecer que:

    PC Farias
    Adriano da Nóbrega
    Lázaro Barbosa:

    Três mortos.
    Três sabujos de gente poderosa.

    Suas mortes não facilitaram e nem facilitarão elucidar os nomes das pessoas e dos esquemas criminosos a que serviram – e que continuam intocados.

    Outros
    PC Farias
    Adriano da Nóbrega
    Lázaro Barbosa
    continuarão surgindo e barbarizando enquanto quem opera os cordéis continuam nas sombras até morrerem de velhice.

    Batista Filho

  3. Onde o jornalismo de aluguel viu corrupção na compra da Covaxin? Quanto o corruptor pagou ao corrompido? Onde e quando foi a transação? Qual o prejuízo para os cofres públicos?

    Não respondem porque o objetivo da acusação é assassinar o Presidente da República. No Brasil, a grande imprensa é cúmplice do crime organizado, junto com seus aliados, dividia a grana do saque dos cofres públicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *