Rombo nos cofres do Tesouro Nacional já chega a 4% do PIB

Vicente Nunes
Correio Braziliense

As estatísticas mostram que a inflação persistentemente alta trouxe de volta a indexação da economia. Por não acreditarem no compromisso real do governo em controlar a carestia, comerciantes e industriais passaram a embutir altas futuras nos preços. Esse movimento preventivo foi incorporado nas expectativas de mercado. Por isso, o Banco Central erra todas as projeções, e os analistas insistem em dizer que o custo de vida continuará alto por pelo menos mais dois anos.

O desarranjo na inflação é ampliado pelo descontrole de gastos do governo. O Palácio do Planalto acredita que, mantendo os cofres abertos, mesmo com a arrecadação fraquejando, impulsionará o crescimento. Além de o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) não se confirmar, as contas públicas foram maquiadas de uma tal forma que a credibilidade do país derreteu. O rombo nos cofres do Tesouro Nacional já chega a 4% do PIB. É dado de país prestes a entrar em crise.

No campo energético, a situação é dramática. A cada semana, o Operador Nacional do Sistema (ONS), que acompanha o nível dos reservatórios das hidrelétricas, reduz o volume necessário de água para manter o abastecimento. Agora, a perspectiva é de que as usinas do Sudeste e do Centro-Oeste, que respondem por 70% do fornecimento de energia hídrica do país, fechem este mês com apenas 18,4% da capacidade, nível inferior ao registrado em 2001, quando o Brasil decretou racionamento.

SEM APAGÕES (AINDA)

O atual governo conseguiu, até agora, se livrar de uma onda de apagões e do racionamento justamente porque a economia cresce pouco e os maiores consumidores, as indústrias, estão em recessão, com queda de produção há quatro trimestres consecutivos. Para piorar, o setor de energia está assistindo, atônito, a sua principal empresa, a Petrobras, sangrando em praça pública. A estatal se tornou o maior foco de corrupção que se tem notícia na história recente do país.

Dilma não tem mais o direito de errar. Para um país do porte do Brasil, com tantas pendências a serem sanadas, seja na infraestrutura, seja na educação e na saúde, é inaceitável que mais quatro anos sejam jogados fora. Diante do estrago que se viu no último quadriênio, as margens de manobra praticamente se esgotaram. Portanto, não são promessas de mudanças, de novas ideias, de equipes novas que vão resolver todos os problemas no país. Os brasileiros merecem respeito. E isso passa por um governo eficiente, ético e inovador. Não adianta falar em futuro melhor se, a cada ato, nos distanciarmos mais dele.

2 thoughts on “Rombo nos cofres do Tesouro Nacional já chega a 4% do PIB

  1. Quer se goste ou não, a Presidenta DILMA ganhou a eleição porque manteve o DESEMPREGO baixo, +- 5% dos que procuram Trabalho ( nem importa a percentagem, importa é que é bem menor do que antes), e a INFLAÇÃO dentro do Teto da Meta de 6,5%aa. Enquanto isso as Contas Nacionais deterioraram, a seca reduziu os estoque de água das HidroElétricas a +- 18% da capacidade, etc, mas a eleição está ganha. Agora é mais fácil escolher um bom Ministro da Fazenda, do Banco Central, etc, e começar a fazer o certo: Reduzir a Despesa Pública, aumentar a “Arrecadação” porque não escaparemos disso, mexer na Política Fiscal, Monetária e Cambial para o lado certo, e ir aos poucos equilibrando o cargueiro. ANTES ERA PRECISO GANHAR A ELEIÇÃO. Assim funciona a Democracia. Na China é diferente, lá como no tempo dos Governos Autoritários de 64 aqui, a cada 6 anos muda o Presidente de plantão e não há necessidade de ganhar primeiro a Eleição, para depois fazer o certo. É um Sistema muito mais eficiente do ponto de vista Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *