Salles imita Geddel e usa a própria mãe para esconder seu enriquecimento ilícito

Salles tem a mãe como sócia e cúmplice, diz a PF

Vinicius Sassine e Marcelo Rocha
Folha

A Polícia Federal aponta operações financeiras suspeitas de Ricardo Salles a partir do escritório de advocacia que ele tem em sociedade com a mãe, durante o período em que exerce o cargo de ministro do Meio Ambiente no governo de Jair Bolsonaro e em meio a suposta prática de crimes na exportação de madeira ilegal.

A suspeita é descrita pela PF em relatórios que embasam a Operação Akuanduba, autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), e deflagrada na última quarta-feira (19).

INTELIGÊNCIA FINANCEIRA – A PF em Brasília fez uso de relatórios de inteligência financeira produzidos pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). A decisão de Moraes cita esse material, mas sem detalhamento. Documentos da polícia trazem pormenores dos relatórios de inteligência financeira, chamados RIFs.

Sobre o RIF relacionado a Salles, a PF diz existir um “conteúdo bastante interessante”. O RIF “aponta para operações suspeitas, realizadas nos últimos dois anos, por intermédio do escritório de advocacia em que o ministro Ricardo Salles é sócio com sua genitora”.

“Obviamente a obtenção dos respectivos anexos e dados mais completos dependerá da autorização judicial emitida por esse STF, mas cremos que a confirmação da simples existência de operações suspeitas a cargo do ministro Salles, no mesmo período dos fatos em apuração, com os demais elementos, permitem que sejam apreciados os pedidos”, afirma a PF.

CONTRABANDO DE MADEIRA – Moraes autorizou a polícia a ter acesso à íntegra do RIF referente a Salles. Segundo as investigações, há “fortes indícios de envolvimento” do ministro em esquema de facilitação ao contrabando de madeira ao exterior.

Em nota, o ministério afirmou que “não há como se defender de algo que não se conhece”. “Até o momento, o ministro não teve acesso ao inquérito, e tampouco a reportagem indicou quais são os fatos a esclarecer.”

Advogado de Salles, Fernando Augusto Fernandes disse que há uma mistura de fatos anteriores com fatos que não são criminosos. “Há um claro propósito político para induzir o STF em erro”. Segundo o advogado, as movimentações financeiras do escritório que integra já foram objeto de investigação anterior, com esclarecimentos ao MP (Ministério Público).

SIGILO DA MÃE – Em São Paulo, a pedido do MP, a Justiça já havia determinado, no ano passado, a quebra do sigilo bancário do escritório de advocacia ligado ao ministro. A ordem judicial incluiu a mãe de Salles, sócia dele.

A quebra ocorreu no âmbito de um inquérito civil aberto pela Promotoria para apurar a suspeita de enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro no período em que Salles comandou a Secretaria de Meio Ambiente do governo Geraldo Alckmin (PSDB).

De acordo com o MP, Salles movimentou, entre 2012 e 2017, cerca de R$ 2,8 milhões da conta de seu escritório para sua conta pessoal. Os investigadores afirmaram no pedido enviado à Justiça haver discrepância entre a movimentação financeira e declarações de imposto de renda.

OUTROS ENVOLVIDOS – Na Operação Akuanduba, a PF aponta operações financeiras suspeitas de outros cinco investigados, além de Salles.

No caso de Olivaldi Alves Borges, que foi diretor de Proteção Ambiental no Ibama e secretário no ministério, houve registro de título com diferença entre o valor de venda de um bem, R$ 180 mil, e o valor venal, R$ 38,2 mil, conforme relatório da PF.

Segundo a PF, Olivaldi participou de reuniões com o setor madeireiro para flexibilizar a fiscalização e ignorou irregularidades no envio de madeira ao exterior.

“Nunca tive imóvel nenhum, portanto não há venda nenhuma”, disse Olivaldi.

MAIS EVIDÊNCIAS – Outras operações suspeitas, segundo relatório da PF, envolvem os analistas do Ibama João Riograndense Júnior e Artur Vallinoto. Quanto ao primeiro, é citada uma resistência a fornecer informações sobre operação financeira em 2017. Sobre o segundo, houve comunicado de depósito em espécie de R$ 50 mil.

Riograndense participou de elaboração de nota técnica que permitiu a assinatura do despacho flexibilizando a fiscalização de exportações de madeira, conforme a PF.

Vallinoto emitiu uma autorização de exportação de madeira de forma “flagrantemente ilegal”, afirmou a PF, que quer saber se ele cumpriu ordens de superiores.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Como dizia Abelardo Barbosa, nada se cria, tudo se copia. E o ainda ministro Ricardo Salles, ao envolver a própria mãe em suas operações de enriquecimento ilícito, está copiando outro ex-ministro, Geddel Vieira Lima. Tanto um como o outro sabem que as famílias estão protegidas pela impunidade à brasileira. A mãe de Geddel jamais passou um só dia em cana, há até quem tenha pena dela por ter perdido sua parte naquele latifúndio financeiro de R$ 51 milhões, tristemente abandonado num apartamento vazio. E Geddel já está livre, mas quase não sai de casa, onde fica contando o dinheiro que sobrou de sua enriquecedora vida pública no quadrilhão do MDB. (C.N.)

5 thoughts on “Salles imita Geddel e usa a própria mãe para esconder seu enriquecimento ilícito

  1. Contudo um adendo. A mamãe do Geddel é tipicamente aquela matriarca que tão somente quer o bem dos rebentos, expontanea sem esperar nada em troca. Uma pobrezinha. Já a mamãe do RS (não confundam com Rio Grande do Sul nem com Ricardo Souza) é espertalhona na condução da impunidade do kid malandro. Uma medusa na espreita. Mas o filhinho assim como o geddelzinho vai passar um aperto. Fosse na matriz (né CN?) já estavam todos em cana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *