Saques da poupança refletem a disparada dos preços, que vai influir nas eleições

Charge do Amarildo (amarildocharge.wordpress.com)

Pedro do Coutto

No primeiro trimestre de 2022, os saques das cadernetas de poupança superaram em R$ 30,7 bilhões os depósitos, estabelecendo um novo recorde para um período de três meses, resultado evidente do congelamento de salários e da disparada dos preços, inclusive dos alimentos. E também dos juros que incidem sobre dívidas contraídas dos cartões de crédito.

Os dados são da Associação Brasileira das Entidades Imobiliárias e Poupança, e a reportagem é de Ana Paula Franco e Douglas Gavras, Folha de S.Paulo desta segunda-feira.

RECLAMAÇÕES – Realmente, os preços estão numa ascensão muito veloz. Essa velocidade está refletida na reportagem de Johanns Eller, O Globo, com base em pesquisa da Fundação Getúlio Vargas sobre o volume de reclamações quanto aos preços registradas no Twitter entre 29 de março e 30 de junho. As reclamações contra a inflação e a alta de preços representam 47 milhões de mensagens. Enquanto as reclamações sobre segurança pública somaram 7 milhões de mensagens.

No caso do custo de vida é interessante frisar que as reclamações contra os preços são muito maiores do que as 4,7 milhões de manifestações. Esse total focaliza diretamente o custo de vida e a inflação em geral reuniu 1,9 milhão de mensagens. Assim, temos uma conversão de 6,6 milhões de mensagens abrangendo os dois temas, que na verdade são um só sob a ótica popular. É um abuso que os preços corram tão livremente enquanto os salários estão congelados.

Essa realidade está refletida na emenda constitucional que o Planalto fez o Senado aprovar na última semana e a Câmara aprovar nesta semana. O próprio governo interveio diretamente de forma estatal nos preços da gasolina, do diesel, do gás e do etanol. Os economistas da escola de Paulo Guedes que condenam qualquer intervenção estatal na economia permanecem em silêncio, pois desejam conservar seus postos pelo menos até dezembro deste ano.

APROXIMAÇÃO – Num espaço de tempo que vai de outubro ao final de dezembro, 60 dias, estão pensando como poderão se aproximar do novo governo caso as urnas confirmem o favoritismo que as pesquisas demonstram para Lula da Silva.

Nas manifestações do Twitter concentram-se também as reclamações sobre os preços dos alimentos em geral, com destaque para a carne e para o café. A gasolina também entra nesse rol, sobretudo porque o Twitter é um caminho mais utilizado por parte da classe média e não pelos segmentos mais pobres que são afetados mais pela alimentação e pelos aluguéis.

EXCLUSÃO SOCIAL –  A pressão dos preços sobre a vida humana desaba com maior peso, como todos sabem, sobre as classes pobres. Tanto assim, que mais de 37 milhões de pessoas estão descendo a ladeira da pobreza e passando fome no Brasil. A carência alimentar aumenta na mesma proporção que aumentam os preços no mercado em geral.

Uma reportagem publicada ontem no O Globo de Geovani Mourão, revela que na cidade do Rio de Janeiro existem 10 mil moradias que sequer possuem banheiro. Esse número abrange, segundo a matéria, 95 mil pessoas morando em tais condições. A falta de banheiro – incrível – atinge favelas e comunidades até da Zona Sul, como é o caso de Copacabana e até Ipanema.

Se no Rio de Janeiro a carência atinge números alarmantes, como estarão as cidades do interior do país? Uma questão assim será respondida certamente nas urnas da democracia.

FREIXO E MOLON – Na edição de domingo de O Globo, Marley Couto publica reportagem revelando que o candidato ao governo do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, está se empenhando para afastar a candidatura do deputado Alessandro Molon do seu próprio partido na disputa pelo Senado Federal.

Freixo deseja que Molon se retire, certamente concorrendo a deputado, para facilitar a candidatura de André Siciliano do PT. No momento, entretanto, as pesquisas apontam Romário na frente de Molon, e Siciliano mais distante. Por isso, é um erro de Marcelo Freixo tentar afastar Molon, pois a candidatura só pode crescer de julho a 2 de outubro. E esse crescimento só se somará à candidatura de Freixo.

SÉRGIO ROUANET –  Na tarde de domingo, surgiu a notícia do falecimento do diplomata Sérgio Paulo Rouanet, ex-ministro da Cultura que muito a ela acrescentou como autor da lei extremamente inteligente, modernizadora e também simplificadora que através da qualidade dos projetos culturais permitiu por vários governos até o atual o desconto do Imposto de Renda de empresas que financiassem projetos importantes na área cultural do país.

Rouanet, um homem da elite, teve uma visão ampla da economia como base da cultura de uma nação. Infelizmente, no governo Bolsonaro a Lei Rouanet vem sendo muito pouco aplicada e às vezes até de forma errada, financiando projetos sem importância cultural.

PAIXÃO –  Na noite de domingo, no Fantástico da TV Globo, Renata Capucci focalizou o tema paixão a partir do episódio da novela Pantanal, reunindo o personagem Tadeu e a personagem Guta. O problema central da questão era como agem homens e mulheres diante da ruptura de relacionamentos que partem do amor, como é natural, mas atingem o grau de paixão.

Foi ouvida a psicóloga americana Helen Fisher sobre o assunto. Não existe técnica para enfrentar essa questão. Homens e mulheres vão se amar e se apaixonar até o final dos tempos, mas cabe fazer uma observação. Uma coisa, sob a visão masculina, é ter amor por uma mulher e ser correspondido. Outra coisa, é ter paixão e sentir como no belo verso de Vinicius de Moraes, “o amor seja eterno enquanto dure”.

As paixões, Deus me livre delas, são estados que fazem com que surja uma dependência que termina intoxicando o relacionamento do casal e o desespero de um dos dois. A paixão é o contrário da razão. É negativa, seja num relacionamento, seja em matéria política, seja no universo do futebol. É a antisala da obsessão.

8 thoughts on “Saques da poupança refletem a disparada dos preços, que vai influir nas eleições

  1. A análise de Pedro do Couto, sobre a Carestia na vida da população, sobretudo atingindo os mais pobres, está perfeita. Não sei como, alguns ainda têm a capacidade de contestar.
    O próprio governo, conhecedor da situação caótica da Economia, dos juros altos, da inflação de dois dígitos e da elevação absurda dos preços dos combustíveis, agiu para aprovar o Pacote Emergencial, que inclui o voucher caminhoneiro, aumento de 400 para 600 reais para os que dependem do Auxílio Brasil, além do aumento de 100% do Vale Gás. Sem dúvida nenhuma, alivia a situação de penúria dos excluídos da sociedade de consumo capitalista.
    A grande discussão posta em comento, é a aprovação das medidas emergenciais, há três meses das eleições. Por qual razão, não aprovaram esse Pacote no início do ano?

    Pedro do Couto, meus parabéns, mais uma vez, por colocar com precisão cirúrgica, o dedo na ferida, que põe a nú, o economista Paulo Guedes, que se autoproclama neoliberal, mas, atuou para aprovar uma medida de cunho socialista, muito boa, diga-se de passagem. Há, se fosse assim desde 2019, estaria aplaudindo de pé, Guedes e Bolsonaro.

  2. Sobre a pressão do PT e de Marcelo Freixo, para que o candidato ao Senado, pelo PSB, Alessandro Molon, desista da candidatura e concorra a Câmara dos Deputados, considero um disparate e prova cabal de suicídio político. Por que?
    Primeiro, que o atual candidato ao Senado, pelo PT, hoje deputado estadual e presidente da Assembléia Legislativa, André Ceciliano, não tem nenhuma chance de ganhar a eleição para o Senado. Perde para Romário, perde para Molon e perderia para Crivella se o bispo da Universal resolver se candidatar ao Senado, ainda está em dúvida se concorre ao governo estadual.

    Segundo, que foi Molon, presidente do PSB no Rio de Janeiro, que trouxe Freixo do PSOL para se candidatar a governador pela atual sigla, com chances de vitória. Então, Freixo comete o mesmo erro político de João Dória, que foi ajudado por Geraldo ALKIMIN e depois traiu o padrinho.

    Agindo dessa maneira, por puro oportunismo, Freixo abre uma avenida para a vitória de Cláudio Castro para governador e de Romário para o Senado. Se confirmando, o que as pesquisas apontam para o Rio, a carreira política de Freixo descerá ao último girão do Inferno Político.

    Não adianta forçar a barra em política, uma Arte de difícil compreensão. Agir de maneira Ética é o melhor antídoto para vencer qualquer pleito eleitoral e na vida também.

  3. Que a carestia está em alta, ninguém constesta, basta ir a uma venda, mercado ou fiteiro para constatar. O problema com o artigo é que o autor FINGE não saber os porquês da inflação. Pra essa gente, por ex., o #FiqueEmCasa (pra lascar o país) nunca existiu.

  4. As bolsonaretes que aqui comentam, não vão falar nada sobre o despejo de dinheiro que o Bozo está colocando nas Organizações Globo?

    O Bozo não iria acabar com a Platinada?!

    O que aconteceu agora para o Bozo despejar rios de dinheiro dentro da Globo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.