Se não tivesse foro privilegiado, Pezão já estaria preso, ao lado do chefe Cabral

Resultado de imagem para luiz fernando pezao charges

Charge do Leonardo (Jornal Extra)

Carlos Newton

Para se eleger deputado estadual em 1990, o jovem Sérgio Cabral Filho pegou carona no prestígio do pai entre os jornalistas, intelectuais de esquerda e sambistas. Começou a enriquecer ilicitamente quando se candidatou a prefeito do Rio de Janeiro pelo PSDB, com apoio do governador tucano Marcello Alencar. Perdeu a eleição, mas encheu os bolsos com as sobras de campanha que lhe foram garantidas pelo sogro Gastão Neves, primo de Tancredo e então diretor da mineradora Paranapanema. Foi Gastão Neves quem passou o pires entre os empresários para financiar a campanha.

Serginho Cabral se reelegeu deputado em 1994, tornou-se presidente da Assembleia e seguiu enriquecendo com a cumplicidade dos caciques estaduais – Jorge Picciani, José Nader e Paulo Mello, que também foram fazendo fortuna junto com ele.

ENRIQUECENDO – Cabral foi candidato novamente a prefeito em 1996, sabendo que tinha poucas chances. Conseguiu ir ao segundo turno contra Luís Paulo Conde, teve apenas 37,83% dos votos, mas ganhou prestígio e encheu ainda mais os bolsos com as sobras de campanha.

A essa altura já era um homem rico, tinha comprado o apartamento no Leblon e a mansão em Mangaratiba. Na sequência, chegou a ser denunciado pelo ex-patrono Marcello, que montou um dossiê contra ele. Mas Cabral foi socorrido pelo publicitário Rogerio Monteiro, que disse ter contratado o deputado como “consultor político”. A contratação era ilegal, Cabral poderia ser cassado, mas Marcello Alencar desistiu da briga, porque Cabral tinha um dossiê sobre os dois filhos do governador– Marco Aurélio, secretário estadual da Fazenda, que ficou rico e se mudou para os Estados Unidos, e Marco Antônio, que virou conselheiro do Tribunal de Contas e foi preso recentemente e logo depois libertado.

O CÚMPLICE – Quando Cabral foi eleito governador em 2006, trouxe como vice a figura meio desconhecida de Luiz Fernando Pezão, que tinha sido prefeito em Piraí e ganhara alguma visibilidade por ter implantado projetos de informática na cidade.

Pezão viria a se transformar no principal cúmplice de Cabral, porque assumiu a Secretaria de Obras, responsável pelo esquema de propinas dos empreiteiros. Foi um verdadeiro festival. Pezão também enriqueceu, porém é mais discreto e comprou apenas dois apartamentos – um no Leblon, para morar perto de Cabral, e outro em Laranjeiras, próximo ao Palácio Guanabara.

A Polícia Federal já tem provas abundantes do envolvimento de Pezão com a quadrilha de Cabral. O relatório da PF que acaba de divulgado, confirma “informações que podem servir de elementos probatórios que vinculam o governador Luiz Fernando Pezão a integrantes da organização criminosa chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral”.

PERÍCIA NO CELULAR – A afirmação da PF está no documento relativo à perícia feita no celular de Luiz Carlos Bezerra, incriminado como operador de Cabral. As mensagens mostram a total intimidade entre Bezerra e Pezão.

Preso em novembro do ano passado na Operação Calicute, a mesma que incriminou Cabral, o operador Bezerra tenta fazer delação premiada e nos últimos meses passou a colaborar com os investigadores. Ele já é réu confesso e sonha em diminuir a pena, oferecendo informações contra Cabral, Pezão e os integrantes da chamada “quadrilha do guardanapo branco”.

Pezão já foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral e só continua no poder porque recorreu ao TSE. Pretende deixar o governo em abril de 2018 e se candidatar a deputado, para ter foro privilegiado e atrasar os processos criminais que serão abertos contra ele.

###
PS
Se Pezão não tivesse foro privilegiado como governador, já estaria fazendo companhia ao chefe Cabral na cadeia de Benfica. Mas é apenas uma questão de tempo, porque o Supremo logo vai mudar a sistemática do foto privilegiado e Pezão terá de responder a processo na primeira instância, mesmo se for eleito deputado federal. (C.N.)

13 thoughts on “Se não tivesse foro privilegiado, Pezão já estaria preso, ao lado do chefe Cabral

  1. PS, Caro Newton, que se torne realidade, foro privilegiado para ladrões de bihões, que formam quadrilhas hediondas, tem que acabar, se esse escudo para a canalhice continuar, o roubalheira se eternizará. a causa dessa Merda toda, é culpa do voto obrigatório,, e da imaturidade dos jovens de 16 anos, que tem uma escola que não ensina: ser Cidadão e Chefe de família, servindo de joquete da canaljada, que infelicita à Nação.
    Confúcio a 3 mil anos já pregava: Uma Nação de faz com Escola que ensine, o que temos uma escola no Caos.
    Que Deus no ajude, a sair desse pântano.

    • Caro, Théo, concordo com você em relação ao foro. Sou contra o voto obrigatório também. Mas discordo quando coloca a culpa nos jovens eleitores e na escola. Começando pela escola, só pode ser ensinado quem está disposto a aprender. Os professores ensinam, mas apenas alguns poucos alunos estão dispostos a aprender. Com relação à consciência do voto, o problema é que não há opções. O eleitor sempre tem que escolher entre um inútil e um imprestável. O alemão, muito instruído, também votaria mal no Brasil, pois por aqui este é o único voto possível.

      • Caro Franco, grato, mas, o que vejo, é a nossa juventude escolar, sem rumo, os professores, sem o amparo legal para ensinar (veja o nosso Estado) com salário atrazados e sem infra-estrutura, e outras mazelas causada pelo governador Pezão. minha filha foi professora de quimica, está aposentada, participo de eventos, e vejo o despreparo dos jovens.
        88 anos, família pobre, mãe viúva cedo, Escola Pública sempre, que me ensinou Cidadnia e ser chefe de família, na minha lembrança de 80 anos, guardo a imagem da Prof. Dª Graciosa, que com amor, passava aos alunos, seu “saber”, honrar a Bandeira e o Hino Nacional, pelo que representam na Soberania da Nação, Em meu contato com os jovens estudantes, digo a Eles, essa Nação é de vocês, eu já me encontro de partida, tento passar, meu Amor fraterno, nesta casa que Deus me emprestou, para minha Alma, buscar a redenção espiritual.
        Ainda ia completar 18 anos, quando votei pela 1ª vez, foi no Gen. Dutra, me arrenpendi, não tinha maturidade, para a devida avalização, Em meus contatos, sinto, não por culpa deles, mas, do ensino para a Cidadania e Soberania Nacional, a situação em que o Brasil está, não me deixa mentir.
        Mais uma ves, obrigado, e que Deus, proteja e ilumine os brasileiros, para que o Brasil saia deste pântano.

  2. Um estado cujo povo elege políticos com a qualidade de Sergio Cabral Filho e herdeiro, os Picciani, Eduardo Paes, Pezão, José Nader e Paulo Mello entre outros merece mesmo estar falido.

  3. Cronologia:

    Moreira Franco (desastre)
    Brizola (podia ter sido melhor)
    Marcelo Alencar (novo desastre)
    Garotinho (perto da catástrofe que foi Marcelo Alencar até pareceu bom)
    Garotinha (catástrofe)
    Cabral 2x (mafioso 2x)
    Pezão (catástrofe)

    E o Rio chegou onde chegou. Da lista acima o único que não pegaria cadeia seria Brizola, o grande presidente que o Brasil nunca teve.

  4. É verdade Franco me esqueci na seleção que postei anteriormente os craques Moreira Franco, Garotinho e senhora, Marcello Alencar, os Maia, resumindo o povo do Rio de Janeiro pediu pra levar a porrada e levou…

  5. Prezados Franco e Théo, vocês me fazem lembrar a exortação que minha querida mãe, de saudosa memória, fazia a mim e às minhas irmãs: “EDUCAÇÃO SE APRENDE EM CASA”, pois hoje vejo que minha velha estava coberta de razão, na verdade essa “educação” a que ela se referia tratava da formação do caráter, e isso nenhuma escola oferece, pois se assim fosse todos os “malandros” pegos na OPERAÇÃO LAVA-JATO e assemelhadas não teriam formação de nível superior.
    Outro detalhe, vamos deixar nosso pretenso orgulho um pouquinho de lado e reconhecer que quando o Garotinho assumiu o governo do Estado, o setor industrial vivia um péssimo momento assim como as finanças do Estado, ele renegociou de forma proveitosa a dívida estatal, recuperou a indústria, especialmente a naval, fez prosperar o setor do agronegócio, levando um acentuado progresso para o interior do nosso Estado, na verdade o Governador Marcelo Alencar havia deixado o Estado do Rio de Janeiro numa situação muito semelhante à atual.
    Um abraço a todos.

  6. Sr Théo, tenho um amigo que fez um estágio pelos estaleiros da europa. Na volta, perguntei o que tinha o impactado nesta viagem, esperando alguma tecnologia em solda ou administrativa; qual não foi minha surpresa quando ele disse, que conversando após jantar com parentes na Espanha, um participante de 06(seis) anos participava da conversa sobre política, de igual para igual com todos.
    Mas, nós somos uma sociedade jovem, onde grande parcela saiu da escravidão ainda a pouco e foram relegados a própria sorte.
    A sorte são as novas mídias, que impossível de serem barradas, vão inserindo o povão nos debates políticos, alfabetizando-o políticamente.
    Não demorará e estes mesmos jovens estarão fazendo o que tem que ser feito e olhe; a maioria merece nossa admiração.

  7. Só um aparelhamento criminoso nas 3 esferas (União,estado e municipio) permitiria tamanha canalhice.
    Que vergonha. Não se trata mais de ideologias. São bandidos de altíssima periculosidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *