Se o PIB recuar 6,4%, o país perde R$ 392 bilhões, mas o recuo será bem maior

Resultado de imagem para divida publica charges

Charge reproduzida do Arquivo Google

Pedro do Coutto

Se os fatos confirmarem a previsão do Banco Central em relação ao recuo do Produto Interno Bruto neste ano, a economia brasileira perderá 392 bilhões de reais. Entretanto, o FMI já calcula um retrocesso de 9,1% e há instituições que chegam a estimar em 12% a perda da economia brasileira, que  passará a algo acima de 800 bilhões de reais. Explico por quê.

O PIB de nosso país alcança 6,6 trilhões de reais, e a dívida interna eleva-se a 4,2 trilhões de reais, agora ao juros anuais de 2,25% a/a. Nem o PIB nem a dívida interna têm a ver com o Orçamento da União para este ano, a chamada Lei de Meios, que atinge o teto de 3,6 trilhões de reais.

DEFICIT DA PREVIDÊNCIA – De passagem, comento que percentualmente o déficit da Previdência Social representa menos de 10% desse montante do Orçamento. Mas a percentagem sobe se o Ministério da Economia continuar projetando-o sobre a receita tributária que fica contida na metade do Orçamento.

A respeito de cálculos percentuais, lembro que o ministro Roberto Campos, avô do presidente do Banco Central, dizia sempre em seus artigos semanais em O Globo e no O Estado de São Paulo, que a análise de percentuais obrigatoriamente tem de citar os números absolutos sobre os quais esses cálculos se referem. Caso contrário, ficamos sem saber com exatidão a verdade entre as comparações fracionárias e as integrais.

Reportagem de Karen Garcia e Patrícia Vale, O Globo de segunda-feira, revela que com a queda dos juros à base da Selic o FGTS passou a ser uma opção para quem o possui, pois o fundo está girando com 3% ao ano, somados ao percentual de lucro que ele apresenta. O saldo atual do FGTS é de 410 bilhões de reais. Karen e Patrícia lembram que com a queda da Selic reduziram-se também as aplicações em nota do tesouro, CDI e CDB.

###
PERY COTTA E FOLHA RELEMBRAM A DITADURA

No mais recente almoço que reuniu antigos jornalistas do Correio da Manhã, Pery Cotta narra o que atingiu a população brasileira, de modo geral, e o jornalismo em particular, principalmente logo após o Ato Institucional nº 5 de dezembro de 1968.

 Forças policiais invadiram o Correio da Manhã, prendendo o diretor Oswaldo Peralva, o colunista Carlos Heitor Cony e o próprio Pery Cotta acusados de terem se colocado contra a violenta medida excepcional.

Foi presa também Niomar Moniz Sodré, proprietária do jornal que herdou de seu marido Paulo Bitencourt.  Foram tempos difíceis nos quais a tortura física e psicológica passou a ser usada como instrumento para obter confissões.

TORTURA COMPROVADA – O livro de Pery Cotta contém inclusive uma entrevista que ele fez com o temido Brigadeiro Bournier, na qual o militar reconhecia a prática da tortura. A tortura, digo eu em conjunto com Pery Cotta, representa a face mais odienta das ditaduras.

A partir de domingo passado a Folha de São Paulo iniciou uma série de reportagens sobre os porões da fase ditatorial para que se incorpore a história do Brasil para sempre. E a obra de Pery Cotta recebeu destaque especial.

###
BOLSONARO NÃO CONSEGUE MANTER DECOTELLI

Na minha opinião, e com base na reportagem de Paula Ferreira, Naira Trindade, Daniel Giulino e Leandro Prazeres, em O Globo, creio que os esforços do presidente Bolsonaro para manter Carlos Decotelli no Ministério da Educação teriam se transformado em tempo perdido.

A reportagem sobre as farsas do pseudo ministro (foi até nomeado), que quase ocupa uma página inteira, revela que o Palácio do Planalto já se encontra analisando outros nomes para o cargo. A reação negativa da área universitária a Decotelli é um peso enorme para o governo.

6 thoughts on “Se o PIB recuar 6,4%, o país perde R$ 392 bilhões, mas o recuo será bem maior

  1. CASO PARA-SAR (Wikipédia)

    Caso Para-Sar, também conhecido como Atentado ao Gasômetro, diz respeito a um plano terrorista arquitetado em 1968 pelo brigadeiro João Paulo Burnier para desacreditar e reprimir os oposicionistas ao regime militar que então governava o Brasil. Consistia em empregar o esquadrão de resgate Para-Sar na detonação de explosivos em diversas vias públicas do Rio de Janeiro, atentados esses com potencial para provocar milhares de mortes e que seriam atribuídos a movimentos de esquerda. Na fase secundária da missão, o clima de caos proporcionado pelas tragédias seria usado para encobrir o sequestro e assassinato de quarenta figurões da política brasileira, entre eles Carlos Lacerda, Jânio Quadros e Juscelino Kubitschek.

    • Ednei o Caso Para Dar foi um desejo não alcançado, mas, o pior foi o Caso da bomba no Riocentro. O atentado ocorreu de fato, mas se tornou um rotundo fracasso no dia primeiro de maio de 1981. Uma bomba não explodiu na casa de força (Subestação) e a outra explodiu no carro, no colo do sargento. Se tudo desse carro, seria um massacre, no show repleto de estudantes, trabalhadores e artistas.
      Passagem triste da história brasileira.

    • Coberto de razão Ronaldo.
      Explodiram em março de 1981, a rotativa do jornal Tribuna da Imprensa, para calar o jornalista Hélio Fernandes, perderam essa parada.
      As bancas de jornais, que vendiam o jornal Opinião, a Tribuna Operária e o Pasquim eram explodidas de madrugada.
      Tristes trópicos.

  2. Pedro do Couto. O jornal Correio da Manhã apoiou o golpe e mesmo assim foi levado a falência. Incrível também foi o fechamento da PANAIR e o surgimento da VARIG pelo regime. Depois o PT deixou a VARIG sangrar para vir a tona a GOL e levantar a pipa da TAM.
    Quanto ao jornalista Oswaldo Peralva li o seu livro ” O Retrato”. A narrativa é de um comunista, que retrata de maneira lancinante os erros dos seus companheiros. Leitura imperdível.
    Pedro, desculpa, mais você é terrivelmente sensacional. Um jornalista Awful Nice.
    Não entendo a pessoa que lhe crítica. Gente assim deveria ser internada , para ser reeducada.

  3. Pedro, triste a saída do Decotelli. Não precisava alavancar seu currículo, pois a mídia descobriu tudo. Isso de up grade e corriqueiro no Brasil, assim como as Rachadinhas.
    Acho que tinha tudo para dar certo, pois ele se dispôs a dialogar com os gestores da Educação nos Estados e Municípios, justamente o que o ogro olavista nunca fez. No final foi humilhado e obrigado a pedir demissão. Desfecho horrível, que não desejo para ninguém. Deve estar sofrendo muito. Isso entristece a gente também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *