Se você acha que Lula levou o crucifixo porque ganhou de presente, temos uma triste notícia. A belíssima peça de arte realmente estava há décadas no Planalto. Lula precisa devolvê-la, o mais rápido possível.

Carlos Newton

É mesmo difícil de acreditar. O jornalista também ficou na dúvida, conforme está registrado na matéria anterior, postada ontem neste blog. Afinal, o sumiço do crucifixo podia ser um engano, algum funcionário do Palácio pensou que era de Lula, o arrancou da parede e incluiu na mudança. Mas será mesmo?

O assunto desagrada a todos, ou melhor, a 87% das pessoas pelo menos, segundo algumas pesquisas  de opinião pública (especialmente a quem esteja “canonizando”, “santificando” ou “endeusando” indevidamente o ex-presidente Lula, que é apenas uma pessoa como qualquer outra, que acerta, mas também comete erros).

É preciso não confundir as coisas. Lula fez um bom governo, não há a menor dúvida, em especial porque teve uma chefe da Casa Civil que tocou a administração com surpreendente eficiência, a ponto de levá-lo a lançar a candidatura dela à Presidência, contra a opinião da esmagadora maioria do PT, depois lutar por ela e conduzi-la à vitória.

Mas não é disso que estamos tratando. A questão é o desaparecimento do crucifixo, uma situação patética e que precisa ser esclarecida, doa a quem doer, não importa se o responsável foi Lula, Dona Marisa Letícia, a assessora especial Clara Ant (que cuidou da mudança) ou o contínuo do Palácio do Planalto.

É preciso encarar a situação com seriedade, sem passionalismos. O ex-presidente Lula não pode ser tratado como se fosse uma divindade ou uma nova Madre Tereza de Calcutá. Direta ou indiretamente, ele está envolvido, não há dúvida. Então, vamos esmiuçar o assunto, constatar novamente os fatos e trocar idéias com maturidade e a indispensável isenção. Da mesma forma que o jornalista, com absoluta exclusividade, denunciou aqui no blog o tucano José Serra, por gravíssimas irregularidades no pagamento de precatórios, obviamente tem o direito de também denunciar Lula.

De início, no blog da Tribuna da Imprensa, noticiamos a existência de uma campanha popular que começa a ser feita pela internet, sob o título “Devolve, Lula!…”. Essa campanha foi divulgada aqui, porque se baseia em fatos, exclusivamente fatos, que vale a pena recapitular:

Fato 1 – O crucifixo desapareceu do gabinete presidencial, justamente quando houve a transição de governo e a mudança de Lula.

Fato 2 – Os jornalistas que fazem a cobertura do Planalto deram pela falta da peça e no dia 9 de janeiro diversos jornais publicaram que a presidente Dilma havia determinado a retirada da imagem. (Detalhe: entrevistado, Caetano Veloso até a elogiou, pensando que ela tinha mesmo mandado tirar o crucifixo da sala).

Fato 3 – No dia seguinte, porém, a Presidência da República informou, oficialmente, que imagem havia sido levada por Lula, porque pertencia a ele, que ganhara a peça de presente, no início do primeiro mandato.

Fato 4 – Surgiram então as denúncias de que o crucifixo não pertencia a Lula, com diversas fotos mostrando que a peça já estava no gabinete presidencial antes dele. Numa dessas fotos, que foi encaminhada à Tribuna da Imprensa, o então presidente Itamar Franco aparece sentado numa poltrona vermelha, diante do crucifixo. Em outra foto, quem aparece é Lula (acompanhado de Gilberto Carvalho) junto ao crucifixo e à mesma poltrona vermelha.

Estes são os fatos, irrefutáveis. Alguns comentaristas disseram que, se na verdade ocorreram enganos ao fazer mudança, a culpa deve ser dos funcionários do Planalto. Essa hipótese é totalmente absurda, porque nenhum funcionário entraria no gabinete presidencial, sem estar autorizado, e retiraria da parede a pesada peça de madeira (2 metros por 75 centímetros), que necessariamente está arrolada e numerada como um dos bens do patrimônio do Palácio. Alguém deu esta ordem, é claro.

Outro comentarista, o José Antonio (uma espécie de “Advogado do Diabo”, que procura sempre alternativas para derrubar qualquer opinião, seja ela qual for, e isso é bom para o blog) levantou a hipótese de a foto de Itamar Franco diante do crucifixo ter sido uma farsa, montada através de photoshop.

Seria ótimo, se fosse verdade. Infelizmente, a foto não é uma montagem. Está catalogada no Google. Quando se acessa a busca de imagem de Itamar Franco, ela surge. É a primeira foto da página 43. Dá para perceber que não sofreu montagem, devido ao efeito do flash, que está bem refletido na poltrona e na madeira sobre a qual a imagem de Cristo está incrustada. Vê-se também a sombra da cabeça de Itamar na cortina da janela, também por efeito do flash.

Se você pesquisar nas imagens de Fernando Henrique Cardoso, ainda no Google, vai encontrar, na página 16, uma foto do gabinete presidencial (feita pela revista Istoé, numa reportagem sobre cartões corporativos na gestão de FHC), em que aparece a imagem e, diante dela, a mesma poltrona de couro vermelho em que Itamar Franco está sentado na outra foto.

Essas fotos são fatos. E não há como refutar fatos e fotos (para lembrar o título de uma famosa revista de Adolpho Bloch). É preciso aceitar a realidade. A não ser que haja comentaristas dispostos a culpar o Google, que estaria participando de uma campanha sórdida e maquiavélica para prejudicar a Imaculada Conceição, digo, a imaculada imagem do ex-presidente Lula.

Diante dessa constatação, acessível a qualquer pessoa que navegue na internet, não há mais dúvida de que a família Lula da Silva precisa devolver, o mais rápido possível, o belíssimo crucifixo que foi levado, “por engano”, em sua mudança. A peça de arte pertence ao Palácio do Planalto, consta de seu acervo e tem de voltar a seu lugar de origem.

Quanto à adega de Lula, em Brasília circula a informação de que o caminhão climatizado conduziu para São Paulo aproximadamente 8 mil garrafas (deve ter sido um caminhão de respeito). Segundo o Planalto, todas elas foram recebidas “de presente”.

Como Lula ficou no poder exatos 2.920 dias, isso significa que teria recebido “de presente” uma média de quase três garrafas por dia, contando-se sábados, domingos e feriados, além dos muitíssimos dias em que passou viajando, dentro do AeroLula. E para somar 8 mil, não bebeu nenhuma delas.

Você acredita nisso? Então deve acreditar também que o crucifixo foi dado de presente a ele, e as fotos são todas “montadas” pelo Google. Assim como deve acreditar que os presentes pertencem a Lula. Como dizia o velho Ripley, “acredite se quiser”. Hoje, vamos parar por aqui, mas o assunto é importante e merece novos esclarecimentos. Como dizem na TV, daqui a pouco a gente volta.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

5 thoughts on “Se você acha que Lula levou o crucifixo porque ganhou de presente, temos uma triste notícia. A belíssima peça de arte realmente estava há décadas no Planalto. Lula precisa devolvê-la, o mais rápido possível.

  1. Quem escreve essa bosta? Lula fez bom governo? Chefe de quadrilha do mensalão isso sim. Saiam dessa vida e contem a verdade. Roubou o crucifixo porque é ladrão contumaz.

  2. Eu também vi fotos do crucifixo em vários governos. Não é do Lula, não.
    E ele não fez um bom governo. Ele usou o dinheiro e gastou o que podia para enganar a população. Se fosse diferente a pupila dele e as empresas estariam bem, mas ela está sem dinheiro porque eles só sabiam gastar e não fazer o Brasil ganhar mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *