Segunda Turma confirma para o dia 26 o julgamento da libertação de Lula

Resultado de imagem para lewandowski charges

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

José Carlos Werneck 

O ministro Ricardo Lewandowski, presidente da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, confirmou que o julgamento do pedido de liberdade para Lula, apresentado pelos advogados dele, será na próxima terça-feira, dia 26. O pedido de efeito suspensivo da execução da pena, se aceito, possibilitará que o ex-presidente aguarde em liberdade o julgamento dos recursos impetrados nas instâncias superiores. Os advogados também requerem que seja suspensa a inelegibilidade gerada com a condenação na segunda instância da Justiça.

Como anunciamos aqui na Tribuna da Internet, na semana passada, o Ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava Jato no STF, remeteu o processo para julgamento pela Segunda Turma do tribunal, mas a confirmação do dia ainda dependia do presidente da Turma, Ricardo Lewandowski.

SEGUNDA INSTÂNCIA – Lula foi condenado a 12 anos e 1 mês, em regime inicialmente fechado, e encontra-se detido desde abril na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O ex-presidente sofreu condenação em segunda instância, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A prisão foi decretada porque Lula recebeu condenação no Tribunal Regional Federal da Quarta Região, por ter recebido da OAS um triplex em Guarujá, em troca de contratos firmados entre a construtora e a Petrobras.

Desde o começo das investigações, Lula nega a acusação, afirmando que o imóvel não é dele e que nada recebeu em troca, nem favoreceu quem quer que seja, e seus advogados alegam que o Ministério Público não apresentou provas.

O PEDIDO – Na semana anterior, a defesa de Lula pediu a suspensão da prisão para que ele aguardasse em liberdade o julgamento dos recursos protocolados nas instâncias superiores.

Nesses pedidos, os advogados reafirmam argumentos já apresentados ao próprio TRF-4 e que apontam supostas irregularidades no processo, como incompetência de Sérgio Moro para analisar o caso, falta de imparcialidade no julgamento e de isenção por parte dos procuradores do Ministério Público.

A defesa ainda alega que a liberdade do ex presidente “não causará nenhum dano à Justiça Pública ou à sociedade” e que a manutenção dele na cadeia causa “lesão grave de difícil reparação”.

20 thoughts on “Segunda Turma confirma para o dia 26 o julgamento da libertação de Lula

  1. “Segunda Turma confirma para o dia 26 a libertação de Lula”

    Cocha (e marido) acaba de ser inocentada pela segunda turma do STF-PT.

    E tem gente que diz que o Brasil é uma democracia.

  2. E um jornalzinho safado estampa a manchete:
    “Maioria do STF vota por absolver Gleisi Hoffmann dos crimes de corrupção e lavagem.”

    -Como se um mal só já não bastasse – e até sobrasse, agora o Brasil tem dois STF: um na Primeira e outro na Segunda Turma. -É mole?

  3. Onde está o general que não nos ouve? Em que quartel fortificado se esconde? Acabaram de vez os homens de fibra da nossa patria amada? Ou nunca existiram? Ai, meu padinho ciço, que vergonha de ser brasileiro.

  4. Já comecei a torcer para soltarem o bandido. Será um circo. Quero ver os tuítes dos generais da banda. Acho esses rompantes nos tuítes uma tentativa de mea culpa.
    Sim! Fazer uma cagada, também, significa não agir quando necessário!
    Neste quesito, os generais são top: ineptos e coniventes ao extremo.
    Estrategistas? Só se for para salvar as próprias cabeças.

    Nossos pracinhas , de onde estiverem, devem estar corados de vergonha.

    A Narizinho já se safou.
    Que país.!

    • ótima pergunta: quem paga o que se fez a ela?

      Foi absolvida, por unanimidade, das acusações de corrupção e de lavagem de dinheiro, embora Edson Fachin, acompanhado por Celso de Mello, tenha tentado fazer um arranjo para incriminá-la por “caixa-dois” eleitoral.

      E, por isso, a mídia vá dizer que ela foi absolvida por 3 a 2, quando todos os 5 ministros reconheceram (dois a contragosto) que não havia nenhum dos dos crimes que lhe foram imputados.

      Infelizmente, não se pode chamar a isso uma vitória da Justiça.

      É, antes, uma condenação de um sistema policial-judicial que, impunemente e por mais de três anos, enxovalhou a reputação de uma pessoa contra a qual nada se tinha além dos depoimentos dos dedo-duros de Sérgio Moro, que falam e acusam, como todos sabem, de acordo com a vontade dos lavajateiros.

      Quem é que irá restituir o que essa mulher e sua família passaram? Quem vai devolver os sobressaltos e humilhações a que a histeria udenista os infernizaram?

      A máquina de moer reputações engasgou na hora de devorar Gleisi, mas continua funcionando a todo o vapor.

      Mesmo quando ocorre, como se passou com ela, a demonstração de que não há provas, chegamos ao ponto de que dois ministros fazem um malabarismo antijurídico para que, afinal, a alguma coisa se possa condená-la, apenas porque “o Direito da Lava Jato” não admite que possa estar investindo contra inocentes, porque são todos “ideologicamente culpados”.

  5. PAUTA POLÍTICA: Em procedendo a informação de que a Segunda Turma do STF julgará pedido do ex-presidente Lula para “suspender os efeitos da condenação do tríplex do Guarujá” e sendo acolhido tal recurso ele poderá ser candidato. Não sai por acaso essa “previsão” no jornal O Globo, estão em curso ações tendentes a viabilizar uma candidatura de centro com cooperação da esquerda fake (faz de conta), já havendo sinalização concreta de compensação pela surpreendente pauta da Segunda Turma do STF inocentando a senadora Gleisi Hoffmann (que preside o PT) e que pode mais adiante adotar decisão similar quanto ao caso do ex-presidente Lula. https://oglobo.globo.com/brasil/o-proximo-dia-26-de-junho-pode-ser-decisivo-para-lula-entenda-22797517

    Outros fatos corroboram com essas providências políticas da Corte Suprema que pauta dois casos penosos da cúpula lulista, nessas semanas de Copa do Mundo, notadamente uma conversa do petista Fernando Haddad com o general Villas Boas comandante do Exército (segundo notícia da Folha de S. Paulo intermediado pelo ex-presidente FHC) e o mercado financeiro pressionando pela desistência de Henrique Meirelles de postular candidatura presidencial no MDB, favorecendo o ex-governador Geraldo Alckmin como candidato ao Palácio do Planalto ainda sem campo de decolagem. É da nota que colo a precaução desses grupos: A falta de previsibilidade eleitoral fez com que o mercado começasse a temer um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT), cenário que o empresariado considera radicalizado e imponderável para índices como dólar e PIB. Para eles, Meirelles não demonstrou capacidade de quebrar essa polarização. http://www.tribunadainternet.com.br/o-globo-erra-ao-anunciar-que-lula-pode-se-candidatar-caso-seja-solto-no-dia-26/#comment-557030

  6. Werneck, sabes da estima e respeito que te tenho. Devo ter confundido tudo. Será que os 86 anos já estão me pesando aos ombros? Desculpa amigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *