Segundo escalão do golpismo apoia ataque à urna eletrônica apenas para manter poder

Bolsonaro imita Trump e quer envolver ministros no golpe

Bruno Boghossian
Folha

Pouco antes da derrota de Donald Trump nas urnas, o secretário de Justiça americano dizia que as eleições do país estavam sujeitas a fraudes. Ecoando o discurso do chefe, William Barr repetiu suspeitas falsas e autorizou a abertura de inquéritos que tinham o objetivo de reverter o resultado da votação. O comportamento de Barr só mudou depois que o caos estava instalado.

Ele passou a descartar a hipótese de irregularidade e acabou demitido em dezembro, antes que Trump incitasse seus apoiadores a invadirem o Capitólio. Agora, em depoimento na investigação sobre o ataque, o ex-secretário diz que o presidente estava “desconectado da realidade” e confiava em teorias “totalmente sem sentido”.

PARCEIROS DO SILÊNCIO – Em sua longa campanha para desqualificar as eleições, Trump contou com a participação ativa e o silêncio de gente que ocupava espaços importantes na estrutura do poder.

O processo não foi obra de meia dúzia de lunáticos. Uma rede de operadores e avalistas ajudou a cultivar, por vários meses, o ambiente de ruptura e o projeto de insurreição liderado pelo então presidente.

A tropa que atua a favor de Jair Bolsonaro dá ao presidente algumas vantagens sobre Trump. Além do apoio explícito de aliados, o brasileiro costurou o envolvimento das Forças Armadas e abriu canais dentro da máquina pública – como se viu no vazamento do inquérito da PF usado pelo governo para alimentar desconfianças sobre as urnas.

ATRÁS DO PODER – Uma fatia não desprezível dos auxiliares de Bolsonaro deve acreditar genuinamente nos disparates repetidos pelo presidente. Outros insistem na ilusão de que podem domar o chefe.

Mas a adesão prática ou tácita ao plano de contestar o resultado da eleição se deve a um único fator: o poder. Ninguém parece interessado em perder espaços e privilégios se a reeleição fizer água.

Os próximos meses mostrarão quantos arrependidos como William Barr surgirão em terrenos bolsonaristas – e quantos deles serão responsabilizados oportunamente.

4 thoughts on “Segundo escalão do golpismo apoia ataque à urna eletrônica apenas para manter poder

  1. Este é um dos piores jornalistas da Folha, além de ser um perfeito idota latino-americano, mente criminosamente.

    Para enganar os totós que ainda leêm o jornaleco onde trabalha, o picareta, sem nenhum pudor, afirma que houve “vazamento” do inquérito da PF sobre a invasão dos computadores do STE, com uso de senha de um dos ministros do tribunal. Todo o Brasil sabe que o inquérito foi obtido – LEGALMENTE – pela Câmara dos Deputados, sem nenhuma observação restritiva quanto ao seu sigilo. Por isto a imprensa narco-socialista perdeu a credibilidade e caminha para a falência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.