Segurança Pública (tática errada)

Gelio Fregapani

A criminalidade aumenta exponencialmente. A insegurança aumenta dia a dia. Há mais mortes violentas no Brasil do que em muitas das zonas de guerra; ( 50 mil em um ano no Brasil e apenas 30 mil na Síria, desde o começo da rebelião).

A polícia está cada vez mais se encolhendo, acuada por toda sorte de “entidades sociais”. ONGs estrangeiras procuram acovardar a população aconselhando-a a não resistir e se dificulta a posse de armas às pessoas que pensariam em enfrentar os criminosos. Tudo errado!

Uma das causas da expansão da criminalidade é a Justiça frouxa, inibida por leis que protegem demasiadamente os malfeitores, mas a principal causa é o acovardamento da população; a insistência em que resistir nao dá certo e no desarmamento das pessoas de bem. A certeza da “não resistência” encoraja até ao bandido mais prudente.

É difícil acreditar na sinceridade dos defensores dessa política. Por exemplo, o senador Cristovam Buarque protocolou no Senado uma proposta que restringe ainda mais a posse de armas, sem atentar que quanto mais se desarma a população mais aumenta a criminalidade. (Pode-se acreditar que o professor seja culto, mas não dá para acreditar na inteligência dele).

Finalmente, na medida em que a criminalidade passa a usar as táticas de guerrilha, é bom lembrar que não se combate guerrilhas com táticas convencionais. Guerrilha só se vence com táticas de guerrilha, e estas incluem a conquista de aliados para a auto defesa.  Foi assim que o Exército ganhou no Araguaia.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *