Sem comando e sem rumo, Braslia virou lamentvel circo de Marias Fofocas e Nhonhos

Aps apoio de Maia e Alcolumbre a Ramos, Salles fala em 'assunto encerrado'  - 24/10/2020 - UOL Notcias

Salles est se tornando mais um estorvo para Bolsonaro

Eliane Cantanhde
Estado

O mundo est em polvorosa, os mercados estressados, os investidores arredios, as pessoas perdidas, mas Braslia vive em outro planeta, andando em crculos, movida por intrigas e tititi. Sem comando, cada um fala e age como bem entende, todos batem cabea e tudo parou. Num presidencialismo forte como o brasileiro, significa balbrdia e paralisia no s no Executivo, mas tambm no Legislativo.

Sem rumo e apoio, o ministro Paulo Guedes perdeu as estribeiras e, de uma tacada, atingiu a Febraban, o governo de So Paulo, o Congresso e o ministro do Desenvolvimento. Clara demonstrao de desespero, com Bolsas e dlar sacolejando e nenhuma resposta do governo (alm da interveno do BC no cmbio, o b--b). E o desespero s aumenta, depois de o presidente Jair Bolsonaro, em campanha em Marte, ops!, em Imperatriz (MA), prestar solidariedade ao… ministro do Desenvolvimento.

NOVO WEINTRAUB – Nesse enredo e na falta de eleies municipais em Braslia, Ricardo Salles forte candidato a novo Weintraub, distribuindo bordoadas a torto e a direito, com aval de Bolsonaro. O ministro convive com a maior queimada do Pantanal na histria, um pedido de afastamento do cargo na Justia e uma derrota no STF: a ministra Rosa Weber suspendeu ontem a boiada do Conselho do Meio Ambiente contra restingas e manguezais. Mas ele tem costas quentes.

J chamou o general Luiz Eduardo Ramos de Maria Fofoca e, com a confuso criada, pediu modestas desculpas pelo exagero. Ao presidente da Cmara, Rodrigo Maia, que o acusou de querer destruir o governo, destinou um irnico Nhonho do Chaves. Depois, alegou que tinham invadido seu Twitter e, por fim, apagou a conta na rede.

AOS TAPAS E BEIJOS – O prprio Maia, que tambm anda com os nervos flor da pele depois da covid e prestes a deixar a presidncia da Cmara, vive aos tapas e beijos com Paulo Guedes e ontem bateu de frente com Roberto Campos Neto, do BC. Pelo Twitter (ora, se no…), o acusou de ter vazado uma conversa entre eles, o que no est altura de um presidente de Banco Central de um pas srio. Como Salles, tambm votou atrs, mas a cicatriz fica.

Na conversa particular entre os dois, Maia e Campos Neto manifestaram preocupao com a agitao no mercado e a falta de reao de Braslia, quando Maia tascou: a culpa da base do governo ou seja, do Centro , que no se entende sobre oramento, PEC emergencial, novo Bolsa Famlia, lei cambial…

Assim, todos se acusam, todos tm razo e ningum tem razo. O governo est catatnico, com Bolsonaro em sua realidade paralela e Guedes abandonado, atirando a ermo.

CAD AS REFORMAS – O Congresso est imobilizado por disputas de poder na Cmara e a obsesso de Davi Alcolumbre em se reeleger no Senado. E, assim, o ano vai chegando ao fim. Reformas? Privatizaes? O ps-ajuda emergencial? Que nada!

Nesse vazio de homens e ideias, Bolsonaro desliza entre um recuo e outro. O ltimo, at a concluso desta edio, foi sobre remodelao do SUS, o que poderia at fazer sentido, mas foi lanado na hora errada, pelas pessoas erradas. Um decreto sobre o SUS sem assinatura do ministro da Sade?! Ok, o general Eduardo Pazuello no manda nada, mas mantenhamos ao menos as aparncias, senhores! E como lanar a ideia sem negociar com Congresso, entidades de sade e sociedade, quando a estrela na pandemia justamente o SUS, o nosso SUS?

Assim, o coronavrus ressurge na Europa e continua contaminando e tirando a vida de pessoas e empresas no Brasil, com um rastro de dor, tristeza, sequelas, fosso fiscal, desemprego e crise social. E quem deveria se unir para combat-lo e recuperar a economia est atolado nas picuinhas dos muitos Nhonhos dignos do seriado Chaves. para rir ou para chorar.

7 thoughts on “Sem comando e sem rumo, Braslia virou lamentvel circo de Marias Fofocas e Nhonhos

  1. Morreu hoje o jornalista Octvio Tostes, que trabalhou muito tempo na TV Globo e estava atualmente na Record. Tostes no resistiu a uma parada cardaca.

    Tostes foi o responsvel por duas edies do ltimo debate entre Lula e Fernando Collor, em 1989, quando ele trabalhava na Globo.

    A primeira edio, exibida no Jornal Nacional e supervisionada por Francisco Vianey Pinheiro, o Pinheirinho, era honesta, refletia o que havia ocorrido na noite anterior.

    A segunda edio, supervisionada por Ronald de Carvalho e Alberico de Souza Cruz, sem conhecimento do diretor de jornalismo Armando Nogueira, foi absolutamente desonesta e entrou para a histria como um dos mais vergonhosos trabalhos do jornalismo brasileiro.

    Em seu livro Notcias do Planalto, Mario Sergio Conti narra o episdio.

    Faltavam vinte minutos para o JN entrar no ar quando Pinheirinho percebeu uma movimentao no corredor das ilhas de edio na sede do jornalismo, na rua Von Martius, Jardim Botnico.

    Ele se dirigiu a Tostes.

    O que voc est fazendo? perguntou Pinheirinho.
    A edio do debate respondeu Tostes.

    Mas ela j est pronta, a mesma do Hoje.

    No, o Ronald e o Alberico mandaram refazer tudo. No acabei ainda. No vai dar para mandar a fita agora.

    Pinheiro viu um trecho da nova edio e ficou possesso. Considerou que a nova verso mostrava Collor massacrando Lula e achava que isso no acontecera no debate. Pinheiro foi para a redao. Estava transfigurado. Disse que ia subir sala de Souza Cruz para ench-lo de porradas. Colegas o seguraram e o empurraram at o ptio na entrada da emissora, onde, tremendo, fumando e praguejando, Pinheiro esperou o Jornal Nacional ir ao ar e voltou redao para assistir, escreveu.

    Na condensao do Jornal Nacional, Lula falou sete vezes, Collor, oito: teve direito a uma fala a ais que o adversrio. No total, Lula falou 2min22. Collor, 3 min34: 1min12 a mais que o candidato do PT. No resumo do JN, Collor foi o tempo todo sinttico e enftico, enquanto Lula apareceu claudicante, inseguro e trocando palavras (cerca em vez de seca). possvel argumentar que a escolha das falas dos dois candidatos tentou refletir o contedo total do debate. Mas impossvel defender que o Jornal Nacional buscou espelhar o debate de modo neutro e fiel, acrescentou.

    Uma das metas do jornalista estar no lugar certo na hora certa. Nesse caso, sem autonomia para decidir o que iria ao ar, Tostes estava no lugar errado, na hora errada.

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/morre-o-jornalista-octavio-tostes-que-participou-da-edicao-infame-do-debate-entre-lula-e-collor-em-1989-exibida-pela-globo/

    • Infelizmente, continua ocorrendo nos dias de hoje a mesma coisa: a Globo manipula as informaes e as publica do jeito que quer. Como a maioria daquela poca era pr-Collor, houve realmente a indignao da minoria, que no resultou em coisa alguma.

      Recordo-me que homens, mulheres e contrrios biologia votaram em Collor “porque era bonito”, explicavam. Igualmente, j vi muitos dizerem que nas prximas eleies iro votar nessa ou naquele por causa da beleza fsica.

      O pas tem jeito ? No, no tem.

  2. O atual governo a ncluidos os 3. Executivo, Legislativo e Judicirio parecem um circo. Onde o espetculo que cativa a arquibancada so as trapalhadas, as palhaadas, os tombos, os malabarismos, os truques, e um mundo de fantasias.
    Alerto aos brasileiros que este “espetculo” tem durao pr estabelecida de 4 anos. Portanto conformem se. Foi o povo que livremente escolheu este enredo.

  3. Eliel, bom dia.
    Por favor leia outra vez o artigo e reveja seus conceitos e preconceitos.
    Primeiro: Estamos sim totalmente perdidos.
    Segundo: Alguns no honram sua farda e se vendem por trinta dinheiros.
    Terceiro: Colocamos (eu votei nele) um despreparado principalmente no aspecto emocional no governo.
    Concluso: Se quisermos “salvar” a ptria e no entregarmos o pais ao caos; teremos de apoiar a troca do presidente pelo vice Mouro. Fora isto, ser mole para as “foras” que destruram o pais, voltar ao poder.
    Bom dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.