Sem haver um líder para contestá-lo, Bolsonaro segue rumo à reeleição

Bolsonaro ataca Moro em discurso e nega ter pedido que PF ...

Bolsonaro circula pelo país, numa campanha permanente

Carlos Newton

O recorde de aprovação do governo desde sua posse não deve causar surpresa. Já tínhamos assinalado aqui na Tribuna da Internet que o candidato Jair Messias Bolsonaro é favorito absoluto nas eleições de 2022 e nem mesmo as candidaturas de Lula de Silva ou Sérgio Moro podem abalar a possibilidade de reeleição. A pesquisa DataFolha, divulgada nesta sexta-feira, demonstra amplamente essa realidade.

Bolsonaro tem muitos defeitos, continua a merecer o apelido que ganhou nas Agulhas Negras (Cavalão), não consegue governar, mas tem uma característica importantíssima – sabe como se dirigir à grande massa dos eleitores, formada por cidadãos de baixa instrução e qualificação.

FENÔMENO POLÍTICO – Não interessa se Bolsonaro faz ou não um bom governo, o desemprego pode aumentar à vontade, com a Amazônia e o Pantanal em chamas, o presidente pode brigar com o maior parceiro comercial do Brasil, a dívida pública pode se elevar indefinidamente, a desindustrialização pode avançar, nada disso importa para a maioria do povo brasileiro, porque o Brasil entrou na Era das Aparências, em que tudo pode ser virtual.

Bolsonaro é ignorante para entender os grandes problemas nacionais, sua imagem no mundo é a pior possível, seu ministro do Exterior é um fracasso tão retumbante quando o ministro do Meio Ambiente, qualquer outro governante se livraria deles o mais rápido possível, mas o atual presidente segue caminho inverso,.

Nesta quinta-feira, usando realidades virtuais ou fake news, ele até desmentiu as informações científicas sobre a escalada do desmatamento e das queimadas.

APROVAÇÃO RECORDE – A esperança dos oposicionistas é de que a aprovação recorde seja um fenômeno sazonal, como efeito da ajuda emergencial dada a famílias carentes e desempregados.

É uma tese interessante, porque a solicitação do auxílio chega a 40% na população como um todo, taxa que alcança 75% entre desempregados que procuram emprego, 71% entre assalariados sem registro e 61% entre autônomos e profissionais liberais, grupos em que são identificadas as maiores variações pró-governo. Entre os que hoje estão sem ocupação, por exemplo, a reprovação caiu 9 pontos e o apoio subiu 12.

Realmente, o auxílio emergencial contribuiu fortemente para a aprovação recorde, mas nada indica que a próxima extinção desses benefícios possa propiciar o inverso, com reprovação recorde, pois haverá resíduos a favor.

NÃO HÁ OPOSIÇÃO – O fato concreto é que Bolsonaro avança porque não tem concorrente. O único grande líder da oposição é Lula da Silva, mas está escanteado, sem direitos políticos por oito anos. Sua candidatura depende da anulação dos julgamentos do então juiz Sérgio Moro, um fato altamente improvável.

Os líderes que sobraram são Ciro Gomes e João Doria, mas nenhum dos dois consegue sequer fazer cócegas em Bolsonaro. Essa é a situação do Brasil na Era das Aparências, em que mais vale uma realidade virtual, tipo fake news, do que uma informação verdadeira.

Tudo pode ser manipulado, essa é a verdade, e o povão está à mercê da demagogia política, como ocorria antigamente e ainda continuará ocorrendo, caso não apareça um líder de verdade neste país.

###
P.S.O único líder que poderia enfrentar Bolsonaro chama-se Sérgio Moro, que ainda não tem robustez política. Por isso, em 2022 seria melhor Moro sair candidato ao governo do Paraná, onde será facilmente vitorioso, para depois tentar o Planalto em 2026, com muito mais chance de derrotar o candidato que Bolsonaro apoiar. Bem, este é o quadro nesse momento político. Até as eleições, daqui a quase dois anos, pode e deve mudar muito, é claro. (C.N.)

16 thoughts on “Sem haver um líder para contestá-lo, Bolsonaro segue rumo à reeleição

  1. O que mais me assusta não é a popularidade do presidente, explicável pelos efeitos de sua apropriação do mérito do auxílio emergencial, que não foi dele mas do Congresso; é o fato de, segundo a pesquisa, 47% dos entrevistados acreditam que ele não tenha nada a ver com as mais de cem mil mortes pela pandemia. Isso é a maior demonstração do poder das fake news sobre a opinião pública…

  2. Informação verdadeira? A tua, CN? Quais informações científicas? Da NASA que mostra as queimadas na África e outras partes do mundo comparadas oo Brasil? Aponta em forma concreta e específica a que te referes? Isso de dizer “informações científicas” é muito vago com o intuito de enganar.

    Porém o importante é que reconhecer que o povo reeleger ao PR e isso é não porque o povo seja idiota e sim porque reconhecem ao seu líder que mudará este país. Uma pergunta para ti: será que essa maioria que apoiam Bolsonaro são robots? Claro que não, somos gente trabalhadora e honesta que apoiamos e elegemos o PR e reelegeremos ele e fim de papo.

  3. Carlos Newton, essa parte de teu texto “… sabe como se dirigir à grande massa dos eleitores, formada por cidadãos de baixa instrução e qualificação” é o que chamamos de “voto estômago”, no nordeste “voto bucho” – o que o eleitor vota por gratidão no político safado, pois, devido sua precária instrução, acha que é ele quem o está alimentando e sua família. E aos políticos interessa manter essa situação de dependência pela fome, pois o voto é certo.

    Foi assim que o programa Bolsa Escola – que obrigava as crianças a frequentar as salas de aula – foi transformado em Bolsa Família, onde a obrigação foi extinta.

    A meu ver, a situação do Brasil hoje – país rico com população pobre a aculturada – tem a ver com dois importantes fatos históricos: o primeiro, a República ter sido proclamada por meio da utilização de notícia falsa (hoje, por moda, diríamos fake news) o segundo, a construção de Brasília em vez de investir na escolaridade e instrução da infância e juventude, principalmente. No capital humano.

    A Coreia do Sul, que na mesma época saia de uma guerra inteiramente destruída, investiu em formar capital humano. Resultado: hoje, o Brasil importa tecnologia da Coreia do Sul.

    Nosso país só não está em pior situação graças ao agronegócio, setor em que investimos pesado no governo Geisel.

  4. O boçal pode não saber governar, abandonou a maioria dos compromissos como o do combate à corrupção. O único crime do qual o boçal já pode ser acusado é o de ter roubado o povo humilde do pestismo, este sim inafiançável. Diante dos resultados da pesquisa do instituto mais do “confiável” da Foice de São Verdevaldo, a oposição viu que mais uma vez vai continuar como está, chupando o dedo. O Brasil não merece o boçal como também nunca mereceu o pestismo, será que estamos prontos para enfrentar o Moro na presidência? Não custa tentar, já erramos tanto nas escolhas.

  5. Junho de 2013, é o Bicho diante do qual Jair Bolsonaro e Lula da Silva tremem mais do que vara verde, e o qual fogem igual o diabo foge da cruz. E não é para menos, até porque com aquela imensidão gente de todas as tendências partidárias e apartidárias, nas ruas, aos gritos de “sem partido, sem golpe, sem corrupção, sem violência, vocês não nos representam, só podem estar querendo alguma coisa completamente fora das cercanias partidárias e, sobretudo, do lado de fora do sistema político apodrecido. Alguma coisa que para participar de uma eleição precisa, infelizmente, de pelo menos um partido, para chegar ao poder pacificamente, até para evitar a via revolucionária violenta, das ruas para os palácios. E como é que vamos combinar isso, com pelo menos um partido, que se proponha a ser desprendido, o qual por melhor que seja, seus sócios-proprietários vivem do bem bom ás custas do fundo partidário, do fundão eleitoral e cia, dois quais fazem meio de vida ? Por outro lado, pedir para o Lula ou seu PT que não seja candidato da oposição, no caso, é a mesma coisa que pedir ao Bolsonaro que não seja o candidato da situação ? E a Revolução Redentora, aliás, nunca pediu a ambos que não sejam as candidaturas majoritárias do sistema apodrecido, ela tem pedido apenas, desde Junhos de 2013, que não seja excluída das eleições, como foi excluída em 2014 e 2018, quando a viola do sistema apodrecido já estava em cacos, antes da invenção de Bolsonaro, que só complicou ainda mais a possível reinvenção do Brasil via Revolução Redentora, como exige o mundo mais evoluído, mais civilizado e mais competitivo.

  6. Ainda é muito cedo para projeções. Mas podemos dizer hoje que Moro é uma figura que não terá chance caso disputar a presidência. Talvez possa mirar uma vaga de senador.

    Os setores de centro esquerda poderão ser competitivos se o PT (Lula) abrir mão de querer ser protagonista e houver um projeto de desenvolvimento econômico viável e inclusivo. E no caso de costumes, a pauta não pode ser tão liberal e identitária.

    Uma grande parte da população, principalmente os mais necessitados, aderiu à religião evangélica que é conservadora nos costumes (pelo menos dos outros). Essa parcela está majoritariamente apoiando Bolsonaro, justamente porque ele sempre tentar o apoio a essa pauta.
    Nas redes sociais isso é salientado pelos apoiadores. Esses mesmos apoiadores tentam transferir as responsabilidades do presidente sobre temas como saúde e economia para os outros, através de manipulações e até de notícias falsas ou distorcidas. E essa estratégia ilude muita gente, independentemente do grau de escolaridade.

  7. As vezes somos levados a crer que o homem é uma evoluçao errática do girino com dois ramos: um evoluiu para o atual homo sapiens; o outro reteve muitas das características do primeiro grupo, mas devido á sua mediocridade intelectual foi denominado homo girinus – Bolsonaro parece pertencer a este grupo. E o incrível é que ele tem seguidores!

  8. Bolsonaro é um problema criado pelo sistema político apodrecido, que tem como contraponto apenas o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, face ao qual nem todos os partidos podem se comportar como Herodes, ou seja, pelo menos um tem que fazer o papel de manjedoura e deixar a criança nascer, enquanto o pau continua comendo na seara do mais dos me$mo$ entre situação e oposição. E se nesse ínterim a criança, ou seja, o novo de verdade, vingar junto ao povo, crescer e conseguir superar o velho que já morreu, glória a Deus, habemus esperança, digam ao mundo que o novo de verdade na política nasceu e se estabeleceu no Brasil. E mãos à obra, descortinar novos horizontes, navegar por mares nunca dantes navegados, que a vontade do povo seja posta em prática, que a utopia vitoriosa seja convertida em realidade. E, tendo em vista 2022, se nenhum partido se propor a ser hospedeiro do Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, do novo caminho para o novo Brasil de verdade, a exemplo do que aconteceu em 2014 e 2018, que a Revolução Redentora seja feita então das ruas para os palácios, uma nova edição de Junho de 2013, desta feita para liquidar a fatura que continua aberta, até porque, em sã consciência, ninguém aguenta mais o continuísmo da mesmice do sistema político podre.. https://www.brasil247.com/blog/o-datafolha-e-a-escultura-de-romero-brito

  9. Na esteira desse raciocínio,Lula Haddad, teria vencido o pleito com o bolsa família e bolsa banqueiro e empreiteira…

    Ora ora ora,não passa de pesquisa PRÉ paga.
    Único candidato que nao e’ miliciano e não tem rabo preso é CIRO GOMES, já tem 15% di votos.

    Agora,realmente não devemos subestimar os mando e desmando dos milicianos,São de alta periculosidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *