Sem novidade, mas oportuno

Carlos Chagas

Ponto para Jos Serra ao admitir o bvio, ou seja, que se eleito convidar o PT, o PV e outros adversrios de hoje para a formao de um governo voltado para as necessidades nacionais. No anunciou nada de novo. Poder at no dar consequncia inteno, ou ser rejeitado. Diversos presidentes da Repblica concretizaram essa integrao, de Getlio Vargas a Juscelino Kubitschek e at Itamar Franco. Outros nem tentaram, como Jnio Quadros, Fernando Collor e Fernando Henrique.

O singular na fala de Jos Serra foi haver sado na frente. Em alguns setores do PSDB houve reao. Afinal, pode ter sido precipitao tornar pblico o propsito de somar, quando a campanha parece encaminhar-se para a diviso plebiscitria. Ainda mais na presena de Dilma Rousseff, no auditrio da Associao Mineira de Municpios.

No Congresso, porm, a disposio do candidato tucano pegou bem. Serviu para desarmar espritos mais radicais, alm de haver contrariado o presidente Lula, para quem as eleies precisam assemelhar-se a uma final de campeonato de futebol, com as torcidas cada vez mais acirradas e agressivas.

Sente-se que depois de reconhecer-se candidato, Serra vem surpreendendo com atitudes e conceitos peculiares. Espera-se a rplica de Dilma na prxima reunio dos candidatos, dia 25, na Confederao Nacional da Indstria, em Braslia. Como em Belo Horizonte, quinta-feira, no ser um debate entre os pretendentes ao palcio do Planalto. Eles continuaro respondendo isoladamente as questes postas pelo plenrio, sem questionamentos ou indagaes entre eles, coisa que apenas acontecer a partir de agosto, quando comearem os debates nas principais redes de televiso. Mesmo assim, fica impossvel que se ignorem.

O governo acabou?

Conhecido por sua agressividade, o deputado Paulo Bornhausen afirmou, na tribuna da Cmara, que o cafezinho j comea a ser servido frio no gabinete do presidente Lula. Acrescentou com humor que, no Congresso, h algum tempo a bebida vem gelada, mas aproveitou para concluir que o atual governo parece no ter mais nada a fazer, exceo de participar da campanha sucessria.

As oposies pretendem desenvolver a tese do parlamentar pelo DEM, de que o governo Lula acabou. Pode no ser verdade, mas a crtica pega feito sarampo. Depois do PAC II, que no saiu da casca, ficou um vazio razovel na administrao federal. Falta s contnuas exortaes do presidente Lula sobre o Brasil ser outro, algo de concreto, palpvel, para anunciar. Sequer uma nova iniciativa no campo social.

De volta plancie

Declarou o Lula que deixar a presidncia da Repblica no ir tir-lo da vida pblica. Pretende viajar pelo pas, ajudando os companheiros. Deveria atentar para o exemplo do antecessor. No parece fcil a ex-presidentes manter-se no palco, mesmo nas laterais. Fernando Henrique que o diga. Aceita at fazer palestras em jardins da infncia, mas sua influncia poltica caiu a olhos vistos. Caso Dilma Rousseff seja eleita, Lula precisar guardar silncio para no prejudic-la. Qualquer opinio que expresse poder ser tida como crtica. Na hiptese da vitria de Serra, seus horizontes se ampliaro, mas seria bom verificar o fato de que as atuais intervenes do socilogo despertam cada vez menos as atenes gerais.

Em ponto morto

Imobilizaram-se as articulaes para o PT compor-se com seus aliados, em diversos estados. O PMDB recusa-se a ceder espao nas eleies de governador, o Partido Socialista joga sua sobrevivncia em outros, enquanto o PP e o PTB fingem-se de desentendidos, sem avanar um milmetro sequer nos entendimentos para favorecer a candidatura de Dilma Rousseff. Tentam valorizar-se os aliados, pelo menos enquanto a candidata se mantm atrs de Jos Serra, nas pesquisas. Estamos naquela fase em que tudo pode acontecer, desde nova corrida adesista at o distanciamento ainda maior.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.