Sem os principais pilares, o Brasil é uma sociedade pendurada no pincel

Imagem relacionada

Charge do Ivan Cabral (ivancabral.com)

Percival Puggina

Sob o ponto de vista de sua estabilidade, três pilares sustentam uma construção. Quatro fazem-no ainda mais facilmente. Com apenas dois pilares só dá para fazer uma ponte, ou algo com jeito de ponte. Num único pilar pode-se colar um cartaz, apoiar as costas, ou fazer alongamento de pernas.

São quatro os melhores pilares para suporte de uma boa ordem social: família, religião, escola e instituições políticas. No Brasil, há longo tempo, todas vêm sendo atacadas por grupos que agem com motivação política, ideológica, partidária e/ou econômica.

A FAMÍLIA – A instituição familiar tornou-se objeto de sistemática desvalorização. As uniões são instáveis e os casamentos, quando chegam a acontecer, duram, em média, 15 anos (em acelerada queda). O número de divórcios anuais já corresponde a um terço do número de casamentos. Em 27% das famílias com filhos, a mulher não tem cônjuge (um total de 11,6 milhões de lares). Vinte por cento dos casais não têm filhos e, quase isso – 18,8% – dizem não querer ter filhos.

Estou falando apenas em estatísticas, sem aprofundar na análise da nebulosa qualidade dos laços e do exercício das funções parentais. É sabido, porém, que tais funções estão revolutas na desordem dos costumes que tanto afeta a vida social nas últimas décadas. E vai-se o primeiro pilar.

A RELIGIÃO – Sem dúvida, a religião enfrenta notória redução de sua influência. Externamente, correntes políticas que perceberam ser impossível destruir a civilização ocidental sem revogar a influência do cristianismo atacam as religiões cristãs declarando o direito de opinião e o exercício da cidadania territórios interditos a quem tenha convicções decorrentes de fé religiosa. E o fazem em nome da laicidade do Estado.

Com esse estratagema, confundem os néscios e reservam apenas para si o direito de opinar e intervir em relevantíssimas questões sociais e morais. Internamente, as mesmas correntes agem de modo perversor na Igreja Católica através da Teologia da Libertação e nas evangélicas através da Teologia da Missão Integral. E vai-se o segundo pilar.

O ENSINO – A escola e o controle das funções educacionais foram tomados por militantes mais ocupados em conquistar adeptos às causas revolucionárias do que em desenvolver talentos e habilidades para que os jovens tenham participação produtiva e ativa na vida social. Com isso, oportunidades são dissipadas pela mais rasa ignorância, nutrindo frustrações e revoltas.

Professores que respondem por essa realidade reverenciam Paulo Freire e sua pedagogia do oprimido que outra coisa não é senão a definitiva opressão pela pedagogia. Outro dia, um conhecido me contava de certo jovem seu parente que, aos 18 anos, sem ser imbecil, egresso do sistema de ensino, não sabia os meses do ano. E vai-se o terceiro pilar.

A POLÍTICA – As instituições políticas afundam no bioma pantanoso da corrupção e do descrédito. Não apenas pesam dolorosamente nos ombros magros de uma sociedade empobrecida. Fazem questão, por palavras e obras, de deixar claro o quanto os píncaros dos três poderes existem para reciprocamente se protegerem.

Vai-se, então, o quarto pilar. E ficamos, todos os demais brasileiros, pendurados no pincel.

9 thoughts on “Sem os principais pilares, o Brasil é uma sociedade pendurada no pincel

  1. Agora é questão de tempo.

    A PGR Raquel Dodge terá que fazer a 3ª denúncia contra Temer, mais cedo ou mais tarde.

    Caso contrário ela estará cometendo crime de prevaricação !!!

  2. Donde se conclui e sem mais delongas, que somos inviáveis economica, financeira e politicamente. Pode-se acrescentar culturalmente?

  3. Quem arrebentou com os pilares de nossa nação, foi o PT e todos os marxistas. Isso é a cartilha deles, acabar com tudo de bom que a cultura ocidental tem, criando o caos, para depois aparecerem como salvadores. Quanto maior a confusão, melhor para eles. O último bastião a ser destruído por eles é a família. São gente da pior espécie, se é que dá pra chamar de gente, pois em nome da ideologia, vale tudo. Mentira, roubar, matar. Agrassao e violência para eles é permitido, mas quando são os atacados, são vítimas de racistas. Esse é o discurso deles, e o pior, é que a imprensa lhes dão asas em nome do politicamente correto ou outros interesses. Gente sem expressão, revolucionários, ganhso altos índices de audiência. O Brasil, para mudar isso, vai ter que passar por uma crise jamais vista, de difícil solução. As forças armadas sabem, e tem certeza que o domínio do país, está nas mãos de criminosos. Vai ser conivente? Omissa? Ou vai lutar ao lado dos honestos e trabalhadores, das pessoas de bem? O fim dos tempos, para nós, vai chegar antes?

  4. Parabéns sr. Percival. Me apropriarei deste seu artigo. Irei replicá_lo.
    Lucidez IMPLACÁVEL (como diziam antigamente, que palavra rs).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *