Sem saber como agir, Bolsonaro pensa ser médico e insiste em ‘tratamento precoce’ contra a Covid

Bolsonaro além de não ajudar, faz de tudo para atrapalhar

Deu no G1

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender nesta sexta-feira, dia 15, o “tratamento precoce” contra a Covid-19, mesmo sem qualquer comprovação científica. A insistência em defender o uso de medicamentos ineficientes contra a doença acontece em meio ao caos do sistema de saúde de Manaus, com falta de oxigênio para atendimento dos pacientes nos leitos hospitalares.

“Estudos clínicos demonstram que o tratamento precoce da Covid, com antimaláricos, podem reduzir a progressão da doença, prevenir a hospitalização e estão associados à redução da mortalidade”, escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter.

COMPROVAÇÃO – O “tratamento precoce” disponibilizado pelo Ministério da Saúde é uma combinação que inclui a hidroxicloroquina e a cloroquina, junto com outros fármacos. As substâncias inicialmente foram testadas em laboratório e, depois, em estudos clínicos, pesquisadores de diferentes universidades e países comprovaram que não há prevenção e/ou tratamento com a ajuda de medicamentos.

“Todos os países com seriedade, que seguem a ciência, eles já compreenderam que esses medicamentos não são eficazes contra a Covid. Se esses medicamentos tivessem qualquer comprovação científica, seria impossível que esses países, onde existem pesquisadores muito sérios e instituições muito respeitadas e competentes, não estivessem recomendando para a sua população”, disse Ethel Maciel, professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo e pós-doutora em epidemiologia pela universidade Johns Hopkins.

“O Brasil precisa deixar isso pra trás. O Brasil precisa colocar o nosso dinheiro, que é um dinheiro público, naquilo que é realmente efetivo: as vacinas e as medidas emergenciais, para que as pessoas possam fazer isolamento social com dignidade”, completou Maciel.

TRANSFERÊNCIA – Nesta sexta-feira, centenas de pacientes de Manaus estão sendo transferidos para outros estados. As transferências ocorrem em meio ao colapso do sistema de saúde amazonense, após recorde das internações por Covid-19 e com uma nova variante do coronavírus circulando no estado.

Hospitais do estado ficaram sem oxigênios para pacientes. O G1 registrou nesta quinta-feira (14) cenas de médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas.

Sobre o assunto, o presidente disse: “Problemas. A gente está sempre fazendo o que tem que fazer. Problema em Manaus. Terrível, o problema em Manaus. Agora, agora, nós fizemos a nossa parte. Recursos, meios. Hoje, as Forças Armadas ‘deslocou’ para lá um hospital de campanha. O ministro da Saúde esteve lá segunda-feira e providenciou oxigênio”.

ESTUDOS – Em novembro, um estudo brasileiro mostrou que pacientes que tomam cloroquina há anos tem o mesmo risco de desenvolver a Covid-19 do que aqueles que nunca tomaram. Participaram cerca de 400 estudantes de medicina e quase 10 mil voluntários espalhados por 20 centros do Brasil.

Antes disso, outras pesquisas já haviam acusado a ineficácia das substâncias para prevenção e tratamento da infecção pelo coronavírus. A revista científica “Nature”, uma das mais renomadas do mundo, publicou dois estudos que apontaram que a cloroquina e a hidroxicloroquina não são úteis contra a Covid-19.

Em um dos artigos da “Nature”, o medicamento anti-malárico falhou em apresentar efeito antiviral contra a Covid-19 em macacos. Já a outra pesquisa não viu efeitos da cloroquina nas células pulmonares infectadas pelo vírus, em laboratório.

SEM EFICÁCIA – Em 16 de julho de 2020, outra revista, a “Annals of Internal Medicine”, mostrou com testes randomizados padrão ouro, o mais preciso possível em pesquisas científicas, que a administração de hidroxicloroquina em pacientes com quadro leve de Covid-19 também não se mostrou eficaz.

Esses mesmos resultados continuaram se repetindo em outros estudos. Uma pesquisa brasileira também fez testes em humanos e foi publicado no “The New England Journal of Medicine”. Mais uma vez, os pesquisadores apontaram que a hidroxicloroquina não teve eficácia no tratamento da Covid-19 em pacientes com casos leves e moderados atendidos em hospitais.

SUSPENSÃO – A decisão de não recomendar o uso de antimaláricos e de um tratamento precoce não ficou a cargo apenas dos cientistas. A FDA, agência reguladora dos Estados Unidos com papel similar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), suspendeu o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 em junho do ano passado.

 Em outubro, a Organização Mundial da Saúde divulgou seus próprios resultados: mais de 30 países envolvidos em um estudo com mais de 11,2 mil participantes. No artigo, os cientistas afirmaram que quatro antivirais utilizados contra a Covid-19 são ineficazes: remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir/ritonavir (combinação) e interferon beta-1a.

 

15 thoughts on “Sem saber como agir, Bolsonaro pensa ser médico e insiste em ‘tratamento precoce’ contra a Covid

    • Pequeno trecho da música La Bamba:

      Para subir al cielo se necesita
      una escalera grande
      Una escalera grande y otra chiquita
      Ay, arriba y arriba

      La Bamba é uma linda música popular que teve muito sucesso na voz de Ritchie Valens.
      Qual o meu ponto? Pois é, sempre achei sábios os versos que dizem que é preciso uma escada grande e uma pequena para se entrar no reino dos céus.
      Esse céu do poeta pode também ser interpretado como nosso ideal, nossa paixão na vida. Como sabemos, a realização de um sonho exige esforço grande e contínuo – a tal escada grande! Uma vez que chegamos ao topo, basta mantermos o interesse com uma escada pequenina.
      Para alcançarmos o céu, como povo, precisamos de um grande esforço para nos livrarmos dessas autoridades indecentes e corruptas. Depois, pouco a pouco, com uma escada pequena, atingiremos o ideal do país com que sonhamos.

  1. O mais urgente para o combate à pandemia é a cassação de Jair Bolsonaro por crimes de responsabilidade em série na condução da crise sanitária. Improbidade administrativa, exemplo que Bolsonaro deu contra o que a Ciência e a OMS recomenda, como uso de máscara, evitar aglomerações, negacionismo sobre a existência e importância da Covid-19, provocando milhares de mortes de brasileiros com seu exemplo, o que pode ser caracterizado como crime de genocídio de nossos cidadãos, demissão de médicos que estavam à frente do Ministério da Saúde, colocando no lugar como “Ministro da Saúde” um intendente da Marinha não só inoperante como prescrevendo, até sua ida a Manaus, já em falta de oxigênio, o uso de medicamentos não indicados para a Covid-19, tendo tardado a encomenda de vacinas, seringas e agulhas e apostado com muito dinheiro um laboratório da Índia que, afinal, não entregou as vacinas … São vários os motivos (há outros também graves) que justificam o impeachment do atual PR. E isso tem de ser feito rapidamente, para que tenhamos no MS um sanitarista que saiba coordenar a distribuição de vacinas para os estados.

    Com o impeachment de Jair Bolsonaro, ficaremos também livres do sofista General Mourão, que atribui a falta de oxigênio em Manaus ao vírus mutante, justificativa pífia. Como já passamos da metade do mandato, legalmente Mourão não poderá tomar posse como Presidente. Teremos um mandato tampão de alguns meses com o presidente da Câmara, para organizar novas eleições para a Presidência e Vice-Presidência do Brasil. Ficaremos livres de Pazuello, e de toda a equipe que colaborou para matar milhares e contaminar milhões de brasileiros por Covid. E estes devem responder, após o impeachment, e sem prerrogativa de foro, a seus crimes e assassinatos de nossos cidadãos em juizado de primeira instância.

    Impeachment Já !

  2. Porque o Amazonas colapsou se todos tomam cloroquina desde sempre.
    O dr bolsonaro não diz que a cloroquina é o tratamento precoce?
    Por favor, os médicos que a recomendam poderiam nos explicar

    • Se não faz efeito, mal também não faz. Em tempos de guerra temos que lutar com as armas que temos e as nossas armas são as pedras ao nosso redor pq a adorada ciência ainda não tem um míssil contra o inimigo. Entendeu papudo?

      • Puxa Írio: “Se não faz efeito, mal também não faz.” Isto é o que diria o veterinário Bolsonaro. Nós temos mais inteligência do que ele!
        Fallavena

  3. Estes “Estudos clínicos” devem ter sido efetuados pelos laboratórios que querem meter goela abaixo os seus fármacos 100 vezes mais caros que estes e as suas vacinas milagrosas que também, cientificamente, não estão comprovadas.
    Quanto aos países que adotam a ciência da OMs pergunto se os problemas estão resolvidos lá, ou se continua acima dos países que não a adotam?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *