Eduardo Cunha vai começar a aquecer o forno do impeachment

Carlos Newton

Os gênios do Planalto até passaram alguns dias mais aliviados, apesar da expansão das investigações da Operação Lava Jato para o setor elétríco. Eles julgam que conseguiram colocar o deputado Eduardo Cunha nas cordas, como se diz no linguajar do box, e agora a tendência é o presidente da Câmara ir perdendo força. Sonhar ainda não é proibido. A força de Cunha está justamente no seu cargo, que ele recupera semana que vem, com o final do recesso parlamentar, e ainda ganhará ainda mais visibilidade ao assumir a presidência da CPI do BNDES, que vai ter resultados estarrecedores.

Em Brasília, especula-se que o Planalto estaria pressionando o procurador-geral Rodrigo Janot para que apresente ao Supremo as denúncias contra Cunha e o senador Fernando Collor (PTB-AL) antes das manifestações de 16 de agosto, para arrefecer a campanha pelo impeachment de Dilma, como se uma coisa dependesse da outra, vejam até onde vai a incompetência dessa gente.

O Planalto faz um cálculo primário e diz que Cunha só tem 255 votos. Na hora do impeachment, os partidos de oposição e os indecisos se bandeiam para a parte vencedora, isso é mais do que sabido.

MÃOS À OBRA

Denunciado ou não por Janot, Cunha colocará mão à obra de demolir o governo Dilma para que o PMDB chegue logo ao poder. Ele aproveitou esses dias para fazer contatos políticos e preparar a pauta de votações da Câmara, garantindo que a organizou exclusivamente com base no interesse público, que nada tem a ver com o interesse do Planalto, muito pelo contrário.

Realmente, vai colocar em votação um projeto da maior relevância, destinado a aumentar os juros do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, para eliminar prejuízos diretos sofridos pelos trabalhadores há pelo menos 25 anos.

A Lei 8.036/1990 determina que todo dia 10 haja atualização monetária mensal, além de juros de 3% ao ano. À primeira vista, nada mal, pois haveria rendimento acima de inflação. Mas a atualização monetária é uma peça de ficção. Em 2013, por exemplo, o rendimento do FGTS foi de apenas 3,19% e em 2012, de 3,39%, sempre muito abaixo da inflação. Portanto, não é um investimento criado para o trabalhador, mas um prejuízo programado. Isso tem de acabar, e Cunha vai faturar mais essa em cima do governo, com apoio de todos os sindicatos e centrais.

Outro projeto a ser votado é uma emenda à Constituição que permite ao poder público o uso de 30% dos depósitos judiciais privados, para quitação de precatórios. A proposta é importantíssima. Uma das maiores vergonhas brasileiras é justamente o atraso no pagamento de precatórios. O cidadão ganha uma ação contra o poder público, mas o dinheiro fica retido por décadas e só é recebido por seus netos. Isso também precisa acabar, e Cunha tem faro para esse tipo de iniciativa.

IMPEACHMENT

Quanto ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, Cunha mandou serem atualizados os 12 pedidos encaminhados à Mesa Diretora. Ou seja, já ligou o forno crematório da Câmara, onde pretende assar as batatas presidenciais, embora saiba que vingança é prato que se deve comer frio. Saboreando.

4 thoughts on “Eduardo Cunha vai começar a aquecer o forno do impeachment

  1. Este é um país de frouxos, covardes, tudo leva a crer que o PT usou dinheiro de propina para a campanha de Dilma Rousseff, mas ela continua blindada, esta senhora levará o país ao caos, incompetente, prepotente, arrogante, despreparada, foi colocada na presidência por ignorância do povo sofrido e hoje, este mesmo povo sofre as suas agruras, até quando assistiremos este país ser esfacelado por este partido.

  2. A lógica de Cunha não para em pé

    Ao ser acusado de extorquir 5 milhões de dólares de um lobista, o deputado Eduardo Cunha, presidente da Câmara, teve uma reação vulcânica. Disse que o lobista, Júlio Camargo, da Toyo Setal, que fazia negócios com a Petrobras, está mentindo. Diante disso, Cunha rompeu com o governo, vazou que está disposto a criar uma epidemia de CPIs no Congresso para fustigar o Palácio do Planalto e passou a aventar com mais ímpeto um eventual processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, disse que até pode se “ferrar”, mas levará o governo junto. E ameaçou: “Guerra é guerra”.
    Na velha estratégia de que a melhor defesa é o ataque, Cunha empilhou três acusações. Disse que o governo está por trás da denúncia, que os investigadores do procurador-geral Rodrigo Janot foram pressionados pelo governo para persegui-lo e que o lobista foi forçado a mentir na sua delação premiada. Com uma arquitetura conspiratória bastante robusta, a lógica da defesa de Cunha não para em pé. Vejamos:

    – O governo está por trás. A acusação pressupõe que o Palácio do Planalto tem um poder implacável, capaz de controlar os rumos da Lava Jato, a ponto de pautar, forjar e divulgar acusações contra adversários. O mesmo Palácio do Planalto que não consegue ganhar uma votação simplória no Congresso e já amargou chumbo grosso das investigações da Lava Jato, de repente virou um polvo todo-poderoso com poderes para manipular a investigação mais vigiada pela imprensa nacional. Neste caso, a pressão de parte do PT para que o ministro da Justiça, José Cardozo, controle os arroubos investigatórios da Polícia Federal seria um jogo de cena, pois, na verdade, o governo está no controle da PF e tudo o mais. A lógica mais elementar sugere que, mesmo querendo, o governo não conseguiria dirigir a Lava Jato para atender seus interesses.

    – Janot trabalha para o governo. Até aqui, o trabalho do procurador Rodrigo Janot tem sido irretocável. Se estivesse trabalhando como infiltrado do governo, faria mais sentido que a famosa “lista de Janot” não trouxesse o nome de ministros do governo de Dilma, além de governador do PT, senador do PT e, ainda, o notório dublê de tesoureiro e operador do PT. É um paroxismo acusar Janot de proteger o governo num país que conhece o currículo de Geraldo Brindeiro, o pernambucano que esteve à frente da Procuradoria-Geral da República e notabilizou-se como engavetador-geral da República em seus quatro mandatos consecutivos, de 1995 a 2003. Outros tempos, outros ares: Janot, nem que quisesse, conseguiria ter a atuação governista de Brindeiro.

    – Camargo foi forçado a mentir. Júlio Camargo fez um acordo de delação premiada em troca de uma pena mais leve, como todos os demais acusados. Sabe-se que uma delação cai por terra, anulando eventuais benefícios, caso o delator seja flagrado numa mentira. Mesmo assim, não se pode tratar uma denúncia feita no âmbito de uma delação como expressão da verdade. Mas que sentido faz levar Camargo a selar um acordo de delação para, assinado o acordo, montar uma mentira que desmonta o próprio acordo? Seria mais prático que o governo, com seu poder demiúrgico, dispensasse o acordo de delação e simplesmente obrigasse Camargo a mentir.

    Recheando suas acusações, Cunha satisfez o apetite nacional por teorias conspiratórias e também denunciou estranhezas. Disse: “É muito estranho, às vésperas da eleição do procurador-geral da República e às vésperas de pronunciamento meu em rede nacional, que as ameaças ao delator tenham conseguido o efeito desejado pelo procurador, ou seja, obrigar o delator a mentir”. Seu pronunciamento ocorre na noite desta sexta-feira. A eleição do procurador-geral será no dia 5 de agosto. A distância de três semanas entre uma coisa e outra está anulada pela expressão “vésperas” e tudo entra no bolo da conspirata. Faltou dizer que é estranho a acusação contra Cunha ter surgido no momento em que a Moody’s ameaça rebaixar a nota do Brasil, que a União Europeia denuncia o governo por violar normas da OMC e aparecem as primeiras fotos da superfície de Plutão. É muita coincidência.

    O rompimento de Cunha com o governo, anunciado nesta sexta, é um direito que lhe assiste. Cunha não deve a presidência da Câmara ao governo. Ao contrário. Sua candidatura foi combatida pelo PT, numa das operações políticas mais desastradas de que se tem notícia. Ainda assim, Cunha não deu uma única evidência de que o governo está mesmo por trás da acusação dos 5 milhões de dólares, mas já anunciou rompimento e já fala em CPI e impeachment. Com isso, mostra, ao vivo e em cores, em que arena Brasília opera hoje: não é a política, é o jogo de chantagem. Estivéssemos num clima de alguma normalidade, Cunha estaria neste momento sendo constrangido pelos seus pares a afastar-se da presidência da Câmara para responder as acusações

    Fonte : http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/a-logica-de-cunha-nao-para-em-pe

    E então, CN ? Mudou a Veja ?

    Abraços !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *