Senado Federal valoriza pessoas com deficiência (que já são mais de 24,6 milhões no Brasil) e expõe obras de Bispo do Rosário

Nogueira Lopes

O programa Senado Inclusivo, em parceria com diversas entidades e instituições, realiza entre os dias 7 e 9 de dezembro a VI Semana de Valorização da Pessoa com Deficiência, em Brasília. O objetivo do evento é provocar na sociedade discussões com a finalidade de garantir melhor qualidade de vida e inclusão para todas as pessoas com alguma deficiência.

No Brasil, de acordo com dados do Censo 2000, realizado pelo IBGE, mais de 24,6 milhões de pessoas têm algum  tipo de deficiência, seja desde o nascimento ou adquirida ao longo da vida. Esses números totalizam 14,5% da população nacional.

O evento no Senado levará à capital, entre outras exposições, obras confeccionadas pelo artista plástico Arthur Bispo do Rosário, desfile de moda  inclusiva, shows, lançamentos de livros, palestras e fóruns sobre inserção social.

Natural de Japaratuba (Sergipe), Arthur Bispo era descendente de escravos africanos e veio morar no Rio de Janeiro. Com problemas mentais, foi internado em 1938 na Colônia Juliano Moreira, sob o diagnóstico de esquizofrenia-paranóide.

Na clínica, Bispo do Rosário passou a pintar quadros e produzir objetos de arte usando diversos tipos de materiais oriundos do lixo e da sucata, produzindo uma obra vanguardista admirável, que se tornou famosa internacionalmente e hoje tem parte dela reunida no Museu Bispo do Rosário, no Rio.

AD INFINITUM NÃO!

Tornou-se histórica a sentença exemplar do juiz de Búzios, norte fluminense, João Carlos Correa, em processo cível que durou 8 anos contra a prefeitura da cidade. Os promotores, ainda sem provas, queriam mais um ano de prazo. O juiz sentenciou: o agente ministerial (promotoria) erra ao pensar que, dentre as suas funções democráticas, se encontra a função de presumir, supor, achar, tergiversar, atuar como mero acusador sem limites, ou de substituir a vontade do Poder Executivo.

ATOR  É  PRESO NOS EUA

O festejado ator Wesley Snipes, condenado a três anos de prisão por sonegação fiscal, entregou-se à polícia norte-americana para começar a cumprir sua pena. A prisão corre justamente quando o cineasta Spike Lee escala Snipes para seu próximo filme.

Snipes, de 48 anos, deve ao governo dos EUA cerca de US$ 13 milhões em impostos não pagos referentes aos anos de 1999, 2000 e 2001. Ele foi condenado em 2008 e teve, na última sexta-feira, um novo recurso rejeitado pela Justiça.

Enquanto isso, no Brasil, é desconhecida a prisão de qualquer figurão pelo não pagamento de impostos, Dá para entender. O imposto brasileiro não tem a mesma destinação social que tem nos Estados Unidos.

O PASSADO NÃO O CONDENA?

É inacreditável a volta de Antonio Palocci ao centro da política, na entourage da presidente Dilma Rousseff. Palocci não é aquele ministro que teve problemas com um caseiro?

A engrenagem que Dona Dilma vai coordenar está se tornando cada vez mais complicada.

CORRUPÇÃO E RIQUEZA

Por fim, vale lembrar José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência, que dizia: “A maior corrupção se acha onde a maior pobreza está ao lado da maior riqueza”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *