Senado pode aprovar o aumento do STF e complicar a gestão de Bolsonaro

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária. Ordem do dia.Mesa:senador Armando Monteiro (PTB-PE); presidente do Senado, senador Eunício Oliveira (MDB-CE);senador José Medeiros (Pode-MT).Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Eunício não quer nem saber e coloca em pauta o aumento

Mônica Bergamo
Folha

O Senado Federal pode aprovar nesta quarta (7) projetos de lei que aumentam o salário dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) de R$ 33 mil para R$ 39 mil, mesmo valor que seria estabelecido para o cargo de procurador-geral da República.

Os reajustes podem levar a um aumento cascata para juízes, procuradores, promotores e parlamentares de todo o país, no que seria a primeira pauta-bomba armada para o governo de Jair Bolsonaro, segundo o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).

MÍSSIL EXOCET –  “Não se trata de um busca-pé. É um míssil Exocet”, diz ele. “O impacto nas contas públicas nacionais será de cerca de R$ 6 bilhões por ano. É uma covardia com o povo brasileiro”, completa.

A proposta, que já tinha sido aprovada na Câmara dos Deputados, estava parada na Comissão de Assuntos Econômicos desde 2016. Ferraço foi o relator da matéria e deu um voto contrário ao aumento.

Na noite de terça-feira (6), o presidente do Senado, Eunício de Oliveira, colocou em votação no fim da sessão do plenário um requerimento pedindo a inclusão dos dois projetos na pauta do Senado ainda nesta quarta-feira (7).

SEM AVISAR – A iniciativa de Oliveira pegou de surpresa e contrariou vários senadores. Eles acham que o presidente forçou a votação sem aviso prévio.

“Em oito anos que estou no Senado, nunca vi nada parecido: um presidente avocar uma matéria para ir ao plenário sem conversar com a comissão em que ela tramita”, afirma Ferraço.

Para ele, conceder o aumento é “uma total irresponsabilidade no momento de crise que atravessamos nas finanças públicas. Como estados quebrados como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul vão fazer frente a esses reajustes, que certamente virão?”, questiona ele.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Para quem acha que Bolsonaro conseguirá conter os gastos públicos, a resposta já está aí. O aumento irresponsável dos ministros do Supremo vai desequilibrar ainda mais as contas públicas. Dá medo pensar no que possa acontecer a este país. (C.N.)

25 thoughts on “Senado pode aprovar o aumento do STF e complicar a gestão de Bolsonaro

  1. A Justiça Militar investigou o astronauta Marcos Pontes quando ele ainda estava na Aeronáutica por causa de uma empresa que vendia bugigangas galáticas alusivas a sua carreira de astronauta – o que é proibido. Ele sempre negou participação na sociedade, e o caso foi arquivado pelo STF. Mas documentos inéditos mostram que o astronauta e futuro ministro se tornou sócio dessa mesma empresa assim que a investigação prescreveu.

    https://goo.gl/ibW5Yy

  2. Esses IRRESPONSÁVEIS é que são os líderes democráticos apoiados pelas Organizações Globo, Folha de São Paulo e pelos petistas. Ótimos administradores!

  3. Reafirmo que o maior empecilho para o governo Bolsonaro fazer o país crescer e dar certo será a máfia do Supremo Tribunal Federal.

    • Chama-se Nomenklatura, caro Francisco Vieira … … … é o estágio final do Socialismo de Esquerda!!!

      A CIDADÃ foi desvirtuada e é necessário que volte a ser CIDADÃ e não da Nomenklatura!!!

      A Nomenklatura é pior que o Judas Iscariotes … pois não tem arrependimento nem remorso; nem compaixão!!!

      É pior que Judas; pois este devolveu as trinta moedas kkk KKK kkk

      Um aperto de mão.

      Abaixo a Nomenklatura!!!

      • ,”Chavismo nomeia para o Supremo 13 juízes de inclinação governista
        Oficialistas manobraram antes que a oposição tome posse no Parlamento

        Governo de Nicolás Maduro, decidido a minimizar as consequências da derrota sofrida nas eleições parlamentares de 6 de dezembro, está aproveitando o controle que mantém sobre o Poder Judiciário para impedir que a nova legislatura, de maioria oposicionista, se instale em 5 de janeiro, como está previsto.” ”
        El País.

        • Eduardo Cunha, mais o MDB e outros partidos, aprovaram a chamada Emenda da Bengala … que passou para 75 anos a idade máxima de contribuição dos Ministros do STF!!!…
          Não sou favorável a que nova Emenda volte aos 70 anos.
          Um aperto de mão.

          • -Ministro do Supremo tem que ter mandato.
            Ele não pode ser um rei, inatingível pelos eleitores e pelo Estado.
            Como no Brasil o maior é o de senador, que seja o de senador.

            Abraços.

      • Já rezou hoje, seu chegamais? É bom para a alma. Eu rezo pela manhã e á noite para que o Lula morra de tédio em Curitiba. Meu Deus se chama Zeus e ele é muito legal! Espero que atenda meus pedidos.

  4. Simples. É só o Senado não aprovar.
    E em 2019 o Ministro Moro pega esse calhorda do Eunício. Ele deve ter um monte de maracutaia escondida.

    • Essa era minha dúvida: o Bolsonaro não tem que aprovar esse disparate e ofensa ao povo pobre que sustenta os togados?
      Se não aprovar vai mostrar logo de saída a que veio. E vai ser aplaudido pelo povo que já não suporta mais a corja protetora de ladrões.

  5. A situação do Brasil esta bastante ruim ,e ainda vai piorar muito mais.
    O pior ainda vai começar, muito em breve.
    Bolsonaro vai ser vitima de sua própria ganancia e falta de escrúpulos.

    • O Contemplando não é petista. Ele contempla só o bolso do contribuinte para saber onde roubar mais um pouquinho. É mais um pago pelo Zé Dirceu para divulgar mentiras na internet.

  6. Tem razão. O Dirceu vai voltar para a cadeia, de onde saiu por decisão do imbecil e despreparado, toffoli.
    E o Lula não sai.

  7. Os vagabundos começaram, só mesmo o povo na rua e invadindo aquele antro para este meliantes tomarem vergonha na cara. Estão tentando acabar com o país transformando isto aqui em Venezuela. Bandidos da pior espécie, só falta agora o Bandido Vampirão confirmar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *