Senador evangélico garante que projeto anti-homofobia não será aprovado e ameaça processar o deputado gay Jean Willis.

Carlos Newton

No mandato anterior, durante mais de cinco anos, o senador Magno Malta (PR/ES), lutou contra o projeto de lei 122/06, de autoria da ex-senadora Fátima Cleide (PT/RO), que transformava homofobia em crime, conseguindo apoio para arquivá-lo no final da legislatura. Mas o projeto foi restabelecido pela senadora Marta Suplicy (PT/SP) e vai entrar novamente em votação.

Magno Malta não acredita na aprovação, dizendo que “o PL 122 já voltou morto e sepultado”, e até ameaça renunciar ao mandato, em caso contrário. “Se o Projeto de Lei 122, que excita a criação de um terceiro sexo, for aprovado, com dignidade de cristão, renuncio do mandato de senador da República”.

A posição do senador, que é pastor evangélico e preside a Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira, baseia-se em pesquisa encomendada recentemente pelo Ministério da Educação, indicando que a polêmica da homossexualidade incomoda 87% da população.

“A grande maioria não aceita mudanças radicais no comportamento social. A pauta hoje ficou restrita aos interessados e ao parlamento, a sociedade não foi ouvida e prefere manter o assunto também sepultado. Por isso, em defesa dos verdadeiros valores agregados no coração da família brasileira, renunciarei meu mandato, se o PL 122 for aprovado”, insiste Magno Malta.

BRIGANDO COM JEAN WILLIS

Magno Malta afirma que “criar castas, mudar costumes enraizados pela própria natureza e proteger a minoria com privilégios são fatos reais que ferem a justiça social em toda conjuntura. Preconceito é cegueira moral, não aceito nem a intolerância e conceito imparcial. Não estou legislando em causa própria, mas no mais legitimo dever de defender a família estruturada, o futuro de uma geração e de forma geral a vida na sua essência divina”. E prossegue:

“Legislar em causa própria, com preconceito e calúnia, é grave. Não faço e nem aceito. Vou interpelar judicialmente o deputado federal Jean Willis (PSOL/RJ) que tem declarado para a imprensa que sou de má fé ao relacionar homossexualismo com pedofilia. Nunca afirmei isso. Pelo contrário, defendi o Vaticano mostrando a realidade dos fatos como comportamentos distintos e sem relação na grande maioria das vezes”, revelou Magno Malta, que presidiu a CPI da Pedofilia.

Por várias vezes na imprensa nacional e também durante o Seminário do Direito Homoafetivo, realizado na UFES, em Vitória, Jean Willis fez tal denúncia e foi imediatamente repudiado pelo senador Magno Malta. “Nunca afirmei tal relação. De minha boca não saiu tal declaração. Eu respeito à opção sexual de cada cidadão. No meu partido, temos o vereador Moacir Sélia, o Moa, um travesti de muito respeito. Fizemos campanha juntos, lado a lado. É meu amigo. Por isso, não fico calado só escutando sem agir olhando nos olhos da pessoa. É o que vou fazer com o Deputado Jean, quero saber dele qual comprovação ele tem para afirmar que estou agindo de má fé”, concluiu Magno Malta.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *