Separação de Herivelto Martins e Dalva de Oliveira rendeu alguns clássicos da MPB

Resultado de imagem para herivelto e dalva

Herivelto e Dalva viveram uma tumultuada história de amor

Paulo Peres
Poemas & Canções

O ator, cantor e compositor nascido em Vila de Rodeio, atual Município de Engenheiro Paulo de Frontin (RJ), Herivelto de Oliveira Martins (1912-1992), viveu com Dalva de Oliveira um intenso e turbulento amor entre 1930 e 1940. Segundo alguns historiadores, o relacionamento rendeu alguns clássicos para a MPB, entre os quais, “Bom Dia”, em parceria com Aldo Cabral, cuja letra retrata a surpresa e o sofrimento que uma separação podem trazer. O samba Bom Dia foi gravado por Linda Batista, em 1942, pela RCA Victor.

BOM DIA
Aldo Cabral e Herivelto Martins

Amanheceu, que surpresa
Me reservava a tristeza
Nessa manhã muito fria
Houve algo de anormal
Tua voz habitual
Não ouvi dizer
Bom dia!
Teu travesseiro vazio
Provocou-me um arrepio
Levantei-me sem demora
E a ausência dos teus pertences
Me disse, não te convences
Paciência, ele foi embora

Nem sequer no apartamento
Deixaste um eco, um alento
Da tua voz tão querida
E eu concluí num repente
Que o amor é simplesmente
O ridículo da vida

Num recurso derradeiro
Corri até o banheiro
Pra te encontrar, que ironia
E que erro tu cometeste
Na toalha que esqueceste
Estava escrito bom dia

9 thoughts on “Separação de Herivelto Martins e Dalva de Oliveira rendeu alguns clássicos da MPB

  1. Tudo acabado entre nós – Herivelton – Intérprete Davla de Oliveira . Eita dor de cotovelo

    Tudo acabado entre nós, já não há mais nada
    Tudo acabado entre nós hoje de madrugada
    Você chorou e eu chorei, você partiu e eu fiquei
    Se você volta outra vez, eu não sei

    Nosso apartamento agora vive a meia luz
    Nosso apartamento agora já não me seduz
    Todo egoismo veio de nós dois
    Destruimos hoje o que podia ser depois

  2. A tristeza da morte virtual

    “Percorro com os olhos e não encontro aquele amigo querido na minha lista de contatos. Sumiu. Escrevo uma mensagem, digito o endereço de e-mail (sei de cor), envio, e ela volta. Insisto, mas ela retorna. Onde foi parar você? Que motivos lhe dei? Que motivos teve? Cadê aquelas mensagens lindas, carinhosas, alegres e até engraçadas? Não significou nada aqueles diálogos agradáveis, aquele partilhar de textos, e até mesmo risos e sonhos!!?…

    Talvez na fragilidade da comunicação virtual, na deficiência de alguma pontuação eu tenha interpretado mais do que foi escrito. Afinal cada um lê o que quer, o que lhe convêm e o que seu coração anseia. É… Talvez eu possa ter lido mais do que ele tenha escrito… Tenho que interpretar melhor o teclado!!!

    Essa amizade virtual é um laço feito de chita, pois apesar de colorido e alegre, é frágil. É uma amizade que entra e sai das nossas vidas cibernéticas sem motivos aparentes, sem ao menos lembrar que do lado de cá há um coração que pulsa. Somem da nossa tela do computador e das caixas de mensagens como se fôssemos “spans” e com um “delete” saímos da sua lista de contados…Fui de certa maneira descartada. Vêm lágrimas de tristeza…

    Tento sempre me consolar com suposições quando um amigo some: Será que está doente? Ficou por algum motivo sem net? Formatou o computador e perdeu meus dados? Está deprimido? Viajou de última hora? Esta com artrite ou tendinite e não pode digitar??!! Morreu e ninguém me avisou? Cadê meu amigo virtual???? Estava aqui dentro… Será que voltará ou se foi pra sempre?

    Os dias passam e vem a raiva! Vou excluir tudo dele, pois não fiz nada e ele não teve consideração. Depois vem a mágoa… O carinho não era recíproco, a amizade era mentirosa. Foi sem se despedir, não se lembrou de mim.O mundo virtual apesar de maravilhoso, tem a sua parcela [grande] de futilidades e efemeridades. Aqui conhecemos pessoas incríveis que nos cativam pela inteligência, carisma, humor, alegria, zelo e até mesmo fidelidade. Por outro lá há o contrário disso tudo, alguns fazem uso das pessoas como se fossem fantoches para fazer suas cartases e nem tem a sensibilidade de descobrir que existe vida além-tela.

    Sinto-me às vezes impotente diante da imensidão e do anonimato da net! Deparo-me com a realidade de quão frágeis são os laços virtuais [claro que toda regra tem exceção]… O laço é frouxo, desata com facilidade. A sensibilidade da sintonia humana fica facilmente machucada e nessa limitação de argumentos, a amizade adoece e por fim vem a morte virtual.

    O amigo se foi. Talvez não volte mais, ou talvez volte. Se voltar, talvez o laço possa ser apertado novamente, mas o certo é que a fragilidade dessa ligação virtual é grande. Não vale a pena guardar o rancor, mágoa ou dúvida. O laço virtual só vale a pena se fizer diferença na vida de alguém, pois o prazeroso é receber uma mensagem [por pequena que seja] e esta, fazer o nosso dia melhor.

    Marly Bastos

    • Muito Bom

      analise correta de nossas angustias e fragilidades neste mundo virtual.

      pois o prazeroso é receber uma mensagem [por pequena que seja] e esta, fazer o nosso dia melhor.

      Receber mensagens e perceber que somos importantes para alguem pelo menos por alguns segundos, ainda continua sendo algo muito bom,.

      Obrigado pelo texto, estávamos muito belicosos hoje

  3. Herivelto e Dalva eram tao geniais que sua musica pode ser adaptada aos dias atuais

    Teu mal é comentar o passado
    Ninguém precisa saber o que houve entre nós dois
    O peixe é pro fundo das redes, segredo é pra quatro paredes
    Não deixe que males pequeninos
    Venham transformar os nossos destinos

    O peixe é pro fundo das redes
    Segredo é para quatro paredes
    Primeiro é preciso julgar
    Pra depois condenar

    Quando o infortúnio nos bate à porta
    O amor nos foge pela janela
    A felicidade para nós está morta
    E não se pode viver sem ela
    Para o nosso mal não há remédio coração
    Ninguém tem culpa de nossa desunião

    Primeiro é preciso julgar
    Para depois condenar

    Em 2ª instancia ou só após o transito em julgado ????

  4. Herivelton Martins, foi um gênio da MPB
    Cabelos Brancos
    Herivelto Martins

    Não falem desta mulher perto de mim
    Não falem pra não lembrar minha dor
    Já fui moço, já gozei a mocidade
    Se me lembro dela me dá saudade
    Por ela vivo aos trancos e barrancos
    Respeitem ao menos os meus cabelos
    Brancos

    Ninguém viveu a vida que eu vivi
    Ninguém sofreu na vida o que eu sofri
    As lágrimas sentidas
    Os meus sorrisos francos
    Refletem-se hoje em dia
    Nos meus cabelos brancos
    E agora em homenagem ao meu fim
    Não falem desta mulher perto de mim

  5. Atiraste Uma Pedra
    Herivelto Martins

    Atiraste uma pedra no peito de quem só te fez tanto bem
    E quebraste um telhado, perdeste um abrigo
    Feriste um amigo
    Conseguiste magoar quem das mágoas te livrou

    Atiraste uma pedra com as mãos que essa boca
    Tantas vezes beijou
    Quebraste um telhado
    Que nas noites de frio te servia de abrigo
    Perdeste um amigo que os teus erros não viu
    E o teu pranto enxugou

    Mas acima de tudo atiraste uma pedra
    Turvando esta água
    Esta água que um dia, por estranha ironia
    Tua sede matou
    Atiraste uma pedra no peito de quem
    Só te fez tanto bem

    Magnificamente interpretada por Nelson Gonçalves

Deixe uma resposta para duarte Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *