Separatismo do Sul é um equívoco. Sou gaúcho e o Brasil é o meu país!!!

Resultado de imagem para separatismo charges CHARGES

Charge do Laerte (laerte.com.br)

Percival Puggina

Numa época em que tantos procuram deixar o Brasil, certos conterrâneos descobriram no separatismo um modo de ir para o exterior permanecendo onde estão. De lambuja, economizam a passagem, evitam problemas de imigração e, numa solução tipicamente brasileira, reabilitam o crédito mudando a razão social.

A tese se manifesta em pontos de vista bem conhecidos: “Sinto-me mais gaúcho do que brasileiro”; “Moro no Brasil que deu certo”; “Estou cansado de sustentar o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste”; “Chega de ser governado pelas elites nordestinas”.

GAÚCHOS PRESIDENTES – Pois é. Durante 90 dos 127 anos de república, o governo brasileiro esteve confiado a paulistas, mineiros, cariocas e gaúchos. Só o Rio Grande do Sul, com 38 anos na presidência, comandou o país por mais tempo que as outras duas dezenas de estados que “não deram certo” (Cruzes!).

Por outro lado, alega-se que a representação dos Estados no Congresso Nacional é distorcida pelas “desproporcionais bancadas” dessas regiões. Mais uma vez as coisas não são bem assim. O Nordeste brasileiro é duas vezes mais populoso que o Sul e sua representação parlamentar está rigorosamente proporcional. Aliás, apenas os quatro antigos territórios, mais Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins se beneficiam da representação mínima de oito cadeiras. E essa pequena conta é totalmente paga por São Paulo que tem 70 deputados quando, em virtude da população, deveria ter quase o dobro.

PLEBISCITO – Reconheço que os promotores do informal plebiscito separatista têm lá seus motivos. Contudo, o mesmo raciocínio que os inspira permitiria conceber, também, um Rio Grande do Sul formado apenas pelas áreas industrializadas da Região Metropolitana e Serra Gaúcha, tendo por capital um município constituído somente pelos bairros classe A da cidade. E aí – quem sabe? – repousaríamos ainda mais tranquilos nos travesseiros da “superioridade”. A propósito dela, pergunto: qual dos problemas que facilmente apontamos olhando para o norte não temos aqui?

Nessa linha, a curiosidade aumenta. Nossas ideias são mais progressistas? Ah, sim? E onde está o progresso? Por que a Ford está na Bahia? Por que a Gerdau muda-se para São Paulo? Esquecemos, parece, do ardoroso e militante público que têm entre nós as ideias socialistas, estatizantes, corporativas e avessas ao empreendedorismo, ao livre mercado e à meritocracia. A estratégia separatista contempla, também, essas sementeiras do atraso e os destruidores do futuro que tanta influência exercem por aqui?

COMPARAÇÃO INCOMPLETA – A tabela que vem sendo usada para definir perdas e ganhos na contabilidade dos Estados com a União, por quanto pude verificar, parece incompleta. Ao que vi, trata apenas de tributos, ou seja, do que vai para Brasília e dos retornos constitucionais aos estados e seus municípios. Mas isso, aparentemente, não inclui gastos federais com serviços, servidores, saúde pública e previdência social, obras, convênios, etc., prestados pela União nos Estados e em seus municípios.

O que estou afirmando não passa a régua na conta, nem dá recibo de quitação. Nossa Federação é um arremedo, seus serviços são precários, há abusos de toda sorte, e nossas instituições trombam de frente com a racionalidade que delas se deve exigir. Mas quem diz que faríamos melhor? Escrevo e falo sobre isso há décadas e não sei se convenci alguém aqui na volta.

NOSSAS CULPAS – Por constrangimento, deixo de lado, no exame das nossas dificuldades atuais, as suas causas internas, caseiras: irresponsabilidade fiscal, demagogia barata, dificuldade de lidar com números e o vale-tudo no jogo pelo poder. Como escrevi ontem, numa pequena nota: “Era só o que faltava a esta geração – acabar com o Brasil e com a unidade nacional. Sou gaúcho e o Brasil é o meu país”.

Se, no longo curso da História, fosse dado a uma geração qualquer o direito à secessão, como se poderia negar à geração subsequente o direito de rever essa decisão ou de gerar nova secessão? Nações não são gaitas de fole, ao sabor das paixões de cada momento. Ao menos não são assim as que alcançam respeito internacional, como o Brasil já teve e, agora, tanto se empenha em decompor.

49 thoughts on “Separatismo do Sul é um equívoco. Sou gaúcho e o Brasil é o meu país!!!

  1. Quem fala em separação são principalmente alguns dos descendentes de europeus que foram acolhidos aqui pelos brasileiros e salvos da fome e da miséria que assolavam seus países de origem.

  2. Sou gaúcho descendente de europeus e a ideia de secessão me parece uma brincadeira de mau gosto. Onde seria a capital do novo “país”? Quem seriam os candidatos a “presidente”? Maluf, Tarso Genro, Beto Richa?

  3. O que dizer de Giusepe Garibaldi que lutou pela UNIFICAÇÃO da Itália, seu país de origem, e no Brasil lutou DIVISÃO do nosso território durante a Guerra Farroupilha????

  4. Não, Joca, a tua afirmação não procede, além de estares mal informado com relação aos imigrantes que se estabeleceram no Sul do Brasil.

    O movimento separatista é um sonho de uma noite de verão para alguns gaúchos, que têm lá os seus motivos, mas não têm razão.

    Muito antes de se reivindicar a secessão, precisamos resolver o aspecto político nacional, causa de nossos problemas gravíssimos e decepção.

    Por outro lado, os sulistas desvairados que desejam esta separação precisam entender que o legado que levarão para seu novo “país” em termos políticos não será nada bom.

    Luciana Genro, Tarso Genro, Olívio Dutra, Dr. Rosinha, Zeca Dirceu, Roberto Requião, Paulo Paim, Gleisi Hoffmann, Décio Lima … a lista é grande de parlamentares que rapidamente transformariam a nova nação tão sonhada no Brasil que deixaram!

    • Caríssimo Bendl,

      Meu único engano foi não ter lembrado que também as GUERRAS no velho continente foram decisivas para que os europeus abandonassem o seu torrão natal e partissem em busca de uma nova vida no sul do Brasil.

      Bom dia
      Bom fim de semana
      Saúde e paz pra vc e os seus

  5. Caro Percival Puggina,

    Obrigado por escrever um artigo tão verdadeiro e coerente.

    Sou nordestino , amo essa região com todas as forças de um nordestino cabra macho.

    Fico chateado quando vejo pessoas escolarizadas falar de de uma forma preconceituosa dos meus irmãos do Nordeste, muitas vezes sem nunca terem conhecido a região, e sem respaldo para críticas.

    Parabenizo-lhe pelo belo artigo que o nobre articulista escreveu.

    Confesso que me emocionei, e meus olhos marejaram.

    Aceite um abraço especial, e vindo do fundo do coração deste nordestino que sempre apreciou seus textos.

    PS.A emoção faz com a gente perca a direção do raciocínio, por isso peço vênia por alguma falha no comentário.

  6. Parabéns, articulista! Não esperava outro posicionamento vindo de sua parte. E os comentários acima, bons também. Sou também nordestino, cearense, tenho muito orgulho do meu torrão seco e poeirento. Pessoas daqui são inteligentes, esforçadas, ambiciosas. Ditado que em todo canto do mundo tem cearense. E tem. Cearense não tem preguiça nem fraqueza. “Mete as cara mesmo”.
    Separar o Brasil pra que se já é separado em mil pelos corruptos? Se cada político safado já tem seu quinhão… Não tem o que separar. Temos é que reunificar. Temos é que fazer um esforço e reunir o Brasil. Reunir os cacos. Nossa nação é totalmente separada já, a bel prazer de quem manda por aqui. Resta-nos esforço. E separar o sul fará do sul um Uruguai, bonito e agradável, mas pequeno e impotente. O que diferencia o Brasil dos demais países da América é apenas nossa grandeza. Isso dá ao Brasil uma barganha imensa. Os demais países são minúsculos. Então mantenhamos o Brasil. Inteiremos esforços para que possamos reunir o Brasil. Vamos tirar o Brasil das garras dos que o querem depenado, destroçado.

    • Francisco Menezes,

      Bem lembrado. O Uruguai, até ontem nossa Província Cisplatina, bonito e agradável chegou ao século XXI impotente e completamente dependente do mercado brasileiro.

  7. Ao deixar de lado, em sua análise, a motivação que faz crescer a revolta e o pensamento de separação no povo do Sul, Percival Puggina miniminiza os efeitos da usurpação dos resultados do processo produtivo, por meio da excessiva carga tributária que inviabiliza o desenvolvimento e os novos investimentos. É certo que o fato não é privilégio do Sul, mas a consciência de estar sendo explorado por um poder central leniente, incompentente e corrupto evidencia-se desde o período do império. Como uma solução para o Brasil lhes parece distante e até inatingível acreditam em profetas que prometem a terra de Canaã.

    • Ora, ora, ora. Se a excessiva carga tributária que inviabiliza o desenvolvimento e os novos investimentos e se estar sendo explorado por um poder central leniente, incompentente e corrupto não é privilégio de um único estado ou região, o que justificaria o desejo de separação?

      • Joca não esqueça da SUDAM da SUDENE e outras porcarias mais. Falamos do momento atual mas não podemos esquecer o quanto os estados do Sul foram explorados para sustentar uma outra parte do Brasil que não produzia nada. Depois, do boom agrícola tudo ficou mais fácil como é fácil esquecer o passado. Se a separação é possível e desejada já é um segundo assunto mas não podemos esquecer as razões de tudo isto. E, quando falam mal dos imigrantes europeus esquecem que sem eles não teríamos chagado onde chegamos. O Sul desenvolveu muito antes do Norte/Nordeste e não foi por acaso. Mas, entra aí o fator clima e isto se pode ver em todo o mundo onde as regiões frias se desenvolveram muito mais e mais rapidamente que as regiões quentes. A separação nem vai existir, porque a nossa constituição não a permite e seria necessária uma nova guerra civil. Apesar, que com a guerra poderíamos eliminar estes porcos que são os políticos brasileiros. Sem querer ofender os porcos.

        • Quanto ao modo de eliminar os politicos porcos, tenho algumas sugestões de causar inveja ao Hitler.
          Quanto á separação, uma peregunta: a gente pode passar para o lado das forças do sul mesmo depois do conflito começar ou temos que desde já nos mudarmos para lá?

        • Mas vocês do Sul tambem produzem porcos, e de raça. Estamos todos no mesmo barco num mar de corrupção. Precisamos de lutar por justiça. Tá difícil mas não é impossível. Os principais postos da administração pública estão ocupados por uma imensa quadrilha.

  8. Parlamentarismo unicameral ( fim do senado);
    Extinguir stj e stf; justiça próxima do cidadão;
    Voto distrital e Estados representados na proporção do n° de eleitores ;
    Currículo para qualificação de candidatos assim como as empresas selecionam.
    Voto não obrigatório impresso e contagem manual.
    Assim pode melhorar.

  9. “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”, já dizia o filósofo Farinácio. UMA COISA É O SEPARATISMO ISOLACIONISTA do Irton no RS, outra coisa é a possível transformação do Brasil numa confederação de primeiro mundo, com todos juntos e misturados, como gigantesco instrumento de correção das nossas imensas desigualdades regionais, financeiras, administrativas e sociais, com possibilidade de ser ainda mais eficaz do que a própria confederação europeia, e que nos permite dar um pulo de Leão adiante dos EUA, da Ásia e da própria Europa-mãe. Portanto, a confusão entre fatos, pessoas e coisas, distintas, por ignorância, ou por má-fé, são atitudes que Deus perdoa ou castiga. Vide o exemplo de Eduardo Campos, com aquele papo demagógico, malandro e oportunista estribado no tal ” Não vamos desistir do Brasil”, à bordo de um Jatinho de muitos milhões de dólares, produto de corrupção relacionada ao assalto à Petrobras praticado pelos grandes patriotas do Brasil, que em “tradução simultânea” era não vamos desistir de continuar roubando o Brasil e os tolos do Brasil. RPL-PNBC-DD-ME, saudações.

    • O PERCIVAL PRECISA SER MAIS EXPLÍCITO, MENOS DÚBIO, explicar que raio de separatismo é esse do qual está falando para que os comentários sejam mais específicos. O quadro dantesco que aí está é o resultado dos últimos 127 anos da república federativa 171 do partidarismo eleitoral, do golpismo ditatorial e dos seus tentáculos, velhaco$. Alguma coisa tem que ser feita, e de grandes proporções, para dar solução à imensa demanda represada pela dita cuja. E demagogia barata, malandragem partidária eleitoral, ou golpista ditatorial, achismos e soluções fáceis, palanqueiras, com vistas à próxima eleição, não resolvem mais nada, só complicam ainda mais a vida de todos.

  10. 1) Da mesma forma, a cantora e compositora Elba Ramalho gravou essa tristeza, uma irresponsabilidade: https://www.letras.mus.br/elba-ramalho/250731/

    2) Diz o refrão: “Imagine o Brasil ser dividido e o nordeste ficar independente”

    3) Sou pernambucano brasileiro. Cada região tem as suas belezas e agruras;

    4) Com a globalização/planetarização não se faz mais sentido essas independências, pois já se fala em governos mundiais (não estou dizendo se é bom se bom é mau, estou constatando o fato).

    4) Por exemplo, torço para que a Espanha permaneça unida, mas os catalões que querem a independência já começaram a sentir na carne as mudanças:

    5) Os dois principais bancos da Catalunha já mudaram suas sedes para outras regiões da Espanha; se a União Europeia não reconhecer a Catalunha Independente qual será a moeda deles?

    6) Até no futebol, o Barcelona não mais fará parte do Campeonato Espanhol, parece que o brasileiro Neymar tem uma estrela que o avisou…

    7) Portanto, é Brasil Brasileiro. Jesus que sabia das coisas declarou já naquele tempo: “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído” = Mt 12:25.

    • Catalunha não tem nada a ver com o Brasil. Aliás, Catalunha já tem toda autonomia que precisa para de desenvolver. O problema lá, como em toda a Espanha, e o mundo, é o Sistema político podre, o velho que já morreu, e que precisa dar lugar ao novo de verdade que precisa se estabelecer e que atende pelo nome de Democracia Direta Já, com meritocracia eleitoral, que nos liberte da ação predatória da alta bandidagem da nação. O Brasil sozinho tem quase o tamanho da Europa, e nosso imenso território tem que ficar bom para todos e não apenas para a alta bandidagem do establishment financeiro bandido.

  11. Caros amigos deste espaço único: o artigo de Puggina e os comentários acima são suficientes para esclarecer que somos um país maravilhoso, com unidade de língua e diversidades mil de sotaque, de biomas, de cultura. Nesta virada de época em que estamos, nesta noite que parece escurecer a humanidade definitivamente mas é uma fase, surge a tentação de separar, dividir. Dividir para quê? Para quem? Quem tem interesse nisto? Precisamos sim, de um novo pensar e um novo agir para nossa Pátria e por que não começamos pela escolha dos candidatos e pela EXIGÊNCIA de mudanças no tipo de voto, na peneira dos candidatos e URNAS seguras. O artigo e a maioria dos comentários esclarece a questão. de um descendente de baiano, de pretos e de europeus, filho de paulistas, nascido no Paraná e que mora no Mato Grosso do Sul. Que país maravilhoso, o nosso. Nós precisamos um do outro, pode crer!

    • Trocando em miúdos, precisamos apenas de novos ladrões em Brasília, eleitos pelo $istema podre, manipulados por novos partidos ou novas ditaduras, podres ? É isso que vc quer dizer ?

      • Caro Loriaga Leão: está brincando? Mais do mesmo, não! Não acredito em Salvadores da Pátria, mas num RE pensar, RE analisar, REconstruir. Chega de andar de RÉ! Não existem pessoas de bem, com idéias e que não tenham como leitmotiv o $$$? Se o $, que é essencial, sim, for o único fator para mudar toda esta bagunça, estamos lascados. Como você, estou cansado de toda a podridão, que sabíamos que existia, mas que está vindo à tona agora. Ainda bem que está vindo. Não quero reeleger ninguém. E vou procurar conhecer melhor a vida dos candidatos. A propósito, concordo em parte com você: nas convenções, quem e$colhe o$ candidato$? Abraço!

  12. Sou gaúcha, mas estou fora do RS há quase 15 anos. Mas não é mais fácil tentar mudar o país do que mudar de país dessa forma? Ademais, só vejo os conterrâneos votarem muito mal nos últimos anos, tendo o PT um “reduto” muito forte no RS, tanto que chegou a esse desastre financeiro, com uma segurança pública ineficiente. POA se tornou uma capital onde se é assassinado muito facilmente. Então, as escolhas que fazem lá são realmente acertadas? Creio que não.

  13. Cada região do Brasil têm riquezas diferentes. As riquezas que uma região têm a outra não têm e vice versa, juntas tornam o Brasil um país mais forte.
    O problema é a má administração federal e estadual, que faz com que uma região explore suas riquezas melhor que a outra.
    É sábio dizer: a união faz a força.

    • O problema é que os ladrões do $istema podre, bichado, exaurido, face ao qual morre uma praga dos me$mo$ e nascem mil no lugar da dita cuja, estão roubando tudo para si, à moda psicopatas loucos por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, e o resto da população está morrendo à mingua, há 127 anos, com a carga nas costas. Os caras de pau do $istema podre são tem sem vergonha, tão psicopatas, que até se enchem o rosto de botox para se passarem por novos, como se o novo que o país precisa é apenas um rostinho bonitinho e não um Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, um novo caminho para um novo Brasil de verdade, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME.

      • Loriaga, poderia explicar sucintamente, como pede o ilustre editor CN, as siglas RPL-PNBC-DD-ME. Peço desculpas pelo meu desconhecimento. Creio que a mudança começa dentro de mim, dentro de cada um de nós. Obrigado

  14. Embora leve o nome de República Federativa, mas sob o aspecto sócio, econômico e racial o territorio nacional se apresenta como uma longa esteira de favos, dentro dos quais se encerram diferenças, até então, irreconciliáveis.
    -O nordeste, para muitos o mascote da miséria e do atraso; nele concentram-se quatro estados notadamente racistas (dados do IBGE). Por aqui soa com bastante intensidade o bordão pejorativo:
    “Nêgo Sarragôia!”. Não se sabe ao certo se essa rotulagem nasceu da grande atividade açucareira, aqui na região, quando o negro foi usado como mula; ou talvez se deva também à influência dos 20% do sangue holandês que se espargiu pelas veias nordestinas.
    -Contra o Ceará ouve-se muitos protestos de empreendedores das outras Unidades, queixando-se contra o truste dos homens de negócio da Terra Alencarina. Segundo os queixosos: os cartéis que congregam a indústria e o comercio cearenses são por demais facciosos: fazem de tudo para estabelecer seus empreendimentos nos outros estados mas, em contrapartida, boicotam quaisquer iniciativas de terem um irmão nordestinos competindo, no solo local.
    -A Bahia lutando com unhas e dentes pelo monopólio da vadiagem: bandas e mais bandas, festas e mais festas; patuscada e ditirambo o ano inteiro. Isso parece a negação de uma gente que vive, supostamente, em permanente estado de calamidade, um deboche a sua própria realidade.
    Mesmo eu sendo da região, sempre fui contra essa coisa de uns trabalharem para outros usurparem. Muitas vezes, pessoas mendicantes vocacionadas, por entenderem que esse é o pré-requisito para quem quer virar objeto de aliciamento eleitoreiro, em troca de bolsa família e doutras esmolas governamentais.
    Enfim, estamos diante de um assunto bastante complexo para um comentário tão sucinto. Teríamos que começar pelo processo de colonoração, a questão telúrica, crendices e até a buchada de bode com sobremesa de rapadura. Sou louco pelo meu torrão nordestino: sol, praias quentes, mulheres calientes, redes preguiçosas, forró raiz. Só não tolero aquela algazarra da mulesta: onde se concentram muitos cabras é um barulheira da gota serena. Cala-te a boca, fi da peste!

    • Temos mais é que respeitar e garantir uma das coisas mais bonitas desse país que é a nossa diversidade, oriunda do nosso caldeirão racial em ebulição, com todas as nossas peculiaridades regionais, e só a RPL-PNBC-DD-ME, enquanto Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação , pode nos garantir isso, como nunca antes visto na história deste pais, sem desprezar a nossa dívida monumental com os nossos irmãos nativos, índios, e afrodescendentes, que urge ser reparada.

  15. Sou favorável a uma solução intermediária, tipo EUA.

    Cada estado teria maios autonomia jurídica, administrativa e econômica.

    Reduzindo portanto a importância do governo federal, congresso e STF, origem dos maiores desmandos e maracutaias.

    Como está, o Brasil é inviável.

  16. Aí já me parece um avanço, assim fica mais inteligível e viável um debate sério sobre o que fazer com o nosso país, doravante, de modo a deixá-lo melhor para todos. No frigir dos ovos, posso terminar até como voto vencido, ou até sem pescoço a exemplo de Tiradentes, ou acuado pela Santa Inquisição como Galileu Galileia, mas não vou abrir mão de manter a minha opinião no sentido de que na situação em que nos encontramos agora, com a RPL-PNBC-DD-ME podemos ir muito além dos EUA, fazendo o que eles não tiveram cabeça e peito para fazer no passado, na boa, na moral e pacificamente, e, por isso, restaram perpetuamente condenados e estagnados a serem o que são, em transbordamento de psicopatas por todos os seus ladrões, às voltas com eleições de presidentes malucos, que têm no dólar o único instrumento de salvação nacional, porém , com os dias contados, porque europeus e asiáticos já sacaram que esse negócio de continuar comprando em profusão papel pintado sem lastro é um negócio pra compradores burros, bom só para os seus fabricantes.

  17. O Brasil é um país riquissimo – provavelmente o mais rico do mundo em riquezas naturais – só que é muito mal administrado. Já que a gula internacional é muito grande, vao querer dividi-lo, antes que apareça um lider nacionalista e dê um fim nesta roubalheira secular.

    Li certa vez que por falta de transportes eficientes, 20% de nossa produçao agricola é perdida. Essa perda daria para alimentar todo o país durante um ano.

    Temos petróleo, ferro, ouro cobre, bauxita, nióbio, manganez, tório, etc… etc…

    Tenho um livro sobre o roubo das areias monazitas que os irmaos do norte efetuaram na década de 50. O nome do livro é O INQUERITO QUE ABALOU O BRASIL. Dois nomes me vêm a memoria: Augusto Frederico Schmidt ( o gordinho sinistro) e Juarez Tavora. O autor, Dagoberto Sales, sumiu.

    Lembro-me também de um trabalho que fiz na faculdade sobre o manganés da Serra do Navio, no Amapá. Era o único produto que entrava no porto de Nova Yorck, sem ser registrado. Hoje o local virou o Buraco do Navio. Eliezer Batista era o presidente da ICOMI, a cia que exportava o manganés. Era o pai do Eike Batista.

    A Serra de Carajas, que vale mais que todo petroleo da Venezuela, foi entregue de mão beijada a grupos economicos internacionais , pelo facínora Joaquim Silvério dos Bancos, mais conhecido como FHC.

    Nossa super produçao agricola é exportada, sabe-se lá a que preço. Não da para pagar nem os juros das dívidas interna e externa.

    Nossos presidentes, depois da derrubada dos generais, com excecao de ITAMAR FRANCO, s ao todos eles ladrões inveterados e irrecuperaveis.Ia me esquecendo. O ministro da fazenda é um banqueiro. Colocaram uma raposa para tomar conta da producao nacional de de galinhas.

    Depois de fazer esse pequeno trabalho sobre a corrupcao no NOSSO BRASIL,quero apresentar meus cumprimentos aos gauchos BRASILEIRO, Puggina e Bendl dois fidedignos representantes dos Pampas.

    Que vao a merda todos os separtistas.

  18. Sem Minas Gerais este país sería muito menos que é . Possuimos umas das maiores rezervas mineiráis do mundo , que a nação extrái e explora ,pargando royalties pífios comparados aos de petróleo . Somos a caixa – d’ àgua do páis e possuimos terras férteis , baixo índices de criminalidade . Não precisamos do sul do país para sobrevivermos , pelo contrário , então , que se separem rápido.

  19. Prezados! Riqueza no subsolo não passa disto: subsolo. Japão tem escassos recursos minerais, contudo tem o que, infelizmente, não temos e acredito, não teremos tão cedo, ou mesmo nunca: Homens públicos e educação.
    Aproveitem o resto do feriadão!
    PS: sou gaúcho de Lajeado.

  20. Basta olharmos as altas taxas de criminalidade e corrupção de Santa catarina , Paraná e Rio Grande do sul , que constataremos seu grau de desenvolvimento social e educacional . Aliás , o Rio Grande do Sul está quebrado , por responsabilidade de seus próprios homens e governantes , não por culpa do resto da nação . Se falarmos em riquezas , que tal citarmos USA com suas grandes riquezas no seu subsolo , Noruega e Kuwait com suas jazidas de petróleo . O homem deve ser educado para agir , não para produzir ou consumir . Procure informações mais detalhadas , sobre os altíssimos índices de suicídios e de preconceitos existentes na sociedade japonesa .

  21. É a certeza da IMPUNIDADE, falta de CARÁTER, todos acham que podem roubar do erário público, mas o pior é que acontece em todo o país, esfera federal, estadual e municipal e ainda para completar, os super salários do poder executivo, legislativo e principalmente do poder judiciário, nunca seremos um país justo e continuaremos sendo mandados pelo capital internacional, os poderes que aí estão não tem mais moral.

  22. Loriaga Leão, muito bom.
    Ricardo Miguel, a sociedade nipponica, assim como a chinesa é milenar; nós ainda somos fetos ou ainda nem fomos fertilizados ainda perante eles.
    Mas, trabalhei duas vezes em estaleiro japonês no RJ e eles sempre apreciaram nossa capacidade, o que falta é um projeto de país, independente de partido ou governo.
    Se tivessem dado continuidade ao plano de educação e por que não dizer de inclusão social gestado por Darci Ribeiro e sua equipe, o RJ seria modelo “do bem” para o resto do mundo; mas, o gato angorá logo que substituiu o Engº Leonel Brizola, começou a desconstrução de tudo e hoje é o que vemos no querido estado do RJ.

  23. O ( pt ) e seus comparsas foram os reposnsáveis pelo fracasso deste projeto , que certamente colocaria o Rio de janeiro em outros patamares de educação e desenvilvimento.

  24. O Sul do Brasil pensa que já se tornou desenvolvido, e que portanto já pode, merece, e deve se separar.

    Pois lá naqueles 3 Estados do Sul há tudo aquilo de ruim que há aqui para cima. Como por exemplo:

    – Corrupção endêmica;
    – Desrespeito generalizado ao meio ambiente;
    – Sonegação fiscal disseminada;
    – Contrabando;
    – Tráfico de entorpecentes:
    – Roubo à mão armada;
    – Estelionatos dos mais diversos;
    – Desrespeito absurdo às leis de trânsito;
    – Desigualdade social visível e chocante;
    – Desemprego;
    – Analfabetismo;
    – Proliferação de favelas e invasões.

    E muitos outros problemas mais, tão comuns no resto do Brasil.

    Como sempre viajo ao Sul e sou paranaense, não estou inventando nada!

    • Prezado Isac Mariano,

      Os que querem a separação são uns poucos INGRATOS descendentes de imigrantes que aqui chegaram fugindo de guerras, miséria e fome na Europa.

      Saúde e paz.

  25. Em um mundo mais sensato, essas idéias separatistas defendidas por grupinhos insignificantes nem seriam discutidas, porque isso significa prestigiar esses movimentos inexpressivos.

    O que o caso Ford tem a ver com os grupinhos separatistas? Que me lembre, o então governador e “futuro presidente” Antônio Brito concedeu à Ford uma série de isenções fiscais e benefícios que foram considerados excessivos por parte dos gaúchos, que recusaram reeleger Britto e assim abortaram suas ambições presidenciais. O governo petista de Olívio Dutra quis rever os benefícios concedidos à Ford, mas a empresa recusou, instigada por uma junta de ‘vingadores’ de Antônio Britto, composta pelo governo Fernando Henrique que escudou o ‘grande estadista’ Antônio Carlos Magalhães, e os peemedebistas gaúchos que queriam prejudicar o governo petista, mesmo que fosse à custa do povo.
    E progresso significa favorecer guerras fiscais que servem para enriquecer empresários à custa do contribuinte? Pra que?Para ter grandes empresas que acabam nunca pagando impostos, e pouco geram empregos? O que isso difere da política lulista de favorecer “campeões nacionais”, de enriquecer Joesleys e Eikes à custa dos cofres públicos, só pra vender uma fantasia de grandeza nacional?

  26. O presente assunto enseja comentários preconceituosos, e mostra que são piores do que aqueles que querem o Sul se separando do Brasil!

    Justamente pelas explicações muito mal dadas que não precisam do RS, SC e PR, ou que o Sul isto ou aquilo, esta generalização não só é indevida como ofensiva à maioria absoluta daqueles que querem continuar ser brasileiros!

    Quanto a Minas, conforme comentário do Quinane, que o Brasil seria muito menos do que é, presunção e arrogância à parte, Minas Gerais teve o seu impulso após a instalação da Fiat, italianos, imigrantes, que contribuíram decisivamente para este país chegar onde está, aquém dos países industrializados, sim, mas poderíamos estar em situação muito pior, pois contribuíram decisivamente no desenvolvimento da nossa agricultura, conforme reza a história de São Paulo com portugueses, italianos e japoneses, Paraná com poloneses, japoneses e seus irmãos gaúchos, que impulsionaram o Oeste paranaense.

    Enfim, o Brasil não seria o que é se não fosse a Bahia ter recebido Cabral; não seríamos conhecidos no mundo, se não tivéssemos o maior rio do planeta em volume d’água, graças ao Amazonas; não seríamos o que somos se o Goiás não fosse a entrada de bandeirantes, que nos deram a esmeralda; ou o Cerá, com a sua praia de Iracema, que nos lembra um dos personagens criado por um dos maiores escritores que tivemos; muito menos teríamos a fama de ter as dunas mais belas do mundo no nosso fantástico RN; e os lençóis maranhenses?
    e o povo lutador, humilde, valente como ele só do Piauí?
    E a nossa Paraíba, da grande Elba Ramalho?
    As praias de Sergipe e Alagoas?
    As areias monazíticas do Espírito Santo?
    Nossos Mato Grosso e do Sul, enormes, extensos, nossos maiores produtores de soja?
    E Rondônia, cujo território é do tamanho da Romênia e cinco vezes maior do que a Croácia?
    E o fantástico Acre, antes boliviano, agora brasileiro genuinamente, e do tamanho do Nepal?!
    Roraima, o Estado mais setentrional que temos, do tamanho da Bielorrússia?!
    E o nosso Amapá, do Oiapoque ao Chui?!
    E quanto ao mais novo Estado, que dividiu Goiás, originando Tocantins, maior do que a Nova Zelândia, e fica na Região Norte do Brasil?!

    Podemos nos separar dessas jóias nacionais, dessas propriedades brasileiras??!!

    O que seriam esses Estados sem os outros Estados?!

    Claro, se pensam que eu ia me esquecer enganaram-se, e o nosso amado Rio de Janeiro?
    A Cidade Maravilhosa?
    O samba, o carnaval, Ipanema, Leblon, Cristo Redentor, o mítico Maracanã??!!
    O Pico Dedo de Deus, e as belas Teresópolis e Petrópolis?
    E o famoso Hotel Quitandinha?
    O Sambódromo??!!

    Palhaçada essa história da secessão e o meu Estado é melhor do que os outros, ridículo!

      • Mariano, meu caro amigo e também brasileiro, igual a mim, portanto,

        Grato a ti por ter entendido que somos compatriotas, que este país só existe por causa de seus Estados, todos, indistintamente.

        Temos um idioma que é falado e compreendido em todos os quadrantes deste gigantesco país.

        Notaste que não temos dialetos?

        Olha a Itália, credo;
        Rússia, minha nossa;
        China, duvido que alguém possa me enumerar os dialetos existentes;
        Espanha, que tem hoje o problema da região catalã do país, afora a velha reivindicação do país basco;
        Holanda, tem o flamenco;
        Japão, nooossa;

        Enfim, temos mais é que nos unirmos do que nos dividirmos.

        Um abraço, meu amigo.
        Saúde e paz.

    • Prezado Francisco Bendl, permita a minha intromissão. Esta história de que meu estado é melhor, sem meu estado o que seria do Brasil, me fez lembrar a ‘ conversa ‘ de que uma parte do corpo humano era melhor do que as outras, cada uma justificando a nobreza de sua fisiologia, até que, finalmente, o ânus resolveu pedir a palavra, ou melhor, “fechou” a porteira e… Nós dependemos um do outro. Precisamos de reformas e de pessoas honestas e capazes, que não pensem apenas no seu pirão.

  27. Caro Oscar,

    Paradoxalmente, enquanto a tua ideia da necessária união do corpo do Brasil cheira muito bem, a separação traz um fedor insuportável, pois estaria representada pelo que a nação expele de dejetos e de onde esses excrementos saem desse corpo, que deve se manter saudável e intocável!

    Um abraço.
    Saúde e paz.

    • Pense do lado sensato e bom das coisas, pense como seria excelente se cada região mandasse apenas um representante para Brasília, escolhidos pelos seus próprios méritos e não pela corrupção partidára-eleitoral, com o Brasil reorganizado em apenas sete regiões administrativas, pondo abaixo tudo aquilo e todo aquele desperdício de dinheiro público que lá estão e que fazem de Brasília uma espécie de ” Ilha da Fantasia”, que consome o sangue, o suor e as lágrimas do Brasil inteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *