Shakespeare no estranho reino do Banco de Silvio Santos

Pedro do Coutto

Há algo profundamente estranho, não no reino da Dinamarca, cenário da peça famosa de Shakespeare, mas na face ainda oculta dos personagens envolvidos na trama do Banco PanAmericano, ex-Silvio Santos, da Caixa Econômica Federal, do Banco Pactual de André Esteves, e do Fundo Garantidor de Crédito, operado, ao que me parece, pelo Banco Central.

O ser ou não ser foi substituído pelo vender ou não vender, eis a questão essencial. Sombras nos bastidores. Um rombo de 4 bilhões de reais legado pelo grupo do apresentador do SBT, aliás um ator dos mais convincentes, para quem? Para o governo, para o país, para todos nós.
As cortinas se abriram do primeiro para o segundo semestre do ano passado quando Sílvio Santos procurou o ex-presidente Lula e solicitou que a Caixa Econômica Federal ficasse com 36% das ações do Panamericano. Assim foi feito. E, com isso, a CEF tornou-se proprietária de um terço da dívida, na ocasião algo em torno de 750 milhões de reais. Sílvio Santos descartou-se dessa fração e a transferiu aos contribuintes, à população. Isso com base no abismo representado por um prejuízo disfarçado de 2,5 bilhões.

Poucos meses depois, verificou-se que o precipício não era de 2,5, mas de pelo menos 4 bilhões de reais. Nesse momento entrou em cena, como sempre acontece, o Fundo Garantidor de Crédito dispondo-se com toda boa vontade, o que não deixa de ser estranho, a assumir o rombo e ou roubo. Quem roubou, surge a dúvida hamletiana, não se sabe ao certo. Mas Sílvio Santos demitiu os diretores do Panamericano. Culpou-os, portanto, através de ação tácita.

Os créditos existentes no ativo do Banco – acentuam os repórteres Patrícia Duarte e Ronaldo Dercole, O Globo de quarta-feira, são de difícil recuperação, de liquidez pelo menos duvidosa.
Mesmo assim – final do segundo ato – surge no palco o Banco Pactual de André Esteves, um gênio financeiro, carreira otimamente sucedida, e se apresenta para assumir o PanAmericano. Silêncio na platéia. Mais surpreendente ainda, o Fundo Garantidor de Crédito aceitou que o Pactual assumisse a montanha da dúvida, na escala de 4 bilhões, através de um recebível (mais um direito futuro de crédito do que um aporte de capital) no valor de apenas 450 milhões de reais. Nove por cento do total aparente à primeira vista do passivo. Mas não é só. Sílvio Santos sai de cena. Não deve mais nada. Um milagre.

O espetáculo ruma ao desfecho a partir do terceiro ato. Os 450 milhões, a uma taxa de 110% ao longo de 17 anos, vão corresponder a 3,8 bilhões no final da peça, em 2018, episódio que assume caracteres fantásticos. Uma inflação anual de 5%, como está ocorrendo agora, no final de 2008 terá   produzido um montante muito superior a 110%. Basta dizer que uma taxa acumulada de 6% a cada doze meses, produz montante de 96% em 12 anos. Isso quanto à correção. E os juros reais? Onde ficam?

Patrícia Duarte e Ronaldo Dercole disseram que o governo praticou malabarismos para evitar que a Caixa Econômica Federal tivesse que injetar recursos no sistema Sílvio Santos que permaneceu fraude em sequência. Fez malabarismo para evitar que a CEF injetasse mais recursos? Negativo. A Caixa Econômica, de forma direta ou indireta, já injetou recursos no prejuízo, ao assumir a fração de 36% deles. Cerca de 1 bilhão e 300 milhões. Como aparecerá essa rubrica no balanço do segundo banco estatal do país? Não importa muito a forma. Importa o conteúdo.

O lucro provável da instituição terá que diminuir. Alguém tem que pagar a conta, pois é impossível existir débito sem crédito e vice versa. Talvez o pagamento, não só da dívida, mas das operações futuras via Pactual, sejam cobertas pelo cheque especial de 8 bilhões que a CEF, segundo O Globo, abriu para André Esteves. Mas quais serão os juros cobrados? Talvez zero.
Há algo de estranho no reino da Dinamarca.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *