Sobre o golpe de 64, é preciso louvar as posição moderadas e realistas do general Heleno e do ex-deputado Gabeira

Carlos Newton

Em meio ao festival dos 50 anos do golpe de 1964, com comemorações e denúncias de militares saudosos e de ex-guerrilheiros idem, o que está havendo de melhor são as vozes que têm se levantando em nome da moderação e da responsabilidade mútua, como o ex-deputado Fernando Gabeira e o general da reserva Augusto Heleno.

Ninguém pode defender militares torturadores, terroristas e assassinos, cujos nomes (quase todos) são hoje por demais conhecidos. Mas também não podem ser esquecidos os excessos da luta armada, especialmente os atos de terrorismo contra civis e os justiciamentos de militantes suspeitos de traição, sem o menor direito de defesa.

Nesse contexto de enfrentamentos tardios, merecem reflexão as posições defendidas por Gabeira e Heleno, por serem guiadas pelo bom senso e pela admissão dos erros cometidos num passado que ainda é muito recente para quem viveu aquela época.

ESTUPIDEZ

O general Heleno se manifestou em palestra na Maçonaria do Distrito Federal, ao dizer que a volta dos militares ao poder seria hoje uma estupidez, porque o mundo é outro e a democracia, apesar dos defeitos, é o melhor regime.

Ex-comandante da Missão das Nações Unidas no Haiti e também ex-comandante militar da Amazônia, o general criticou a Comissão Nacional da Verdade, afirmando que seus integrantes partem do pressuposto de que os grupos que travaram a luta armada contra o regime buscavam implantar uma democracia no Brasil, embora se saiba que o objetivo era mesmo impor um regime ditatorial comunista.

Por sua vez, em debate na Casa do Saber, no Rio de Janeiro, Fernando Gabeira destacou o que chamou de “ilusões” dos dois lados. “Os militares achavam que os brasileiros não sabiam votar e que enquanto houvesse eleição os demagogos venceriam. Achavam que podiam ensinar o povo a votar, e roubaram a principal motivação para o aprendizado, que é a liberdade”.

Mas também a esquerda, lembrou Gabeira, sobretudo a armada, acreditava que poderia servir de guia aos cidadãos. Os dois lados de certa maneira achavam-se dirigentes dos destinos do país, comentou o x-deputado, e se afastavam “da ideia de que o povo, através de seu desenvolvimento, poderia se aperfeiçoar”.

“Na verdade, nenhum dos lados acreditava na democracia”, salientou o moderador do debate, jornalista Merval Pereira.

TEORIA DO FOCO

Gabeira disse ainda que havia determinadas ilusões na luta armada, como a “teoria do foco”, ideia que vinha de Cuba e se baseava no livro do francês Regis Debray prevendo que o movimento revolucionário acabaria atraindo o apoio das populações, o que não era verdade, e foi essa expectativa que custou caro a Ernesto Guevara ao tentar exportar a revolução cubana para a Bolívia.

Em meio ao posicionamento moderado e realista de Heleno e Gabeira, por parte do governo o que se vê é uma tentativa patética de passar a borracha na História, apresentando acertadamente os militares como ditadores, mas falsamente considerando os militantes da luta armada como defensores da democracia, o que decididamente não é verdade.
Não devemos tentar mudar a História. Esse posicionamento que visa a adulterar os acontecimentos resulta patético e grotesco. E isso é o mínimo que se pode dizer a respeito.

59 thoughts on “Sobre o golpe de 64, é preciso louvar as posição moderadas e realistas do general Heleno e do ex-deputado Gabeira

  1. A questão não é a posição ideológica dos contendores, mas sim o comportamento indigno dos militares em torturarem barbaramente presos políticos. Isso é crime de guerra, contra a humanidade, não deve e não pode ficar impune e cair no esquecimento, sob pena de se perpetuar. O preso, qualquer que seja o lado numa refrega, não pode ser martirizado e trucidado fisicamente, como muitíssimos foram até mesmo sem jamais terem pegado em armas, e seus perpetradores saírem impunes qualquer que seja o pretexto. Ontem, tomei conhecimento de um horror praticado pelos militares da ditadura contra índios na região de Patrocínio, MG. Até crucificaram indígenas. Quais as explicações ideológicas para tais atrocidades? Os depoimentos estão em vídeos no UOL. O Pelotão de Investigações Criminais (PIC), da PE, da Vila Militar, RJ, torturou barbaramente a presa política Maria Auxiliadora Laura e outros PÚBLICAMENTE diante de uma platéia repleta de militares, como experimento e com participação de norte americanos. O capitão Guimarães, atual bicheiro, e seu assecla cabo Polvorelli, já falecido, torturaram também na Vila Militar. E esse criminoso e contraventor segue impune. Que militares foram torturados por guerrilheiros ? Se isso aconteceu, que me apontem o nome dos que assim procederam e se ficaram impunes.

    • Genuino, Lamarca, mariguela e muitos outros também matarame torturaram e o senhor não fala nada seu Laco Silva. Seja imparcial e não tendencioso. A esquerda fez muita miséria neste país e continua fazendo. Ou o senhor acha que tem algum otário aqui. Quem vai colocar os bandidos de hoje na cadeia?
      Crime de guerra uma ova.

      • Perfeito, Laco Silva.
        Seu questionamento foi objetivo e preciso: “Que militares foram torturados por guerrilheiros?”
        Esses criminosos sádicos e cruéis, covardes e vagabundos, nem podem ser considerados militares, mas cães hidrófobos que precisam ser abatidos. E abatidos sem nenhuma piedade, com disparos pelas costas. Ou queimados na estaca ainda com vida, como se fazia na idade média. Como Calvino fez com Servetus, cientista descobridor da pequena circulação do sangue, mas que duvidou da santíssima trindade.
        Vivi esse tempo como oficial superior da ativa e sei que os que faziam esses barbaridades eram complexados, covardes, medrosos, sem nenhum caráter, bajuladores e criminosos, que não se destacavam profissionalmente.
        Conheci dois que foram abatidos por um marujo enquanto dormiam em um navio hidrográfico no porto do Rio Grande. Abatidos com cinzeiros de cobre na cabeça.

        • DEIXE DE FALAR BESTEIRA. TORTURADORES ESTÃO NA STASI, KGB,SECURITATE ALI ESTÃO OS VERDADEIRO TORTURADORES DA HUMANIDADE. MILHÕES FORAM MORTOS. VOCÊ IA SE MIJAR DE MEDO. PASSAR BEM CIDADÃO.

  2. Para não esquecerem:
    81 – 01/07/71 – Jaime Pereira da Silva – Civil – RJ
    Morto por terroristas na varanda de sua casa durante tiroteio entre terroristas e policiais.

    82 – 02/09/71 – Gentil Procópio de Melo -Motorista de praça – PE
    A organização terrorista denominada Partido Comunista Revolucionário determinou que um carro fosse roubado para realizar um assalto. Cumprindo a ordem recebida, o terrorista José Mariano de Barros tomou um táxi em Madalena, Recife. Ao chegar ao Hospital das Clínicas, quando fingia que ia pagar a corrida, apareceram seus comparsas, Manoel Lisboa de Moura e José Emilson Ribeiro da Silva, que se aproximaram do veículo. Emilson matou Procópio com dois tiros.

    83 – 02/09/71 – Jayme Cardenio Dolce – Guarda de segurança – RJ
    Assassinado pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

    84 – 02/09/71 – Silvâno Amâncio dos Santos – Guarda de segurança – RJ
    Assassinado na operação relatada acima.

    85 – 02/09/71 – Demerval Ferreira dos Santos – Guarda de segurança – RJ
    Assassinado na operação relatada no item 83

    86 – –/10/71 – Alberto da Silva Machado – Civil – RJ
    Morto por terroristas durante assalto à Fábrica de Móveis Vogal Ltda, da qual era um dos proprietários.

    87 – 22/10/71 – José do Amaral – Sub-oficial da reserva da Marinha – RJ
    Morto por terroristas da VAR-PALMARES e do MR-8 durante assalto a um carro transportador de valores da Transfort S/A. Foram feridos o motorista Sérgio da Silva Taranto e os guardas Emílio Pereira e Adilson Caetano da Silva.
    Autores: James Allen Luz (Ciro), Carlos Alberto Salles (soldado), Paulo Cesar Botelho Massa, João Carlos da Costa.

    88 – 01/11/71 – Nelson Martinez Ponce – Cabo PM – SP
    Metralhado por Aylton Adalberto Mortati durante um atentado praticado por cinco terroristas do MOLIPO (Movimento de Libertação Popular) contra um ônibus da Empresa de Transportes Urbano S/A, em Vila Brasilândia, São Paulo

    89 – 10/11/71 – João Campos – Cabo PM – SP
    Morto na estrada de Pindamonhangaba, ao interceptar um carro que conduzia terroristas armados.

    90 – 22/11/71 – José Amaral Vilela – Guarda de segurança – RJ
    Neste dia os terroristas Sérgio Landulfo Furtado, Norma Sá Ferreira, Nelson Rodrigues Filho, Paulo Roberto Jabour, Thimothy William Watkin Ross e Paulo Costa Ribeiro Bastos assaltaram um carro-forte da firma Transfort, na Estrada do Portela, em Madureira.

    91 – 27/11/71 – Eduardo Timóteo Filho – Soldado PM – RJ
    Morto por terroristas, durante assalto contra as Lojas Caio Marti.

    92 – 13/12/71 – Hélio Ferreira de Moura – Guarda de Segurança – RJ
    Morto, por terroristas, durante assalto contra um carro transportador de valores da Brink’s, na Via Dutra.

    93 – 18/01/72 – Tomaz Paulino de Almeida – Sargento PM – São Paulo / SP
    Morto a tiros de metralhadora no bairro Cambuci quando um grupo terrorista roubava o seu carro. Autores do assassinato: João Carlos Cavalcante Reis, Lauriberto José Reyes e Márcio Beck Machado, todos integrantes do Molipo.

    94 – 20/01/72 – Sylas Bispo Feche – Cabo PM São Paulo / SP
    O cabo Sylas Bispo Feche integrava uma Equipe de Busca e Apreensão do DOI/CODI/II Exército. Sua equipe executava uma ronda quando um carro VW, ocupado por duas pessoas, cruzou um sinal fechado quase atropelando uma senhora que atravessava a rua com uma criança no colo. A sua equipe saiu em perseguição ao carro suspeito, que foi interceptado. Ao tentar aproximar-se para pedir os documentos dos dois ocupantes do veículo, o cabo Feche foi metralhado. Dois terroristas, membros da ALN, morreram.

    95 – 25/01/72 – Elzo Ito – Estudante – São Paulo / SP
    Aluno do Centro de Formação de Pilotos Militares, foi morto por terroristas que roubaram seu carro.

    96 – 01/02/72 – Iris do Amaral – Civil – Rio de Janeiro
    Morto durante um tiroteio entre terroristas da ALN e policiais. Ficaram feridos nesta ação os civis Marinho Floriano Sanches, Romeu Silva e Altamiro Sinzo. Autores: Flávio Augusto Neves Leão Salles (“Rogério”, “Bibico”) e Antônio Carlos Cabral Nogueira (“Chico”, “Alfredo”.)

    97 – 05/02/72 – David A. Cuthberg – Marinheiro inglês – Rio de Janeiro
    A respeito desse assassinato, sob o título “REPULSA”, o jornal “O Globo” publicou:
    “Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos de Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender. Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas o fatal risco de balas, para, logo em seguida, completar a infâmia, despejando sobre o corpo, ainda palpitante, panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra jovem inocente, em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos”.

    A ação criminosa foi praticada pelos seguintes terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas:
    – ALN – Flávio Augusto Neves Leão Salles (“Rogério”, “Bibico”), que fez os disparos com a metralhadora, Antônio Carlos Nogueira Cabral (“Chico”, “Alfredo”), Aurora Maria Nascimento Furtado (“Márcia”, “Rita”), Adair Gonçalves Reis(“Elber”, “Leônidas”, “Sorriso”);
    – VAR-PALMARES – Lígia Maria Salgado da Nóbrega (“Ana”, “Célia”, “Cecília”), que jogou dentro do táxi os panfletos que falavam em vingança contra os “Imperialistas Ingleses”; Hélio Silva (“Anastácio”, “Nadinho”), Carlos Alberto Salles(“Soldado”);
    – PCBR – Getúlio de Oliveira Cabral(“Gogó”, “Soares”, “Gustavo”)

    98 – 15/02/72 – Luzimar Machado de Oliveira – Soldado PM – Goiás
    O terrorista Arno Preiss encontrava-se na cidade de Paraiso do Norte, que estava incluída no esquema de trabalho de campo do MOLIPO. Usava o nome falso de Patrick McBundy Comick. Arno tentou entrar com sua documentação falsa no baile carnavalesco do clube social da cidade. Sua documentação levantou suspeita nos policiais, que o convidaram a comparecer à delegacia local. Ao deixar o clube, julgando-se desmascarado, Arno sacou seu revólver e disparou à queima roupa contra os policiais, matando o PM Luzimar Machado de Oliveira e ferindo gravemente o outro PM que o conduzia, Gentil Ferreira Mano. Acabou morto.

    99 – 18/02/72 – Benedito Monteiro da Silva – Cabo PM – São Paulo
    Morto quando tentava evitar um assalto terrorista a uma agencia bancária em Santa Cruz do Rio Pardo.

    100 – 27/02/72 – Napoleão Felipe Bertolane Biscaldi – Civil – São Paulo
    Morto durante um tiroteio entre os terroristas Lauriberto José Reyes e José Ibsem Veroes com policiais, na rua Serra de Botucatu, no bairro Tatuapé. Nesta ação, um policial foi ferido a tiros de metralhadoras por Lauriberto. Os dois terroristas morreram no local.

    101 – 06/03/72 – Walter César Galleti – Comerciante – São Paulo
    Terroristas da ALN assaltaram a firma F. Monteiro S/A. Após o assalto, fecharam a loja, fizeram um discurso subversivo e assassinaram o gerente Walter César Galetti e feriram o subgerente Maurílio Ramalho e o despachante Rosalindo Fernandes.

    102 – 12/03/72 – Manoel dos Santos – Guarda de Segurança – São Paulo
    Morto durante assalto terrorista à fábrica de bebidas Charel Ltda.

    103 – 12/03/72 – Aníbal Figueiredo de Albuquerque – Coronel R1 do Exército – São Paulo
    Morto durante assalto à fábrica de bebidas Charel Ltda., da qual era um dos proprietários

    104 – 08/05/72 – Odilo Cruz Rosa – Cabo do Exército – PA
    Morto na região do Araguaia quando uma equipe comandada por um tenente e composta ainda, por dois sargentos e pelo Cabo Rosa foram emboscados por terroristas comandados por Oswaldo Araújo Costa, o “Oswaldão”, na região de Grota Seca, no Vale da Gameleira. Neste tiroteio foi morto o Cabo Rosa e feridos o Tenente e um Sargento.

    105 – 02/06/72 – Rosendo – Sargento PM – SP
    Morto ao interceptar 04 terroristas que assaltaram um bar e um carro da Distribuidora de Cigarros Oeste LTDA.

    106 – 29/06/72 – João Pereira – Mateiro-região do Araguaia – PA
    “Justiçado exemplarmente” pelo PC do B por ter servido de guia para as forças legais que combatiam os guerrilheiros. A respeito, Ângelo Arroyo declarou em seu relatório: “A morte desse bate-pau causou pânico entre os demais da zona”.

    107 – 09/09/72 – Mário Domingos Panzarielo – Detetive Polícia Civil – RJ
    Morto ao tentar prender um terrorista da ALN.

    108 – 23/09/72 – Mário Abraim da Silva – Segundo Sargento do Exército – PA
    Pertencia ao 2º Batalhão de Infantaria de Selva, com sede em Belém. Sua Companhia foi deslocada para combater a guerrilha na região do Araguaia. Morto em combate, durante um ataque guerrilheiro no lugarejo de Pavão, base do 2º Batalhão de Selva.

    109 – 27/09/72 – Sílvio Nunes Alves – Bancário – RJ
    Assassinado em assalto ao Banco Novo Mundo, na Penha, pelas organizações terroristas PCBR – ALN – VPR – Var Palmares e MR8. Autor do assassinato: José Selton Ribeiro.

    110 – –/09/72 – Osmar… – Posseiro – PA
    “Justiçado” na região do Araguaia pelos guerrilheiros por ter permitido que uma tropa de pára-quedistas acampasse em suas terras.

    111 – 01/10/72 – Luiz Honório Correia – Civil – RJ
    Morto por terroristas no assalto à empresa de Ônibus Barão de Mauá

    112 – 06/10/72 – Severino Fernandes da Silva – Civil – PE
    Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

    113 – 06/10/72 – José Inocêncio Barreto – Civil – PE
    Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

    114 – 21/02/73 – Manoel Henrique de Oliveira – Comerciante – São Paulo
    No dia 14 de junho de 1972, as equipes do DOI de São Paulo, como já faziam há vários dias, estavam seguindo quatro terroristas da ALN que resolveram almoçar no restaurante Varela, no bairro da Mooca. Quando eles saíram do restaurante, receberam voz de prisão. Reagindo, desencadearam tiroteio com os policiais. Ao final, três terroristas estavam mortos, e um conseguiu fugir. Erroneamente, a ALN atribuiu a morte de seus três companheiros à delação de um dos proprietários do restaurante e decidiu justiçá-lo. O comando “Aurora Maria do Nascimento Furtado”, constituído por Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emanuel Penteado, Francisco Seiko Okama e Ronaldo Mouth Queiroz, foi encarregado da missão e assassinou, no dia 21 de fevereiro, o comerciante Manoel Henrique de Oliveira, que foi metralhado sem que pudesse esboçar um gesto de defesa. Seu corpo foi coberto por panfletos da ALN, impressos no Centro de Orientação Estudantil da USP por interveniência do militante Paulo Frateschi.

    115 – 22/02/73 – Pedro Américo Mota Garcia – Civil – Rio de Janeiro
    Por vingança, foi “justiçado” por terroristas por haver impedido um assalto contra uma agência da Caixa Econômica Federal.

    116 – 25/02/73 – Octávio Gonçalves Moreira Júnior – Delegado de polícia – São Paulo
    Com a tentativa de intimidar os integrantes dos órgãos de repressão, um “Tribunal Popular Revolucionário” decidiu “justiçar” um membro do DOI/CODI/II Exército. O escolhido foi o delegado de polícia Octávio Gonçalves Moreira Júnior.

    117 – 12/03/73 – Pedro Mineiro – Capataz da Fazenda Capingo
    “Justiçado” por terroristas na Guerrilha do Araguaia.

    118 – Francisco Valdir de Paula – Soldado do Exército-região do Araguaia – PA
    Instalado numa posse de terra, no município de Xambioá, fazendo parte de uma rede de informações montada na área de guerrilha, foi identificado pelos terroristas e assassinado. Seu corpo nunca foi encontrado.

    119 – 10/04/74 -Geraldo José Nogueira – Soldado PM – São Paulo
    Morto numa operação de captura de terroristas.

    • Nenhum morreu torturado. Todos os acima assinalados morreram durante REFREGA, COMBATE. Esse último morreu ao tentar uma captura certamente para torturar. E os que mataram foram certamente PRESOS E BARBARAMENTE TORTURADOS, MORTOS OU CUMPRIRAM PENA. Quanto a terroristas, é o seu conceito ideológico para os que resistiram a serem presos e torturados. Não é o da maioria dos brasileiros que há décadas já repudiaram a ditadura militar. Porque quem começou tudo foram os golpistas e seus torturadores a partir de 1964. Quem tortura preso é covarde. E covardaço que se esconde atrás de uma instituição pública para se manter IMPUNE. A propósito dessa casa de saúde Dr. Eiras citada acima, lembro que pertencia ao ministro da Saúde do ditador Costa e Silva, Leonel Miranda, denunciado à época corajosamente na coluna do Helio, na TRIBUNA DA IMPRENSA ( se duvida, pergunte a ele) de desviar verbas e materiais do hospital PÚBLICO de doentes mentais Pinel, em Botafogo para sua própria casa de saúde PRIVADA Dr. Eiras. Um ladrão descarado e desalmado da ditadura militar.

    • Toda essa suposta lista, ou lista forjada, se refere a mortos em combate, não a torturados.
      Torturador tem que ser queimado vivo! Ter arrancados os órgãos genitais.

      • terça-feira, 17 de abril de 2012

        Rubens Paiva e Mário Kozel Filho: Descompromisso com a verdade?
        Marcelo Carvalho
        Jornal da Apufsc

        No conflito conhecido como luta armada, Rubens Paiva foi um dos cerca de 300 mortos pelos militares; já Mário Kozel Filho foi um dos 120 mortos pelos militantes da luta armada. O primeiro aparece frequentemente nos jornais, estampado em fotos de família e sua história é bem conhecida; o segundo é relegado a um completo esquecimento. Porque tanta diferença entre duas pessoas que morreram no mesmo conflito? Como pode a Comissão da Verdade pretender fazer justiça resgatando a memória do primeiro enquanto aniquila a memória de Kozel? Há aqui um descompromisso com a verdade?

      • A bomba no aeroporto dos Guararapes não existiu o carro bomba que explodiu o recruta em São Paulo também não. Ou você esta igual ao barba que não sabia de nada.

    • Quanto ao JOSÉ AMARAL VILELA, eu conheço a sua esposa que ficou viúva com quatro filhos. Na época com grave problema de visão. Hoje, se encontra totalmente cega e nunca foi procurada pela Comissão da Verdade. Enquanto isso os seus algozes ou familiares recebem gordas pessoas, e ainda são considerados heróis.

  3. Parabéns Seu Ricardo Sales. Brilhante dissertação sobre a guerrilha e suas atrocidades. Isso é Crime de Guerra pesado e muitas das vítimas nem sequer receberam indenizações.

  4. Nasci em 1969 mas penso que olhar para trás e censurar um dos lados é bem mais fácil que ser comtemporâneo da situação. Vale ressaltar que que o golpe não foi essencialmente militar e que o regime autoritário não veio com o golpe de 64, mas é consequência do golpe de 65.

    Filme de Silvio Tendler conta a história dos verdadeiros heróis esquecidos do golpe de 64: os militares que resistiram ao golpe contra o estado democrático do Brasil.

    http://www.hagah.com.br/programacao-tv/jsp/default.jsp?uf=3&action=programa&canal=TED&operadora=13&programa=0000376326&evento=000000512405586&gds=

  5. Celso Furtado, Brizola, Darcy Ribeiro, João Goulart e sua equipe, nenhum
    deles era comunista e sim nacionalista, mas para os, golpistas, nacionalista era o mesmo que comunista. Logo no início da ditadura, implantaram o terror com perseguição intensa a estudantes, sindicalistas, políticos e a todos que apoiavam o governo de João Goulart e as reformas de base, com prisões, torturas etc.
    Neste início, não havia grupos de guerrilhas, que só veio acontecer nos anos
    de l968, depois de tantas barbaridades feitas pelos donos do poder, (violência
    gera violência) As guerrilhas, apesar de ser reflexo da violência ditatorial, foi um grande erro na maneira de agir e no ideal: queriam implantar uma ditadura de esquerda,
    e nenhuma ditadura é boa, tanto de direita ou de esquerda. Observação: o governo
    de Jango, não tinha nada a haver com isso. Para se ter ideia, os comunistas nunca apoiaram
    o Brizola, chegaram a apoiar o Moreira Franco, invés de Darcy Ribeiro, aqui no Rio.
    Quando o Estado, não respeita a lei, implantando o terror, matando e torturando, sem dúvida,
    haverá reação, ainda que errada. Todos criminosos, da ditadura, dos dois lados, deveriam ser
    punidos, principalmente os que representavam o Estado, que tinham o dever de fazer valer
    a lei e respeitar os direitos humanos. Prendiam, torturavam e matavam, sem dar direito de
    defesa ao suspeito de subversão.

  6. O passado é importante, visto que seus vícios se fazem tão presentes. Mas nosso agir preventivo e denunciante também precisa ter a velocidade do hoje, do rápido momento da surpresa, do assalto que se repete e se esvai…

    As sacanagens continuam, sem o menor pudor, seja no metrô, no ônibus, no aeroporto ou na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

    Um dos melhores negócios na colônia feudal tupiniquim, hoje e sempre, é o bilionário balcão das serventias extrajudiciais.

    Não há, assim como não houve, moderação e nem senso do ridículo quando se trata de recuperar, manter ou reforçar privilégios na versão burocrática e pesada mais bizarra do capitalismo no globo terrestre…

    Câmara dos Deputados aprova Projeto de Lei que regulamenta concursos de Cartórios Extrajudiciais

    “http://www.anoreg.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=22766:camara-dos-deputados-aprova-projeto-de-lei-que-regulamenta-os-concursos-de-provimento-da-titularidade-da-delegacao-das-serventias-notariais-e-de-registros-os-cartorios-extrajudiciais&catid=62:concursos&Itemid=184”

    PENSAM QUE SOMOS RETARDADOS MENTAIS. ÚLTIMOS COLOCADOS MUNDIAIS NOS TESTES DE RACIOCÍNIO:

    “Art. 14. O ingresso, assim compreendido o início como titular de delegação de serventia notarial e de registro, depende dos seguintes requisitos:
    (…)
    I – por REMOÇÃO, mediante concurso de títulos, para serventia de mesma natureza;

    II – por REMOÇÃO, mediante concurso de provas e títulos, para serventia de outra natureza.

    (…)

    Art. 16. As vagas serão preenchidas, se não houver candidato à REMOÇÃO, pelos candidatos aprovados em concurso público de provas e títulos de INGRESSO ou de início na atividade.
    (…)

    § 4º Para cada lista das serventias vagas será observado o provimento, prioritariamente, na seguinte ordem:

    I – pelos candidatos aprovados no concurso de REMOÇÃO, mediante concurso de títulos;

    II – pelos candidatos aprovados no concurso de REMOÇÃO, mediante concurso de provas e títulos;

    III – pelos candidatos aprovados no concurso público de provas de INGRESSO ou início na atividade.

    Congresso fechamento com os n(ão )otários que terão acesso exclusivo à cereja do sunday.

    Isso sem falar na manutenção histórica dos interinos, espelhos convexos de quando só se ingressava pela janela.

    Quanto vale um parlamentar?

    Quanto sempre custou executar e julgar comprado?

    Extorsivas, bilionárias, escandalosas, influentes e exclusivas.

    Latrina burocrática do capital. Sem saneamento básico.

  7. Não se têm dados de quantos militares foram torturados ou mortos
    pela ditadura, um deles morto a bala pela ditadura foi o Tenente
    Coronel Alfeu Monteiro, em 4 de abril de l964, no Rio Grande do Sul por defender o respeito a Constituição.

  8. Dentre muitos nomes citados, boa parte fugiram do Brasil por pertencerem ao comunismo na época da guerra fria. Muitos guerrilheiros matavam camponeses que não queriam se aliar a eles e também aqueles que ficavam do lado do governo. Hoje todos os crimes são imputados aos militares, pois fica mais fácil. Antes não havia tanta propagando sobre o regime militar e por neste anos estão havendo uma enxurrada de notícias, garanto que é pelos 50 anos e sim por que estão sendo pagos e obrigados pelo governo que é adepto da Venezuela (não obedeceu o pau come). Vejam que muitos jornalistas que são contra governo estão na geladeira, vejam as votações no congresso nacional, vejam as votações no STF então isso é ou não uma ditadura.
    Acho que deva sim ser revogada a Lei da Anistia, para que todos sejam julgados e condenados, inclusive os ex guerrilheiros comunistas que no início da década de 60 foram para o exterior fazerem curso de guerrilha para implantar o comunismo no Brasil e praticaram sequestros, assassinatos, explosões, torturas. O tiro vai sair pela culatra.

    • Tudo isso que você está falando pode ser mentira! AQ maior parte se aproveitou para ir para o exterior, fingindo que estava sendo perseguida. Um exemplo disso foi o “sociólogo” FHC, reles mentiroso e aproveitador vulgar.

        • Ele não se aposentou. Ele foi PREMIADO com uma aposentadoria INTEGRAL COMPULSÓRIA CONCEDIDA pela ditadura militar, ao contrário dos milhares que foram demitidos e agora “anistiados”, por terem sobrevividos, com aposentadoria no serviço público federal pela turma do Lula e da Dilma com menos de 3 salários mínimos MENSAIS, sem nunca terem podido se reintegrar ao serviço ou serem promovidos como seus pares da época. Investigue melhor, portanto, antes de escrever besteira, porque essa anistia política só favoreceu aos impunes torturadores.

  9. É incrível como em pleno seculo XXI algumas pessoas ainda acreditam em ditaduras. O pior é que elas se mostram piores que os próprios ditadores, que apenas vivenciam a nossa natureza que é a busca do prazer pelo poder absoluto.
    Pessoas como boff, beto, chiquinho b e outros “ninguéns” por aqui ainda não perceberam os fenômenos da mente e, com a idade que têm, não tem mais jeito. Acreditam no absoluto. No bem e no mal. Nas falsas-moral e fantasias de mundo perfeito de ideologias, que todo malandro (sacerdote ou mentor), prega por aí para justificar sua ambição de poder absoluto e encantar adeptos, escravos que irão servir também de algozes contra aqueles que se posicionarem contra essa sanha doentia, que é toda ditadura.
    Enfim, essa gente é farinha do mesmo saco dos militares que tomaram o país por 21 anos. Vade retro.

  10. Na ditadura petista porcamente travestida de democracia, as práticas de se torturar e matar presos e inimigos políticos não cessaram. Alguém pode afirmar que acabou a tortura neste país? Tuma Jr afirma que o Celso Daniel foi torturado…

    • Perfeito, Rodrigo, perfeito!
      Alguém do PT irá depor na Comissão da Verdade sobre esta tortura e assassinato?!
      Assim como os militares que assinaram um documento recentemente que irão investigar as torturas acontecidas nas dependências do Exército (quartéis), o PT fará o mesmo no âmbito de seu partido?

    • Pois esta jornalista deve imediatamente entrar com pedido de indenização na condição de perseguida política, e receber vultosa quantia como tiveram suas compensações os que perderam seus empregos na ditadura!
      Ou, então, estamos diante de clamorosa injustiça e, como bem afirmaste, Rodrigo, convivendo com uma falsa democracia, o regime petista de governar!

      • Isso nada tem a ver com anistia política e ditadura militar que prendia sem ordem judicial o empregado em seu local de trabalho e, em consequência, o empregador não tinha condição de mantê-lo no quadro de empregados e continuar lhe pagando salários. O caso aí aventado é relação empregado-empregador regida pela CLT sob o atual Estado de Direito Brasileiro. Lembro que sob o “regime petista”, a BAND demitiu em 2004 o Kajuru, DIZEM, sob influência do “regime tucano” mineiro, porque ele afrontou o governador Aécio e seu amigo Ricardo Teixeira (google, Esporte Total, wikipedia). Ademais, procure se informar melhor sobre essas “vultosas” indenizações ( os 100 mil reais de prestação ÚNICA congelados desde 2002 ou a media de aposentadorias de 2 mil mensais para baixo que até servidores públicos federais demitidos pela ditadura, presos, processados ou exilados legalmente expelidos do país com salvo condutos da ditadura estão a ganhar desde que o “regime petista”chegou ao poder?). Procure ler a Lei 10559/2002 e a definição LEGAL de empregado (iniciativa privada) no artigo TERCEIRO, da CLT, principalmente no detalhe de sua DEPENDÊNCIA ao empregador. Olha, empregado que prejudica interesse ECONÔMICO de empregador é demitido em qualquer lugar do mundo. Só tem direito a pleitear verbas rescisórias e na JUSTIÇA DO TRABALHO, caso não sejam pagas.

        • Não foi, por acaso, o desafeto de Hélio Fernandes, o jornalista Cony, que recebeu VULTOSA indenização por ter sido vítima da ditadura?!
          Que eu saiba, existem outros casos semelhantes de perseguidos politicos que receberam quantias significativas. Um deles, apesar de ter sido suspenso o salário que a família vinha recebendo, é o de Lamarca, supreendentemente!
          Um desertor, assassino, que foi promovido após a sua morte (!), e seus familiares recebem a pensão de General de Brigada, por enquanto suspensa porque o Exército alegou que ele não pertencia mais às FFAA justamente por ter desertado.

          • Esses são os amigos do governo. Trabalharam livremente durante a ditadura e jogaram duplo. Refiro-me à maioria, os que penaram na clandestinidade, nas prisões, nos desempregos por falta de atestados que a ditadura impunha e os exilados que a ditadura negava documentação até para seus filhos nascidos no exílio. No período do que você chama “regime petista” recebem após ANOS E ANOS DE LUTAS ADMINISTRATIVAS, INCLUSIVE MEDIANTE RECURSOS, o que lhe informei, isto é, MENOS QUE UM SARGENTO REFORMADO, ou melhor CABO, e MUITO MENOS que todos os torturadores nunca punidos nesses últimos 45 anos. Lamarca foi militante político e foi morto pela ditadura. Foi anistiado post mortem e sua mulher deve estar recebendo pensão. Aí nada tem a ver com torturadores de presos políticos. Por favor, não misture mais coisas, como acima fez com o caso do SBT. Se você é contra a anistia de quem lutou contra a ditadura, é sua posição e não quero mais perder tempo. A minha é clara. TORTURADOR DE PRESO POLÍTICO É CRIMINOSO DE GUERRA E CONTRA A HUMANIDADE, qualquer que seja a ideologia. E os da ditadura militar estão IMPUNES até mesmo com a ajuda desse, segundo você, regime petista, porque o LULA ACIONOU SUA AGU no final de seu governo para protegê-los no judiciário. Não se lembra? Pesquise então na sua internet.

  11. O Foro de São Paulo e os comunistas estão loucos para, enfim, conseguirem fazer aquilo que em 64 não conseguiram.

    O problema para eles é que a população brasileira é conservadora e não está sendo fácil tomar o poder e subverter a nação à vontade dos comunas.

    • “População brasileira” não é pessoa física para ser analisada como progressista, ou conservadora.
      Você deve falar por você. Mas não queira angariar adeptos com o termo “população brasileira”, uma bobagem. E você sabe que é.

  12. “Se você não gosta das Forças Armadas porque elas torturaram e mataram, então, seja, pelo menos, coerente. E passe a nutrir o mesmo dissabor pela corja que explodiu sequestrou e justiçou, do outro lado. Mas tenha certeza que, se um dia for necessário sacrificar a vida para defender nosso território e nossas instituições, você só verá um desses lados ter honradez para fazê-lo.”
    Alexandre Garcia

  13. Caro Wagner Pires, as endêmicas urnas eletrônicas já devem estar incumbidas de facilitar-lhes o processo. E que bom seria se o Brasil tomasse ciência de quem à época foi contra e quem foi a favor do golpe. Por isso as estrelas globais temem as biografias não autorizadas. Brasil, mostra tua cara!

  14. É importante observar que debates como este, estabelecendo falsos dilemas entre a sustentação de uma ditadura de um lado e a luta armada em busca do poder de outro, fogem do foco: O GOLPE MILICO-PARLAMENTAR de 1964 foi contra a Era Vargas que tinha como maiores expoentes na época João Goulart e Leonel Brizola, respectivos Presidente da República e Deputado Federal eleito com quase 1/3 dos votos pelo antigo Estado da Guanabara/Rio de Janeiro.

    E que, afinal, a chamada “abertura democrática” ocorrida a partir de 1979 com o retorno de exilados como Brizola (Jango havia falecido na Argentina três anos antes), foi cercada de garantias para que o Trabalhismo jamais voltasse ao poder e neste sentido as cúpulas dirigentes e a mídia nacional abriram generosos espaços para Lula crescer como alternativa popular, riscando o getulismo da escalada presidencial.

    Brizola dizia, por isto, que o Brasil caiu no “Conto do Operário” depois de haver caído em outros dois contos, o “Conto do Marajá” elegendo Collor e o “Conto do Sociólogo” elegendo FHC. Pobre Brasil…

  15. O que me causa espanto é que a maioria que labutam sobre a ditadura ou contra golpe, nunca levaram cavalos em cima,porrada na cara,mentiras deslavadas que os comunistas comiam criancinhas é fácil hoje falarem só daqueles que estão ainda na crista da onda,mais quem é que fala daquele anonimo que brigou nas ruas ,que ficava igual a sambistas na sua maioria que após o desfile tem que esperar até de manhã para pegar uma condução.Quantas vezes fiquei esperando uma condução na Presidente Vargas,que nunca chegava,nada mais restando do que dormir na calçada esperando um novo dia,onde me dirigia às vezes sujo para o meu trabalho.Portanto esquecer jamais,porém querer desforra, não trará de volta nossos sonhos e pesadelos ,de um dos momentos mais triste que nosso país passou.Bola pra frente, o Brasil é grande apesar dessa turma de corruptos que inundam o nosso país.

  16. Prezado Augusto Heleno , general;

    Meus respeitos e minha consideração.
    Já disse que meu voto, sendo o senhor candidato a presidente, será seu: nenhuma dúvida. Contudo, por favor, cuidado com a ingenuidade: o Brasil NÃO vive uma plena democracia, e muito pior: esse partido que está aí não me parece entender as regras do jogo _ só as que ele faz, simplesmente. Abra o olho, general.
    Outra coisa: o senhor eleito, esse tipo de gente com quem o PT se deita, vai bater à sua porta, com a mesma cara de pau com que têm ido para tv defender, despudoradamente, verbas, verbas, verbas.
    Perguntinha ingênua: o senhor vai resolver isso democraticamente? Lembre-se do filósofo italiano:” Os verdadeiros inimigos da democracia não são os que a oprimem, são os que a deturpam”.
    General, é bom ficar de olhos bem abertos.

    Saudações,

    Carlos Cazé.

  17. Laco,
    Respondo aqui embaixo por não haver lugar imediatamente ao teu comentário.
    Em princípio, quem está fazendo confusão és tu!
    “Se você é contra a anistia de quem lutou contra a ditadura, é sua posição e não quero mais perder tempo. A minha é clara. TORTURADOR DE PRESO POLÍTICO É CRIMINOSO DE GUERRA E CONTRA A HUMANIDADE, qualquer que seja a ideologia.”
    Jamais eu disse algo em contrário.
    Tenho comentários anteriores que comprovam a minha ojeriza e ódio aos torturadores, da mesma forma como AGORA tu estás esclarecendo:
    “… QUALQUER QUE SEJA A IDEOLOGIA” (grifo meu).
    Então não entendo a tua discussão comigo, haja vista pensarmos igual.
    O problema é que objetivas o passado e, eu, tanto aquele quanto ao presente, e na mesma medida.
    Não é porque estamos sob democracia (discutível), que os direitos humanos estão sendo preservados. Ledo engano.
    AS PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS CONTINUAM contra jornalistas que criticam o governo, razão pela qual considero que, na mesma proporção dos que foram vítimas na ditadura, que também sejam compensados neste governo petista!
    Digo mais:
    Os presos que foram mortos em presídios ou delegacias por culpa exclusiva do Estado que os tinha em sua tutela, também seus familiares deveriam pleitear as mesmas compensações ou, por acaso, os direitos assegurados pela Constituição é somente para alguns e não para a maioria?!
    Desta forma, os prejudicados, os torturados e mortos no regime militar e, IGUALMENTE, os que pereceram nos governos ditos civís e democráticos, devem ser indenizados, cujo serviço esta Comissão da Verdade travestida como tal, deveria investigar as mortes ocasionadas pela negligência ou omissão Estatal tanto durante o regime militar quanto de lá para cá, repito.

  18. Qualquer um pode pleitear direitos. Uma vítima hoje de um guardião do Estado também. Só que não será apreciado pela comissão de anistia do MJ, criada especificamente para um determinado fim de acordo com a lei, e sim pela administração pública ou no juízo competente. O que lhe pretendi explicar é que os casos da jornalista do SBT e/ou do Kajuru, supostamente punidos por influências de “regimes”petista e tucano, respectivamente, NÃO PREENCHEM OS REQUISITOS LEGAIS para serem apreciados pela Lei 10559/2002. De mais a mais, não acredito em regimes petista, tucano ou de qualquer sigla dessas aí, porque todos esses governantes não passam de gerentes do regime capitalista. Aliás, desde o final da 2 guerra, nenhuma sigla obteve maioria parlamentar para governar e gerenciar o regime capitalista brasileiro ao seu bel prazer. A imensa maioria do povo brasileiro nem é afiliada a essas siglas, vive num sufoco para sobreviver e sabe que desse mato não sai cachorro, e duvido muito que comentaristas aqui saibam onde se localizam suas sedes ou percam tempo em lerem estatutos e programas delas.

    • Tá, disseste verdades indiscutíveis, Laco.
      Evidente que para pleitear as indenizações que citei acima algum fundamento deve haver, onde se poderia criar uma lei que desse sustentação à continuidade de demissões que ainda são ocasionadas em razão de interesses governamentais ou políticos.
      Quanto ao resto, tens razão absoluta sobre as afirmações que fazes ao final do teu texto quanto aos partidos existentes, até porque perderam eles mesmos suas essências, legitimidades, originalidades quando admitiram por conveniências participar de bases à situação, o apoio necessário para implantação de leis e medidas que beneficiassem o governo, mesmo em detrimento das necessidades da população, ironia e deboche para o povo que os elegeu para ser representado por traidores!
      Enfim, esta é a maneira de se fazer política no Brasil, exatamente porque definiste muito bem como somos:
      “A imensa maioria do povo brasileiro nem é afiliada a essas siglas, vive num sufoco para sobreviver e sabe que desse mato não sai cachorro, e duvido muito que comentaristas aqui saibam onde se localizam suas sedes ou percam tempo em lerem estatutos e programas delas.”

Deixe uma resposta para luiz fernando freiore Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *