Sucessão do presidente Jair Bolsonaro ainda depende de uma longa estrada até 2022

Resultado de imagem para bolsonaro reeleição charges

Charge do Jota A (O Dia/PI)

Pedro do Coutto

O espaço de dois anos na política é uma longa estrada cheia de surpresas e alterações inesperadas e imprevisíveis com mudanças repentinas de tendências e obstáculos. Carolina Linhares, Folha desta sexta-feira, analisou as vitórias e Bolsonaro nas eleições de Rodrigo Pacheco e Arthur Lira como uma dificuldade para que a oposição se articule no rumo das urnas.

Minha experiência, porém, me faz pensar que nesses dois anos podem acontecer mudanças nos rumos das eleições. As vitórias de Pacheco e Lira não têm maior influência na campanha presidencial.

SITUAÇÕES DIVERSAS – Uma coisa é a escolha de dirigentes do Congresso, outra, muito diferente, a seleção dos candidatos e o desempenho deles. Isso porque um conjunto não é apenas a soma das partes, traz consigo sempre reflexos diversos passando por uma série de situações políticas.

O presidente Bolsonaro empenhou-se a fundo no apoio aos novos presidentes da Câmara e do Senado. Isso não tem vinculação com a campanha voltada para o eleitorado de 140 milhões de homens e mulheres. Não tem cabimento também dar-se muita ênfase ao peso das legendas partidárias, muito mais importante é o desempenho dos rivais em confronto.

Se o peso partidário fosse algo inexpugnável, o general Teixeira Lott teria sido eleito em 1960, pois era apoiado pela coligação PSD-PTB que cinco anos antes levou JK a vitória nas urnas de 1955.

EXEMPLO DE JANGO – Se a soma das legendas fosse um atestado de força política o presidente João Goulart não teria sido deposto. Jango foi sustentado pelo governador Brizola e formou seu governo com apoio do PSD, PTB e também da UDN. Vejam só; Virgílio Távora no Ministério dos Transportes, Gabriel Passos em Minas e Energia, Afonso Arinos embaixador do Brasil junto a ONU. Moreira Sales na Fazenda, Ulisses Guimarães na Indústria e Comércio. A UDN rompeu em 1962. O resto pertence à história moderna do país.

5 thoughts on “Sucessão do presidente Jair Bolsonaro ainda depende de uma longa estrada até 2022

  1. Até agora nenhum outro candidato é aceito pelo povo e teria condições.
    O calcinha apertada já se queimou com o povo e nem às ruas tem coragem de sair.
    O da GloboLixo não engana o povo nem aqueles que receberam o lata velha.
    Vamos aguardar.

  2. As chances do Pinóquio para um segundo mandato ainda são muito grandes, o País começa a se recuperar já este ano e no próximo começa acrescer de fato. Mas o Pinóquio é muito louco, pode por tudo a perder com as declarações mais loucas possíveis, aí pode pisar no pé de alguém e fazer a casa cair para ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *