Supremo afasta Helton Yomura, ministro do Trabalho, por fraudes na pasta

Yomura foi indicado pelo PTB para ocupar o cargo

Deu em O Globo

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quinta-feira, uma nova fase da Operação “Registro Espúrio”. Ela investiga uma possível organização criminosa que atua na concessão fraudulenta de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho. O ministro interino da pasta, Helton Yomura, foi afastado do cargo por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Além disso, a ação contou com 10 mandados de busca e apreensão, sendo um deles no gabinete do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), além de três mandados de prisão temporaria. O chefe do gabinete de Marquezelli foi preso.

De acordo com a Polícia Federal, Yomura, que assumiu o cargo interinamente, agiria como “testa de ferro” dos interesses da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) e de seu pai, Roberto Jefferson (PTB-RJ).

IMPEDIDA – Cristiane Brasil foi impedida de assumir a pasta no início do ano, após a revelação de que fora processada por ex-funcionários na Justiça do Trabalho e que utilizava contas de uma outra funcionaria para realizar o pagamento de suas condenações.

Ainda segundo a PF, Yomura representaria os interesses da alta cúpula do PTB no ministério, e agia ativamente para realizar e coordenar os desvios na pasta. Como revelado pelo Globo, Jefferson e Brasil teriam orientado uma ONG que prestava serviços à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) a fraudar os requisitos necessários para conseguir o registro sindical no Ministério do Trabalho.

Em entrevista à televisão, Marquezelli disse que “todos os deputados do PTB”, partido em que é vice-líder, serão investigados na operação para avaliar se participaram ou não no esquema de emissão de fraudes nos registros sindicais.

MEDIDAS CAUTELARES – Além dos mandados expedidos pelo STF, após determinação do ministro Edson Fachin, também serão impostas medidas cautelares para a proibição dos investigados de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com os demais servidores da pasta, além da suspensão do exercício de suas funções.

Segundo a PF, as investigações das primeiras fases da operação indicam que importantes cargos dentro do Ministério foram preenchidos de acordo com os interesses dos grupo criminoso, o que permitiria a manutenção das ações ilícitas na pasta.

Deflagrada originalmente em maio, a “Registro Espúrio” teve 23 mandados de prisão e 64 de busca e apreensão. Na época, as investigações apontavam para fraudes de concessões de registros sindicais que chegariam ao valor de R$ 4 milhões. Também na ocasião, os gabinetes dos deputados federais Paulinho da Força (SD-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB) foram alvo de busca e apreensão.

6 thoughts on “Supremo afasta Helton Yomura, ministro do Trabalho, por fraudes na pasta

  1. O nosso Supremo é tão averso ao trabalho, que agora decide atentar, justamente, contra a maior autoridade trabalhista da nação!

  2. O PTB foi originalmente imaginado pelo Bezerra da Silva e inspirou antecipadamente a música Reunião de Bacana.

    “Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *