Supremo libera depoimento do ex-diretor da Petrobras na CPI, mas falta o juiz autorizar a viagem

Caros Newton

Como se sabe, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, liberou sexta-feira o novo depoimento do ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa à CPI Mista que investiga irregularidades na estatal.

Preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, Paulo Roberto Costa foi convocado a comparecer à CPI na próxima quarta-feira, para falar sobre os depoimentos prestados em função do acordo de delação premiada, em que o ex-diretor diz que distribuiu propinas da estatal a uma série de políticos.

Para permitir o depoimento, o ministro Zavascki, na condição de relator no Supremo dos processos referentes à Operação Lava-Jato com réus de foro privilegiado, alegou que não cabe ao Judiciário interferir nas convocações feitas por comissões de inquérito do Congresso e liberou o comparecimento de Costa à CPI.

Ao mesmo tempo, Zavascki decepcionou os parlamentares, por não ter enviado à CPI os novos documentos que fazem parte da delação premiada, que eram o grande objetivo dos membros da CPI. O ministro explicou que ainda não tem essa documentação, porque, ao menos em seu gabinete, só existem as informações constantes de dois processos judiciais, ambos já enviados à comissão na última quarta-feira.

DEPENDE DO JUIZ

Outro problema para a CPI é que o réu Paulo Roberto Costa está sob jurisdição e competência do juiz federal Sérgio Moro, que tem agido com independência em relação ao Supremo. Recorde-se que quando o ministro Zavascki equivocadamente mandou soltar o diretor da Petrobras, o juiz mandou prendê-lo de novo, porque havia flagrante risco de fuga.

Além disso, a assessoria da Procuradoria-Geral da República já informou que o procurador Rodrigo Janot é contra o novo depoimento de Costa no Congresso, por entender que o compartilhamento de informações com a CPI possa atrapalhar as investigações e até prejudicar a delação premiada.

O relator da CPI Mista, deputado Marco Maia (PT-RS), diz que, se for necessário, o depoimento do ex-diretor será feito de forma reservada, em sessão secreta. De toda forma, porém, a decisão será do juiz federal Sérgio Moro, o único magistrado que conhece o explosivo teor dos novos depoimentos do ex-diretor da Petrobras.
Como dizia o grande publicitário e compositor Miguel Gustavo, nosso vizinho no famoso Edifício Zacatecas, o suspense é de matar o Hitchcock…

6 thoughts on “Supremo libera depoimento do ex-diretor da Petrobras na CPI, mas falta o juiz autorizar a viagem

  1. Esse cara só pode ser doido. Aceitar devolver 23 milhões surrupiados da Petrobrás, quando o governo afirma que não houve corrupção na estatal? …e os caras-de-pau só fazem aumentar.

  2. Atrás disso a PF até hoje não foi!…(…)..

    http://www.diariodopoder.com.br/coluna/

    14 DE SETEMBRO DE 2014
    PROTÓGENES ACHA QUE ATENTADO MATOU EDUARDO
    Conhecido por haver prendido o banqueiro Daniel Dantas, o delegado federal e deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) suspeita que a morte de Eduardo Campos nada teve de acidental, foi um atentado, segundo segredou a colegas da PF. Ele chegou a Santos logo após a tragédia, colheu indícios e depoimentos e os enviará à Procuradoria-Geral da República, com o pedido para aprofundar as investigações.
    ESTRANHO
    Protógenes disse a policiais ter ficado intrigado porque o local nem sequer foi preservado. Delegados da PF somente apareceriam à noite.
    AÍ TEM COISA
    Entre os objetos colhidos, o delegado Protógenes encontrou na lama a capa de um livro do piloto, intacta, mas sem as páginas internas.
    REENCONTRO
    No dia da tragédia, Protógenes estava na expectativa de rever Eduardo Campos, com quem se encontrou em 1o de maio e na Semana Santa.
    LEVANDO A SÉRIO
    A hipótese de atentado contra Eduardo sempre foi mencionada, mas ninguém a levou tão a sério quanto o delegado Protógenes Queiroz.

  3. Prezado Carlos Newton,
    Não li a revista, nem ouvi qualquer comentário sob a prometida bombástica edição de Veja do final de semana, sobre o depoimento de Paulo Roberto Costa. Poderia comentar a respeito?

    • Os “vazadores” da Polícia Federal, Fabio, desta vez mudaram a estratégia e privilegiaram a ISTOÉ, que saiu com outros quatros nomes de importantes parlamentares beneficiados no esquema. Certamente, na próxima semana, a escolhida seja a Época??? Só não farão vazamento através da Carta Capital, por motivos óbvios.

      Abs.

      CN

  4. A matéria da “IstoÉ”, publicada na noite desta sexta-feira (12), cita os nomes do governador do Ceará, Cid Gomes (Pros); do senador e candidato ao governo do Mato Grosso do Sul, Delcídio do Amaral (PT); do senador e candidato a vice-governador no Rio, Francisco Dornelles (PP); e do deputado federal e candidato à reeleição no Rio Eduardo Cunha (PMDB).

    Detalhe: O jargão “afinal de contas, o nosso povo merece respeito!” é pronunciado diariamente pelo Deputado Federal Eduardo Cunha em sua campanha política.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *