Supremo não permitirá a desmobilização da Lava Jato e vai reagir. Acredite se quiser.

Resultado de imagem para supremo charges

Charge do Bier (Arquivo Google)

Carlos Newton

Quem pensa que a Lava Jato está morrendo vai ter uma surpresa muito desagradável e pode até ser acordado às 6 horas da manhã por alguma equipe da Polícia Federal, caso esteja envolvido em alguma das rachadinhas da vida política e empresarial.

Apesar do estardalhaço da facção da imprensa que sonha com a desmoralização do ex-juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato, na vã esperança de que Lula da Silva volte ao poder, pode-se garantir que se trata de nuvem passageira, logo vai sumir no horizonte institucional.

SÓ APARÊNCIAS –  Na política, quase sempre as aparências enganam. Sabe-se que todo o espetáculo que está sendo encenado contra o chamado “lavajatismo” visa a blindar políticos e empresários corruptos, a começar pelo senador Flávio Bolsonaro, e tudo isso faz parte do novo pacto entre Executivo e Legislativo, que inclui a rejeição do impeachment do presidente Bolsonaro.

Ao contrário do que ocorreu em 2019, quando o Supremo era presidido por Dias Toffoli e praticamente liderou o primeiro pacto entre os poderes, agora quem comanda o STF é Luiz Fux, um grande defensor da Lava Jato e do combate à corrupção.

É preciso lembrar que, logo após assumir a presidência do Supremo, Fux conseguiu esvaziar a estratégica manobra que vinha sendo executada na Segunda Turma, onde os “garantistas” asseguravam  a impunidade de notórios criminosos.

DE SURPRESA – Foi em 7 de outubro de 2020, menos de um mês após Fux tomar posse. Não mais que de repente, à moda de Vinicius de Moraes, o novo presidente colocou em votação a obrigatoriedade de toda ação penal ser julgada pelo plenário. O golpe foi tão certeiro que até Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello também votaram a favor. Ninguém teve coragem de defender o indefensável.

Agora, o prevaricador-geral Augusto Aras – digo, procurador-geral – faz o que pode para declarar a Lava Jato extinta, desfaz as equipes,  ameaça processar integrantes do Ministério Público, mas todo esse esforço não vai adiantar nada.

Por mais que Aras se empenhe, tentando agradar o presidente e a bancada da corrupção, seus golpes jamais atingirão o espírito dessa nova geração de juízes, procuradores, delegados e auditores, que continuam dispostos a passar esse país a limpo, enquanto a geração anterior tenta voltar a emporcalhá-lo a todo custo.

###
P.S. – Ninguém é perfeito, o ministro Luiz Fux não é exceção à regra, inclusive já apontamos aqui na TI alguns erros que cometeu, mas ele vai ficar na História como o presidente do Supremo que lutou para recuperar a dignidade do Poder Judiciário. E pode ser até que consiga atingir esse objetivo. Depois voltaremos ao assunto, mostrando como o combate à corrupção vai acabar sendo aprovado pela maioria dos ministros do STF. (C.N.)

6 thoughts on “Supremo não permitirá a desmobilização da Lava Jato e vai reagir. Acredite se quiser.

  1. Tá enfadonho, mas vamos lá.
    Essa obsessão de que apontar os erros da lava jato tem como objetivo a volta de Lula, soa como um ato de fé.

    Talvez seja a ânsia de defender o seu escolhido, aquele que não pode jamais sofrer qualquer crítica. O culto às personalidades sempre acaba mal, a historia nos mostra isso.

    Qual o problema de apontar os excessos da equipe da lava jato? O poder que mais deveria seguir as leis é o judiciário, incluindo o MP.

    No início, o STF até fechou os olhos ante tais excessos, mas depois muitos integrantes resolveram agir.

    O combate à corrupção deve ser permanente, porém dentro das regras legais, caso contrário vai se parecer com qualquer ditadura, nesse caso a ditadura do judiciário.

    Criminosos não seguem as leis e regras, por isso são punidos. E o sistema judiciário está aí para colocar na balança as culpas e as atenuantes.

    Cada qual com sua função: o MP para reunir elementos e provas para acusar e a defesa para rebater as acusações. E o que cabe ao juiz? O juiz deve ser aquela pessoa imparcial que vai pesar isso, seguindo restritamente a coisa legal. Se tomar partido para qualquer lado, deixa de ser isento.

  2. Todas as vezes que ouço ou leio loas a qualquer “salvador” da pátria percebo a pobreza dos argumentos que virão a seguir.

    A Justiça, que até hoje não encontrou o caminho que conduz a Pindorama, travestiu-se de escudo para os poderosos continuarem a ignomínia da Exploração, da Roubalheira consentida, do Crime institucionalizado e de criminosos nos mais diversos poderes à exemplo de

    Moro, Cunha, Lula, Boçalnaro, general Kruel, Mariel Mariscot…

    Sérgio Moro é a “mosca que sonhava ser águia”, título de um dos melhores textos do genial contista hondurenho Augusto Monterroso. É o típico personagem carreirista e medíocre, que tem consciência da própria mesquinhez e que, apesar dos sonhos de grandeza, acaba sempre se debatendo com sua própria ignomínia, com sua condição de anão moral.

    “Havia uma vez uma Mosca que todas as noites sonhava que era uma Águia e que se encontrava voando pelos Alpes e pelos Andes”, escreve Monterroso. A mosca da ficção se enche de felicidade nos primeiros instantes de delírio, mas logo percebe que as asas grandes demais, as garras muito fortes e o bico por demais duro acabam por dificultar seus pousos sobre as comidas e sobre as “imundícies humanas”.

    A paródia veste sob medida o ex-juiz. Moro sonha todas as noites ser uma águia, um colosso da luta contra a corrupção, um heroi altaneiro cuja grandeza do vôo intimida seus adversários e suas presas. Mas logo percebe que tamanha estatura não lhe convém – e só consegue enganar mesmo as consciências banais de uma audiência distraída ou imbecilizada pelas fake news.

    Desde os tempos em que aliviava a barra para os amigos tucanos no escândalo do Banestado, ele sabe que a condição de “mosca” lhe é mais útil. Fosse efetivamente uma águia, implacável com os corruptos e criminosos, ele não faria parte do atual governo – nem mesmo teria abadonado a magistratura. Uma vez no governo, suas garras afiadas lhe trariam muitos embaraços para “pousar” nos processos envolvendo os milicianos que orbitam em torno (e por dentro) do clã Bolsonaro. Suas asas longilíneas trariam grandes constrangimentos nos “vôos” da investigação sobre a morte de Marielle. Seu bico seria inflexivel demais para silenciar – como ele silencia – diante da imundície generalizada desse (des)governo.

    Moro sabe que é mosca e nunca será águia. E parece preferir essa condição. Porque sabe que a grandeza de certas “aves” pode lhe trazer transtornos. Sobretudo, em seu alpinismo rumo ao STF, em nome do qual aceita e se rebaixa às piores práticas.

    Filipe Araújo, 13/02/2020
    .
    .
    (O texto é do ano passado. De lá pra cá o seu lado VENAL fica cada vez mais evidente. Quem tem “olhos de ver…” batista.f)

    PS. Desculpem-me mas reiteradamente tenho postado como “apêndice” de comentário de outra pessoa.
    Estupidez minha.

  3. Não entendo alguns comentários, sinceramente, em face de serem demasiadamente contraditórios.
    Conclusão:
    O recado que o autor queria transmitir ele mesmo o anula, então um texto insípido e inodoro.

    Essa questão de se criticar a esperança do povo por um salvador;
    Protestar contra o endeusamento de personalidades;
    Misturar personagens e colocá-los na mesma vala comum, como se os crimes fossem praticados por todos e da mesma forma;
    Críticas ácidas sem qualquer sentido, pois apenas baseadas em simpatia ou antipatia gratuitas;
    Tais acusações demonstram uma certa infantilidade, desconhecimento da espécie humana, descrença até de si mesmo.

    Ao longo da História a humanidade teve inúmeros salvadores, e me refiro aos aspectos sociais, políticos e econômicos.
    Não há como o homem ser salvo que não seja por outro homem, que se dedicará às causas do povo e trabalhará incansavelmente para que o cidadão tenha uma vida menos atribulada e expectativas positivas.

    Para quaisquer tipos de crimes cometidos existem agravantes e atenuantes. Desconsiderá-los é ser injusto, logo, o que se pretende é ofender, agredir, insultar sem que sejam considerados detalhes fundamentais de um e de outro criminoso.

    Se o homem descrê da capacidade de outro homem diminuir os problemas de um povo e de uma nação, na verdade ele deixa de acreditar em si mesmo. Em consequência, quando lê ou ouve elogios dirigidos a certas pessoas, e se manifesta contrário às loas publicadas demonstra, através de textos ambíguos, a sua incapacidade, ineficiência, ineficácia, de sequer tentar ajudar o próximo.

    O mundo teve e tem inúmeros salvadores humanos:
    Médicos, engenheiros, advogados, professores, policiais, pesquisadores, cientistas, políticos, presidentes, magistrados …
    Negar o bem que essas pessoas fizeram é não só ser ingrato, como deixar de reconhecer a importância de cada ser humano para o próprio ser humano, onde não existem soluções que não passem pela mente e corações de cada um de nós!

    Desvalorizar essa qualidade que temos (salvadores de nós mesmos) para menosprezá-la, diminuí-la, simplesmente se mostra para o mundo que se é uma pessoa desinteressada, alheia aos problemas de todos, egoísta, exclusivista, que desconhece o bem comum.
    Podemos não ter mais os salvadores de antes, vá lá, mas quem pode afirmar que amanhã ou depois não surja aquele que resolverá as graves injustiças vividas pelo povo?

    Da mesma forma, desconsiderar o bem que as pessoas fizeram, e condenar quem errou com os mesmos critérios de quem praticou crimes, a injustiça é flagrante, a má vontade é evidente, a falta de elementos para separar o mau do bom é escandalosa.

    Quanto mais Moro tem sido desprezado, humilhado, ofendido, mais se está enaltecendo o quanto Lula foi nocivo e nefasto para o povo e Brasil.
    Quanto mais querem lhe imputar condenações, e aliviar os danos e prejuízos de Lula, o efeito se dá ao contrário:
    Moro está sendo exaltado, e Lula menosprezado merecidamente.

    Quanto às comparações insensatas de seres humanos com insetos, aves, predadores … cada ser vivo tem o seu papel na natureza.
    A mosca, a águia, a hiena … qualquer ser existente neste planeta cumpre com as suas obrigações.
    A mosca nunca será uma águia, evidente, o mesmo com os pessimistas e mal agradecidos, que jamais serão bem quistos.

    Lembro que a águia dá de comer para suas crias animais que os caça vivos! E, assim, às bicadas, as pequenas aves predadoras crescem, à base de matanças de outros animais.

    Moro cresceu como pessoa e juiz sem matar quem quer que fosse.
    Lula diminuiu como pessoa e presidente do Brasil matando brasileiros com as quantias que roubou.

    Compará-los como se fossem marginais do mesmo nível é indecente, para se dizer o mínimo!

  4. O Pinóquio se elegeu com muitos votos daqueles que apoiam a Lava Jato. Nem bem acabou de assumir e o Pinóquio já começou a trair a Lava Jato, vendo no Moro um rival e não um combatente da corrupção. A destruição da Lava Jato tornou-se o objetivo principal de muito ministro da suprema corte, do ministério da Justiça, da PGR e até do CNJ. Um horror. Nem falo dos advogados e escritórios que ganharam fortunas defendendo ladrões e corruptos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *