TCU também desmente Pazuello e diz que não ter recusado vacina da Pfizer

À mesa, relator da CPI da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Renan mandou conferir para desmentir Pazuello

Julia Lindner e André de Souza
O Globo

 O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi desmentido na CPI da Covid pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre um suposto parecer do órgão com restrições à compra de vacinas, o que incluiria as tratativas com a Pfizer no final do ano passado.

Mais cedo, ao ser questionado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) sobre a demora nas negociações com a Pfizer, Pazuello disse que recebeu recomendação contrária dos órgãos de controle, incluindo o Tribunal de Contas da União (TCU), além da Advocacia Geral da União (AGU) e Controladoria Geral da União (CGU).

DISSE PAZUELLO — “Essa proposta, apesar de eu achar pouquíssima a quantidade de 8,5 milhões de doses no primeiro semestre, nós seguimos em frente: ‘Vamos assinar o memorando de entendimento’. Mandamos para os órgãos de controle, a resposta foi: ‘Não assessoramos positivamente. Não deve ser assinado’. A CGU, a AGU, todos os órgãos de controle, TCU. ‘Não deve ser assinado’. E nós assinamos, mesmo com as orientações contrárias. Determinei que fosse assinado, porque, se nós não assinássemos, a Pfizer não entraria com o registro na Anvisa” — disse Pazuello.

De acordo com ex-ministro, as tratativas ocorreram em dezembro e, na sequência, a questão foi levada ao Palácio do Planalto para tentar resolver o impasse no Legislativo, seguindo as orientações dos órgãos de controle. O projeto de lei só foi apresentado no final de fevereiro, por iniciativa do Senado, e aprovado no início de março deste ano.

LÍDER ATÉ SE ANIMOU – Diante das informações de Pazuello sobre o suposto parecer do TCU, na sessão de quarta-feira o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE) até se animou, chegou a dizer que ele deveria continuar a falar porque estava trazendo informações novas.

— Têm informações que a Comissão nem conhecia. Eu não sabia que o Tribunal de Contas da União tinha uma recomendação contrária à assinatura do memorando de entendimento. Isso é novidade para mim — declarou Bezerra, após reclamações do relator de que a testemunha deveria ser mais objetiva nas respostas.

Algumas horas depois, Renan Calheiros comunicou que recebeu informações do TCU negando a informação do ex-ministro. De acordo com Renan, a Corte “nunca deu parecer contrário à compra de vacinas”. Pazuello então reconheceu o erro, pediu desculpas e disse que confundiu TCU com AGU e CGU.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É um festival de lorotas. Nem a AGU nem a CGU têm de aprovar previamente decisões do governo. O general “viajou geral”, como se dizia antigamente, quando alguém não conseguia dizer coisa com coisa. (C.N.)

8 thoughts on “TCU também desmente Pazuello e diz que não ter recusado vacina da Pfizer

  1. Prezado, ministro Pazuello: o senhor arrebentou nosso esquema. Estava tudo certo com o consórcio Covax Facility, que estava empurrando 50% das vacinas no Brasil, à US$ 40 dólares a unidade. Enquanto isso, o senhor negociava à US$ 3,75.
    E você aí achando que era pela saúde. Fraudemia!

  2. E agora, Jair
    Que o Ernesto amarelou
    Que o Salles roubou
    Que Wantergarten mentiu
    Que o Pazuello seguiu
    O que o mestre mandou?

    E agora, Juju
    Que a Miche doou sem vascilar
    Para o Pastor e seu Deus
    Os milhões que não eram seus?

    E agora, Messias
    Que os médicos atestam
    Sem qualquer hipocrisia
    Que a Cloroquina é frescura
    E que só a vacina é que cura?

  3. Meus amigos pasmem, o @randolfeap – senador Gazela do DPVAT, teve a coragem de fazer essa pergunta:

    “Por que o painel coronavírus do MS coloca a letra de recuperados com tamanho maior do que os confirmados e os óbitos?”

    E acrescentou que por causa disso o MS estaria “escondendo o número de óbitos”.

Deixe um comentário para Armando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *