Tema a ser debatido: futuro governo enfrentará estouro dos gastos públicos

Resultado de imagem para rombo nos gastos publicos charges

Charge do J. César (Humor Gráfico)

Rosana Hessel
Correio Braziliense

No ano que vem, o novo presidente já assume com um problema para resolver. O teto dos gastos, instituído pela Emenda Constitucional nº 95, em 2016, para conter o crescimento das despesas primárias, corre risco de ruir. Apesar de a inflação acumulada do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 12 meses até junho, de 4,39%, ter elevado o limite de despesas sujeitas ao teto de R$ 1,386 trilhão para R$ 1,407 trilhão no ano que vem, segundo especialistas, a correção pode não ser suficiente para cobrir o aumento de gastos. E, o que é pior, as despesas discricionárias (não obrigatórias) que, normalmente, são cortadas, mínguam ano a ano, reduzindo a margem de cortes.

O economista Gabriel Leal de Barros, diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI), afirma que, pelas contas da entidade, “há grande probabilidade de as despesas primárias superarem o teto em 2019 ou deve haver alguma dificuldade para o custeio dos ministérios”.

ROMBO OFICIAL – Na semana passada, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, fez uma estimativa de que despesa obrigatória contratada — sujeitas ao teto — deverá crescer R$ 74 bilhões no ano que vem. Vale lembrar que despesas novas, que entraram como extraordinárias no Orçamento deste ano, devem elevar o rombo fiscal do próximo relatório bimestral do governo para a meta cheia, de R$ 159 bilhões. É o caso dos R$ 9,5 bilhões de subsídio para o diesel, que ainda precisarão ser contabilizadas como despesa primária em 2019.

Por enquanto, o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2019, prevê que as despesas primárias devem aumentar R$ 51,6 bilhões, valor facilmente coberto pela nova margem do teto. No entanto, apenas dois itens que compõem esses gastos — pessoal e benefícios previdenciários — crescerão R$ 62,5 bilhões no ano que vem. Logo, o corte de investimentos é certo. As despesas discricionárias, da qual fazem parte, passarão de R$ 128,9 bilhões neste ano para R$ 98,4 bilhões em 2019.

TETO FURADO – Para o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, “o teto não se sustenta”. Na opinião dele, mesmo se tivesse havido uma reforma da Previdência mais ampla do que a proposta pelo governo, “ainda seriam necessárias medidas adicionais para contenção de gastos”.

“A regra do teto implica ajuste gradual duro. O governo vai ter de começar a cuidar da despesa obrigatória. Mesmo que haja reforma da Previdência, o impacto fiscal não é imediato. Cumprir o teto envolve a Previdência e outras coisas, ou seja, um ajuste gradual pelo lado das despesas”, diz Mansueto.

Para o secretário do Tesouro Nacional, existem duas formas de fazer ajuste fiscal: ou aumentando a arrecadação ou cortando despesa. “Não tem fórmula mágica. Portanto, esse debate em torno do teto tem de ser feito e de forma muito séria”, alerta.

DESCUMPRIMENTO – Os pré-candidatos à Presidência estão divididos em relação à mudança na regra do teto, mas, cada vez mais, têm sinalizado a necessidade de alterá-la se houver a possibilidade de estouro. O assessor econômico de Ciro Gomes (PDT), por exemplo, o economista Mauro Benevides, em entrevista recente ao Correio, afirmou que considera importante retirar o investimento, um dos principais motores do crescimento econômico, dessa conta das despesas sujeitas ao teto para que ele não continue sendo sacrificado.

“Alterar a Emenda Constitucional não é eliminar a emenda. É preciso retirar essa válvula de escape da EC 95, porque, de controle de gastos, essa regra não tem nada. O gasto de pessoal  da Previdência continuam aumentando”, diz.

MANUTENÇÃO – O economista Persio Arida, coordenador do programa econômico do pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, à Presidência, por sua vez, é contra qualquer mudança na regra do teto. Segundo, ele, sem essa emenda, a despesa primária, que passou de 14,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para 20% do PIB, entre 1997 e 2016, continuaria subindo em 2017.

“Somos a favor da manutenção do teto de gastos. Mantê-lo inalterado é condição fundamental para viabilizar nossas metas de zerar o deficit público em dois anos e gerar um superavit primário entre 2% e 2,5% (do PIB) ao final do quarto ano do mandato”, afirma. 

Segundo Arida, o efeito de compressão dos gastos sociais e do investimento público causado pelo teto deve ser resolvido com a reforma da Previdência. “Sem responsabilidade fiscal não haverá nem crescimento expressivo nem geração de empregos na quantidade que o Brasil precisa”, complementa.

TEMA A DEBATER – Agostini, da Austin, ressalta que a regra do teto é um dos temas que não pode estar fora do radar dos presidenciáveis, porque a grande necessidade do próximo governo será aumentar a arrecadação para cobrir as despesas obrigatórias que não param de crescer. “A margem de cortes é muito pequena e, sem a reforma da Previdência, o governo não terá outra saída a não ser aumento de imposto, para, pelo menos, deixar a água um pouco abaixo do nariz”, avisa.

Para ele, não há dúvidas de que o próximo governo, se não tiver maioria no Congresso, não conseguirá governar porque precisará de apoio para fazer as reformas necessárias para reequilibrar as contas públicas. “O próximo governante precisará estar comprometido para corrigir o problema, senão, esquece. Pode colocar no lixo a regra do teto e o endividamento público vai explodir. Aí sim, teremos um problema bem maior pela frente” alerta.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Temos um país engessado, pré-falido e imobilizado, sem condições de crescer para amortizar a dívida. A repórter Rosana Hessel tem razão – a economia precisa ser o principal tema da campanha sucessória. (C.N.)

7 thoughts on “Tema a ser debatido: futuro governo enfrentará estouro dos gastos públicos

  1. Só com crescimento Econômico resolveremos nosso problema de Deficit Fiscal e Endividamento Público, e só com Estabilidade Política teremos crescimento Econômico.

    Nossa Constituiçâo Federal 1988 é geradora de tremenda instabilidade Política, ( Falta de cláusula de barreira aos Partidos Políticos terem Representação no Congresso, sustentação dos Partidos Políticos com Dinheiro Público, Presidência de Coalizāo o que torna o Presidente refém do Congresso, etc, etc ), e tudo isso tem que ser analisado e equacionado.

    Sem se fazer a Reforma Política, a meu ver a Māe de todas as Reformas, nāo teremos Estabilidade Política e muito menos forte crescimento Econômico, de que tanto necessitamos.

  2. Prezado Sr. Carlos Newton, nosso Editor-Moderador,

    Muito Obrigado pela gentil citação. Sou semi-aposentado e ultimamente tenho tido menos tempo livre.

    Mas nunca deixei de ler este bom Espaço de Debates de idéias, mesmo rapidamente.

    Abracāo a TODOS.

  3. Uma auditoria – conforme determina a Constituiçao – na divida pública

    O servidor público, retornará ao antigo método de referencias em todos os 3 poderes, destruido por FkHC. ( Nivel médio – ref de 1 a 30 – Nível superio – ref de 1 a 25 ). Estabelecer , ainda, que nenhuma gratificação ou qualquer penduricalho , pode ultrapassar a 30% do salario base.

    Uma reforma no Judiciario e no sistema Contábil do Brasil, com um novo Código Brasileirlo de Contabilidade. O Código existente é de 1916.

    Acredito que seria um bom começo.

    • Prezado Elmir Bello

      Venho escrevendo sobre este tema, faz muito tempo.

      Sem uma auditoria capaz e isenta, jamais saberemos o tamanho da sacanagem que fizeram e deixamos fazer em nosso país.

      Tem de se abrir tudo, em toas as áreas. Do público ao privado e das pessoas em geral.

      Quem é a favor? Não se surpreenda. Muitos defenderão mas para os outros!

      Somos o país da sacanagem. Querem que mude mas não nos seus direitos. Só nos dos outros.

      Abraço e saúde.
      Fallavena

  4. No país da malandragem ninguém quer perder as regalias do dinheiro público. Juízes querem continuar a assaltar os cofres públicos com salários astronômicos, o Legislativo vai continuar a assaltar e o Executivo com 99% dos contratos super faturados continuarão a aumentar as despesas. A ganância é ilimitada, a classe média e pobre continuará a sofrer com o aumento de impostos para manter a roubalheira. As empresas estão indo embora, agora a classe média e pobre não tem como ir. O país vai se tornar insustentável em todos os níveis devido ao sangue corrupto do brasileiro, este cidadão mundial que ninguém quer perto devido a sua falta de caráter e educação.

  5. Chefe Newton e amigo Bortolotto
    Ambos tem razão, pelo menos na minha opinião.
    Chamo a atenção para alguns pequenos detalhes:
    – nosso país necessita de reformas em todas as áreas;
    – elas não poderão sair das casas legislativas. Absurdo? Não. As duas casa não tem capacidade e nem desejam as mudanças;
    – o candidato que tiver coragem, terá de na campanha informar toda a situação e pedir aos que nele votar que garantam seu mandato e a aprovação das propostas submetidas por ele.

    Se depender de um debate aberto com quem ai esta, nada acontecerá a não ser pior do que já temos hoje.

    A eleição terá de ser plebiscitaria, ou seja: “quem votar em mim estará aprovando e defendendo meu projeto”.

    Se assim não for, o próximo governo não governará e entregará o país antes do término do mandato e pior ainda!

    Abraço a ambos.

    Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *